Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
03
Mai24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXX

Maria João Brito de Sousa

Em claro espelho (1).jpg

Imagem Pinterest

"A Morte de Safo" - Miguel Carbonell Selva

*

*

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXX
*

 

Formosos olhos, que na idade nossa

Mostrais do Ceo certissimos signais,

Se quereis conhecer quanto possais,

Olhai-me a mim, que sou feitura vossa.
*


Vereis que do viver me desapossa

Aquelle riso com que a vida dais:

Vereis como de Amor não quero mais,

Por mais que o tempo corra, o damno possa.
*


E se ver-vos nesta alma, emfim, quizerdes,

Como em hum claro espelho, alli vereis

Tambem a vossa angelica e serena.
*


Mas eu cuido que, só por me não verdes,

Ver-vos em mim, Senhora, não quereis:

Tanto gôsto levais de minha pena!
*

Luís de Camões.
***


Tal como pelo Céu, por vós aspiro

Não tão serena quanto imaginais

Porquanto inda de vós não vi signais

E em minha solidão por vós suspiro
*


Tão queda estou, Senhor, neste retiro

Onde mal chega o canto dos pardais

Que não posso entender porque julgais

Que dessa vossa pena gôsto tiro
*

 

Não podendo fugir de penas tantas

Suplico-vos, Senhor: Não me julgueis

Sem que antes tenhais vindo confirmar
*


Que presa à terra vivo como as plantas

E só almejo o dia em que volteis

Para nos vossos olhos me mirar.
*

 

Mª João Brito de Sousa

03.05.2024 - 10.530h
***

O soneto de Camões foi transcrito do blog Sociedade Perfeita

 

 

30
Abr24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXIX

Maria João Brito de Sousa

Febo e diana (1).jpg

Imagem Pinterest

*

LAMIA AND THE KNIGHT

John William Waterhouse

*

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO
*


Diana prateada, esclarecia

com a luz que do claro Febo ardente,

por ser de natureza transparente,

em si, como em espelho, reluzia.
*


Cem mil milhões de graças lhe influía,

quando me apareceu o excelente

raio de vosso aspecto, diferente

em graça e em amor do que soía.
*


Eu, vendo-me tão cheio de favores

e tão propinco a ser de todo vosso,

louvei a hora clara, e a noite escura,
*


pois nela destes cor a meus amores;

donde colijo claro que não posso

de dia para vós já ter ventura.
*


Luís de Camões

***


Enganais-vos, Senhor. A qualquer hora

De um dia claro ou de uma noite escura,

Estou pronta a conceder-vos a ventura

Que em carícias se acende e se demora
*

 

Não vedes que o desejo me devora?

Aplacai-me esta sede, esta secura,

Que eu prometo levar-vos à loucura

Com graças tais que até Diana ignora...
*

 

Que Febo e ela juntos se consolem

Enquanto vindes consolar-me a mim

Que mais sedenta estou que qualquer deus
*


Derramai sobre mim o vosso pólen,

Tomai-me toda inteira até que, enfim,

Vos jure que me haveis levado aos céus.
*

 

Mª João Brito de Sousa

30.04.2024 - 10.00h
***


O soneto de Camões foi transcrito do Blog Sociedade Perfeita

 

29
Abr24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXVIII

Maria João Brito de Sousa

mulher nuvem pinterest (3).jpg

Imagem Pinterest

*

 

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXVIII
*


Chorai, Ninfas, os fados poderosos

Daquela soberana fermosura!

Onde foram parar ? Na sepultura?

Aqueles reais olhos graciosos?
*


Ó bens do mundo, falsos e enganosos!

