Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
30
Ago22

O MUNDO NUMA MÃO

Maria João Brito de Sousa

VIOLETERA (1).jpeg

O MUNDO NUMA MÃO
*

 

Debalde me levanto e me preparo

Para abarcar o mundo num abraço

E sem sequer saber porque é que o faço

Ao tentar abraçá-lo é que reparo
*


Que sendo humana ainda me deparo

Com as limitações do gesto escasso

E embora acolha vida no regaço,

Sou apenas mulher e não me é raro
*


Sentir-me aprisionada e pequenina

Num corpo velho, frágil, perecível,

Cujas asas não passam de ilusão
*


Ou mera fantasia de menina...

Ah, só em sonhos me será possível

Guardar inferno e céu numa só mão!
*

 


Maria João Brito de Sousa

18.01.2008 - 19.23h
***

In Poeta Porque Deus Quer, Autores Editora, 2009
*

Nota - Este soneto foi ligeiramente "retocado" aqui e ali, com excepção do verso final que foi integralmente reformulado.

24
Ago22

AOS AMIGOS

Maria João Brito de Sousa

- oEIRAS, eVENTO NAS PALMEIRAS, POESIA, 2021 (2).jpg

AOS AMIGOS :


Estarei ausente dos meus e vossos blogs por um período de cerca de duas semanas. Talvez um pouco mais, dependendo de como se comporte a minha errática Musa.

Estas situações, são habitualmente justificadas pela minha falta de saúde ou pela ausência da Musa, que é como quem diz "motivação", "garra" e "inspiração".

Desta vez, porém, estarei ausente por motivos de trabalho: tenciono concorrer a um prémio literário, preciso de poemas inéditos (muitos) e tenho pouco mais de duas semanas para os produzir... ou, pelo menos, para o tentar ainda que a Musa, também ela, esteja ausente ou adormecida.


Um forte abraço a todos vós, companheiros de letras.


Mª João Brito de Sousa

24.08.2022

***

 

22
Ago22

CONVERSA ENTRE DOIS SONETISTAS

Maria João Brito de Sousa

Varina e pescador (1).jpg

Varina e Pescador, 1918, óleo sobre madeira

de José de Brito (1855–1946). Coleção particular

***

CONVERSA ENTRE DOIS SONETISTAS
*

Coroa de Sonetos
*

Custódio Montes e Mª João Brito de Sousa
*


1.
*

O barco vai ao largo a navegar

Leva dentro os seus sonhos em viagem

Mostra-nos a beleza da paisagem

Que circunda esta praia junto ao mar
*


Espero que ele volte que ao chegar

Vou sondar qual o sonho e a mensagem

Que deixou ou que teve na passagem

Para nele a seguir eu embarcar
*


Hei-de ir onde ele for…à ré me ponho

Sigo a rota que teve no seu sonho

Indo além nessa rota outra vez
*


Para quê? Vou dizer: assim abarco

Os sonhos que na rota teve o barco

E terei esses sonhos eu talvez
*


Custódio Montes

10.8.2022

***

2.
*

"E terei esses sonhos eu talvez",

Ou guardarei os meus noutro porão

Que um bote a remos, feito galeão,

Aguarda nesse porto a sua vez
*


De ir ao mar e voltar, mês após mês,

E há nesse bote a absurda compulsão

De enfrentar e vencer um furacão

Apesar dessa sua pequenez...
*


Quisera eu ir aos remos desse bote

Inda que só glosando alheio mote

E embora alheada e já sem garra
*


Não pudesse movê-lo um metro, não...

Faltam-me, agora, a força e a paixão

E assim não sou formiga... nem cigarra!
*


Mª João Brito de Sousa

20.08.2022 - 12.50h
***

3.
*

“E assim não sou formiga …nem cigarra”

Mas terei meu trabalho a fazer

No barco o meu ego a crescer

Desde o mar largo até chegar à barra
*


Vestido bem de leve, de cimarra,

Na praia a ver o barco aparecer

E à volta nuvens brancas - que prazer-

Ouvindo o som nas cordas da guitarra
*


Areia branca, luz pela chegada

Nos braços que me estende a minha amada

Na hora em que aporto do meu mar
*


Tormentas lá se foram já passaram

Os sonhos que eu tive e que ficaram

Aumentam o meu gosto de a amar
*

Custodio Montes

20.08.2022
***

4.
*

"Aumentam o meu gosto de a amar"

