Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
28
Jul20

PEÇO DESCULPA; NEM UM VERSO OUVI... - Coroa de Sonetos

Maria João Brito de Sousa

eu na praia ii.jpg

NEM UM VERSO OUVI... - COROA DE SONETOS

Maria João Brito de Sousa e Custódio Montes

*

1
*

Houvesse, hoje, um versito distraído

Que por aqui passasse por acaso

E que algo murmurasse ao meu ouvido,

Pra poder-vos dar conta deste atraso...

*

 

Fosse de pé quebrado ou mal medido,

Quase a desvanecer-se num ocaso,

Gago que fosse ou tão mal construído

Que em tudo semelhasse ângulo raso,
*

 

Que quisesse ser recto e não se erguesse

Um grauzito sequer que graça desse

A quem o visse ou lesse por aí...
*

 

Mas este que encontrei sem voz, nem dono,

Tudo quanto fará é dar-vos sono;

Peço desculpa. Nem um verso ouvi.
*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 24.07.2020 - 14.30h
**

2
*

Também eu não ouvi sequer um verso

Pois fui passar uns dias à aldeia

Sem versos, claro, venho de alma cheia

E este estado assim é bem perverso
*

Trazer a alma toda em anverso:

A alma com poesia sem que leia

O ritmo que entre ela se encandeia

E firmem no conjunto um universo
*

É termos o poema cá bem dentro

E a forma arredada do seu centro

E não o publicar nem o fazer
*

Às vezes fica o mundo frio, escuro

Sem vermos o presente e o futuro

E um verso só bastava para o ver.
*

Custódio Montes

**

3
*

"E um verso só bastava para o ver"

Pois bastaria apenas tê-lo ouvido,

Mas... desta vez escondeu-se, emudecido,

Talvez sentindo medo de morrer,

*

Talvez pensando poder-se perder

Quiçá de si, do seu próprio sentido,

Que entre hospitais se sente já perdido

E nunca tem vergonha de o dizer...
*

A Musa foi de súbito tomada

Por um medinho atávico, ancestral,

E escondeu-se debaixo de uma escada
*

Assim que viu, ao longe, o hospital.

Bem a chamei. Não me serviu de nada...

Estou "desmusada" e a sentir-me mal!
*

Maria João Brito de Sousa - 25.07.2020 - 11.25h

**

4
*

"Estou "desmusada" e a sentir-me mal"

Melhoras lhe desejo a si e à musa

Mas mais a si que esta isso escusa

Doente embora é fenomenal
*

Os versos que ela engendra são sinal

De veia que se mostra bem difusa

Reergue-se depressa e não recusa

Andar correr e ser original
*

Por isso não se queixe, minha amiga

Senão olhe que Deus inda a castiga

Nós não o desejamos nem queremos
*

Doenças têm cura e melhora

E mesmo apenas sã uma só hora

São belos os poemas que lhe lemos.
*

Custódio Montes
**

5
*

"São belos os poemas que lhe lemos",

Poeta que ontem foi à sua aldeia

E dela veio com a bela veia

Que hoje frutificou, como aqui vemos!
*

Entrou na Barca Bela e fez-se aos remos

Sem medo do "mar grande" e da sereia,

Nem do rochedo e dos bancos de areia

Nos quais já tantas vezes perecemos...
*

Chegou e dou-lhe agora as boas vindas

Porque assim se recebem bons amigos

Que foram visitar as praias lindas
*

Que já foram seus berços, seus abrigos;

Desejo felicidades sempre infindas

E poucos ou nenhuns dos meus castigos.
*

Maria João Brito de Sousa - 26.07.2020 - 08.40h

**

6
*

"E poucos ou nenhuns dos meus castigos"

Os seus castigos são materiais

E não como se vê de outros mais

Pois olha e vê bem longe por postigos
*

Que outros pelo ar e com perigos

Tão só divisam coisas bem normais

Sem luas sois ou tardes outonais

Com sonhos ou quimeras como abrigos
*

Ainda para mais desculpas pede

De não ouvir um verso ou melodia

Quando nada se vê de que se arrede
*

E produz seus poemas dia a dia

De toda a realidade a que acede

E isso porque é toda poesia ....
*

Custódio Montes

(26.7.2020)
**

7
*

"E isso porque é tod(a)o poesia"

