Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
02
Mai24

O CRAVO - Custódio Montes e Mª João Brito de Sousa

Maria João Brito de Sousa

cravo vermelho (3).jpg

 

O CRAVO
*

Coroa de Sonetos
*

Custódio Montes e Mª João Brito de Sousa
*


O cravo vai andar sempre comigo

Bem posto, bem erguido a encantar

De dia com a luz a despertar

Sinal de liberdade, paz e abrigo
*


Que o cravo nos liberte do perigo

De novas trevas virem apagar

Os sons que trouxe abril no seu cantar

Mostrando em cada canto um amigo
*


Cravo vermelho é essa a sua cor

Que o rubro cravo não seja esquecido

Ouvindo ao alto o rufo do tambor
*


No cano da espingarda ao alto erguido

Pleno de liberdade ao seu redor

Para que o povo não seja vencido
*


Custódio Montes
30.4.2024
***

2.
*

"Para que o povo não seja vencido"

Neste claro atentado contra Abril

Há que arrancar a besta do covil

E que acordar quem ande distraído
*


Não vá este país ser engolido

Depois de ter caído noutro ardil,

Reacendamos a chama viril

De um povo a que chamámos Povo Unido
*


E se são nossos esses ideiais

De tecto, educação, saúde e Paz

Façamos por torná-los bem reais
*


Que dizes, Portugal? Inda és capaz

De cumprir este Abril como esses tais

Que a lei da vida já deixou pra trás?
*


Mª João Brito de Sousa

30.04.2024 - 14.00h
***

3.
*

“Que a lei da vida já deixou pra trás”

Mas que são importantes para nós

Um povo unido, sim, e não a sós

Que só o povo unido é capaz
*


Andemos com a força de rapaz

Com o ensinamento dos avós

Trazendo o nosso barco até à foz

E tudo o que em conjunto satisfaz
*


Fascistas não…que vão para o covil

A pátria é nossa, a pátria é do povo

Assim o disse o cravo e o mês de abril
*


Ao alto e a cantar todos de novo

Que a liberdade viva anos mil

Em poemas a canto e assim a trovo!
*


Custódio Montes
30.4.2024
***

4.
*

"Em poemas a canto e assim a trovo!"

Estuando a liberdade conquistada,

Chorando e rindo quando a madrugada

Nasceu iluminando o nosso povo
*


De frente para o mundo, o Homem Novo,

Que enchia cada rua e cada estrada

Nunca mais bateria em retirada

Que o que louvava então ainda eu louvo
*


Posso hoje estar doente, enfraquecida,

Mas a vontade e a garra permanecem:

Acorda, ó Liberdade adormecida
*


Que os venenos que agora te entorpecem

"O dia inteiro e limpo", a própria vida,

Hão-de morrer sem ti: Não te merecem!
*


Mª João Brito de Sousa

30.04.2024 - 16.00h
***

.

5.
*

“Hão-de morrer sem ti. Não te merecem”

Que é vaga a ideia deles na verdade

Por não terem lá dentro liberdade

E teias de maldade apenas tecem
*


São horrendos vampiros que entristecem

Enganam toda a gente e a cidade

Recebe deles só ferocidade

E para governar se oferecem
*


A nós não nos enganam que sabemos

Que a sua ditadura traz agravo

Como a do ditador que cá tivemos
*


Mas acabou há muito….o povo bravo

Unido aos capitães que engrandecemos

Em vez da escravatura ergueu o cravo
*


Custódio Montes
30.4.2024
***

6.
*
"Em vez da escravatura ergueu o cravo"

Com o qual enfeitou as carabinas:

Basta de ditaduras assassinas,

Basta de humilhação e desagravo!
*


Este, que mourejava como um escravo,

Olhando o que exibia roupas finas

Soube que lhe era igual. Dif`rentes sinas:

Tudo tem um, o outro, nem um chavo...
*


Urgia eliminar estes abismos,

Urgia abrir as portas das prisões

E urgia erradicar os eufemismos
*


Que designavam chibos e vilões:

Às ferramentas vivas dos fascismos

Não devemos chamar senão capões!
*


Mª João Brito de Sousa

30.04.2024 - 21.00
***

7.
*
“Não devemos chamar senão capões”

Capados, é o termo, mal cheirosos

Diferentes dos cravos tão formosos

Só querem o alheio os ladrões
*

Andam sempre à procura de tostões

Atrás do que é dos outros, vergonhosos

Falam no bem do povo, mentirosos

Traidores, impostores, mandriões
*


Mas não falemos deles que é só dor

O que causam ao povo por maldade

De elites se propagam com fervor
*


Mas são gente maldosa na verdade

E a todos causam raiva e rancor

Por serem poço imundo de maldade
*


Custodio Montes
30.4.2024
***

8.
*

"Por serem poço imundo de maldade"