Que mágoas para ouvir! Que tal figura

Jaza sem resplendor na terra dura,

Com tal rostro e cabelos tão fermosos!
*


Das outras que será, pois poder teve

A morte sobre cousa tanto bela

Que ela eclipsava a luz do claro dia?
*


Mas o mundo não era digno dela;

Por isso mais na terra não esteve:

Ao Céu subiu, que já se lhe devia.
*

Luíz de Camões
***


Chorando estamos. Nada nos consola

E se julgais infinda a vossa dor

A nossa é com certeza bem maior

Pois não só nos tortura como imola
*


Porque correis pra nós pedindo a esmola

De um choro que julgais consolador

Se somos meras nuvens de vapor

Suaves visões que a dor em vós empola?
*


E se entendeis que o Céu lhe era devido

Porque a chorais na Terra onde ora jaz?

Porque não exultais, se assim o credes?
*


Chorai, porém, se o choro vos apraz:

Pra vós, mortais, o choro faz sentido

Mas não nos mata nós as duras sedes.
*

 

 

Mª João Brito de Sousa

29.04.2024 - 13.00h
***

O soneto de Camões foi transcrito do Blog Sociedade Perfeita

26
Abr24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXVII

Maria João Brito de Sousa

looking at the stars (1).jpg

Imagem Pinterest

*

 

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXVII
*


Doce contentamento já passado,

em que todo o meu bem já consistia,

quem vos levou de minha companhia

e me deixou de vós tão apartado?
*


Quem cuidou que se visse neste estado

naquelas breves horas de alegria,

quando minha ventura consentia

que de enganos vivesse meu cuidado?
*

 

Fortuna minha foi cruel e dura

aquela, que causou meu perdimento,

com a qual ninguém pode ter cautela.
*


Nem se engane nenhüa criatura,

que não pode nenhum impedimento

fugir do que lhe ordena sua estrela.
*


Luís de Camões
***

 

Sobre os mandos de estrelas nada sei

Mas conheço as pulsões que, imperativas,

Chamo de musas e dão directivas

Aos versos que já fiz e aos que farei.
*


Chorais a que partiu, mas eu fiquei...

Nem sempre uso palavras assertivas,

Nem sinto as vergastadas punitivas

De quem cuidar dos passos que não dei
*


Apenas passo como tantos mais

Por essa vossa estrela e se me invento,

Dentro ou fora do Tempo, aqui estou eu
*


Na projecção de mim pra que saibais

Que vos devolvo à vida e que lamento

Que o Amor que chorais não seja o meu.
*

 

Mª João Brito de Sousa

26.04.2024 - 20.45h
***

 

O soneto de Camões foi transcrito do Blog Sociedade Perfeita

 

21
Abr24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXVII

Maria João Brito de Sousa

CAMÔES CASTELHANO.jpg

Imagem Pinterest

*

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXVII
*

 


El vaso reluciente y cristalino,

de Ángeles agua clara y olorosa,

de blanca seda ornado y fresca rosa,

ligado con cabellos de oro fino,
*


bien claro parecía el don divino

labrado por la mano artificiosa

de aquella blanca Ninfa, graciosa

más que el rubio lucero matutino.
*


Nel vaso vuestro cuerpo se afigura,

raxado de los blancos miembros bellos,

y en el agua vuestra ánima pura.
*


La seda es la blancura, y los cabellos

son las prisiones y la ligadura

con que mi libertad fue asida dellos.
*


Luís de Camões
***


A mí, Señor, me habías prometido

Entero el corazón... Cómo creer-te

Si ahora oigo que vas a perder-te

¿Por otra, qué seguro te ha mentido?
*


Así me quedo sola, así te olvido

¡Sin lloros, que no quiero detener-te!

