Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
31
Out22

(COM)PASSOS COM PÉ

Maria João Brito de Sousa

15350438_1404734159551194_2443628043079546835_n.jpg

(COM)PASSOS COM  PÉ
*


Meu canto é livre e corre mais que o vento,

Que a música não prende, antes liberta

Essa força a que alguns chamam talento

E outros chamam Musa ou chama incerta
*


Pode o compasso ser mais turbulento,

Ou ir pé-ante-pé à descoberta

De um som que o encha de contentamento

E da cadência exacta que o desperta
*


Pra que a ideia flua e não tropece

Nas armadilhas que a linguagem tece,

Tem de ser o ouvido o seu maestro
*


E assim toca a orquestra a sinfonia

Que uma ideia componha em sintonia

Com algo a que eu, teimosa, apodo de Estro.
*


Mª João Brito de Sousa

31.10.2022 - 10.45h
***

29
Out22

A FLORESTA - Reedição

Maria João Brito de Sousa

PÃ E A GRAVIDADE DA MAÇÃ VERDE - 1999 (5).jpeg


A FLORESTA - Reedição
*

 

Pintei numa floresta cogumelos

Sob árvores azuis, como Gauguin,

E adornei as neblinas da manhã

De violetas e de ocres muito belos
*

 

Fui colorindo o fundo de amarelos,

Conversei com Diana, abracei Pã,

Provei o verde polme da maçã

E entrancei ramos de hera nos cabelos...
*

 

Não houve nenhum sol, nenhuma lua

Que ousasse reclamar-me a sua posse,

Ou que reivindicasse o seu destino,
*


Porque ela, omnipresente, agreste e nua,

De aspecto inacabado e sabor doce,

Nasceu-me de um soneto em desatino.
*

 

Maria João Brito de Sousa

25.09.2009
***

28
Out22

NA ENXURRADA

Maria João Brito de Sousa

23800107_1760561130635160_2124467080509654599_o.jpgico

NA ENXURRADA
*


Nas veias do tempo, correm vida e morte,

Ambas em desnorte e ao sabor do vento

E ouve-se um lamento, ora suave, ora forte,

Conforme o recorte do seu sofrimento...
*


Arde em fogo lento sem que alguém se importe

Esse que anda à sorte por não ter sustento

E eu que o não fomento, nem lhe sou consorte,

Dar-lhe-ei suporte? Não posso, mas tento
*


Já que me apresento pra representá-lo

Porque de si falo tendo eu quase nada

E se, despojada, não posso ajudá-lo
*


Posso bem escutá-lo e senti-lo, magoada...

Vou na enxurrada, não posso evitá-lo,

Mas porque o não calo, não morro culpada.
*


Mª João Brito de Sousa

28.10.2022 - 10.00h
***

27
Out22

DE MADRUGADA - Custódio Montes e Mª João Brito de Sousa

Maria João Brito de Sousa

10511244_1013149678709646_2334400152755252755_n.jpg

DE MADRUGADA
*

Coroa de Sonetos
*

Custódio Montes e Mª João Brito de Sousa
***

1.
*


De madrugada acordo no escuro

Mas vejo com clareza alvorecer

A ideia nasce logo a florescer

Como fruto nascido e já maduro
*


Depois escalo a árvore e apuro

Aquele que aos olhos parecer

Mais belo. Lanço a mão a escolher

E pronto, agarro o fruto bem seguro
*


A ideia sabe bem e alimenta

O ego agiganta a fantasia

É como alimento que sustenta
*


O poder que nos leva à magia

Nos mantém a alegria e nos aumenta

O gosto que nos dá a poesia
*

Custódio Montes

24.10.2022
***

2.
*

"O gosto que nos dá a poesia"

É um fruto carnudo e agridoce

Que assim que nasce de mim toma posse

E toda me transforma em melodia...
*


A madrugada dá lugar ao dia

- e mal de todos nós se assim não fosse -

Para que o novo fruto nos remoce

Em talento, em vontade e harmonia
*


Por vezes sou tão lenta a (re)colhê-lo

Que tropeço, me enredo e me atropelo

Longe do fruto com que mato a sede
*


Mas não desisto! Mesmo desastrada

Porque vacilo desequilibrada,

Alcanço o fruto que a Musa me pede.
*


Mª João Brito de Sousa

24.10.2022 - 12. 53h
***


3.
*

“Alcanço o fruto que a musa me pede”

E bem gulosa é que muito come

Pois cada fruto a mais que assim consome

Aumenta-nos a luz que nos concede
*


Não é qualquer doença que a impede

De nos trazer poemas em seu nome

Que saciam e matam nossa fome

E em troca nada exige e nada pede
*


Por isso, obrigado minha amiga

Que quero os seus poemas e prossiga

Nessa arte que tem a poetar
*


Embora o corpo não nos obedeça

Importa é que a ideia e a cabeça

Nos traga a fantasia e o sonhar
*

Custódio Montes

24.10.2022
***

4.
*

"Nos traga a fantasia e o sonhar"

