Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
12
Out08

O CULTIVO DAS ROSAS

Maria João Brito de Sousa

Sou filha-de-ninguém no dia a dia

Mas trago o "sangue bom" dos meus avós

E mesmo nada tendo, eu tenho "voz"!

(desculpem-me a vaidade, a ousadia...)

 

Sou filha-de-ninguém, mas sou poeta!

Canto o  passar das horas neste mundo

E, enquanto cantar, não vou ao fundo!

É esta a minha glória mais secreta...

 

Eu, filha-de-ninguém, protejo a vida,

Encontro-me onde a sorte foi perdida,

Saboreio, ao segundo, a caminhada,

 

Dou tudo o que em mim há (sou generosa...),

Acredito no "ser", cultivo a rosa

Que vos alegra e não vos pede nada!

 

II

 

Cultivo a minha rosa à luz da lua.

O sol nem sempre vem, nem sempre aquece...

Cultivo a rosa e a rosa não se esquece,

Responde: - És de ninguém? Que sorte a tua!

 

Nós, filhos-de-ninguém, criamos laços

E agradamos (ou não...) a toda a gente...

Mas trazemos connosco esta semente

Que transforma os olhares em mil abraços!

 

Temos `spinhos, é certo,e quantas vezes

Usamos, sem pensar, essas defesas

P`ra preservar a nossa própria vida...

 

Dá-nos o mundo amor, dá-nos revezes,

Faz de nós predador`s ou faz-nos presas,

Mas nunca de alma fraca e já vencida!

 

 

À Natália Correia

 

À Joanina

 

À Azoriana, pela açorianidade e pelo nome da rosa

04
Abr08

AMAR É...

Maria João Brito de Sousa

 

 

Amar é estar em paz, acreditar...

É ser gato e mulher e planta em flor!

Mais do que ter amor é Ser-se amor

E nesse amor florir, frutificar...

.

É ter dentro de nós a terra, o mar,

É pintar um poema em cada cor,

É poder consolar quem sinta dor,

Semear um sorriso em quem chorar...

 

É saber aceitar, em vida, a morte,

Sem medo e sem a sombra da revolta

E, equilibrando os pratos do destino,

 

É vislumbrar, ao longe, um fio de sorte,

E agarrar, desse fio, a ponta solta

De tudo o que em nós há de mais divino...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 04.04.2008 - 11.53h

 

 

 

Soneto especialmente dedicado à Poeta de Domingos, que ontem me lançou o repto, e ao meu amigo Sonhosolitario.

 

Fotografia gentilmente "roubada" à Associação ANIMAL que luta por quem, como nós, sente e ama, mas não pode fazer valer o seu direito à vida.

 

27
Mar08

DIÁLOGO (A "SOLO"...)

Maria João Brito de Sousa

 

Sobra-me, de mim mesma, um ego e meio,

Mil coisas que volitam por aí

E neste "transbordar" sinto-me, aqui,

Ao comparar-me a vós, "patinho-feio"...

 

Transposta esta barreira, o que granjeio

É a amizade de quem nunca vi

Neste "prémio" a que, em tempos, concorri;

Desvendar-me em poemas, sem receio...

 

Sobra-me, em cada abraço, o vosso aplauso,

Se mão que me estendeis é sempre amiga

E se acende a palavra a arder em mim...

 

Perdão, se alguns incómodos vos causo;

Sois vós quem me alimenta e quem me abriga

E é por vós que, afinal, eu escrevo assim...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 27.03.2008 - 08.16h

 

(Na estação dos CTT, aguardando a vez da minha senha...)

 

NOTA - Sei perfeitamente quão mal pode soar este título. Na realidade, um "diálogo a solo" é um perfeito disparate, deveria ter escrito "Monólogo", mas... foi um disparate muitíssimo propositado e intencional...

Nesta minha viagem reformulativa até aos meus primeiros sonetos, tenho-me apercebido de que parti sempre do princípio que os hipotéticos leitores estariam familiarizados com a total liberdade conceptual que a poesia confere ao poeta, bem como com o facto de nem sempre o narrador coincidir com o sujeito poético. 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!