Não nos merecem mais do que desdém:

Estrebucham mas jamais serão alguém

Nem terão corações dos de verdade...
*


Pululam nos esgotos da cidade

Não sabendo o vigor que o cravo tem

Nas mãos do povo que lhe quer tão bem

Que o usa pr`adornar a Liberdade
*


Celebra-se amanhã mais uma vez

O primeiro de Maio, outra conquista

Daquela brava gente que Abril fez
*


E de vermelho cravo bem à vista

Afirmará o povo português

Que, disto, nunca esperem que desista!
*


Mª João Brito de Sousa

30.04.2024 - 23.00h
***

9.
*

“Que, disto, nunca esperem que desista”

Do primeiro de Maio nem pensar

É o trabalhador a assinalar

Mais um dia famoso em revista
*

É um dia que aumenta essa lista

De comemoração a festejar

O cravo fica bem a enfeitar

Canos de espingarda bem à vista
*


Andemos com o cravo na lapela

Que, além de ser bonito, também cheira

E torna a rua linda e tão bela
*

Que junta muito povo à sua beira

Toalhas brancas presas à janela

E todo o amor e graça que se queira
*


Custódio Montes
30.4.3024
***

10.
*

"E todo o amor e graça que se queira"

Encontrareis no cravo que ali está...

Diz um: Mas que bonita, Festa, pá!

Diz outro: Vem também prá nossa beira!
*


Assim se junta o povo. Uma bandeira

Agita-se no ar, pra cá, pra lá...

E cravos são aquilo que mais há

Naquela inesquecível quarta-feira
*


Eu, que sei ter um cravo enraizado

Dentro do peito e junto ao coração

Que pulsa ainda que descompassado,
*


Estou e não estou na manifestação:

Fica-me o corpo inteiro aqui sentado,

Voa-me o cravo em sua direcção.
*


Mª João Brito de Sousa

01.05.2024 - 12.00
***

11.
*

“Voa-me o cravo em sua direcção”

Voar voa o espírito e a cabeça

E nada há no mundo que me impeça

De o levar e mostrar na minha mão
*

Para haver a presença, o coração

Sente mesmo que longe nos pareça

O consolo e a dor não têm meça

Conforme o lugar onde eles estão
*

O cravo canta abril à desgarrada

Mas do cantar do cravo me distraio

Quando sigo de alma irmanada
*

Não penso, sigo em frente, vou, não saio

Sou abril, liberdade, camarada

E assim faço também no mês de maio
*


Custódio Montes
1.5.2024
***

12.
*

"E assim faço também no mês de Maio"

De coração em festa em casa fico

E a cantar este dia me dedico

Porque sair não posso, então não saio...
*


Voa-me o pensamento como um raio

E num instante irá levar-me ao pico

Do verso que pretendo forte e rico:

Estou gasta mas o verso inda é catraio!
*


De qualquer forma, esteja como esteja,

O cravo que reside no meu peito

Tem sempre a cor vermelha da cereja
*


Sabe que será sempre o meu eleito,

Chama por mim tão só pra que eu o veja

E chega ao fim julgando estar perfeito...
*


Mª João Brito de Sousa

01.05.2024 - 22.00h
***

13.
*

“E chega ao fim julgando estar perfeito”

E bem bonitos cravo e portadora

Ambos juntos imagem criadora

Ele vermelho e ela sem defeito
*


Vermelho é cor que fica bem ao peito

E com o cravo à mostra uma senhora

Fica mais linda mais encantadora

E o conjunto assim é o meu eleito
*


Vermelho também é a rubra cor

Que nos alegra a vista e a claridade

Irrompe à nossa volta bem melhor
*

Abril chega com maio, com vontade,

De dizer a cantar com mais calor

E com muito amor: viva a liberdade
*

Custódio Montes
1.5.2024
***

14.
*

"E com muito amor: viva a liberdade"

Dizemos quantos nesse cravo vemos

O fim da repressão em que sofremos

Mais de quarenta anos de impiedade
*

 

Foi em Abril que as ruas da cidade

Floresceram nos cravos que hoje erguemos

Pra celebrar o Maio em que acendemos

A inapagável chama da Verdade
*


Por isso é que nos dias mais cinzentos,

Em vez de procurarmos um abrigo,

Não arredamos pé e muito atentos
*


Aos primeiros sinais do mal antigo

Dizemos: Não mais dor, não mais tormentos,

"O cravo vai andar sempre comigo!"
*


Mª João Brito de Sousa

02.05.2024 - 11.45
***

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

DICIONÁRIO DE RIMAS

DICIONÁRIO DE RIMAS

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!