Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
19
Nov16

GLOSANDO MARIA DA ENCARNAÇÃO ALEXANDRE XXI

Maria João Brito de Sousa

sonhos (1).jpg

SONHO ADIADO

 

Sonhei quando dormia um sonho lindo
Sonhei que havia paz, findara a guerra
Que todas as crianças estavam sorrindo
Sonhei não haver fome aqui na terra



Sonhei que todos estavam construindo
Tudo que de melhor a vida encerra
Que os idosos viviam lá sorrindo
Que havia protecção até pra serra



Que os rios tinham água sem sujeira
Que não havia ao povo roubalheira
Que pra todos havia um ordenado



Que todos tinham casa, tinham pão
Sonhei que não havia exploração
Porém, somente foi sonho adiado





MEA
18/11/2016





(R)EVOLUÇÃO

 

"Sonhei quando dormia um sonho lindo"

Que podia tornar-se bem real

Se acordassem os muitos que, dormindo,

Não têm, nem sonhando, um sonho igual;

 

"Sonhei que todos estavam construindo"

As bases de uma paz universal

E que o novo edifício ia subindo,

Crescendo sem parar, na vertical,

 

"Que os rios tinham água sem sujeira",

Que os céus sorriam, livres da poeira

Das cinzas de uma Terra incendiada,

 

"Que todos tinham casa e tinham pão"

E se cumpria, na (r)evolução,

Em pleno, a humana espécie, humanizada!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 18.11.2016 - 18.19h

 

(Imagem retirada do Google)

 

 

 

 

 

05
Jan12

O IMENSO MAR DOS SONHOS POR TECER (metáforas e duplos sentidos)

Maria João Brito de Sousa

Relembro as velhas asas  que não uso

 

Sobrevoando os medos que não tenho

 

Nesse eixo imaginário em que desenho

 

Rotas possíveis para o que eu recuso

 

 

 

E, de asas presas, no sonho difuso

 

Em que penso subir, mas me detenho,

 

Das amarras me solto, se as desdenho

 

E admito que voar seria abuso,

 

 

 

Pois quanto mais voar, mais vou rasando

 

Um chão que me captura, aprisionando

 

A terra em que me sou - sem nunca o ser... -

 

 

 

E tão mais alto irei, quão mais voando

 

Decida, lá do alto, ir mergulhando

 

No vasto mar que um sonho irá tecer…

 

 

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 05.01.2012 -13.13h 

 

 

 

25
Nov09

UM CASTELO DE NADAS...

Maria João Brito de Sousa

 

 

Um castelo de nadas, feito á pressa,

Um bocejo a calar o que se diz,

A comichão na ponta do nariz,

Eis a noite de sono que começa…

 

Uma breve oração, uma promessa

De tentar ir além, ser mais feliz,

Um não-ligar ao que em nós contradiz

O que se foi juntando, peça a peça…

 

Um sonho, um nada em forma de castelo

A pairar sobre mim que estou a vê-lo

Como se construído além-vontade…

 

Ali, aonde um nada se faz tudo,

Aonde morro e, lúcida, me iludo

Em aproximações de eternidade…

 

 

Imagem retirada da internet

24
Nov09

UM PUNHADO DE SONHOS

Maria João Brito de Sousa

 

Repara; eu sonho sonhos! Tu nem sonhas

Quantos mil sonhos há para sonhar!

Tenho asas, meu amor, sou de luar,

Aspiro a primaveras mais risonhas!

 

Se acaso me perder nas madrugadas,

Se este céu me fugir, se me esquecer

Das mil coisas que, então, quero fazer

Ao longo das manhãs imaculadas,

 

Terei talvez errado o meu caminho

Mas nunca aceitarei ter estado errada

No que tão loucamente procurei...

 

Percorri céu e mar buscando um ninho,

Semeei mil palavras sem ter nada

Senão estas mãos cheias do que dei!

 

Imagem retirada da internet

31
Mar09

SEREI POETA

Maria João Brito de Sousa

Ó mundo, eu serei sempre o que eu quiser!

Serei como souber, seja o que for,

Enquanto me não chega essoutra dor

Que me há-de vir buscar quando eu morrer!

 

Sei que serei tão "eu" quanto puder,

Que me não pintarão de alheia cor,

Que em tudo o que fizer porei amor,

Que sempre serei mais, sendo mulher!

 

Sou um espectro de mim em disfunção

Cumprindo a sua humana condição

Embora insatisfeita e incompleta...

 

Serei, do meu passado, o amanhã,

Serei Eva a sonhar com a maçã

E serei muito além! Serei poeta!

 

 

 

Imagem retirada da internet

08
Out08

... SE SIM, SE NÃO, SE ANTES PELO CONTRÁRIO...

Maria João Brito de Sousa

Pôs o Acaso um Génio à minha porta

Que disse: - Abracadabra! e se esgotou,

Um lápis-de-condão (que se quebrou...)

E um sonho a fumegar numa retorta,

 

Uma varinha-mágica tão torta

Que caiu e não mais se levantou,

Um baralho de cartas de Tarot

Que eu nunca quis lançar... e quem se importa?

 

Tanta ilusão havia (eu bem me lembro!)

Nesse sonho irreal com que pretendo

Abrir as portas ao imaginário,

 

Tanta coisa incomum, tal fantasia,

Que nem sei se foi sonho ou foi magia,

Se sim, se não, se antes pelo contrário...

 

Imagem retirada da internet

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!