Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
12
Jul17

AINDA GLOSANDO FLORBELA ESPANCA III

Maria João Brito de Sousa

medo.jpg

 

RENÚNCIA



A minha mocidade há muito pus
No tranquilo convento da tristeza;
Lá passa dias, noites, sempre presa,
Olhos fechados, magras mãos em cruz...

Lá fora, a Noite, Satanás, seduz!
Desdobra-se em requintes de Beleza...
E como um beijo ardente a Natureza...
A minha cela é como um rio de luz...

Fecha os teus olhos bem! Não vejas nada!
Empalidece mais! E, resignada,
Prende os teus braços a uma cruz maior!

Gela ainda a mortalha que te encerra!
Enche a boca de cinzas e de terra
Ó minha mocidade toda em flor!

Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade"

 

 



AFIRMAÇÃO

 

“A minha mocidade há muito pus”

No cantinho das coisas já passadas

Que guardo, dia a dia acumuladas,

Porque só a memória as reproduz...

 

“Lá fora, a noite, Satanás seduz!”

Mas eu que, renegando almas penadas,

Observo as gentes tristes e cansadas,

Deduzo cada medo que as traduz;

 

“Fecha os teus olhos bem! Não vejas nada!”

- Só fecho os olhos quando, atordoada,

Possa o sono nublar-me a lucidez!

 

“Gela ainda a mortalha que te encerra!”

- E eu quero lá saber de quem me enterra,

Se morro por chegar a minha vez?!

 

 

Maria João Brito de Sousa – 12.07.2017 - 16.26h



 

 

24
Abr17

CONVERSANDO COM FLORBELA - (Vidas e pontos de vista)

Maria João Brito de Sousa

Florbela Espanca - retrato desenhado.jpg

 

A MINHA TRAGÉDIA



Tenho ódio à luz e raiva à claridade

Do sol, alegre, quente, na subida

Parece que a minh`alma é perseguida

Por um carrasco cheio de maldade!



Ó minha vã, inútil mocidade,

Trazes-me embriagada, entontecida!...

Duns beijos que me deste noutra vida,

Trago em meus lábios roxos a saudade!...



Eu não gosto do sol eu tenho medo

Que me leiam nos olhos o segredo

De não amar ninguém, de ser assim!



Gosto da Noite imensa, triste, preta,

Como esta estranha e doida borboleta

Que eu sinto sempre a voltejar em mim!...



Florbela Espanca



In "Livro de Mágoas"



6749197_pgiD1.jpeg

 



UM POUCO DE MIM





Eu, em compensação, gosto dos dias,

Do Sol, do brando afago de uma brisa,

Do meu passo a deixar no chão que pisa

Um rasto de pequenas utopias...



Gosto das mil serenas melodias

Duma planta que cresce e se enraíza

E, tanto quanto sei, não sou juíza,

Nem de homens, nem de humanas bizarrias...



Nunca odiei ninguém, mas... raivas, tenho!

Há, com efeito, coisas que desdenho

Sempre que me pareçam ser nocivas;



Crenças humanas, contra as quais me empenho,

Quando pr`a analisá-las me detenho

E as sinto injustas, fúteis, destrutivas...





Maria João Brito de Sousa - 24.04.2017 - 13.49h





 

27
Fev17

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA -Melodias

Maria João Brito de Sousa

rouxinol - vitórias.jpg

Patrono: Florbela Espanca

Académica: Maria João Brito de Sousa

Cadeira: 06



ALMA PERDIDA

*



Toda esta noite o rouxinol cantou,

Gemeu, rezou, gritou perdidamente!

Alma de rouxinol, alma de gente,

Tu és, talvez, alguém que se finou!

*



Tu és, talvez, um sonho que passou,

Que se fundiu na Dor, suavemente...

Talvez sejas a alma, a alma doente,

D`alguém que quis amar e nunca amou!

*



Toda a noite choraste... e eu chorei

Talvez porque ao ouvir-te adivinhei

Que ninguém é mais triste do que nós!

*



Contaste tanta coisa à noite calma,

Que eu pensei que tu eras a minh`alma

Que chorasse perdida em tua voz!...

