Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
29
Dez09

POEMAS QUE SORRIEM...

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

 

Curvai-vos! Os poemas são batalhas,

São rios por inventar de espadas cegas,

Causas que desconheces - mas não negas -

Isentas do bolor de humanas falhas!

 

Abri alas pr`a eles, os combatentes,

Que avançam sobre as hostes de insensíveis!

Deixai-os avançar como invencíveis

Porque deles se erguerão causas urgentes!

 

Reparai… a batalha não termina!

[nunca se sabe ao certo quem domina

neste caos que as vontades vão esgrimindo…]

 

Mas, no ponto mais alto da colina,

Nasceram mais poemas que a vermina

Desvaloriza porque estão sorrindo…

 

IMAGEM RETIRADA DA INTERNET

03
Nov09

TUDO O QUE TE DISSE...

Maria João Brito de Sousa

Falei-te de um luar que não conheces,

De um sol que é muito mais peculiar,

De manhãs qu`inda estão por desvendar,

Do estranho marulhar das minhas preces.

 

Falei-te do meu estro imprevisível,

Dos percursos de vida em que não crês

Destas minhas razões, dos meus porquês,

De tudo o que, pr`a ti, seja intangível.

 

Contei-te destas rimas engendradas

Por causas que nem eu sei definir

No mais inesperado dos momentos

 

E dos traços que rasgo, como estradas,

Em espaços que mal posso pressentir

Onde eu dou corpo à voz de outros lamentos …

 

 

 

Tela de Paula Rego - Imagem retirada da internet

08
Mar09

UMA VIAGEM INESQUECÍVEL

Maria João Brito de Sousa

Saiu da agência de viagens arrumando, na malinha a tiracolo, a papelada que escrevera nos intervalos dos telefonemas dos muitos turistas que pediam o apoio da sua “hostess” depois do check-in no hotel. Eram quatro e meia de uma tarde de Verão e as palavras do chefe do Foreign Department soavam-lhe, ainda, aos ouvidos:

- Maria João, gostaríamos de tê-la no nosso próximo Grupo da Getaway Adventures, desde Espanha, acompanhando o grupo desde lá.

Não respondera logo. Esboçara um sorrisinho “polite” e murmurara meia dúzia de palavras que não queriam dizer coisa nenhuma. Aquele momento seria supostamente especial. Era-o. Não da forma que seria para as suas colegas que viviam e trabalhavam de olhos postos na primeira viagem. Na inesquecível primeira viagem.

Para ela era muito diferente. A palavra fazia-lhe despontar raízes por dentro e por fora. Não era medo. Não era falta de ambição. Era uma ausência de medos e um desvio real das ambições… as dela ficavam-se mais por ali, pelas escadinhas da estação do Rossio onde os alfarrabistas de rua espalhavam os exemplares semi-novos e muito antigos onde, inevitavelmente, ficava a viajar durante horas. Colega que a acompanhasse

Acabava por desistir da companhia e rumar sozinha aos Porfírios enquanto ela, esquecida de horas e desoras, se eternizava nas escadinhas, entre páginas de velhos alfarrábios.

Tomava sempre como própria da sua pouca idade aquela excentricidade que tentava dissimular, quantas vezes da forma mais desastrada…

Deixou, em troca de dois exemplares de Nefrologia Clínica, uma boa parte do que ganhara no “transfer” do dia e rumou à estação de comboios, remoendo ainda as palavras do chefe. O raio da viagem estava-se-lhe a tornar incomodativa, colava-se-lhe às páginas do livro, consumia-lhe as letras num rodopio constante que lhe tirava o prazer da leitura… ou da interiorização das palavras que lia. Impedia-a, inclusive, de saborear as cores e os paladares das ideias que se lhe começavam a enredar nos vês, nos iis e nos gês das viagens. Fechou o livro enquanto evitava, com a habilidade de uma longa experiência, um encontrão no senhor que vinha em sentido contrário e que parecia mais interessado nas pedras da calçada do que ela na porcaria da primeira viagem.

Quase, quase a chegar à estação dos comboios perdeu o olhar no céu que escurecia. Parou por instantes e olhou os pombos sedentários que por ali debicavam invisíveis migalhas. Abriu a carteira, retomou o percurso num passo mais decidido e anotou na agenda… “Amanhã – avisar a Benilde de que se vá preparando para tomar o meu lugar na viagem”.