Solo palabras podré devolver-te

Y serán todas las que te he oído
*


Quédate con tu vaso reluciente

Que pronto quebrarás a puñetazos

Porque se te habrá vuelto indiferente
*


Ya no me embromarás con tus abrazos,

Ahora sé que puedo hacerte frente:

¡Jamás me romperás en mil pedazos!
***

 

Mª João Brito de Sousa

21.04.2024 - 15.00h
***


O soneto de Camões foi transcrito do blog Sociedade Perfeita

21
Abr24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXVI

Maria João Brito de Sousa

water pint (1).jpg

Imagem Pinterest

*

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXVI
*


Doces e claras águas do Mondego,

Doce repouso de minha lembrança,

Onde a comprida e perfida esperança

Longo tempo apos si me trouxe cego,
*


De vós me aparto, si; porém não nego

Que inda a longa memoria, que me alcança,

Me não deixa de vós fazer mudança,

Mas quanto mais me alongo, mais me achego
*


Bem poderá a Fortuna este instrumento

Da alma levar por terra nova e estranha,

Offerecido ao mar remoto, ao vento.
*


Mas a alma, que de cá vos acompanha,

Nas azas do ligeiro pensamento

Para vós, águas, vôa, e em vós se banha.
*


Luís de Camões

***


Também pra mim, Senhor, esse Mondego

Tem tantas graças, tão doces mistérios

Que o ouço a marulhar nos céus etéreos

Em que se espelha o meu desassossego
*


Ó rio que és de meu pai, nada te nego

E, se os tivesse, dar-te-ia impérios

Dos que, feitos de amor, são deletérios

Pra todo o que ao amor se mostre cego...
*


Ponho-te ao lado do meu Tejo manso

E se recordo, agreste, o velho Douro,

Três sois, se está correcto o meu balanço:
*


Tu, meu Tejo moreno, és o meu mouro,

Tu, Douro, a minha garra e o meu descanso

E tu, Mondego, o meu gentil calouro.
*

 

Mª João Brito de Sousa

20.04.2024 - 10.00h
***

Memorando o poeta António de Sousa, por Vitorino Nemésio apodado de "poeta dos três rios" por ter nascido no Porto, estudado e casado em Coimbra onde o meu pai nasceu, e vivido os seus últimos anos junto ao Tejo, no Concelho de Oeiras.

*

O soneto de Camões foi transcrito do blog Sociedade Perfeita

 

17
Abr24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXV

Maria João Brito de Sousa

balouço na lua pint.jpg

Imagem Pinterest

*

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXV
*

 

Doce sonho, suave e soberano,

se por mais longo tempo me durara!

Ah! quem de sonho tal nunca acordara,

Pois havia de ver tal desengano!
*

Ah! deleitoso bem! ah! doce engano,

se por mais largo espaço me enganara!

Se então a vida mísera acabara,

de alegria e prazer morrera ufano.
*

Ditoso, não estando em mim, pois tive,

dormindo, o que acordado ter quisera.

Olhai com que me paga meu destino!
*

Enfim, fora de mim, ditoso estive.

Em mentiras ter dita razão era,

pois sempre nas verdades fui mofino.
*


Luís de Camões
***


Que mofino haveis sido nas verdades,

Sempre eu o soube e sempre o perdoei

Que embora resmungasse, bem o sei,

Nunca vos quis ter preso atrás de grades
*


Pra mim, ora o ciúme, ora as saudades

Foram as penas que por vós penei

E vós nem destes conta, reparei,

De haverdes cometido atrocidades...
*


Amai mulher`s e deusas, mas calai-vos

Antes de me mentirdes novamente:

Dentro ou fora de vós, deixai-me em paz!
*


Tem a mentira da verdade uns laivos

Que me traem às vezes corpo e mente

E eu de escapar-vos já não sou capaz...
*

 

Mª João Brito de Sousa

17.04.2024 - 13.30h
***

 

 O soneto de Camões foi transcrito do blog Sociedade Perfeita

17
Abr24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXIV

Maria João Brito de Sousa

hands in the clouds pint (1).jpg

Imagem Pinterest

*

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXIV
*

 

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,

Muda-se o ser, muda-se a confiança;

Todo o mundo é composto de mudança,

Tomando sempre novas qualidades.
*


Continuamente vemos novidades,

Diferentes em tudo da esperança;