*



Florbela Espanca

In "Livro de Mágoas"


***********



A VITÓRIA DO ROUXINOL

*



"Toda esta noite o rouxinol chorou",

Ou fui quem lhe não soube interpretar

Um canto, que eu pensava soluçar

E era à vitória, quando a conquistou...

*



"Tu és, talvez, um sonho que passou",

Um eco do que um dia ousei sonhar

Sobre a alegria de poder cantar,

Que, chore, ou ria , nunca soçobrou...

*





"Toda a noite choraste... e eu chorei",

Porque amargura, apenas, vislumbrei

Nessa longa e nocturna melodia...

*



"Contaste tanta coisa à noite calma"

Que eu rendida chorei; levas-me a palma

Nas subtilezas d` alma da Harmonia!

*





Maria João Brito de Sousa - 27.02.2017 - 12.07h

 

 

14
Fev17

CONVERSANDO COM FLORBELA ESPANCA - Morte

Maria João Brito de Sousa

alegoria da morte.jpg

 

DEIXAI ENTRAR A MORTE

Deixai entrar a morte, a iluminada,
A que vem para mim, pra me levar,
Abri todas as portas par em par
Como asas a bater em revoada.

Que sou eu neste mundo? A deserdada,
A que prendeu nas mãos todo o luar,
A vida inteira, o sonho, a terra, o mar,
E que, ao abri-las não encontrou nada!

Ó Mãe! Ó minha Mãe, pra que nasceste?
Entre agonias e em dores tamanhas
Pra que foi, dize lá, que me trouxeste

Dentro de ti?...pra que eu tivesse sido
Somente o fruto das entranhas
Dum lírio que em má hora foi nascido!...


Florbela Espanca



In, "Charneca em Flor"



****************************



ORDEM DE PRORROGAÇÃO DE SENTENÇA



Desvia essa gadanha, ó velha Parca,

Que por mais alguns anos ta dispenso,

Pois, se ontem te venci, melhor te venço

Enquanto em vida deixo a minha marca



E enquanto for levando a minha barca

Por entre um nevoeiro espesso, denso,

Prossigo nesta rota do bom-senso

Assim que a bujarrona se me encharca



Do sal marinho, quando o vento o traz

À minha barca que demanda a paz

No mar de um Sonho que em tempos me coube



E a todas as barreiras liquefaz;

Aos sonhos que me ficam para trás,

Não há, pr`a já, gadanha que mos roube!

 



Maria João Brito de Sousa - 14.02.2017 - 10.37h





 

01
Abr16

ALMAS GÉMEAS - O Livro

Maria João Brito de Sousa

ALMAS GÉMEAS.jpg

HOMENAGEM DE APOIO À MARIA JOÃO


O Albertino Galvão tomou a iniciativa, propôs-me e eu concordei, de mandar fazer uma edição de 50 livros, pagos por nós dois, em nome da nossa amiga poetisa e participante do HP, Maria João Brito de Sousa.


Essa atitude teve dois propósitos:
- homenagear a que é, sem dúvida, uma das maiores poetisas portuguesas de todos os tempos
- proporcionar-lhe algum conforto, entregando-lhe em mãos a receita TOTAL da venda dos livros, sabendo como é a sua vida, a que nada ajuda uma grande falta de saúde, que se vem agravando ano após ano. (Aliás, somos da opinião que já deveria ter sido ajudada por alguma entidade oficial, mas, já que isso não aconteceu, vamos ser nós - os que puderem - a prestar-lhe algum apoio.)
O livro tem por título ALMAS GÉMEAS (vamos colocar a capa no item FOTOS no HP), e é composto por duas partes:
- Dialogando com Florbela (dois sonetos da Florbela/dois da Maria João)
- Glosando Florbela (30 sonetos da Florbela/30 sonetos da Maria João, glosando aqueles)
- tem 74 páginas
- podia ser algo mais barato, mas atendendo à finalidade exposta acima, o preço será de 8 euros (+1 euro de portes para Portugal e + 2 euros de portes para outros países)
O dinheiro da venda será centralizado na minha conta, de IBAN PT50 0033 0000 500 884 32 328 05 e será entregue na TOTALIDADE, (como já disse acima) à Maria João, quando já houver um número de livros vendidos que o justifique.

