Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
30
Nov22

SONETO PROLETÁRIO

Maria João Brito de Sousa

Peasant woman - V. V. Gogh (1).jpg

SONETO PROLETÁRIO
*


Nas redacções do meu imaginário,

Agora menos fértil, mais cansado,

Se (a)colho um verso humilde e proletário,

Fico segura de não ter errado
*


E sigo em frente. O texto, solidário,

Flui no papel como regueiro em prado

E a Musa empunha o sacho do cenário

Que enquanto escrevo vai sendo lavrado
*


Mas se perto do fim as mãos me doem,

Se os olhos se me cerram de cansaço

A quatro versos - ai! - do fim do texto,
*


São os sachos que lavram e compõem

Estes últimos versos, traço a traço,

Pra que o regueiro venha aguá-los, lesto.
*


Mª João Brito de Sousa

30.11.2022 - 10.50h
***

 

Imagem - "Peasant Woman", Vincent Van Gogh

29
Nov22

AQUELE VERSO QUE UM DIA PERDESTE- Reedição

Maria João Brito de Sousa

Aquele teu verso perdido (1).jpg

AQUELE VERSO QUE UM DIA PERDESTE
*

 

Àquele verso que se te escapou

Quando te passeavas na cidade,

Julgo ter sido eu quem o achou

No chão caído e morto de saudade
*


Desse poema que nem começou

Por culpa sua, ainda que a vontade

Lhe pedisse uma urgência que calou

Por ter perdido a oportunidade.
*


Quis devolver-to mas, fragilizado,

Dissolveu-se inteirinho ao ser tocado

Embora eu lhe tocasse tão de leve
*


Que pareciam seda, estes meus dedos...

Versos perdidos são como os segredos:

Se descobertos, têm vida breve.
*

 

Maria João Brito de Sousa

21.01.2019 – 14.12h
***

Poema reformulado

28
Nov22

FOI NUM NATAL MUITO FRIO

Maria João Brito de Sousa

foi num natal muito frio.jpg

FOI NUM NATAL MUITO FRIO
*

I
*
Era o Inverno mais frio

De que podia lembrar-se,

Mas nem tentou lamentar-se:

Se gritou, ninguém ouviu
*


Corressem-lhe, embora, a fio

As águas, a agigantar-se

Cada dor até soltar-se

O filho que então pariu...
*


Era o vento que soprava,

E era a chuva que, impiedosa,

Açoitava o velho quarto
*


Mas só no filho pensava

Quando sobre a colcha rosa

Suportava as dores do parto
*

II
*

Nunca teve anjo, nem estrela

Que a viesse iluminar,

Só o menino a chorar,

Num cestinho à luz da vela
*


A criança, o cesto e ela,

O improviso de um lar

Onde ela o põe a mamar

Sob um céu que a agride e gela...
*


Não veio nenhum rei mago

Trazer-lhe ouro, incenso e mirra,

E nem sequer José veio
*


Fazer-lhe um pequeno afago

Na desmedida barriga

Nem dar-lhe um pão de centeio
*

III
*

Nesse Dezembro gelado,

Nem vaquinha, nem burrico,

Só da chuva algum salpico

Saudou o recém chegado
*


Pequenino ali deitado,

Tão pobre e de amor tão rico

Quão emocionada fico

Por havê-lo aqui citado...
*


Mas esse menino existe!

Citá-lo é citar milhares

De crianças sem futuro,
*


Ou na situação mais triste

Que, sem esforço, imaginares

Se o teu coração for puro.
*

 

Mª João Brito de Sousa

27.11.2022 - 18.30h
***


Poema em sonetilhos inspirado no título do poema de Dália Micaelo

"Era o Inverno Mais Frio..."

