Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
16
Mar10

ESTRANHA SOBREVIVÊNCIA

Maria João Brito de Sousa

Impôs-se-me uma lágrima e chorei...

Chorei como quem chora a própria vida!

A lágrima era o ponto de partida

Desse poeta em mim que então soltei...

 

Mais lágrimas rolaram... mais de mil,

Seguidas por mais mil que não paravam.

Fui lágrimas de mim que em mim rolavam

Até redesenhar o meu perfil...

 

Depois nasceu a vida aberta em flor

Onde antes eram lágrimas de dor

E este poeta em mim sobreviveu...

 

Ah! Como é louco e estranho o meu destino!

Sobreviver à morte de um menino

E alcançar, depois, o próprio céu!

14
Mar08

O CORPO POR UMA JANGADA

Maria João Brito de Sousa

 

Eu vivo neste corpo de Jangada;

Perdi-me, fui ao Céu, depois voltei

E choro ainda quem por lá deixei

No seio duma luz imaculada...

.

Chora, Jangada chora os impossíveis!

O menino da luz não volta, não...

Desceu à terra dentro de um caixão

E mora agora entre os não visíveis...

.

Chora, Jangada, chora o teu mar-alto!

O teu vulcão de lava há-de apagar-se

E tu hás-de rumar, de novo, à luz

.

Onde antes te afundaste em sobressalto

E, um dia, um mesmo sol virá deitar-se

Num chão onde se ergueu tão dura cruz...

 

Maria João Brito de Sousa - 14.03.2008 - 20.24h

.

(Ao chegar do hospital, no supermercado, às 20.00h)

10
Fev08

A MAIS-VALIA

Maria João Brito de Sousa

 

Abriu-se-me uma f´rida pequenina,

Depois, como as palavras, foi crescendo,

Tomou conta de mim, foi-me doendo,

Fez-me sentir, de novo, uma menina...

 

Depois melhorará! É esta a sina

Da vida que por cá sigo vivendo

E será sempre assim, eu compreendo,

Até que chegue a hora da vindima...

 

Rasga-se a cicatriz na carne-viva,

O menino do céu chega-se a mim,

Retorna-me essa imensa nostalgia

 

E, enquanto essa dor me traz cativa,

Escrevo estes meus poemas que, no fim,

São, de tudo o que fiz, a mais-valia...

 

 

 

Maria João Brito de Sousa

 

-

 

10.02.08 - 01.35h

 

-

 

 

 

 

 

10
Fev08

UM MAR CÁ DENTRO...

Maria João Brito de Sousa

 

Sabe-me a boca a sal. O meu menino

Há tanto que partiu e mesmo agora

Existe, em mim, um mar que quando chora

Se veste inteiro de um azul divino.

 

 

Nunca mais voltará, o pequenino,

Foi para o céu azul aonde mora

E eu nunca saberei quando é a hora

De poder partilhar o seu destino.

 

 

Sabe-me a boca a sal. Talvez do mar...

Talvez, cá dentro, o sangue tenha sal,

Por isso a minha boca está salgada

 

 

E chora, cá por dentro, e quer calar,

Mas tanto mar cá dentro faz-me mal...

Sabe-me a boca a sal e estou calada!

 

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa

 

 

10.02.08 - 01.00h

-

 

 

 

04
Fev08

QUIMERA

Maria João Brito de Sousa
 

 
 QUIMERA

*

 

Trouxe-te a noite em asas de poema,

Levou-te uma manhã sem coração;

Foi-te a vida fugaz como ilusão,

Mas deixou-me a saudade imensa, eterna.

*

 

 

Se tudo o que vivemos vale a pena

Teria o teu percurso sido vão?

Meu filho, nunca sei por que razão

Quis Deus dar-te uma vida tão pequena,

*

 

 

Mas se, apesar de tudo, ainda vives,

Se a alma pequenina que tu és

Ganhou as asas de anjo que sonhei,

*

 

 

Existo muito menos do que existes;

Sou barro em que repousam os teus pés

E sopro da quimera que engendrei!

 

 

 

 

 Maria João Brito de Sousa - 04.02.2008 - 03.30h

01
Fev08

MESMO QUE O MEU MENINO PARTA EM MAIO

Maria João Brito de Sousa

 

transferir (11).png

 

MESMO QUE O MEU MENINO PARTA EM MAIO

 

 

Sou a perfeita esposa do Senhor;

Lavo e teço os poemas das manhãs,

Amasso em pão-de-deus a minha dor,

Encho os silos de trigo e de maçãs,

*

 

 Pinto a cor da fartura nas auroras

E derramo a alegria de ser eu

Quando me deito, à noite, fora de horas,

Em lençóis onde a lua adormeceu.

*

 

Sou casta, sou serena e sendo velha

(quantos milénios nesta minha vida!?)

Há uma luz em mim, como se um raio

*

 

 Me tivesse enviado uma centelha

Que me legasse a traça de uma ermida,

Mesmo que o meu menino parta em Maio...

*

 

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 01.02.2008 - 12.08h

24
Jan08

ADEUS, MAMÃ!

Maria João Brito de Sousa

 

ADEUS, MAMÃ!

*

 

Afogo o meu soluço em parte alguma

Se recordo o menino que gerei

E logo tudo aquilo que não sei

Se dissolve no ar desfeito em espuma.

*

 

Num vão peculiar do meu sentir,

Arrumada a miragem, com carinho,

Lá deixo o meu menino deitadinho,

No mais fundo de mim irá dormir.

*

 

Agora é o poema quem, comigo,

Passeia de mãos dadas, vai à rua,

Dorme na minha cama e, de manhã,

*

 

 Me acorda pr`a que vá brincar consigo...

Depois, mal chegue a noite e veja a lua,

É quem me vem dizer: - Adeus, mamã!

*

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 24.01.2008 - 22.36h

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!