Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
27
Jan08

MARIA-SEM-CAMISA IX

Maria João Brito de Sousa

Maria-Sem-Camisa está gordinha!

Empanturrada em versos nem tem fome...

Ninguém pode engordar do que não come

E ela mal petisca e não cozinha...

Não come e, no entanto, é redondinha!

Não pode "arredondar" quem nunca tome

Do alimento vivo o doce polme,

Pois quem vive do ar... sempre definha!

Maria come pouco, quase nada...

Se engorda é porque assim o decidiu

Ou porque não lhe interessa emagrecer...

Talvez o "poetar" de madrugada

Seja o tal "nutriente" que ingeriu

E não precise mesmo de comer...

 

Maria João Brito de Sousa

 

20
Jan08

FIO-DE-PRUMO

Maria João Brito de Sousa
 
Era mulher traçada a fio-de-prumo,
Vinda dos tempos primevos do Homem-vertical
 
Dia a dia, percorria o rumo
Que fazia do dia vindouro
Um dia insuportavelmente sempre igual
 
 
Era de noite que brincava aos fantasmas
E se diluía nos incontáveis ectoplasmas
De almas que foram e das que estão por vir
 
Por isso acordava anoitecida
Sem nunca estar segura
 
De ter acordado
 
Do lado-de-cá da vida
 
 
Ora sonhava sonhos acordada,
 
Ora cantava estando adormecida
 
 
Difícil, foi-lhe ser multiplicada
Por quem sempre a pedira dividida...
 
 
 
 
 
 
Maria João Brito de Sousa  - 1990 (?)
19
Jan08

ESSÊNCIA

Maria João Brito de Sousa


110x80cm

 

 

 ESSÊNCIA

 

 

Eu sinto, logo existo e não desisto

Do louco impulso alado que me eleva

E reivindico o meu estatuto de Eva

Colhendo a tal maçã no Paraíso,

 

 

Pois desta alma de fogo envolto em xisto,

Deste olhar que perscruta, à noite, a treva,

Vão nascendo poemas como a erva

Que cresce sem sequer saber que existo.

 

Quem dá o passaporte e passa o visto

Ao bichinho voraz, determinado,

Que aqui assumo ser se escrevo ou pinto?

 

 

Eu sinto e não desisto porque insisto

Em não ser só virtude, ou só pecado,

E só gosto de mim  porque não minto!

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 19.01.2008

 

(Soneto reformulado)

 

 

In  Poeta Porque Deus Quer - Autores Editora - 2009

 

18
Jan08

O MUNDO NUMA MÃO

Maria João Brito de Sousa

 

 



O MUNDO NUMA MÃO

*

 

 

Debalde me levanto e me preparo

Para abarcar o mundo num abraço

E, sem sequer saber porque é que o faço,

Ao tentar abraçá-lo é que reparo

*

Que, sendo humana, ainda me deparo

Com as limitações do gesto escasso

E embora traga um mundo no regaço,

Sou apenas humana e não me é raro

*

Sentir-me aprisionada e pequenina

Neste corpo magoado e perecível

Em que as asas não passam de ilusão,

*

Ou meras fantasias de menina...

Ah, só sonhando pode ser possível

Caber-me, inteiro, o mundo numa mão!

*

Maria João Brito de Sousa - 18.01.2008 - 19.23h

 

(Reformulado a 22.09.2016)

 

17
Jan08

PENAS NO MEU TELHADO...

Maria João Brito de Sousa

PENAS DO MEU TELHADO

*

 

Mil asas colorindo o meu telhado

Às sete da manhã de cada dia

Que têm por missão dar-me alegria

Em troca de migalhas e cuidado...

 

 

 Mil asas justificam-me o pecado

De não dar atenção à portaria

Que promete uma coima que arrepia

A quem alimentar o bando alado.

 

 

 Talvez me identifique com as penas,

Ou talvez tenha pena... não sei bem,

Mas todas as manhãs o alimento!

 

 

 Sempre que o faço nascem-me poemas

E todas essas penas vão, também,

Buscar ao meu telhado o seu sustento.

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 17.01.2008 - 15.17h

 

17
Jan08

MARIA-SEM-CAMISA III

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

Maria-Sem-Camisa III

 

 

É uma sem camisa, essa Maria

Que vive, noite e dia, na canseira

De escrever os sonetos que Deus queira

Como se fosse  alguma mais-valia

 

E há quem já nem lhe ature a teimosia

Quando ela, a "poetar" dessa maneira,

Não escuta nem consente à sua beira

Quem quer que lhe interrompa a fantasia.

 

Maria-Sem-Camisa nunca pára,

Teclando ou rabiscando até se esquece

Que o mundo gira ainda ao seu redor

 

E que ela será sempre uma ave-rara

Porque não muda nunca... até parece

A cada ano que passa estar pior.

 

 

 Maria João Brito de Sousa - 17.01.2008 - 02.56h

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

DICIONÁRIO DE RIMAS

DICIONÁRIO DE RIMAS

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!