Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
11
Jan17

O MEU PATRONO VISTO POR MIM - AVL

Maria João Brito de Sousa

Florbela com Gato.jpg

 

Patrono: Florbela Espanca

Académica: Maria João Brito de Sousa

Cadeira: 06



Evento:



"O MEU PATRONO VISTO POR MIM"



A FLOR DO SONHO

*



A Flor do Sonho, alvíssima, divina,

Miraculosamente abriu em mim,

Como se uma magnólia de cetim

Fosse florir num muro todo em ruína.

*



Pende em meu seio a haste branda e fina

E não posso entender como é que, enfim,

Essa tão rara flor abriu assim!...

Milagre... fantasia... ou, talvez, sina...

*



Ó flor que em mim nasceste sem abrolhos,

Que tem que sejam tristes os meus olhos,

Se eles são tristes pelo amor de de ti?!...

*



Desde que em mim nasceste em noite calma,

Voou ao longe a asa da minha`alma

E nunca, nunca mais eu me entendi...

*



Florbela Espanca



In "Livro de Mágoas"



_____*_____



GLOSA



COORDENADAS PARA UM VELHO/NOVO SONHO

*





"A Flor do Sonho, alvíssima, divina,"

Veio florir-me a sina, de nascença;

Minha ideada irmã, estranha pertença

Que não tem quem a vença, se ilumina...

*



"Pende em meu seio a haste branca e fina",

Que, embora pequenina, sente, pensa,

E não contesta a capital sentença

De quem, ao Verso, serve e, ao Mundo, ensina.

*



"Ó flor que em mim nasceste sem abrolhos",

Quando floriste, encheu-se o mar de escolhos

Que vão fendendo o bojo à minha Barca;

*



"Desde que em mim nasceste em noite calma",

Tomei por leme o verde de uma palma

E fiz-me ao mar de Dante, com Petrarca.

*





Maria João Brito de Sousa - 08.01.2017 - 12.32h

 

quatro anos, Algés.jpeg

 

 

29
Ago16

APOGEU POÉTICO - Academia Virtual de Letras

Maria João Brito de Sousa

Natureza.jpg

 

APOGEU POÉTICO AVL - Agosto, 2016

Tema - NATUREZA

Modalidade - Clássico

Patrono: Manuel Maria Barbosa du Bocage

Académica: Maria João Brito de Sousa

Cadeira: 06



NATURA



Natura, minha Mãe, se sei cantar-te,

De ti me veio a força, o sopro humano

E este engenho que teima em dedicar-te

Cada alegria e cada desengano...



Se ainda sei, Natura, que negar-te,

Seria ir-me perdendo em rumo insano,

Assim continuarei fazendo Arte

Do muito que me deste, ano após ano!



Somei-lhe, é certo, indómita vontade,

Um trabalho sem fim, um risco, um preço

E a minha própria escolha que, em verdade,



Foi livre, tanto quanto o reconheço...

Mas sendo eu tua filha, ó Grande Madre,

Como não ser-te igual, desde o começo?



Maria João Brito de Sousa - 12.08.2016 - 12.22h

 

11
Jul16

EVENTO AVL - O MEU PATRONO VISTO POR MIM

Maria João Brito de Sousa

Bocage.jpg

 Patrono: Manuel Maria Barbosa du Bocage

Académica: Maria João Brito de Sousa

Cadeira:06

 

BOCAGE





(Soneto em decassílabo heróico e rima encadeada)



Manuel Maria foi vate erudito

Que fez, do verso escrito, o seu combate,

Ousando algum dislate, usando o grito

Que de si fez proscrito, embora vate...



Sonetos de quilate eu lhe credito

Num breve plebiscito em que arrebate

E abarque o que o meu vate deixou escrito;

Seu estro, esse infinito, e seu remate!



Barbosa du Bocage, o dos sonetos,

Homem de mil trajectos, que reage

Improvisando, o que age sem projectos



E que em versos directos, tece ultrage

Aos "nobres" - "quel dommage!"*- mais infectos,

Mas nunca aos seus dilectos: - Eis Bocage!



Maria João Brito de Sousa -07.07.2016 - 14.00h





* "Quel dommage!" - Que pena!, em francês.

 

bocage-biografia-e-obras.jpg

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!