Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
14
Set17

SÁBADO, DOMINGO, SEGUNDA E TERÇA FEIRA

Maria João Brito de Sousa

 

 

A  ILHA  III

 

 

 

Disseste que estou só e quero crer

Que acreditas que sim… que absurda ideia!

A minha solidão está sempre cheia

De mundos que nem podes conceber!

 

 

A solidão só vem quando eu quiser

E há coisas como grãos de fina areia

Habitando este mar que me rodeia,

Nas ondas das palavras que eu escrever

 

 

Podes guardar as penas pr`a depois

Porque eu, ilha assumida e povoada,

Não quero as tuas penas nem procuro

 

 

A solidão da vida feita a dois

Tantas vezes pior que não ter nada.

É só que nasço e morro, isso to juro!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa -02.11.2010 - 10.44h

 

 

O FEITIÇO

 

 

Por motivos que nem conceberias,

Enfeiticei-te a vida e não choraste…

Poderia jurar que até gostaste

E reparei, mais tarde, que sorrias

 

 

Mas, depois da mudança, entenderias.

Pensei-o, fi-lo e tu… nem te zangaste!

Não sei se o laconismo a que chegaste

Te impediu de mostrar quanto sentias,

 

 

Ou se sentir, pr`a ti, era uma coisa

Que surge como um pássaro que poisa

E só muito mais tarde afunda as garras

 

 

Enfeitiçado, ou não… a vida é tua!

O meu feitiço é brando e nunca actua

Sobre almas que estão presas por amarras

 

 

 

Maria João Brito de Sousa

 

 

A PERSISTÊNCIA DO POEMA

 

 

É este o meu destino, eu não duvido!

Em tudo o mais que fiz, não me encontrei

E quando faço a conta ao já vivido,

Só nestoutro presente é que me sei…

 

 

Poeta, obedecendo ao que é pedido,

Eu abençoo a hora em que me dei...

Mais tarde, num presente “em diferido”,

Hão-se crescer os frutos que plantei…

 

 

Viver, morrer… tudo isto é natural.

Tudo isto, acontecendo, me acontece,

Bem como a todos vós que possais ler-me,

 

 

Mas se o Poema nasce, esse imortal

Tão incorpóreo quanto a própria prece,

Persiste e há-de, após, sobreviver-me!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 01.11.2010 – 14.32h

 

 

 

SONETILHO COM VISTA PARA OS MARES DA LUA

 

 

Hoje a Lua está tão perto

Que quase posso tocá-la!

Dela só quero esse incerto

Dos tais mar`s que vão banhá-la

 

 

E julgo ter descoberto

Que é desse mar que ela fala,

E é nessas marés, decerto,

Que eu hei-de, um dia, alcançá-la…

 

 

Da janela em que repouso

Olho esses mares que mal ouso,

Quando ouso ao longe, avistá-los

 

 

E lá por serem lunares

Não deixarão de ser mares

Nem eu vou deixar de amá-los!

 

 

Maria João Brito de Sousa – 01.11.2010 – 15.41h

 

 

02
Nov16

SÁBADO, DOMINGO, SEGUNDA E TERÇA FEIRA

Maria João Brito de Sousa

 

 

A  ILHA  III

 

 

 

Disseste que estou só e quero crer

Que acreditas que sim… que absurda ideia!

A minha solidão está sempre cheia

De mundos que nem podes conceber!

 

 

A solidão só vem quando eu quiser

E há coisas como grãos de fina areia

Habitando este “mar” que me rodeia,

Nas ondas das palavras que eu escrever…

 

 

Podes guardar as penas pr`a depois

Porque eu, ilha assumida e povoada,

Não quero as tuas penas nem procuro

 

 

A solidão da vida feita a dois

Tantas vezes pior que não ter nada...

É só que nasço e morro, isso to juro!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa -02.11.2010 - 10.44h

 

 

O FEITIÇO

 

 

Por motivos que nem conceberias,

Enfeiticei-te a vida e não choraste…

Poderia jurar que até gostaste

E reparei, mais tarde, que sorrias…

 

 

Mas, depois da mudança, entenderias…

Pensei-o, fi-lo e tu… nem te zangaste!

Não sei se o laconismo a que chegaste

Te impediu de mostrar quanto sentias,

 

 

Ou se sentir, pr`a ti, era uma coisa

Que surge como um pássaro que poisa

E só muito mais tarde afunda as garras…

 

 

Enfeitiçado, ou não… a vida é tua!

O meu feitiço é brando e nunca actua

Sobre almas que estão presas por amarras…

 

 

 

Maria João Brito de Sousa

 

 

A PERSISTÊNCIA DO POEMA

 

 

É este o meu destino, eu não duvido!