Que o sonho é também fruto, dá semente

E estará sempre à mão de toda a gente

Colhê-lo pra depois o semear
*


Obrigada por sempre me aturar,

Inda que estando a minha Musa ausente

Eu escreva muito, muito lentamente

E possa nalgum verso coxear...
*


Para fugir à dor, fiquei sem Musa,

Porque ela, caprichosa, se recusa

A aceitar esta minha lentidão
*


E mal aclara um pouco a madrugada

Ei-la que parte triste e amuada

Porque - diz-me ela - falta-lhe a paixão...
*


Mª João Brito de Sousa

24.10.2022 - 15.50h
***

5.
*

“Porque - diz-me ela - falta-lhe a paixão”

Mas ela é mentirosa e trato-a mal

Porque a musa ao saber que é maioral

Devia ter na língua contenção
*


Devia até meter-se na prisão

Depois de condenada em tribunal

Como difamadora, tal e qual

Com custas do processo e punição
*


Por esta passa, amiga, estou a ver

Que lhe vai perdoar sem merecer

Que ela bem merecia até cadeia
*


Concordo, que o poeta, na verdade,

Dá à musa tamanho à vontade

Com que ela muitas vezes nos cerceia
*

Custódio Montes

24.10.2022
***

6.
*

"Com que ela muitas vezes nos cerceia"

Porque embora insubmissa, se se entrega,

Dá o melhor de si quebrando a regra

Que impõe limites à humana ideia
*


Sim, eu perdôo sempre a quem anseia,

- mesmo sabendo que hoje se me nega -

Por estar comigo sempre que a refrega

Se mostra mais agreste e dura e feia...
*


Mas também na bonança me acompanha

Essa que é tão pequena quão tamanha

E a quem só por graça chamo Musa
*


Se a condenasse, a mim me condenava,

Que ela é parte de mim, não minha escrava,

E eu que faria ao ver-me, assim, reclusa?
*


Mª João Brito de Sousa

24.10.2022 - 21.10h
***

7.
*

“E eu que faria ao ver-me, assim, reclusa?”

Clamava por justiça e piedade

Afirmaria então sua bondade

E talvez o juiz lhe desse escusa
*


Quando se é uma só e mais a musa

Se condenarmos esta, na verdade,

Iriam pró aljube em irmandade

Ficando junto a ela lá reclusa
*


Por isso volto atrás e escondo a mão

Já não lhe meto a musa na prisão

Porque prendo-a a si prendendo ela
*


Deixemo-la voar que vá embora

De madrugada volta a qualquer hora

Que já se sente ao longe a barca bela
*

Custódio Montes

25.10.2022
***

8.
*

"Que já se sente ao longe a barca bela"

Em que as musas embarcam pra voltar

Quando cansadas já de olhar o mar

Decidem, finalmente, içar a vela
*


Enquanto debruçado/a na janela

O/A poeta tudo faz para a avistar

E em avistando, corre pr`abraçar

Esse tanto de si que embarcou nela
*


Da madrugada é que renasce o dia

Que às vezes traz as vestes da harmonia

E que, outras vezes, veste plúmbeos mantos...
*

Hoje, porém, só penso na alegria

Que o retorno da Musa me traria

Caso ela me emprestasse os seus encantos.
*


Mª João Brito de Sousa

25.10.2022 - 10.35h
***


9.
*

“Caso ela me emprestasse os seus encantos”

E empresta bem se vê a sua mão

Porque quem ela habita em união

Fá-la cobrir e andar sob seus mantos
*


Não vem desafinando nos seus cantos

Que vão de onda em onda em amplidão

Ouvidos com amor e admiração

Adorados até por tantos, tantos …
*


Por isso não desdiga a sua sorte

Que até com a doença é muito forte

E se é tão forte assim não se lamente
*


A matéria esvai-se e modifica

E o que interessa ao mundo e nele fica

É o poder da alma e sua mente
*

Custódio Montes

25.10.2022
***

10.
*

"É o poder da alma e sua mente"...

Ah, não desdenhe a carne, que fraqueja,

Mas que obedece à mente enquanto esteja

Capaz de pôr em verso o que ela sente
*


E que, em falhando, bem pouco consente

A quanto essa pobre alma tanto almeja:

Se o corpo, entorpecido, só boceja,

Não gera a mente fruto nem semente!
*


Por mais que o sol nascente ouse tentá-la

E a evadida Musa volte à sala

Em que a carne tombara adormecida,
*


Não os vê o/a poeta que sucumbe

Ao poder de Morfeu quando o/a incumbe

De ressonar dois dias de seguida.
*


Mª João Brito de Sousa

26.10.2022 - 12. 25h
***

11.
*

“De ressonar dois dias de seguida….”

