Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
03
Nov16

GLOSANDO JOAQUIM PESSOA III

Maria João Brito de Sousa

Joaquim Pessoa III.jpg

 

BOM DIA, MEU AMOR!

*

Acordo-me. Acordo-te. Sorrio.
E sobre a tua pele que a minha adora,
navega o meu desejo, esse navio
que sempre parte e nunca vai embora.



E como um animal uivando o cio
de um milénio, de um mês, ou uma hora,
não sei se morro ou vivo, ou choro ou rio,
só sei que a eternidade é o agora.



E calam-se as palavras, uma a uma,
feitas de sal, saliva, dor e espuma,
com a exacta dosagem da alegria.



Bom dia, meu amor! O teu sorriso
é tudo o que me falta, o que eu preciso
para acender a luz de cada dia.



*



Joaquim Pessoa



Inédito


de OS DIAS NÃO ANDAM SATISFEITOS.



DESPERTANDO





"Acordo-me. Acordo-te. Sorrio."

Peço-te alguns minutos de paciência

Até que me agasalhe e espante o frio,

Até que me abandone esta indolência,



"E como um animal uivando o cio"

Invades-me, poema, a transparência

De quanto sinto ser, eu que sou rio,

Da vontade, do ser, da própria essência...



"E calam-se as palavras uma a uma"

Enquanto, também tu, vestes de bruma

Os versos desnudados que acordei;



"Bom dia, meu amor! O teu sorriso"

Traz-me a compreensão do prejuízo

Do instante em que a acordar me demorei...





Maria João Brito de Sousa - 03.11.2016 - 13.18h

 

15
Set16

GLOSANDO O POETA JOAQUIM PESSOA II

Maria João Brito de Sousa

POETA DE COMBATE.jpg

 

POETA DE COMBATE



Poeta de combate me chamaram.
De combate serei. Não mercenário!
Poeta de combate é um operário
das palavras que nunca se entregaram.



Poeta de combate! E porque não?
Sou poeta. Serei também soldado.
O meu canto será um canto armado
e o meu nome de guerra uma canção.

Poeta de combate me quiseram
os que cedo da luta desertaram
ou aqueles que nunca combateram.



Poeta de combate eu hei-de ser
até quando o meu povo precisar
ou nada mais houver a combater.



Joaquim Pessoa


in AMOR COMBATE, Moraes Editora



POETA

"Poeta de combate me chamaram"

E combatente fui, não mais, nem menos,

Do que esses que partiram entre acenos

Para uma guerra de onde não voltaram...



"Poeta de combate! E porque não?"

Que são meus dias, se não são trincheiras?

Que são meus versos, se não são certeiras

Balas que aponto a cada coração?



"Poeta de combate me quiseram",

Poeta de combate me terão

Ao lado dos que há muito se perderam...



"Poeta de combate eu hei-de ser"

Porquanto enquanto viva, é por paixão

Que erguendo o punho me não sei render!



Maria João Britode Sousa - 15.09.2016 - 09.32h

 

03
Jul16

GLOSANDO JOAQUIM PESSOA

Maria João Brito de Sousa

digitalizar0046.jpg

 

 

QUE AMOR É ESTE AMOR?

*

 

Amar-te, só amar-te, e construir
amor e mais amor no amor já feito,
amor quase infinito, amor perfeito,
amor em flor, florindo o que há-de vir.



E ao amar-te assim, quero sentir
que o meu amor por ti não está no peito:
percorre toda a pele, a carne, o leito,
regressa à boca a tempo de sorrir.



Que amor é este amor, esta vontade
de nunca te perder e de escrever-te
sabendo que és a própria liberdade?



E em cada dia que não posso ver-te
não tenho vida, tempo, nem idade,
não tenho nada que não seja ter-te.

*

(Inédito)

 

Joaquim Pessoa

 

(A)PRENDER-TE...

 

 

"Amar-te, só amar-te, e construir"

A cada dia, amor, mais vida ainda,

É tudo quanto sei, que a vida é linda,

Mas só enquanto, viva, eu a fruir

 

 

"E ao amar-te assim quero sentir",

Ó vida, quanto amor a ti me cinda

Na esp`rança duma vida que não finda

Enquanto o mesmo amor em mim florir...

 

 

"Que amor é este amor, esta vontade"

De manter-te a pulsar, de não perder-te,

Mesmo quando essa esp`rança se me evade?

 

 

"E em cada dia que não posso ver-te",

Mais desta vida perco em quantidade,

Mas menos morro, à força de (a)prender-te.

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 29.06.2016 - 21.37h

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!