Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
10
Jan24

ADAGIO PARA VELHOS SONETISTAS (e não só)- Mª João Brito de Sousa e Custódio Montes

Maria João Brito de Sousa

orquestra.png

 

ADAGIO

Para Velhos Sonetistas
e
Não Só
*

Coroa de Sonetos
*

Mª João Brito de Sousa e Custódio Montes
*
1.
*
Caminhamos curvados pelas ruas

Geladas e brilhantes como espelhos,

Nós desgastados, nós que estamos velhos,

Nós cujos ossos ferem como puas...
*


Cá vamos nós, trocando sóis e luas

Por veias que azularam nos artelhos

E se multiplicaram quais coelhos

Multiplicam no solo as tocas suas...
*


Tentamos proteger-nos do contágio,

Que este Janus* vai estando rigoroso

E nós chegámos ao mais alto estágio
*


Do Inverno da Vida, o mais penoso,

Que apenas nos concede um lento "Adagio"

Em vez de um "Presto" firme e vigoroso.
*

 

Mª João Brito de Sousa

08.01.2024 - 16.47h
***

2.
*
“ Em vez dum “Presto” firme e vigoroso"

Que trouxe a juventude ao começar

Que agora vai embora sobre o mar,

Deus do ocaso, um velho langoroso
*


No começo o jardim era formoso

Com papoilas e rosas ao luar

Sol nascente e cantigas pelo ar

Agora um astro breu, velho e moroso
*


E vemos primaveras a florir

Jovens belas que passam mesmo ao lado

Com força no andar e no sorrir
*


E num banco um idoso ali sentado

Sem réstias de sonho no porvir

Como sol a deixar o povoado
*


Custódio Montes
9.1.2024
***

3.
*
"Como sol a deixar o povoado"

Nos vamos, nós também, desvanecendo,

As mãos sobre os joelhos que, mordendo,

Nos trazem mais memórias do passado
*


E enquanto os nossos dedos no teclado

Ainda produtivos vão escrevendo,

Ao som do lento Adagio iremos tendo

Um Inverno mais suave e animado
*


Nenhum de nós conhece a hora exacta,

Só sabemos que aos poucos se aproxima

Sem que possamos adiar-lhe a data
*


Mas antes que essa data nos suprima

Vamos mostrar ao frio que nos maltrata

O tanto que este Adagio nos sublima!
*


Mª João Brito de Sousa

09.01.2024 - 11.00h
***

4.
*
“O tanto que este adágio nos sublima”

E também nos ajuda a ter cuidado

Na minha terra o tempo está gelado

Fico em Braga que há neve lá em cima
*


E para que esse frio não me oprima

Fico na minha “toca” resguardado

Agasalho-me bem agasalhado

Torneio deste modo tão mau clima
*


A vida que fazia não se faz

Temos que ter cuidado, tem que ser

Sair, andar na borga satisfaz
*


Mas cria-me problemas a valer

Gostava de aventuras em rapaz

Mas agora a aventura é o bom viver
*
Custódio Montes
9.1.2024
***

5.
*
"Mas agora a aventura é o bom viver"

E bem melhor cantar as nossas vidas

Que vão longas mas nada aborrecidas,

Embora muitos não o queiram crer
*


E ao ver-nos assim, a envelhecer,

Nos julguem pela vida já vencidos...

Mas sorrimos ainda! Os tempos idos

Passaram por nós dois sempre a correr
*


Deixando pouco mais do que as memórias

Que docemente agora recordamos

Entre tristezas e pequenas glórias...
*

Somos a soma do que conquistamos:

Se houve derrotas, houve mais vitórias,

E haverá futuro, se o sonhamos!
*


Mª João Brito de Sousa

09.01.2024 - 12.15h
***

6.
*
“E haverá futuro, se o sonhamos!”

Vida é isso mesmo: é arquitectar

Visitar jardins para os vislumbrar

E não os vendo, nós imaginamos
*

Sempre em frente, parados não ficamos

Ser-se poeta é ir até ao mar

Mas se não se for, basta imaginar

Um mundo novo e belo que criamos
*


Se nos cai o cabelo e nascem papos

O que nós escrevemos tem valor

Merecemos louvor e somos guapos
*


Que tão criativos, nós temos valor

Não somos velhos, velhos são os trapos

Ser-se poeta é ter vida e amor
*

Custódio Montes
91.2024
***

7.
*

"Ser-se poeta é ter vida e amor"

Tocando até ao fim o suave Adagio

E se é inevitável o naufrágio,

Naufraguemos com arte e com fulgor
*


Que há sempre quem acabe bem pior

E venha a ser banido por sufrágio:

Alguém que trema a cada mau presságio

Em cada pedra encontra o Adamastor...
*


Não me assusta a velhice. O que me assusta

É não poder escrever, nem poetar,

E naufragar da forma mais injusta
*

Que um bom poeta possa imaginar...