Mas se ressona, dorme e também sonha

Com coisa linda, não coisa medonha

Mas se medonha for só na dormida
*


Porque sendo poeta e já crescida

Nada lhe mete medo ou que se oponha

Ao seu dom aguerrido ou que suponha

Que não é heroína destemida
*


Ressone que depois vai descansar

Que o corpo relaxado junto ao mar

Vai ficar como novo, em sanidade
*


Depois ao acordar, de madrugada,

Vai ver que ficará mais descansada

E até quase a voltar à mocidade
*


Custódio Montes

26.10.2022
***


12.
*

"E até quase voltar à mocidade"

Brincarei, que em verdade não ressono

(ou não me ouço, que é pesado o sono

e eu não acordo com facilidade...)
*

 


Também hoje Morfeu toda me invade,

Mas eu, rebelde como cão sem dono,

Resisto como posso ao abandono:

Vigil, lutei contra aquela deidade!
*

 

Pra colher tantos frutos quanto pude,

Reinava ainda um céu negro de crude,

Já eu escapava ao seu sereno enlevo
*


E antecipava o alvor da madrugada...

De pouco me valeu, ou quase nada,

Que bem depressa esqueço o que não escrevo.
*

 


Mª João Brito de Sousa

26.10.2022 - 17.45h
***

13.
*

“Que bem depressa esqueço o que não escrevo”

Então se acordar de madrugada

Escreva o que pensou numa penada

E vai ver logo a ideia em relevo
*


Ao vir a ideia penso e eu me enlevo

E mesmo com a luz meio apagada

Penso, componho e assim organizada

À forma de poema então a levo
*


Assim escrevo muita poesia

O que me dá prazer e alegria

Sobre qualquer assunto que interesse
*


Ali apanho um fruto ou uma flor

Trato todo o jardim com muito amor

E ando sempre a ver como floresce
*

Custódio Montes

26.10.2022
***

14.
*

"E ando sempre a ver como floresce"

O jardim que recebe as madrugadas

Tal qual conclama estrelas afastadas

Que o seu olhar profundo coalesce
*


Depois, de madrugada, a Musa cresce,

Vai-se pintando o céu de auras rosadas,

Recolhe-se a coruja nas arcadas

E, por breves instantes, nada mexe...
*


Tudo parece estático, impassível,

Nesse momento mágico, (in)tangível,

Etéreo mas tão espesso quanto um muro
*


Que separasse a luz da escuridão...

No espanto desse instante escrevo então:

"De madrugada acordo no escuro"!
*

 

Mª João Brito de Sousa

26.10.2022 - 20.50h
***

 

 

 

 

 

26
Out22

POEMA/PÃO

Maria João Brito de Sousa

pão.jpg

POEMA/PÃO
*


Escrevo pra ti que vens de olhos pasmados

Matar nestes meus versos fome e sede:

Possam teus sonhos ser alimentados

Por quanto pão meu espanto te concede
*


Se te não são, nem foram dedicados,

Servi-los-ei à fome que mos pede

Mal a pressinta aqui, de olhos poisados:

Que lhe faça proveito o que me excede!
*


E mais razão nenhuma me mantendo,

Não reconheço justa outra razão

Senão a que talvez me vá perdendo
*


Mas à qual nunca irei dizer que não:

Pra que o que sinta fome os vá comendo,

Cozinho versos como quem faz pão.
*


Mª João Brito de Sousa

In A CEIA DO POETA

Inédito

***

22
Out22

SORTE

Maria João Brito de Sousa

 

Fortuna.jpg


A Fortuna de Olhos Vendados - Tadeusz Kuntze, 1754

(Wikipédia)
*


A SORTE
*

 

A sorte, amigos meus, quando bafeja

Alguém que não desdenhe a própria vida,

Pode vir como gota que goteja,

Ou irromper de um jorro, decidida
*


E seja ela aquilo que ela seja,

Não faz caso da porta que a convida,

Não quer saber da mesa que a festeja

E vai-se assim que encontra uma saída
*


A sorte não tem cor mas tem poder,

Nunca cuida de qu`rer a quem a quer

E muito raramente é justiceira
*


Pois nada enxerga e não sabe escolher

Quem dela necessite por não ter

Como sobreviver de outra maneira.
*

 

Mª João Brito de Sousa

In A CEIA DO POETA

Inédito

***

 

21
Out22

NÓS, SONETISTAS

Maria João Brito de Sousa

O berço das estrelas.jpg

NÓS, SONETISTAS
*


Cada vez somos menos e mais velhos,

Obreiros do soneto em português...

Mas nós que não vergámos os joelhos,

Que enfrentámos de pé cada revés
*


Que só da Musa ouvimos os conselhos

Apesar da cegueira e da surdez

Dos que em nós nada vêem senão espelhos

Da sua (im)ponderada insensatez
*


Nós que, como os demais, fomos passando

Para acabarmos não sabendo quando

Mas não sem darmos voz ao que vivemos
*


Nós, os constantemente apaixonados,

Nós, que açoitámos deuses e mercados,

Nós, que partimos... Nós, que ficaremos!
*

 

Mª João Brito de Sousa

20.10.2022 - 21.30h
*

Ao poeta e sonetista José Manuel Cabrita Neves

In Memoriam

1943/2022
***

 

 

 

 

 

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

DICIONÁRIO DE RIMAS

DICIONÁRIO DE RIMAS

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!