Guardou a agenda enquanto entrava no comboio, pronta para retomar a leitura sobre o diagnóstico precoce das nefropatias.

 

 

 

Recordado para http://fabricadehistorias.blogs.sapo.pt/ 

 

01
Mar09

FORA DO SISTEMA...

Maria João Brito de Sousa

 

Este post vai ser publicado com a opção “pré-datação” e constantemente actualizado em termos de horário, de forma a que, quando esteja visível possa significar que fiquei sem acesso à internet.

Tenho, com efeito, um acesso de banda larga, USB, da TMN em atraso de pagamento. Não houve desleixo. Houve apenas uma tentativa de chegar até onde pudesse e, por vezes, um pouco além. De ser profunda e intensamente “Eu mesma”… aquela qualidade da qual Deus, mais tarde, me pedirá contas…

Penso que não seja novidade para ninguém que estou a auferir de um subsídio da Segurança Social, no valor de 181,91€… foi aumentado, este ano, para 187 e alguns cêntimos de que não consigo, neste momento, lembrar-me com matemática exactidão. A Crise, – o raio da crise! – pelos vistos, anda a fazer grandes estragos em muito boa gente e as beneméritas que me auxiliavam com os animais não lhe escaparam… diminuíram consideravelmente os donativos para o “hospital veterinário” aqui do 4º Frente.

Também não é novidade – penso eu… - que de vez em quando tenho de comer qualquer coisinha. Opto, quase sempre, por uma sopa ou uma meia-de-leite no cafezinho da esquina, por razões que, a mim, me parecem óbvias… mas que talvez só o sejam… para mim. Para mim que pago, sozinha, as contas de água, de gás e de electricidade. Para mim que tenho de distribuir pelas 24 horas que os dias ainda têm – pelo menos para mim e para os animais que comigo coabitam… - o cuidado, higiene e tratamento de 15 criaturas vivas. Contando comigo.Para mim que, estando em casa, não paro um minuto para descansar porque assim o exige esta minha pequena multidão. Para mim que, de alguma forma, estou convicta de ter sido algo dotada em termos de escrita e traço e me encontro, portanto, na obrigação moral de partilhar esses dons. Para mim que, muito ao contrário do que possa parecer, até não sou estúpida de todo e considero que uma vida vale muito mais pela sua qualidade do que pela sua quantidade. Para mim que me sinto, também, na obrigação – alegre obrigação porque é com muito gosto que dialogo através da escrita – de responder aos comentários que diariamente vão deixando nos meus blogs

E, quantas vezes, não tenho de “inventar” horas sobressalentes para “colar” aos dias em que, ininterruptamente, trabalho . Todos os dias.

 

Toda esta prosa para vos dizer que o meu acesso à internet foi cortado, que tenho mais dívidas do que aquelas que gostaria, sequer, de imaginar e que não senhor. Não sou calona nem gastadora. Desenganem-se os descrentes. Não uso a internet para me divertir ou namorar. Não vejo filmes. Não jogo jogos. Não.

 

Eu tive, sempre, a certeza – ou a ilusão? – de ter usado a internet para trabalhar. Para crescer enquanto ser vivo e para, na minha opinião, contribuir para que outros pudessem melhorar um pouco. Penso ter dado o meu melhor. Penso que nada mais – e nada mais importante – se pode exigir a um ser humano. Malgré tout.

 

FORA DO SISTEMA.

 

 

 

PS - Dentro ou fora do sistema, seja qual for a minha orientação espacial ou espácio-temporal, estarei, sempre, profundamente grata a todos os que contribuíram - muito ou pouco, não interessa! - para que os meus dias online não tivessem terminado mais cedo.

Um muito obrigada e um grande abraço de cometa.

 

 

 

 

... era uma vez um cometa que passou e deixou, atrás de si, algumas centenas de sonetos, muitos abraços - todos os que tinha -, sorrisos, algum espanto e também algumas lágrimas.Porque é este, afinal, o destino de todos os cometas.

 

 

 

 

 

 

 

 

26
Fev09

O LIVRO DAS MIL COISAS QUE SONHEI

Maria João Brito de Sousa

 

Um dia. Mais um dia se passou...