 

Nota: mandaremos fazer outra edição, se a venda desta tiver o êxito que esperamos e se virmos que há pedidos que a justifiquem. O que esperamos que aconteça.
Vamos dar alguma alegria à nossa Maria João!
Ontem mandei-lhe um exemplar e ela, obviamente, não sabia nada do que estava a passar-se.

Mantive-me em contacto com ela esta manhã através do chat do HP, dizendo-lhe que espreitasse a caixa de correio, pois iria ter lá uma surpresa. Telefonei-lhe cerca das 11,20h e desceu pela 5ª vez ao rés do chão, onde finalmente já estava o livrinho.

 

Ficou sem palavras, pela emoção que teve.
Abraços para todos.

Joaquim Sustelo
(Albertino Galvão )

 

NOTA - A obra entrou na terceira edição.

14
Mar16

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (19)

Maria João Brito de Sousa

digitalizar0045.jpg

O MEU MAL

 

Eu tenho lido em mim, sei-me de cor,

Eu sei o nome ao meu estranho mal:

Eu sei que fui a renda de um vitral,

Que fui cipreste e caravela e dor!

 

Fui tudo que no mundo há de maior;

Fui cisne e lírio e águia e catedral!

E fui, talvez, um verso de Nerval,

Ou um cínico riso de Chamfort...



Fui a heráldica flor de agrestes cardos,

Deram as minhas mãos aroma aos nardos...

Deu cor ao eloendro a minha boca...



Ah! De Boabdil fui lágrima na Espanha!

E foi de lá que eu trouxe esta ânsia estranha!

Mágoa de não sei quê! Saudade louca!



Florbela Espanca, in "Livro de Soror Saudade"



MEU BEM, MEU MAL...



"Eu tenho lido em mim, sei-me de cor"

E a cada verso mais me vou sabendo,

Como se sabe a flor do aloendro

Que desconhece ter-se aberto em flor...



"Fui tudo o que no mundo há de maior;"

Um átomo do espaço a que me prendo,

Cada espasmo do orgasmo a que me rendo

E o sofrimento em que me deixa a dor...



"Fui heráldica flor de agrestes cardos",

Fiz minha a devoção de antigos bardos

Mordendo a própria boca amordaçada...



"(Ah!) De Boabdil fui lágrima na Espanha!"

Se o gesto desfalece e se me entranha

A decepção de nem ter escrito dito nada...





Maria João Brito de Sousa - 11.12.2016 - 14.05h

 

 

11
Mar16

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (18)

Maria João Brito de Sousa

digitalizar0114.jpg

PANTEÍSMO



Ao Botto de Carvalho

Tarde de brasa a arder, sol de verão
Cingindo, voluptuoso, o horizonte...
Sinto-me luz e cor, ritmo e clarão
Dum verso triunfal de Anacreonte!

Vejo-me asa no ar, erva no chão,
Oiço-me gota de água a rir, na fonte,
E a curva altiva e dura do Marão
É o meu corpo transformado em monte!

E de bruços na terra penso e cismo
Que, neste meu ardente panteísmo
Nos meus sentidos postos e absortos

Nas coisas luminosas deste mundo,
A minha alma é o túmulo profundo
Onde dormem, sorrindo, os deuses mortos!

Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"



TROPISMO(S)



"Tarde de brasa a arder, sol de Verão"

Sobre um estuário estático e brilhante

Que me parece vir da dimensão

De um mundo imaginado e já distante ...



"Vejo-me asa no ar, erva no chão",

Cauda de peixe, nau de navegante,

Sargaço, limo, lapa ou mexilhão

Nas desnudadas rochas da vazante...



"E de bruços na terra penso e cismo";

Que louco este infindável mimetismo,

Que estranha a minha eterna devoção



"(Às) coisas luminosas deste mundo",

À minha velha casa do Dafundo,

À mais-do-que-fecunda introspecção...



Maria João Brito de Sousa - 10.02.2016 - 18.40h

 

 

10
Mar16

GLOSANDO FLORBELA (17)

Maria João Brito de Sousa

digitalizar0020.jpg

 

 

A VIDA



É vão o amor, o ódio, ou o desdém;
Inútil o desejo e o sentimento...
Lançar um grande amor aos pés d'alguém
O mesmo é que lançar flores ao vento!

Todos somos no mundo "Pedro Sem",
Uma alegria é feita dum tormento,
Um riso é sempre o eco dum lamento,
Sabe-se lá um beijo donde vem!

