Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
30
Jun09

OVER REACTION...

Maria João Brito de Sousa

 

Quem mente aqui? Porquê a acusação?

Valha-te Deus, não sabes o que dizes!

Estou pobre mas feliz entre os felizes

E sabes muito bem que: - Mentir, não!

 

Porque hei-de demonstrar falsa ambição?

No palco, entre os actores e as actrizes,

Sou árvore a prender suas raízes

No final desta última sessão.

 

Fico, contudo, em paz. Desabafei!

De tudo o que já disse - e não retiro! -

Confesso ter, decerto, exagerado...

 

Privada de aceder, logo pequei...

Escrevi umas palavras como um tiro,

Deixei o palco todo alvoroçado...

 

 

Imagem retirada da internet - vulcão em erupção

19
Dez08

AB INITIO

Maria João Brito de Sousa

Tudo tem uma cor e tudo é cor!

Palavras, letras... números também!

Cada um é a cor da cor que tem

E dispersa-se em ondas de calor.

 

Nem sempre o negro é mau, nem sempre é dor!

Do negro que tracei nasceu, além,

Uma pérola branca a que ninguém

Pode dizer que não terá valor...

 

O "um" sempre foi negro, o "dois" cinzento,

O "três" é amarelo, ao "quatro" tento

Descrever-lhe esse azul mal definido...

 

O "cinco" é bem vermelho, o "seis" é rosa...

São a minha paleta, o verso, a prosa...

E todo este "ab initio" faz sentido...

 

Maria João Brito de Sousa, 2002

 

 

07
Out08

O DESLUMBRAMENTO II

Maria João Brito de Sousa

Há um deslumbramento descontente

Que me define toda e se traduz

No desenho de mim, em contra-luz,

Na dimensão laranja de um poente.

 

E tudo o que aqui faço é muito urgente

Porque o deslumbramento me seduz:

Carrego, alegremente, a minha cruz

Aos ombros de um poema que a não sente...

 

Às vezes este sol que me ilumina

Pressente outros anseios mais carnais

E cria-me um conforto, um aconchego...

 

Novo deslumbramento me domina

E, de tão deslumbrada, eu fico mais

Perdida no poema a que me entrego...

 

Imagem retirada da internet - tela de Salvador Dali

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!