Em tudo o mais que fiz, não me encontrei

E quando faço a conta ao já vivido,

Só nestoutro presente é que me sei…

 

 

Poeta, obedecendo ao que é pedido,

Eu abençoo a hora em que me dei...

Mais tarde, num presente “em diferido”,

Hão-se crescer os frutos que plantei…

 

 

Viver, morrer… tudo isto é natural.

Tudo isto, acontecendo, me acontece,

Bem como a todos vós que possais ler-me,

 

 

Mas se o Poema nasce, esse imortal

Tão incorpóreo quanto a própria prece,

Persiste e há-de, após, sobreviver-me!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 01.11.2010 – 14.32h

 

 

 

SONETILHO COM VISTA PARA OS MARES DA LUA

 

 

Hoje a Lua está tão perto

Que quase posso tocá-la!

Dela só quero esse incerto

Dos tais mar`s que vão banhá-la

 

 

E julgo ter descoberto

Que é desse mar que ela fala,

E é nessas marés, decerto,

Que eu hei-de, um dia, alcançá-la…

 

 

Da janela em que repouso

Olho esses mares que mal ouso,

Quando ouso ao longe avistá-los

 

 

E lá por serem lunares

Não deixarão de ser mares

Nem eu vou deixar de amá-los!

 

 

Maria João Brito de Sousa – 01.11.2010 – 15.41h

 

 

11
Jan16

DE OLHOS BAÇOS

Maria João Brito de Sousa

17177004_A2Zs6.jpeg

(Soneto em decassílabo heróico)



De mim, não esperes “mágicos cansaços”,

pois não me sobra tempo prós sentir,

nem me urge a languidez, nem sonho abraços

e muito menos tento seduzir



Algo que não palavras, gestos, traços...

A quem mos tente impor sem deduzir

que me nascem de dentro e, como laços,

me abraçam, por si só, sem me mentir,



Falarei dos poemas - nunca escassos... -

dos sons, do que me leva a descobrir

as melodias, quanto aos seus compassos,



E de algo que não posso definir

senão voando... E, mesmo de olhos baços,

aguardo e fico atenta ao que surgir.

 



Maria João Brito de Sousa – 26.07.2015 -22.47h

29
Ago14

TRÊS SONETOS DE TRAZER POR CASA...

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

 

O ARROZ MALANDRINHO

 

 

Cebola, um grão de sal, folhas de louro,

Bem douradinhos num pouco de azeite…

Deixa a colher de pau de ser enfeite

Pr`a tornar-se, no tacho, o meu tesouro!

 

Depois trago o arroz, limpo e escolhido,

E vou-o alourando na mistura

[vai começando a ser uma aventura

fazer um arrozinho bem estrugido…]...

 

Deito a água a ferver... alguns minutos,

São quanto irá bastar ao meu petisco!

Depois é só tapar, manter quentinho,

 

E, assim que doseados, os  produtos

-  muito embora correndo um certo risco… -,

Servir-vos-ei arroz ... bem  malandrinho!

 

 

Maria João Brito de Sousa - 2009

 

 

AS ERVILHAS COM OVOS

 

 

Hoje vou preparar umas ervilhas

Guizadas, com dois ovos bem escalfados,

Sem deixar de falar dos mil cuidados

Que hoje dedico a estas maravilhas;

 

Sobre aquilo a que chamo um estrugidinho,

Deito as ervilhas, logo as vou mexendo

Até que cozam bem, sempre fervendo,

Ao ponto de ficar tudo tenrinho,

 

Depois os ovos, sem esquecer tempero,

Pr`a que fique o pitéu mais apetente,

E rectifico, quase no final...

 

O único segredo está no esmero

De trazê-las pr`á mesa e servir quente,

Pedindo a Deus que vos não façam mal…

 

Maria João Brito de Sousa - 2009

 

 

 

 

 

O JOGO DE XADREZ COM O PC

 

Tem uma Excalibur que nunca falha!

Refaz-se essa inocência quase morta

Que tantas vezes vem bater-lhe à porta

E de si  faz Cavalo de batalha…

 

É nos Peões, porém, que é mais fraquinha...

Nos Bispos e nas Torres, vai teimando,

Mesmo que perca - só não sabe é quando… - , 

Vê que, às duas por três, foi-se a Rainha...

 

Falta-lhe o tempo... os dias passam lestos,

Mas tudo aceita sem grandes protestos

E prossegue travando o seu combate,

 

Porque em tudo o que faz põe teimosia

Consciente de que nada a salvaria

Se alguém lhe arquitectasse o xeque-mate…

 

 

Maria João Brito de Sousa - 2009 

 

 

Aos 25 rápidos jogos de xadrez que o 2008 me ganhou em cinco dias... e aos 380 que lhe ganhei eu, em quatro anos e meio :) 

 

Imagens retiradas do Google

 

 

21
Jan11

ÀS DUAS POR TRÊS!