Cansaço e esta saudade antecipada

Duma amiga que vai, não tarda nada,

Desertar desta vida em que encarnou.

 

Um livro. Mais um livro aqui ficou

Das palavras que encontro pela estrada,

Da viagem que faço, abençoada

Pelas muitas palavras que vos dou.

 

Uma dor. Outra dor, entre sorrisos...

Nesta viagem, quantos prejuízos,

E quantas alegrias vos narrei?

 

Um passo mais. Ainda tantos passos

Por dar, nestas palavras, nestes traços

Do livro das mil coisas que sonhei...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

30
Jan09

A PERFEITA OCUPAÇÃO DAS HORAS

Maria João Brito de Sousa

picasso-the-source-001.jpg

 

No corpo inacessível de um poema

Mora o ritmo, sereno ou agitado,

Que fala da virtude,  ou do pecado,

E faz com que escrevê-lo valha a pena.

 

Essa alma musical que assim me acena

A seduzir-me o corpo já cansado,

Virá trazer-me o verbo inesperado

Que me preenche e torna mais serena

 

E vai-se esse  vazio que então crescia

Mas fica-me o fruir do que se faz

Nas noites renovadas como auroras

 

Em que me torno amante da Poesia

E concebo o poema que me traz

Uma perfeita ocupação das horas...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 30.01.2009 - 23.58h

 

 

Tela de Pablo Picasso

 

Imagem retirada da internet

23
Jan09

O SEGREDO

Maria João Brito de Sousa

Sabia que teria de fazer aquela caminhada. O corpo recusava-lha, antecipando as dores, a vontade negava-se-lhe como se, repentinamente, quisesse tomar o controle de si. Mas impunha-se-lhe aquela caminhada e ela meteu pés à calçada apesar das pontadas incipientes, do frio e da chuvinha constante, irritante, teimosa.

 

No início caminhou sem maiores dificuldades do que a de sentir o corpo invadido pela teimosia da chuva que se lhe colava à roupa, num primeiro e insistente aviso. Depois foram as poucas forças que se foram gradualmente recusando a mover-lhe os passos e, logo a seguir, as dores que vieram coroar esta sinfonia de desconforto. Tornava-se-lhe o corpo pesado como uma árvore que, a cada momento, ganhasse raízes mais e mais fundas, que mais e mais profundamente a prendessem ao chão. Ah! E havia, ainda, o Segredo. O Segredo que constantemente bailava em torno dos poços de palavras - agora confusas - que lhe inundavam o corpo inteiro e lhe pediam para nascer. Não trouxera o caderninho de sonetos, mas não seria por isso… chovia demasiado para que o pudesse utilizar, de qualquer forma. Até o cheque que levava na carteira preta que trazia ao ombro, começava a perder o aspecto de coisa estéril, acabada de imprimir, deformando-se num rectângulo irregular, sob a humidade. Aconchegou ao corpo o pequeno saco negro, esperando salvar o bendito cheque daquela chuva que tudo ensopava, que começava a sentir na carne e que quase, quase a desesperava.

O cheque, - ao menos o cheque! - não poderia ficar inutilizado!

Afinal fora por ele que se metera ao caminho, apesar da chuva, das dores, do cansaço e do Segredo.

 

 

Agora eram os músculos que pareciam dormentes, entorpecidos. Nada lhe obedecia naquele corpo exausto! Fixou os olhos nas pedras da calçada e, num derradeiro e absurdo esforço, imaginou-lhes o auxílio. Observava-as enquanto caminhava. Quereria ser pedra. Quereria que as pedras com ela partilhassem a sua dureza. A angústia pareceu dissolver-se parcialmente. As palavras voltavam-lhe apesar do Segredo. Talvez exactamente por causa do Segredo.

 

Já não via as pedras nem sentia a chuva que a ensopava até aos ossos porque eram as palavras que, agora, nasciam, estranhamente negras sobre o fundo claro da calçada. Nasciam e cresciam continuando-se umas às outras, encadeadas, quase homogéneas como a ribeira zangada que corria, do lado direito daestrada que galgava a custo.