É isso que me dói, que mais me custa:

Ser só vetusta não me irá calar!
*


Mª João Brito de Sousa

09.01.2024 - 15.35h
***

8.
*
“Ser só vetusta não me irá calar”

Que quem cala o que sabe é infiel

À sua natureza e ao seu papel

De dizer o que sente e de ensinar
*

Um mestre não fraqueja que parar

É pôr de lado a pena e o pincel

É não mostrar aos outros o cinzel

Com que se adorna a obra a poetar
*


O que interessa é ter o pensamento

E a mente em seu lugar e organizada

Que a obra se verá e o seu talento
*

Com enfeites e forma emalhetada

Que a arte quando existe é um portento

E a artista fica eterna e afamada
*

Custódio Montes
9.1.2024
***

9.
*

"E a artista fica eterna e afamada"

Mas não será a fama que a fascina,

E sim poder voltar a ser menina

Por um instante e por coisa de nada
*


Que às vezes basta um verso de uma quadra

Pra transportá-la, envolta em seda fina,

Aos tempos da criança cuja sina

A levaria a ir por esta estrada...
*


Mas voltemos de novo ao andamento

Do suave Adagio que nos guia os passos,

Suavíssimo e melódico, mas lento
*


A criar entre nós profundos laços,

Que toda a poesia é sentimento

E quase sempre acaba em dois abraços.
*

 

Mª João Brito de Sousa

09.01.2024 - 20.45h
***

10.
*
“E quase sempre acaba em dois abraços”

Que o poema é alegria e amizade

Estimula o carinho e a vontade

Para juntos criarem fortes laços
*


O poema preenche e ocupa espaços

Enfeita com fulgor, luz, claridade

Ornamenta os dizeres na cidade

E liga dois amores entre braços
*


O idoso imagina-se menino

As agruras transformam-se em poesia

E, com gáudio, encontra o seu destino
*

A tristeza é um mal que, por magia,

Nem sempre dura, ri, entoa um hino

E, como o adágio diz, vira alegria
*

Custódio Montes
10.1.2024
***

11.
*

"E, como o adágio diz, vira alegria"

Que estoutro Adagio tenta acompanhar,

Correndo, mas correndo devagar,

Mostrando o que lhe resta de energia...
*

Ao Presto não chegou, mas a harmonia

É tanta que parece suscitar

Um Allegro Vivace a culminar

A nossa inacabada sinfonia...
*


Seja o soneto o piano em que compomos

Este Adagio pra cordas. O violino

Virá depois contar tudo o que fomos
*


E ambos falarão sobre o destino...

Talvez nos caibam fadas, elfos, gnomos,

Ou mesmo o génio que coube a Aladino...
*


Mª João Brito de Sousa

10.01.2024 - 12.20h
***

12.
*
“Ou mesmo o génio que coube a Aladino…”

Na lâmpada e no estro musical

Em andamento era genial

Com toque em dó menor de violino
*


Suave, em andamento muito fino

Trinava o seu acorde em arraial

Dançava todo o mundo e o maioral

E também badalava ao alto o sino
*


Nessa intensa harmonia e fulgor

Ficava alegre o povo com a gesta

E dava à sinfonia mais valor
*


Ficava a gente idosa bem mais lesta

Havia muitos beijos, muito amor

E toda a aldeia andava sempre em festa
*

Custódio Montes
10.1.2024
***

13
*

"E toda a aldeia andava sempre em festa"

Sendo que nós não fomos excepção

E embora sem violino ou violão

Cantámos- e bem alto! - a nossa gesta
*


Alguns tocavam música mais lesta,

Houve até quem trouxesse acordeão:

Toda esta sinfonia era emoção

Porque este Adagio à comoção se presta
*


Soam agora as notas musicais

Das harpas melancólicas, chorosas,

Logo seguidas plo som dos metais
*


Que sopram notas tão melodiosas

Que nos fascinam e até os pardais,

Enfeitiçados, pousam sobre as rosas.
*

 

Mª João Brito de Sousa

10.01.2024 - 15.45h
***
14.
*
“Enfeitiçados, pousam sobre as rosas”

Que nós bem os ouvimos chilrear

Andamos nos jardins a passear

E vemos coisas lindas, valorosas
*


Que mesmo com passadas vagarosas

Com vista nós bem vemos ao olhar

Toda a beleza à volta a espelhar

Além de moças lindas e formosas
*


Idoso, mas ainda a espairecer

Avança, vai em frente, não construas

Altos muros ao nosso envelhecer
*


Verdade que se foram sóis e luas

Mas cantemos alegres sem dizer:

“Caminhamos curvados pelas ruas”
*


Custódio Montes
10.1.2024
***

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

DICIONÁRIO DE RIMAS

DICIONÁRIO DE RIMAS

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!