Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
30
Mar23

EU POSSO LÁ...

Maria João Brito de Sousa

DICOTOMIA (1).jpg

EU POSSO LÁ...
*


Eu posso lá vestir o meu burel

E fazer-me ao caminho como os mais,

Se a minha barca é feita de papel

E há tanto tempo que não sai do cais...
*


Eu posso lá pegar no meu pincel

Para imprimir na tela os meus sinais,

Se a mão me falha e se uma dor cruel

Me rouba os traços mais originais?
*


Mas o que ainda posso, ainda faço,

Muito embora avançando passo a passo

Sobre o chão de palavras que percorro:
*


Se, metro a metro, suo a caminhada,

Do suor com que rego essa calçada

Emergirão poemas, jorro a jorro.
*

 

Mª João Brito de Sousa

30.03.2023 - 21.45h
***

29
Mar23

DA ARTE DE BEM CAVALGAR UM SONETO

Maria João Brito de Sousa

Da arte de bem cavalgar o soneto.jpg

DA ARTE DE BEM GAVALGAR UM SONETO
*


A arte de bem cavalgar um soneto

Pede, antes de tudo, um ouvido apurado,

A extrema leveza de um vôo de insecto

E um pouco da garra de um bicho indomado...
*


Começa o galope, de início inconcreto,

Depois, em crescendo, mais bem concentrado

No espaço e no tempo. Seria incorrecto

Dizer que o soneto correu tresloucado
*


Até ao final do segundo terceto,

Pois já no primeiro está determinado

A seguir um rumo certeiro e directo
*


Para, finalmente, parar já cansado...

Em linhas gerais, se aceitares este repto,

São estas as "regras" do repto lançado!
*

 

Mª João Brito de Sousa

29.03.2023 - 22.15h
***

28
Mar23

QUIMERA - Reedição

Maria João Brito de Sousa

LA FEMME QUI PEIGNE (2).jpg

 QUIMERA
*
 
 
Trouxe-te a noite em asas de poema,
 
Levou-te uma manhã sem coração:
 
Foi-te a vida fugaz como ilusão
 
Mas deixou-me a saudade imensa, eterna...
*
 
 
Se tudo o que vivemos vale a pena
 
Teria o teu percurso sido vão?
 
Meu menino, eu sei lá por que razão
 
Te concederam vida tão pequena!
*
 
 
Mas se, apesar de tudo, ainda vives
 
Se a alma pequenina que tu és
 
Ganhou as asas de anjo que sonhei
 
*
 
 
Então existo menos do que existes:
 
Sou barro em que repousam os teus pés
 
Velando uma quimera que engendrei.
 
 
 
 
 Maria João Brito de Sousa 
 
04.02.2008 - 03.30h
*
25
Mar23

DE AMAR E DE SENTIR, NÃO TENHO MEDO!

Maria João Brito de Sousa

Gestação Floral - 1999 (fotografado por Vítor Martinez) (2).jpg

DE AMAR E DE SENTIR, NÃO TENHO MEDO!
*

 

De amar e de sentir, não tenho medo|

Pode lá ser cobarde o/a sonetista

Que nada finge e nunca faz segredo

Daquilo que é, porquanto o deixa à vista?
*


Amo os poemas todos a que acedo

E saboreio tudo a quanto assista

Que amo também, se bem que seja enredo

Tecido pelas mãos de um outro artista
*


Amo as pessoas, amo a natureza

E até num cardo encontro a tal beleza

Que me encanta e consegue seduzir-me
*


Mas, a tudo o que amar, é com pureza

Que o trago aqui, que o sento à minha mesa

E o transformo no pão que há-de nutrir-me.
*

 

Mª João Brito de Sousa

24.03.2023 - 12.39h
***

 

Soneto inspirado nesta publicação

23
Mar23

CANÇONETA PARA EXORCIZAR MICROORGANISMOS PATOGÈNICOS

Maria João Brito de Sousa

CANÇONETA PARA EXORCIZAR GERMES (1).jpg

Imagem retirada da net via Google

*

CANÇONETA PARA EXORCIZAR

MICROORGANISMOS PATOGÉNICOS
*


Como escrever um poema à dor de dentes

Se meio azamboada sei que estou

De analgésicos fortes que impotentes

Se mostram face à dor que me assolou?
*


De rosto inchado, em versos contundentes

Maldigo a infecção que em mim grassou:

Ó germes vis, ó germes prepotentes,

Parai de vez! Parai que já bastou!
*


Deixai-me em paz! Que dor insuportável

Me estais a infligir! Que terei feito

Se pra convosco tenho sido amável
*


E sempre - ou quase sempre... - me sujeito

À vossa acção funesta e condenável

Com um verso nas mãos e um cravo ao peito!?
*

 


Mª João Brito de Sousa

22.03.2023 - 19.00h
***


Quando esta publicação estiver visível, estarei no hospital a ser submetida a mais alguns exames e, à vinda, irei ao ACES Oeiras para ver se alguma boa alma formada em Medicina consegue debelar esta infecção estomatológica que me está a provocar dores verdadeiramente insuportáveis, embora vos possa custar a acreditar que enfurecer-me, em soneto clássico, com uma bactéria desconhecida seja um dos métodos mais eficazes, não para eliminar a dor física, mas para a tentar suportar sem ter de recorrer ao antigo e bem conhecido ritual das "cabeçadas na parede".

 

O actual antibiótico, o Paracetamol e o Metamizol magnésico não estão a resultar minimamente.

Espero poder voltar a ler-vos ainda esta tarde.

Abraços!

cravo de Abril (1).jpg

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

DICIONÁRIO DE RIMAS

DICIONÁRIO DE RIMAS

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!