 

 

25
Nov22

SE A NAVALHA NOS FALHA, OSCILA E CAI - Reedição

Maria João Brito de Sousa

se a navalha nos falha....jpg

SE A NAVALHA NOS FALHA, OSCILA E CAI
*


Se, no fio da navalha caminhando,

A navalha nos falha, oscila e cai,

Sem um suporte, tudo se nos vai

E sem asas, nem chão vamos ficando...
*


A que nos agarramos se, oscilando,

Até o gume, de repente, trai

Aquilo que nos nega e que subtrai

Ao pouco que antes fomos avançando?
*


A própria Musa, desasada fica,

A corda, retesada, já não estica

E os versos, um a um, caem também
*


Da tal pauta invisível que os prendia

Ao fio duma navalha que os servia

E que não serve agora a mais ninguém.
*

 


Maria João Brito de Sousa

11.01.2019 – 12.16h
***

 

24
Nov22

OBITUÁRIO - Reedição

Maria João Brito de Sousa

obituário.jpeg

OBITUÁRIO
*

 

Morri, segundo fonte oficial...

A (a)creditada folha assim me informa

Num breve obituário de jornal

De pequena tiragem, como é norma.
*

 

Esfrego os olhos! Duvido! É natural

Que apesar de não estar em grande forma,

Me revolte e entenda que está mal

Morrer sem ter gozado da reforma
*

 

Leio de novo. Não, não era um erro,

Podia ler-se a data do enterro:

"Rebéubéu, zaz-traz-paz, tantos de tal".
*

 

Sem pressas, cerro um olho. Ao outro o cerro...

Contudo, o meu cadáver, mesmo perro,

Ergue-se e escreve o verso terminal.
*
 


Maria João Brito de Sousa

17.07.2018 – 15.46h
***

23
Nov22

CATIVEIRO

Maria João Brito de Sousa

Cativeiro.jpg

CATIVEIRO
*


Como meridiano-de-mulher

Na divisão do Ser em hemisférios,

Sou o imponderável dos mistérios

Que explica o seu mistério a quem quiser
*

 

Falo a quem me entender, a quem souber

Dentro de si achar outros impérios,

Se farto das prisões e cemitérios

A que a futilidade os quis prender
*


Falar-vos-ei de um tempo-antes-do-tempo

Bem como dos futuros-infinitos

Que ainda estão por vir no mundo inteiro
*

 

E de um maior, mais justo entendimento...

 Tudo quanto se ler nestes escritos

Nasceu da liberdade em cativeiro.
*

Maria João Brito de Sousa

14.05.2008 - 02.53h
***

(Poema ligeiramente reformulado)

22
Nov22

MEMORANDO FLORBELA ESPANCA E JOSÉ MANUEL CABRITA NEVES

Maria João Brito de Sousa

 

José Manuel Cabrita Nevess.jpg

ACRÓSTICOS A FLORBELA
*
Memorando Florbela Espanca e José Manuel Cabrita Neves
*

ACRÓSTICO
*

Fui a tristeza, a mágoa, a solidão!

Longe da felicidade e da alegria,

Ostentei um caminho que sabia,

Reverso e controverso de paixão…
*

Bebendo silenciosa a nostalgia,

Enquanto eu era toda adoração,

Lia nalguns olhares condenação,

A esse amor tão puro que sentia…
*

Errei pois por amar quem não devia,

Seguindo a terna voz do coração,

Peregrina fiel duma ilusão,

Alimentando a cega idolatria…
*

Não creio haver sequer comparação,

Com esta minha entrega doentia,

Ao dedicar-me inteira ao próprio irmão!...
*

José Manuel Cabrita Neves
***

ACRÓSTICO- RESPOSTA
*
*

Fui, sim, tristeza e mágoa e solidão,

Lamento de infindável nostalgia

Ornato de candura e poesia,

Remate de perfeita (in)confecção
*

 

Bordado a ponto-cruz sobre aflição,

Errando, ou não, - conforme a disforia... -,

Louca, talvez, que muito bem sabia

A que conduziria tal paixão...
*

 

Estou livre, no entanto - quem diria? -

Singrando agora uma outra imensidão,

Passando, sem passar de mão em mão,

Adivinhando já o que antes qu`ria...
*

 

Não pude responder-te - ó decepção! -,

Cuidando, embora, que te respondia...

Ah, que me importa? Nunca amaste em vão?
*


Maria João Brito de Sousa

09.02.2016 - 17.21h
***

FLORBELA FOTO (2).jpeg

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

DICIONÁRIO DE RIMAS

DICIONÁRIO DE RIMAS

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!