E merece o respeito e a amizade

De quem a responder-lhe não se evade

E o faz com muitíssima alegria

*

Haja quem nos secunde com mestria,

Que eu, dos meus olhos, sinto já saudade

E ao lume deixo a açorda que, em verdade,

Por um pouquinho mais se queimaria...
*

Alguma coisa ainda vejo, sim,

Mas a cabeça dói-me, os olhos ardem,

E já nem sei o que será de mim
*

Se for em vão que meus olhos aguardem

As cirurgias... mas, até ao fim,

Vou crer que sim, por muito que elas tardem!
*

Maria João Brito de Sousa - 26.07.2020 - 11.29h
**

8
*

"Vou crer que sim, por muito que elas tardem!"

Mas vão chegar depressa isso vão

Aos olhos também fiz operação

E agora vejo bem e já não ardem
*


Que os deuses a protejam e a guardem

E que lhe restituam a visão

Para podermos ter sua lição

Que os médicos se apressem, não aguardem
*

Eu penso que vai tudo correr bem -

Comigo assim foi e eis a prova

Puseram lentes novas e também
*

Se foi a miopia, o que renova

A vista que alcança mais além -

E vai ficar, amiga, como nova.
*

Custódio Montes

(26.7.2020)
**

9
**

"E vai ficar, amiga, como nova",

Diz-me o amigo, muito gentilmente...

Mas eu pergunto quando. É mesmo urgente

E esta quase-cegueira bem o prova.
*

Esforçadamente leio ou escrevo a trova

E tudo faço assim; esforçadamente,

Além do que se exije a toda a gente

E, pior, estando já c`os pés prá cova
*

Já que esperança de vida, pouca tenho

E, se bem que isso encare com bravura,

Melhor fora podarem-me este lenho
*

Que à vida me traz dor e desventura

E darem-me a visão que tive antanho

Pra não andar, das teclas, à procura...

*

Maria João Brito de Sousa - 26.07.2020 - 13.21h
**

10

*
"Pra não andar, das teclas, à procura"

Mas vê bem as palavras, isso vê

Pois nota isso a gente que a lê

Que encontra nelas força e candura
*

Arrojo, sentimento com doçura

E criatividade e os porquês

De tão bem escrever em português

De ser muito vernácula e pura
*

Mas não vou parecer adulador

Que o que se diz às vezes tem um custo

Mas ser omisso outras é pior
*

E eu não tenho peias não me assusto

Afirmo sempre aquilo que é melhor

E aqui o que eu afirmo é tudo justo.
*

Custódio Montes

(26.7.2020)
**

11
*

"E aqui o que eu afirmo é tudo justo"

Mas o que não é justo, com certeza,

Foi deixarem-me, há anos, assim presa

A escrever tudo com tão grande custo!
*

Não será facilmente que me assusto,

Conseguirei manter certa frieza

E por vezes até sair ilesa

Do confronto com quem é mais robusto,
*

Se confronto existir, que o não procuro!

Mas conseguindo ser muito objectiva,

Não tenho medo nem sequer do escuro!
*

Ainda que "pitosga", estou bem viva

Mas devo confessar que é muito duro

De tanta "pitosguice" estar cativa!
*

Maria João Brito de Sousa - 26.07.2020 - 14.25h
**

12
*

"De tanta "pitosguice" estar cativa",

Atrasos sem desculpa e sem valor

Seria menos mau e até melhor

Ir ter ao hospital e aflitiva
*

Dizer a alma aí caritativa

Que tem sua visão má e pior

Que há só escuridão e sente dor

E ser frontal e bem explicativa
*

Eu sei que a poetisa não faz isso

Mas muitos há decerto que lá vão

Conseguem de certeza compromisso
*

De formas pouco lícitas que são

Escuros, tristes modos e por isso

Pratica só quem age em corrupção.
*

Custódio Montes

(26.7.2020)
**

13
*

"Pratica só quem age em corrupção"

Esses truques e manhas, bem o sei...

Para a minha pensão - pensão de rei! -

Duzentos e setenta; mais não são!
*

Para quem sobrevive a tal pensão,

Sem recorrer ao que antes mencionei,

Não está fácil a vida... lei é lei!

