Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
25
Out10

SÁBADO, DOMINGO E SEGUNDA FEIRA XX

Maria João Brito de Sousa

 

UM LEITO NA FLORESTA

 

(Soneto em decassílabo heróico)

Nesta quase-cidade adormecida
Onde os prédios, de pálpebras cerradas,
Choram gatos em cio, cumprindo a vida
Junto às ocasionais águas-furtadas,

 

Mora um estranho silêncio que, à partida,
Me embebeda de lua e madrugadas,
Mas, depois, me interpela: - “Alma perdida,
Porque sonhas Floresta, olhando estradas?

 

E porque te deténs sobre o cimento
Quando um choupo te aguarda e já sedento,
Te estende os velhos ramos descarnados?

 

Porque razão paraste e já não corres?
Não saberás que assim que páras, morres,
Sem ter`s justificado os passos dados?”

 

Maria João Brito de Sousa – 22.10.2010 – 19.03h

 

 

OS HOMENS QUE PESCAVAM AS MEMÓRIAS DE UM RIO

 

Os homens que no rio iam pescar,

Antevendo as memórias, tinham frio;

Varando corpo e alma, um arrepio

Quase os impediria de avançar…

 

 

Mas nenhum deles pensava em recuar;

Ansiavam pelos “peixes” desse rio

E os rápidos, rolando ao desafio,

Eram fracos demais pr`a derrubar

 

 

Essa vontade férrea, irredutível,

Que os levava a tentar esse impossível

No oculto rio da vida-indispensável

 

 

Pois nunca medo algum lhes roubaria

O prémio que esse rio concederia

A quem dele conseguisse esse improvável…

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 23.10.2010 – 14.00h

 

 

 

MINHA LÍNGUA, MEUS POEMAS, MINHA VIDA!

 

 

Minha vida tecida, toda ela,

Sobre as hastes de luz destes poemas,

É muito singular; sobram-lhe penas

E juro que é, contudo, muito bela!

 

 

Suave e jovial - quase aguarela –,

Deixa-se arrebatar, solta as melenas

E rodopia sobre os mil fonemas

Da Língua Portuguesa, a Musa dela…

 

 

Se alguém me separar destes meus versos,

Se o “diabo as tecer” e mos roubar,

Não saberei viver e, se assim for,

 

 

Se me surgirem dias tão adversos

Que se me afunde esta ânsia de rimar…

Então… pr`a quê viver, se o resto é dor?

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 22.10.2010 – 20.47h

 

17 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!