Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
26
Mar10

A CONSTRUÇÃO DA SAUDADE

Maria João Brito de Sousa

 

Não partas ainda. Fica mais um bocadinho. Um bocadinho apenas, antes de te diluíres nas memórias que me não permitirão a carícia sedosa da tua pelagem riscada de amarelos de Nápoles e de outros amarelos, maduros como folhas de Outono. Nem o exacto som do teu chamamento, o calor que de ti emanava e todas essas pequeninas coisas do dia a dia de que tanto me queixei enquanto os dias eram dias antes de partires. Olha-me ainda. Repara no meu sorriso triste… tu não o sabes, mas é um sorriso de saudade adiada. Uma saudade que começou a nascer no momento em que me apercebi da inevitabilidade da tua partida e que, não tarda, se começará a esfumar na linha de horizonte das recordações. Conheço-a como às palmas das minhas mãos, sei que me será absolutamente necessária, mas não a quero neste preciso momento. Agora quero adiar-te um pouco, pintar-te na tela da alma, escrever-te no livro do Tempo com letras de tinta indelével. Fica um pouco mais... o tempo de saborear bem, de avaliar e conhecer, sem o desagrado da  surpresa, aquilo que de ti me será permitido recordar. Acreditas que sinto saudades até das tuas piores traquinices? Se um dia vier a reparar o cavalete grande que tu me partiste, se um dia voltar a pintar, pintarei para ti. Porque assim se constrói uma vida. Assim, de afectos, memórias e pequenos grandes momentos. Foi curta, a tua passagem por cá e eu sei lá que desígnios te trouxeram até mim naquela tarde de cafezinho na esplanada... mas amei-te e foi em nome desse mesmo amor que tentei - caramba, como tentei! - encontrar alguém que tivesse a disponibilidade financeira e o espaço suficiente para que pudesses ter uma vida mais livre, mais de acordo com aquilo que é natural na tua espécie. Desencontros, amigo. Tantos desencontros. Mas nós cá nos íamos entendendo... era ou não era? E o que eu aprendi contigo! O que aprendi e o que estou agora mesmo a aprender, enquanto te guardo inteirinho neste cantinho de mim e redescubro os mil e um cambiantes deste curto percurso comum. Repara. Viste? Estou quase, quase a terminar. Podes depois partir. Depois desta última pincelada amarela sobre a incompreendida teia da nossa inesperada construção.

 

 

 

Acabadinho de construir para http://fabricadehistorias.blogs.sapo.pt/

 

24
Mar10

SPIRIT II

Maria João Brito de Sousa

Quando a Morte se empenha de verdade,

Dá o bote final e já não larga...

Parece desistir mas volta à carga

Com redobrado ardor e intensidade,

 

Tornou-se inevitável a partida,

O extremo sofrimento é já visível

E eu decido alcançar o impossível,

Impondo, a todo o custo, ainda a vida...

 

Mas ela não desiste da disputa

E reivindica o corpo que escolheu

Sabendo ser mais forte, a prepotente!

 

E, nas últimas horas desta luta,

Eu, não querendo admitir que ela venceu,

Sinto-me cada vez mais desistente...

 

 

 

 

IMAGEM - "A Lágrima", Maria João Brito de Sousa, 1999

 

 

 

À vossa espera, no http://premiosemedalhas.blogs.sapo.pt/ , mais uma novidade da poetisa Idalina Pata.

23
Mar10

SPIRIT

Maria João Brito de Sousa

 

Eu, hoje, irei além, bem mais além!

Irei aonde a lua me apontar

Seus mansos raios, ébrios de luar,

Protectores como abraços de uma mãe.

 

Aquilo que fizer, farei por bem

E cantarei, em tudo o que encontrar,

A dádiva da Vida a começar

Onde a Morte pensar que se detém.

 

Eu hoje darei graças pela vida

Como a princesa Bela Adormecida

Ao acordar do sono enfeitiçado!

 

E farei prova daquilo que digo!

Hei-de lutar por esse pobre amigo

Que a Morte pensa já ter-me roubado!

 

 

 

Ao Spirit

 

 

APELO - Convido-vos a visitar o http://ajudar-o-jp.blogspot.com/ . Um euro por cada um de nós pode fazer toda a diferença!

24
Set08

BLOGOMAR, MEU ESTRANHO BLOGOMAR...

Maria João Brito de Sousa

Não. Hoje ainda não nasceu nenhum soneto... não quer dizer que não venha a nascer ou que eu não venha, ainda, a publicar a coroa, toda seguidinha, sem repetição dos tais versos primeiros e últimos. Quer dizer que hoje me apetece divagar um pouco sobre os meus cansaços, as minhas alegrias e o que de muito estranho tem andado a acontecer ultimamente. De todas as conclusões absurdas que tenho tirado nestes últimos tempos, a mais sensata parece ser a de que fui acometida por uma estranha forma de loucura, e, como, de vez em quando me torno sensata, vou optar por ela. Já me preocupei muito, já me preocupei pouco e já me deixei de preocupar, por isso não se preocupem vocês também. Não vale a pena.

Pressupondo que fui acometida por um estranho caso de loucura e constatando, diariamente, que outra coisa não pode ser, o melhor é deixar fluir e esperar que passe. Porque tudo, tudo passa nesta vida e há loucuras que são mesmo episódicas. Mulher de muita fé e teimosa como ninguém, decidi continuar a poetar como se nada fosse. Tenho 14 animais para tratar e a casa virada do avesso, por isso nunca me sobra tempo para aquilo que é inútil.

O Spirit é um excelente caçador de pombos e tem o terrível vício de esgravatar a terra dos vasos todos... mas isso é o menos. A terra apanha-se do chão e tratam-se os pombos quando ele estiver deitado no sofá da sala. O problema é mesmo uma questão ontológica. Aquela coisa do: "Crescei e reproduzi-vos!"