Maria João Brito de Sousa

… e, às duas por três, tão de repente

Que o próprio coração se lhe abalava,

Ouvia-se um trovão e lá brilhava,

No estro do Poeta, o verso ardente…


Assim nascia cada apelo urgente

Que ninguém, senão eu, testemunhava,

De cada vez que o verso ribombava

Anunciando a vinda da semente…


Não houve um só momento, um só segundo,

Em que, calando aquele apelo fundo,

Lhe não surgisse o Verbo! Uma só vez!


Não soube se era, ou não, do nosso mundo

Mas, quando ouvir de novo, eu não confundo

Aquele clamor do; “Às duas por três!”…

 

 

 

 

 


Maria João Brito de Sousa – 19.01.2011 – 21.

20
Jan11

A LUA QUE ENTOVA UM VELHO FADO...

Maria João Brito de Sousa

 

Fez-se tarde e não foi por mero acaso

Que o Sol se pôs mais cedo nesse dia;

Talvez fosse outro, o mundo que surgia

Depois desse imprevisto e estranho ocaso,

 

Ou talvez fosse a Noite, num atraso

Que nenhum desses dois lhe preveria,

Que, não qu`rendo abrir mão do que sentia,

Teimou em não cumprir o justo prazo,

 

Mas, fosse por que fosse, aconteceu

Que a noite se acendeu num louco céu

Que ninguém poderia ter explicado,

 

Que o coração mais forte lhes bateu

E quase lhes parou quando irrompeu

A Lua, que entoava um velho fado.

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 19.01.2011 – 20.52h

19
Jan11

TALVEZ SEJA SÓ POESIA...

Maria João Brito de Sousa

TALVEZ SEJA APENAS POESIA

 

 

Talvez não haja um mar dentro de mim

E a tempestade venha - se vier… -

De cada vez que um dia chega ao fim

Nesse universo que é cada mulher

 

Por outro lado, à míngua de um jardim,

Talvez invente um mar pra renascer

E tudo surja assim por ser assim

Que toda e qualquer vida deva ser

 

Porém, de quanto disse, não retiro

Uma única palavra, um verso só,

E ocorre-me dizer que não sou nada

 

Senão as mil questões com que me firo

Quando o verso desata cada nó

Que , fio a fio, me enreda na meada.

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 18.01.2011 – 21.03h



 

 

 

18
Jan11

SEGUE-SE UM POEMA...

Maria João Brito de Sousa

 

Segue-se este poema que não chora

Mas, desse mesmo sal que tens nas veias,

Faz hino à sensação que se demora

Por dentro do tecido das ideias

 

 

Numa emoção telúrica, infractora,

Que nega uma ilusão de panaceias

E que irrompe do fel de cada hora

Com ânsias de quem rompa mil cadeias.

 

 

Mas… segue-se um poema! Ou terei feito

Um abrigo qualquer, sem dar por nada?

Talvez, não sendo um ´bunker`, me proteja

 

 

E aquilo que se segue, por direito,

Seja a mesma revolta estrangulada

Que se acrescenta até que se oiça e veja.

 

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa– 17.01.2011 – 19.53h

17
Jan11

O MAR DENTRO DE NÓS

Maria João Brito de Sousa

 

Por dentro de mim corre um longo rio

De seiva, ao por do sol de um campo arado

E a ceifeira, que ceifa ao desafio,

Esquecida de o ceifar, passou-lhe ao lado.

 

 

Talvez volte amanhã, se fizer frio,

Ou se o vento, ao soprar, tiver lembrado

O leito das razões que nele desfio

Na seiva em que o descrevo humanizado

 

 

Entretanto, outras foices de ceifeiras

Passaram já por ele de outras maneiras

Mas nunca desaguaram nessa foz

 

 

Que, a jusante de mim, beija as ribeiras

Quando elas se lhe oferecem, sempre inteiras

E recomeça o mar dentro de nós.

 

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 14.01.2011 – 22.00h

 

13
Jan11

SEMPRE E NUNCA MAIS

Maria João Brito de Sousa

 

... e, de então em diante, o Universo,

Como se por magia se calasse,

Roubar-me-ia todo e qualquer verso

Que pela vida fora eu encontrasse

 

Deixando-me, na troca, o seu inverso,

Negando-se, fugindo ao novo enlace...

O resto todos sabem... se é perverso

Melhor fora um poema que o negasse...

 

Do rebanho que guardo ou como o faço,

A ninguém devo contas ou promessas,

Senão a quem me fez tal como sou!

 

De tudo o que nasceu deste cansaço

Nas horas a que já nem deito meças,

E ao que está por nascer... Deus mo legou!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!