A mais nobre ilusão morre... desfaz-se...
Uma saudade morta em nós renasce
Que no mesmo momento é já perdida...

Amar-te a vida inteira eu não podia...
A gente esquece sempre o bem dum dia.
Que queres, ó meu Amor, se é isto a Vida!...



Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade"

 

 

... E A MINHA...



"É vão o amor, o ódio, ou o desdém"

E esvaem-se as paixões mais exaltantes

Na própria combustão do que as mantém

Acesas como chamas rutilantes...



"Todos somos no mundo ´Pedro Sem`"

Que exalta as suas naus já vacilantes

Pr`a logo descobrir que, sem vintém,

Tudo voltava a ser como era dantes...



"A mais nobre ilusão morre... desfaz-se..."

E a realidade, essa, compraz-se

Lembrando o quanto pôde ser fatal...



"Amar-te a vida inteira eu não podia";

Traída a dimensão da poesia,

Foi a mim que eu deixei de ser leal...





Maria João Brito de Sousa - 06.02.2016 - 14.31h

 

07
Mar16

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (16)

Maria João Brito de Sousa

images (26).jpg

DESEJOS VÃOS



Eu qu’ria ser o Mar d’altivo porte

Que ri e canta, a vastidão imensa!

Eu qu’ria ser a pedra que não pensa,

A Pedra do caminho, rude e forte!



Eu qu’ria ser o Sol, a luz intensa,

O bem do que é humilde e não tem sorte!

Eu qu’ria ser a árvore tosca e densa

Que ri do mundo vão e até da morte!



Mas o Mar também chora de tristeza...

As Árvores também, como quem reza,

Abrem, aos Céus, os braços, como um crente!



E o Sol altivo e forte, ao fim dum dia,

Tem lágrimas de sangue na agonia!

E as Pedras... essas... pisa-as toda a gente!..



Florbela Espanca, in "Livro de Mágoas"



REFLEXÕES...



"Eu queria ser o Mar d`altivo porte",

Sentir-me a flutuar na vaga imensa

Que se ergue prepotente, irada, tensa,

Pr`a desfazer-se em espuma, num desnorte...



"Eu queria ser o Sol, a luz intensa",

O brilho luminoso, o raio forte

Que, aceso, nos aquece e recompensa,

Mas nos foge a seguir, tal como a sorte...



"Mas o Mar também chora de tristeza",

Desfaz-se a vaga em espuma e, sem surpresa,

Rende-se à noite escura o astro ardente



"E o Sol altivo e forte, ao fim dum dia",

Vai concedendo à Lua a primazia

De um brilhozinho suave e transparente...





Maria João Brito de Sousa - 09.02.2016 - 14.27h

 

 

03
Mar16

GLOSANDO FLORBELA ESPANCA (15)

Maria João Brito de Sousa

Vermelho.jpg

 

HORAS RUBRAS



Horas profundas, lentas e caladas
Feitas de beijos rubros e ardentes,
De noites de volúpia, noites quentes
Onde há risos de virgens desmaiadas...

Oiço olaias em flor às gargalhadas...
Tombam astros em fogo, astros dementes,
E do luar os beijos languescentes
São pedaços de prata p'las estradas...

Os meus lábios são brancos como lagos...
Os meus braços são leves como afagos,
Vestiu-os o luar de sedas puras...

Sou chama e neve e branca e mist'riosa...
E sou, talvez, na noite voluptuosa,
Ó meu Poeta, o beijo que procuras!

Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade"



HORAS RUBRAS



"Horas profundas, lentas e caladas",

Feitas de espanto e reflexões prementes

Que se vão desvendando, transparentes,

Porque sempre se insurgem, revoltadas...



"Oiço olaias em flor às gargalhadas"

E só vejo, afinal, rangendo os dentes,

Pessoas que contemplam, impotentes,

As próprias mãos vazias e cansadas...



"Os meus lábios são brancos como lagos"

Emitindo uns protestos neutros, vagos,

Contra outra mão, burguesa e esmagadora;



"Sou chama e neve e branca e mist'riosa",

Mas mesmo sendo eu fraca, é vigorosa

A rubra força que em mim cresce agora!



Maria João Brito de Sousa - 04.02.2016 - 12.35h





 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!