Ele parece-me (ainda) demasiado jovem para obedecer à ordem, mas, não tarda mesmo nada, vai começar a escutá-la...

Ah! Já me esquecia do resto. "Alimentai-vos!"

Ora a essa obedece ele às mil maravilhas desde o momento em que foi concebido e tudo isso acaba por se traduzir numa coisa que não tenho. €uros.

NÃO! Não estou a pedir euros a ninguém! Estou a apelar a quem possa deixar que o Spirit o adopte que o faça antes que ele deixe por cá alguns descendentes...

É lindo, é meigo, é muito brincalhão e não foi necessário ensiná-lo a ir ao "caixote" porque ele foi lá ter de moto próprio. Ficam algumas imagens do jovem, só para vos "aguçar o apetite"...

E agora que já divaguei um poucovou tentar visitar alguns dos meus amigos e companheiros deste

"blogomar, estranho blogomar..."

 

22
Set08

CESSE TUDO O QUE A ANTIGA MUSA CANTA!

Maria João Brito de Sousa

Outro valor mais alto se levanta...

 

Lamento muito, mas não poderei proceder hoje à reformulação da estrofe final da minha coroa de sonetos. O "valor" que podem ver no topo do post tem prioridade em relação a uma coroa de sonetos...

mesmo que eu partisse do princípio que seria a minha "coroa de glória".

Chama-se Spirit, tem cerca de 5 ou 6 meses e pertence ao sexo masculino da família dos felinos urbanos.

- O que está o Spirit a fazer em casa da Poeta?Perguntarão vocês, muito pertinentemente.

Pois nem eu mesma sei explicar o que está um jovem felino amarelo a fazer, fechado na minha casa de banho... posso fazer-vos a narrativa do estranhíssimo evento, mas vocês, mais uma vez, não me acreditarão... fá-la-ei, de qualquer modo.

Fui, esta tarde, à farmácia Buscar (a crédito, claro...)

Bactrim para a Lupa que começou agora a apresentar melhorias no seu estado e à vinda, sentei-me um pouco com as minhas duas amigas na esplanada do café.

Desta vez não houve muitas gargalhadas. Uma delas vai ter um casamento na família e as conversas acabaram por centrar-se nas "toilettes", o que para mim é uma tremenda chatice (desculpem-me o português vernáculo...).

Quando, já noite, nos preparávamos para recolher aos respectivos lares e já estavam feitas as continhas dos "garotos" (com muuuuitas moedinhas pretas...), eis que esta vossa humilde amiga sente, subitamente, uma coisa fofa, ronronante e peluda a saltar-lhe para o colo. A vossa amiga poeta é forte, mas ficou sem pinga de sangue.

Primeiro fiquei desconcertada, alheei-me da dura realidade, imaginei que estava a ter uma alucinação a 3D. Depois o ronron começou a fazer-se acompanhar por turras e outras evidentes manifestações de carinho. Estava (mesmo) um gato ao meu colo!

Olhei implorativamente para cada uma das minhas amigas e deparei-me com duas estranhas boquiabertas. Olhei para o céu. Garanto que me zanguei com Deus. Pronunciei em voz bem alta:

- Ó Deus, isto é demais! Isto não se faz a uma poeta doente e mais pobre do que nunca!

Depois caí em mim. Elas continuavam de boca aberta e os outros clientes da esplanada imitavam-nas, provavelmente devido à estranha invocação que lancei para o céu estrelado.

O facto de estar um gato sentado no meu colo tornava-se mais real a cada momento que passava.

Tanta gente naquela esplanada e o bicho viera direitinho ter comigo! Comigo, que partilho um T1 com dois cães, cinco gatos e seis pombos e que acabo de deixar os meus últimos 55 cêntimos do mês

em cima da mesa do café.

Volto a olhar as minhas duas amigas que se levantam ainda boquiabertas. Uma fica muda. A outra ainda aventa:

- Leve-o para casa e depois solte-o lá para as duas ou três da manhã. A essa hora já não há cães nas ruas...

Eriço-me por ele. Protesto. Garanto que nesta rua sempre houve cães a qualquer hora (eu que o diga por experiência das madrugadas em que vou passear a Lupa...).

Compreendo que nenhuma delas irá acolher aquele gato que escolheu o meu colo. Por razões que bem conheço e não me interessa aqui ventilar.

Levanto-me e tomo lentamente o caminho de casa. Spirit segue-me como um cão. Entro no elevador. Spirit entra também. Isto não é normal!Lidei com dezenas de gatos e nunca encontrei nenhum que entrasse confiantemente num elevador. É tudo completamente surreal. Tudo... até abrir a porta e o Kico e a Lupa virem a correr ter comigo. Aí é que o Spirit mostrou ser um gato de carne e osso! Houve rugidos, sopradelas e unhadas. Até a E.T. apanhou por tabela ... é por isso que eu tenho, neste momento, um gato amarelo e muito jovem chamado Spirit na minha casa de banho. E é por isso que a coroa de sonetos vai ter de esperar. O Spirit não pode ficar indefinidamente na minha casa de banho e precisa de uma casa para viver.

Se algum de vocês conhecer alguém que queira partilhar o seu espaço com um gato amarelo, macho, meigo, de cerca de seis meses de idade e que tem a "carinha chapada" do Lion King, enviem-me, por favor, um email para m.joao-bsousa@sapo.pt ou, se a internet for cortada e não receberem resposta, podem telefonar para o número de telemóvel do perfil. O nome nasceu deste estranhíssimo encontro que acabo de vos descrever. E podem acreditar que tudo isto é a mais pura verdade. Antes não fosse, meus amigos. Antes não fosse.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!