Pra corrupta não trago vocação!
*

E agora que escrevi a bom escrever,

Que lhe falei de (algumas) desventuras

E que aqui me fui dando a conhecer,
*

Vou tomar um café; estou com tonturas

E a tensão está de novo a prometer

Descer de lá do topo das alturas
*

Maria João Brito de Sousa - 26.07.2020 - 16.38h
**

14
*

"Descer de lá do topo das alturas"

Mas tem que o fazer bem devagar

Senão pode cair e se aleijar

Perdendo os sentidos com tonturas
*


Beber café é sim uma das curas

Para a tensão poder remediar

Melhor seria não subir/baixar

E não ter de curar essas rupturas
*


Desejo-lhe as melhoras, fique bem

Merece ser feliz e ver vencido

O mal que a rodeia e que contem
*

Estando bem, aposto, convencido

Brincava certamente aqui também,

"Houvesse, hoje, um versito distraído"...
*

Custódio Montes


(26.7.2020)

 

 

29
Mar10

SÁBADO DOMINGO E SEGUNDA FEIRA VIII

Maria João Brito de Sousa

 

 

A HORA DO SORRISO

*

 

Tendo a vida virada do avesso

E estando já tão perto da partida,

Tenho, afinal, aquilo que mereço

Porque assim se define a própria vida

*

 

E, se a glória vier, caso demore,

Que nunca tenha pressa de chegar,

Só para que, depois, ninguém me chore

Apenas por fingir saber-me amar.

*

 

Agora, se sorrir, estarei mentindo

Porque me dói, no corpo, a alma inteira,

Porque me assumo humana e pensadora

*

O que me irá, decerto, permitindo

Ir-me reinventando. A brincadeira

Não me imporá sorrir a toda a hora.

*

 

Maria João Brito de Sousa - 2010

 

 

 

UMA TAREFA LENTA...

 

 

Não tenho tempo, irmãos, que o Tempo voa;

Quem vê, na Poesia,  distracção,

Não é poeta e nunca foi senão

Alguém que por aí verseja à toa…

*

 

Lá longe, muito ao longe, o verso ecoa,

Aproxima-se mais, pede atenção

E não lhe posso já dizer que não

Quando, vindo de longe, em mim ressoa.

*

 

Flutua e vai pousar. Quedo-me atenta

E espero o exactíssimo momento

Em que consiga ouvi-lo e dar-lhe voz.

*

 

Pode a tarefa parecer-vos lenta,

Mas esta simbiose exige tempo,

Por mais que o Tempo, assim, fuja de nós.

*

 

Maria João Brito de Sousa - Março, 2010

*

 

 

O QUE TU QUEIRAS

*

 

 

Vá, faz de mim - de nós… - o que tu queiras!

Inventa mil passados, mil futuros,

Constrói mil pontes ou derruba muros,

Diz de tua justiça em mil maneiras.

*

 

Cresceste aprisionado entre fronteiras,

Numa urgência de ver claros-escuros

Bem própria dos que vivem (in)seguros

E tentam fazer bem, fazendo asneiras.

*

 

Sonha à tua maneira e sê feliz;

Futuro é um passado por passar

Por um presente que nem mesmo existe

*

 

Aquilo que mais queres, nunca eu o quis;

Houve um dia em que a vida quis parar

E eu só reparei que estavas triste.

*

 

Maria João Brito de Sousa - Março, 2009

*

 

 

 

"L`IMPORTANT C`EST LA ROSE", Maria João Brito de Sousa, 1999

08
Set09

PRENÚNCIOS DE OUTONO

Maria João Brito de Sousa

 

Veio a lua espreitar sobre os beirais

A ver se vislumbrava as andorinhas

E eis que se zangaram as vizinhas

E o sol se foi deitar cedo demais…

 

Quando o sol se deitou, houve sinais

E prenúncios de noite sobre as linhas

Que os poetas traçavam. Estas minhas

Tornaram-se douradas, outonais…

 

Amanhã ou depois as noites crescem,

A lua vai brilhar por mais um tempo

E a chuva vai cair sobre os terraços…

 

São prenúncios de Outono antes que fechem

As horas deste meu entendimento

Gerado na matriz de outros abraços…

 

 

Imagem retirada da internet

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!