Enquanto eu me procuro em desespero

Que já mal sei quem sou ou o que quero

Da bela barca em que me faço ao mar...
*


Não estou dorida mas prefiro estar

Bem mais magoada mantendo o meu esmero

A estar assim sem dor, nem destempero,

Nem Musa que me valha onde eu falhar...
*


Entro e saio da Barca, feita tonta

E nestas voltas nunca mais `tou pronta

Pra me fazer ao mar que em mim havia:
*


Não sei onde perdi os velhos remos,

Nem onde fica o mar que ambos sabemos

Que à Musa e só à Musa pertencia...
*


Mª João Brito de Sousa

20.08.2022 - 16.19h
***
5.
*

“Que à musa e só à musa pertencia”

Mas que eu igualmente procurava

Para ver se lá dentro encontrava

O sonho que a pensar tanto queria
*


Então ondas saltei que o mar fazia

E no redemoinho que ondulava

A musa para mim de lá olhava

Fiquei cheio de amor e de alegria
*


E disse: musa amiga, anda cá

Inspira-me, agora, anda lá

Permite que eu acabe só mais esta
*


Modesta poesia que eu prometo

Que quando acabar este soneto

Descansas porque eu tenho uma festa
*

Custódio Montes

20.8.2022
***

6.
*

"Descansas porque eu tenho uma festa"

Maior que qualquer outra que conheças,

Que acaba exactamente onde começas

E só se esgota quando nada resta
*


Das mil e uma coisas que lhe empresta

Esta (ir)realidade em que tropeças

Quando nós duas andamos a meças

Enquanto equilibradas numa aresta...
*


Sendo eu um pouco tu, tu serás eu,

Trarás contigo um pouco do que é meu

E, vice-versa, também de teu trago
*


Este dom de escrever como quem canta,

De tecer mantos, de "pintar a manta"

E de compor soneto em verso mago.
*

 

Mª João Brito de Sousa

20.08.2022 - 20.35h
***

7.
*

“E de compor soneto em verso mago”

Que encanta a ave rara que esvoaça

E que admirada olha e com graça

Enquanto esse poema aqui eu trago
*


A seca transformou quase em lago

Esta grande albufeira de água escassa

Que era a inspiração de quem cá passa

E agora trouxe à musa grande estrago
*


O barco passa lento e até encalha

Mas lá se vai remando e não me falha

O remo que me ajuda até à foz
*


A festa terminou e vou dormir

Ao acordar então hei-de aqui vir

Para que este soneto ganhe voz
*

Custódio Montes

21.8.2022
***

8.
*

"Para que este soneto ganhe voz"

E a Musa não se vá de novo embora

Também a minha voz lhe empresto agora,

Voz que foi feiticeira, há tempo, em Oz
*


E que agora se foi, deixando a sós

Aquela em que morou, mas já não mora...

Tentei reinventá-la na demora,

Mas não me resta dela mais que uns pós...
*


Contudo, a Barca espera e faz-se tarde

E eu que nunca fora assim, cobarde,

Salto para o convés, pego nos remos
*


E consigo avançar um palmo ou dois...

O resto ficará para depois

Que, por ora, isto é tudo quanto temos.
*

 

Mª João Brito de Sousa

21.08.2022 - 11.35h

***
9.
*

“Que, por ora, isto é tudo quanto temos”

E muito é o que leva já o bote

Com ricas prendas idas no seu lote

E outras que hão-de ir pelo que lemos
*

A musa por lá anda que bem vemos

Só quem não queira ver e que não note

Poemas com beleza e alto dote

É que em vez de ver musa vê somenos
*


O barco ao fazer esta viagem

Voltará com mais força e coragem

E ao chegar ao cais volta a partir
*


Com estes viajantes sem ter medo

O seu percurso encanta por tão ledo

E vai querer andar a ir e vir
*

Custódio Montes

21.8.2022
***

10.
*

"E vai querer andar a ir e vir"

Que é esse o seu destino, a sua sorte,

Que ora rumando a Sul, ora pra Norte

Levará no porão quanto eu sentir
*


Menos do que isto não lhe irei pedir

E ainda que sem Musa menos forte,

Eu própria me encarrego do transporte

De alguns dos versos prontos pra florir
*


A Barca avança agora livremente,

Sem grande esforço, ao sabor da corrente,

Quase como se a Musa fosse ao leme
*


E, no entanto, a Musa continua

Escondida em parte incerta, muda e crua:

A ninguém obedece e a nada teme.
*


Mª João Brito de Sousa

21.08.2022 - 15.00h
***

11.
*

“A ninguém obedece e nada teme”

Isso é porque ninguém lhe mete medo

Mas talvez alguém saiba um segredo

Para a obrigar mesmo a ir ao leme
*


E digo mais, talvez ela até reme

Se se vir envolvida num enredo

Que a faça ver perigo que bem cedo

Lançará mão ao remo em caso extreme
*


Não pode ela fazer só o que quer

Tem que dar ao poeta o que fazer

E perder esse jeito, essa mania
*


A musa para ter nossa atenção

Tem que nos dar a força, a inspiração

Porque sem musa acaba a poesia
*

Custódio Montes

21.8.2022
***

12.
*

 

"Porque sem musa acaba a poesia"

E sem ela decerto morrerei,

Terei de impor à Musa a minha lei

Se não quiser morrer triste e vazia...
*


Ela é, porém, rebelde e tão vadia

Que juro que não posso - ou que não sei -

Mantê-la no cantinho onde a guardei

Ao dar-lhe o coração por garantia
*


Sei que ela existe e que é parte de mim,

Que vai viver comigo até ao fim,

Mas que só faz aquilo que ela quer
*


E se o resto de mim estiver doente

Ela se afasta triste e descontente

Pra mostrar que deixou de em mim caber.
*

 

Mª João Brito de Sousa

21.08.2022 - 22.13h
***

13.
*

“Pra mostrar que deixou de em mim caber”

E abandona o meu barco a navegar

Sem sonhos em que possa divagar

Nem sequer os do barco conhecer
*


Ó musa não me traias, anda ver

Os segredos que andam neste mar

Vem comigo, anda lá, vamos zarpar

Sobre as ondas para sonhos poder ter
*


Eu e tu muita coisa realizamos

Abraçados enquanto navegamos

E vais ver que escolhemos lindo tema
*


Tu inspiras-me a mim e eu escrevo

Uma coisa bem linda e de relevo

Eu e tu só nós dois e um poema
*


Custódio Montes

22.8.2022
***

14.
*

 

"Eu e tu só nós dois e um poema"

Pra que o naufrágio seja protelado

E deixe o barco de estar encalhado

Na mais deserta praia do fonema
*


Que o teu barco de versos jamais tema

A vastidão de um mar nunca explorado

Porquanto navegá-lo é o seu fado,

E num fado não cabe um só dilema
*


Vá, barco, faz-te ao mar tempestuoso:

Não temas o Inverno rigoroso,

Nem o mais forte vento que soprar!
*


Isto lhe digo, prevendo a recusa

Mas, a dado momento, diz-me a Musa:

"O barco vai ao largo a navegar"!
*

 

Mª João Brito de Sousa

22.08.2022 - 10.40h
***

 

Imagem - Trabalho de meu bisavô, José de Brito, retirado do blogue A Matéria do Tempo

 

13
Ago22

REENCONTRO

Maria João Brito de Sousa

POSTAL DO AVÔ SOUSA.jpg

Maria-Sem-Camisa II
*

 

Maria-Sem-Camisa, a sabe-tudo,

Aprendeu a falar c`os animais

E não desdenha nunca saber mais

De quanto vai dizendo o que está mudo
*

 

Maria-Sem-Camisa é, sobretudo,

Uma devota ouvinte dos demais

Que entende o que lhe dizem os pardais

E que ilude a razão onde eu me iludo...
*


Maria é destemida e eu... nem tanto...

Maria nunca mente: eu já menti,

Portanto ela é mais forte do que eu sou

*

 

E espelha este meu Eu despido o manto

Que esconde cada medo que senti

Quando a fraqueza humana germinou.
*

 

Maria João Brito de Sousa

16.01.2008 - 14.12h

***

REENCONTRO
*

 

Há tanto, tanto tempo que a não via!

Mas ela está igual e diferente

Sagaz, brilhante e irreverente,

Dialogante, mais que a cotovia.
*

 

Hoje, ao vê-la, fiquei tão contente!

Pujante, como para mim eu queria…

Minh`alma transbordante de alegria

Rimou em sonho, mas contra a corrente.
*

 

Lembrei-me da «Maria sem camisa»

E de tantas coisas que eu aprendi

No grande compêndio d`uma Artemisa…
*

Perdi-me em mil jogos de pesquisa

Quando, hoje, seus versos eu reli

E recordei a grande poetisa!
*

 

Eduardo Maximino.

12-08-2022
***

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!