Do mal ficam as mágoas na lembrança,

E do bem, se algum houve, as saudades.
*


O tempo cobre o chão de verde manto,

Que já coberto foi de neve fria,

E enfim converte em choro o doce canto.
*


E, afora este mudar-se cada dia,

Outra mudança faz de mor espanto:

Que não se muda já como soía.
*


Luís Vaz de Camões

In "Sonetos"
***

 

"Que não se muda já como soía"

Tudo quanto é mudado e permanece

Na extrema rapidez em que se tece

Qual fio sempre a brotar da mão que o fia
*


E tão depressa o gesto se abrevia

Que a mão exausta toda se entorpece

E faz nascer o mal de que padece

Do que antes fora o bem de que fruía...
*


O que ontem era novo, hoje é passado,

Já não tem preço, nem utilidade:

Terá de ser esquecido e renegado
*


Porquanto mal se aviste a novidade

Todos porão de lado o que é trocado

Pelo vistoso e fraco em qualidade.
*

 


Mª João Brito de Sousa

17.04.2024 - 01.20h
***

16
Abr24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXIII

Maria João Brito de Sousa

- oEIRAS, eVENTO NAS PALMEIRAS, POESIA, 2021 (1).jpg

Eu, fotografada por Rogério V. Pereira

*

 

Diversos dões reparte o Ceo benino,

E quer que cada huma alma hum só possua;

Por isso ornou de casto peito a Lua,

Que o primeiro orbe illustra crystallino;
*


De graça a Mãe formosa do Menino,

Que nessa vista tẽe perdido a sua;

Pallas de sciencia não maior que a tua:

Tẽe Juno da nobreza o imperio dino.
*


Mas junto agora o largo Ceo derrama

Em ti o mais que tinha, e foi o menos

Em respeito do Autor da natureza.
*


Que a seu pezar te dão, formosa dama,

Seu peito a Lua, sua graça Venos,

Sua sciencia Pallas, Juno sua nobreza
*


Luís de Camões
***


Eu que formosa fui em tempos idos

Mas despojada estou dessoutros dões,

Não sei por que converso com Camões

Se o vate não consegue dar-me ouvidos...
*


Ainda que me cubra de vestidos,

De jóias de quilate e de galões,

Este corpo é tão falho em atracções,

Quão fértil em maleitas e pruridos!
*


De infindos dões, contudo, fui dotada

P`lo já citado Autor da natureza

Que mui pródigo foi para comigo
*


Ao dar-me a voz que deu, pra ser cantada,

Ao deixar-me morrer, voltando ilesa,

E ao ceder-me este Mestre enquanto amigo.
*

 

Mª João Brito de Sousa

16.04.2024 - 11.00h
***

 

 

O Soneto de Camões foi transcrito do blog Sociedade Perfeita

28
Mar24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXIII

Maria João Brito de Sousa

estranho par pinterest.jpg

Imagem Pinterest

*

 

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXIII
*


Como quando do mar tempestuoso

O marinheiro todo trabalhado,

De hum naufragio cruel sahindo a nado,

Só de ouvir fallar nelle está medroso:
*

Firme jura que o vê-lo bonançoso

Do seu lar o não tire socegado;

Mas esquecido ja do horror passado,

Delle a fiar se torna cobiçoso:
*


Assi, Senhora, eu que da tormenta

De vossa vista fujo, por salvar-me,

Jurando de não mais em outra ver-me;
*


Com a alma que de vós nunca se ausenta,

Me tórno, por cobiça de ganhar-me,

Onde estive tão perto de perder-me.
*

Luíz de Camões

***

 

Se vos haveis ganhado onde perdido

Estivestes quase, quase, em fúria tanta,

Cuidai de vos cuidar que se alevanta

Tormenta bem maior que a que heis sentido
*


Imensa em força, doble em arruído

E capaz de vergar mesmo Atalanta,

Esta a todas as outras as suplanta

Pois mais de mil borrascas há vencido
*


Fugi então de ouvir novas de mim:

Se da fúria primeira vos salvastes,

Quiçá duma segunda não possais
*


Salvar o vosso frágil bergantim

Da fúria que vós próprio provocastes

Conquanto de inocência vos cubrais.
*


Mª João Brito de Sousa

28.03.2024 -11.00h
***

 

O soneto de Camões foi transcrito do blog Sociedade Perfeita

24
Mar24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXII

Maria João Brito de Sousa

terra longinqua pinterest (1).jpg

Imagem Pinterest

*

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXII
*

 

Cantando estava um dia bem seguro,

Quando passava Silvio, e me dizia:

(Silvio, pastor antiguo que sabia

Por o canto das aves o futuro)
*


"Méries, quando quizer o Fado escuro,

A oprimir-te virão em um só dia

Dois lobos; logo a voz e a melodia

Te fugirão, e o som suave e puro."
*


Bem foi assi; porque hum me degolou

Quanto gado vacum pastava e tinha,

De que grandes soldadas esperava.
*

E, por mais dano, o outro me matou

A cordeira gentil, que eu tanto amava,

Perpétua saudade da alma minha!
*

Luíz de Camões
***


Se dura foi de Sílvio a profecia,

Imaginai quão mais dura será

A isenta narrativa de quem está

Hoje a quinhentos anos desse dia...
*


Plo nome que escolheis vos chamaria

E assim vos chamarei se tal vos dá

Prazer... Ah, que prazer inda haverá

Para quem, morto, não chore nem ria?
*


Sílvio não sou. Tampouco sou profeta,

Mas sei que na miséria haveis morrido,

De pouco vos valeu serdes poeta
*


Que, enquanto vivo, tudo haveis perdido!

Haveis cantado a Pátria como um esteta

Mas só depois de morto haveis vivido...
*


Mª João Brito de Sousa

24.03.2024 - 14.00h

***

 

O soneto de Camões foi transcrito do blog Sociedade Perfeita

22
Mar24

DIALOGANDO COM CAMÕES NO SEU QUINGENTÉSIMO ANIVERSÁRIO XXI

Maria João Brito de Sousa

cid simões - as palavras são armas (2).png

Imagem retirada do blog "As Palavras São Armas"

de Cid Simões

*

Cá nesta Babilónia donde mana

Matéria a quanto mal o mundo cria;

Cá donde o puro Amor não tem valia;

Que a Mãe, que manda mais, tudo profana;
*


Cá donde o mal se afina, o bem se dana,

E pode mais que a honra a tirania;

Cá donde a errada e cega Monarquia

Cuida que um nome vão a Deus engana;
*


Cá neste labirintho onde a Nobreza,

O Valor e o Saber pedindo vão

Ás portas da Cobiça e da Vileza;
*

Cá neste escuro caos de confusão

Cumprindo o curso estou da natureza.

Vê se me esquecerei de ti, Sião!
*


Luíz de Camões
***


Novas, Senhor, vos trago de Sião

Onde quem pode mais mais vai matando

E de onde os mísseis manam sibilando

Para cumprirem - diz-se - uma missão
*


Mas desta minha humana auscultação,

Dif`rentes novas vos quisera ir dando

E em vez mísseis jurar ver pousando

Medicamentos, plasma e água e pão...
*


Ah, "donde o puro amor não tem valia"

"Às portas da cobiça e da vileza"

Só gritos se ouvem. Gritos de agonia.
*


Novas só estas: morte, horror, tristeza...

Eis a missão na qual Sião porfia

Que se enche à custa desta guerra acesa.
*

 

Mª João Brito de Sousa

22.03.2024 - 15.00h
***

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

DICIONÁRIO DE RIMAS

DICIONÁRIO DE RIMAS

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!