 

 Passou pela ribeira e as palavras continuaram como um outro rio. Não sabia como nasciam elas, não sabia como nascera o Segredo que ora se deixava vislumbrar com a mansidão das coisas benéficas, ora lhe surgia em lampejos de algo que quase a assustava e não sabia, por isso, definir.

 

Continuavam a fluir, em grafismos negros e distintamente traçados pelas mãos de ninguém e só o cansaço parecia, de quando em vez, sobrepor-se a elas. Não fugiam depois de surgirem. Ficavam. Permaneciam como se estivessem gravadas no espelho molhado da calçada, nos ossos que quase anestesiavam, no corpo que negava o desconforto da chuva.

Avançava agora ao ritmo dos grafismos que lhe iam nascendo, embora pontualmente cambaleasse, lhe parecesse que o chão-papel lhe fugia debaixo dos pés ou que o horizonte se lhe balançava na linha que os olhos podiam atingir.

Mais passos, mais letras. Um rio de letras, de palavras, de frases, de orações semi-conscientes. Um texto inteiro.

 

O Banco, ponto de destino, estava finalmente perto. Eram os últimos passos do último parágrafo.

A porta abriu-se automaticamente à sua aproximação e ela parou, indecisa, por segundos. Faltavam-lhe meia dúzia de letras que rapidamente se vieram juntar ao caudal daquela caminhada. Respirou fundo, retirou a bolsinha preta de sob o casaco ensopado e entrou. As pedras da calçada, a imagem da ribeira enfurecida, as raízes da árvore em que quase se transformara (ah, não fora o banco, não fora o cheque…) e o rio de palavras entraram com ela. Como uma multidão de pequenos mas irredutíveis raios de sol, entrou, também, o Segredo. A porta fechou-se. Automaticamente.

 

 

Maria João Brito de Sousa - 23.01.2009

 

"Caminhado" em direcção à http://fabricadehistorias.blogs.sapo.pt/

 

 

Imagem retirada da internet

30
Nov08

OS QUARTOS DA LUA

Maria João Brito de Sousa

Nestes quartos-de-luz  da lua-cheia

Desfaço-me e, desfeita, eu pago o preço

De ter virado a vida do avesso

Cozinhando poemas para a ceia...

 

Divido-me e, assim, fico só meia...

Mas mesmo dividida eu não me esqueço

Que devo ser melhor que o que pareço

E nasce-me outra luz: a nova ideia!

 

Criança tonta, bato palmas, canto,

Cada ideia me traz um novo encanto,

Cada encanto me espanta mais e mais!

 

Criança tonta em louca correria

Pelos quartos da lua... que alegria

A de abraçar um mundo de ideais!

 

 

Imagem retirada da internet

24
Nov08

DAS FUNÇÕES DO SONHO II

Maria João Brito de Sousa

Que estranha, alucinada projecção

Do ego de outro alguém morando em mim...

E que me importa, se me sinto assim

Eu mesma em projectada oposição?

 

Acordo. Foi um sonho. A sensação

De ter alguém comigo e estar assim,

Capaz de me calar e dizer: - Sim...

Quando eu mesma teria dito: - Não!

 

Um sonho... e, no entanto, eu aprendi,

Pensei e meditei (ou reflecti?)

Que tenho ainda coisas por fazer...

 

É a escola do sonho a funcionar,

A mostrar-me o caminho, a ensinar

Que o melhor desta vida é aprender...

 

 

"Sinfonia Sol-Lua com Remendo Verde"

Maria João Brito de Sousa, 2006

 

21
Nov08

OS RESISTENTES

Maria João Brito de Sousa

Embora nós não fossemos ninguém,

Embora nenhum mundo nos quisesse,

Embora nem um de entre nós tivesse

O domínio do Mal, a luz do Bem,

 

Embora neutros, homens como os outros,

Passíveis de fraquezas e paixões,

Embora uns tantos mais entre milhões,

Lúcidos quanto baste, embora loucos...

 

Embora apenas meio construídos

Na busca inabalável dos sentidos

Que nos prendem aqui e nos comandam,

 

Embora estranhos barros imperfeitos

Nós somos - quem diria? - esses eleitos

Que insistem, que não vergam nem debandam.

 

 

 

Tela de Vincent Van Gogh

Imagem retirada da internet

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!