Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
16
Dez16

CONVERSANDO COM MARIA DA ENCARNAÇÃO ALEXANDRE VI

Maria João Brito de Sousa

Tenho frio.jpg

 

RECEBO-TE MANHÃ

 

Recebo-te manhã que nasces prenha

De futuro, de amor,de paz, de vida

Que entras sem precisares duma senha

E no meu dia fazes-te nascida

 

Recebo-te manhã mesmo que venha

Contigo não apenas luz cupida

Mas triste descrição numa resenha

Dum dia que parece de saída

 

Recebo-te manhã todos os dias

Vislumbro de ti tantas melodias

que se escondem na paz do teu nascer

 

Recebo-te manhã, cada manhã

Como se não houvesse outra, amanhã

Aonde eu me pudesse renascer

 

MEA
15/12/2016



RETRATO HIPER-REALISTA DE UMA MANHÃ GELADA DE DEZEMBRO



(Contraponto)



Recebo-te encolhida, a tiritar,

Manhã deste Dezembro em que envelheço

Um ano por minuto... e, sem chorar,

Enfrento-te, manhã que desconheço



Se vieste tão só pr`a me enfrentar,

Ou porque, em te acolhendo, eu não te impeço...

Cada renovo teu, mais vem gelar

Este quarto em que durmo e nunca aqueço



E por ser bem real o que aqui digo,

Que mais posso dizer? Não te mendigo

A caridade de um calor de estio,



Pois bem sabes, manhã; estarei contigo,

Eu que, apesar das queixas, tenho abrigo...

Mas a verdade é dura e... tenho frio!





Maria João Brito de Sousa - 16.12.2016 - 17.36h







 

 

05
Out16

GLOSANDO MARIA DA ENCARNAÇÃO ALEXANDRE VI

Maria João Brito de Sousa

06_Bugio_Santo-Amaro_JM.jpg

 



DE VENTO.....A BRISA

 

Fui vento, nesse dia do passado

E para te alcançar soprei um beijo

Em aroma de lima. Perfumado

Com a verde esperança do desejo

 

E esse vento que fui , te fez legado

E em sopros fez de ti, águas do Tejo

Que correram pra mim , por todo o lado

Dos meus campos de amor, fizeram brejo

 

Fui vento de frescura no Verão 

No teu mar bebi, águas de paixão 

E amanheci submersa de certezas

 

No Outono que já sou, sou subtil brisa

Que entardece serena, sem divisa

Em douradas espigas de incertezas

 

 

Maria da Encarnaçao Alexandre

 

 

13/09/2016

 

 

 

NEM SEMPRE BRISA, NEM SEMPRE TEMPORAL...

 



"Fui vento, nesse dia do passado"

Em que esqueci pretérito e futuros,

Ficando, o fruto em mim, condicionado

Ao espaço conquistado entre os teus muros



"E esse vento que fui, te fez legado"

De um beijo que recordo entre os mais puros

De quanto beijo tenha sido dado

Entre dois jovens frágeis, inseguros...



"Fui vento de frescura no Verão",

Mas... fazendo cedência à tentação,

Transmutei-me, exaltada, em ventania...



"No Outono que já sou, sou subtil brisa"

Que a si mesma se doma e se ajuíza

Segundo as leis da Vida e da Harmonia..



Maria João Brito de Sousa - 15.09.2016 - 15.09h

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

DICIONÁRIO DE RIMAS

DICIONÁRIO DE RIMAS

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!