Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
28
Abr22

A MINHA DOR

Maria João Brito de Sousa

 

casa em ruinas 3.jpg

A MINHA DOR
*


Esta minha dor física é real,

Tanto quanto o cenário de combate

No qual este meu corpo se debate,

Para meu mal maior, sem qu`rer-me mal...
*


Por mais cruel que seja e mais brutal,

Condená-la seria um disparate:

Vá, sofre a tua dor, pequena vate,

Que à dor maior, sofreu-a uma imortal!
*


A minha dor é uma cabana velha

A que o vento arrancou, telha por telha,

A cobertura, o abrigo e o conforto...
*


É nela que o meu corpo inteiro mora

E é no dossel do musgo que a decora

Que se espelha e renova assim que morto.
*

 

Mª João Brito de Sousa

27.04.2022 - 21.00h
***


Memorando o soneto homónimo de Florbela Espanca

27
Abr22

SONETO AOS SAUDOSISTAS DA "MAIORIA SILENCIOSA"

Maria João Brito de Sousa

NOJO, nojo, nojo.jpg

SONETO AOS SAUDOSISTAS
DA "MAIORIA SILENCIOSA"
*

 


Gentes da "silenciosa maioria"

Que ainda por aí vos arrastais

- sempre à direita e viva a burguesia! -,

Estais velhos como eu tantos mais
*


Mas tresandais a mofo e cobardia

E nós temos a garra que invejais

Em tudo! Até na nossa poesia,

Já que fraqueja a vossa... e tropeçais
*


Na rigidez do verso e na harmonia:

Por muito que poetas vos creiais,

Falta-vos chama, garra e ousadia,
*


Pecais pelo que a nós nos criticais

Pois Convicção de classe e Rebeldia

São musas que descreis, que nunca honrais!
*

 

Mª João Brito de Sousa

26.04.2022 - 14.30h
***

27
Abr22

SONETO DO PRODUTOR EXPLORADO - Reedição

Maria João Brito de Sousa

SONETO DO PRODUTOR EXPLORADO

 *

 

Eu, que injectei nas veias das cidades
Sentinelas de pedra e de aço puro,
Que conquistei a pulso as liberdades,
Que asfaltei com suor cada futuro,

 *

Eu, que paguei com sangue as veleidades
Registadas na pedra, em cada muro,
E sigo em frente e moldo eternidades
A partir do que engendro e não descuro,

 *

Não mais hei-de evocar forças ausentes!
Liberto o grito preso entre os meus dentes
Que irrompe deste barro em que me sou

 *

E arrancarei de mim quantas correntes
Me prendam à mentira, ó prepotentes
Donos do que julgais que vos não dou!

 *

 

 

Maria João Brito de Sousa – 30.07.2013 – 18.58h

 

(Reedição)

 

IMAGEM- "Força" , José Viana, óleo sobre tela

José viana.jpeg.crdownload

25
Abr22

25 DE ABRIL , SEMPRE!

Maria João Brito de Sousa

cravo vermelho.jpg

25 DE ABRIL, SEMPRE!
*

 

Chegou enchendo as ruas da cidade
E pintou cada casa de vermelho
Deixando que um do outro fosse o espelho
Que em cada um espelhava a liberdade
*


Semeou as sementes de igualdade
Nas já cansadas mãos de cada velho
E do jovem também, sem um conselho,
Que tempo nunca teve, ou mesmo idade...
*


A todos pertencia e, por igual,
De todos foi repasto e comensal
Na grande mesa da libertação
*


Fomos nós, Povo, quem o conquistou
E cabe-nos lembrar que, se murchou,
Reavivá-lo está na nossa mão!
*

 

Maria João Brito de Sousa

24.04.2020 - 10.30h
***

(Reedição)

22
Abr22

INGENUIDADE

Maria João Brito de Sousa

Pavia, in Livro de Bordo.jpg

INGENUIDADE
*


Cegais, UE, de estulta ingenuidade?

E é a mim que acusais de nada ver

Do que no mundo está a acontecer?

Ah, que estranha cegueira vos invade!
*


É neste imenso logro que a Verdade

Sucumbe àqueles que a tentam converter

E que, refém do tal quarto poder,

Toda se exalta em falsa urbanidade...
*


UE, que ingénua sois... ou que ardilosa!

Fazendo-vos passar por caridosa,

Tudo inverteis... até o rumo ao vento!,
*


E eu que por ingénua às vezes passo

Por tantos acolher no meu regaço,

Desvendo um logro que não mais sustento!
*

 

Mª João Brito de Sousa

21.04.2022 - 22.00h
*


Gravura de Manuel Ribeiro de Pavia

In Livro de Bordo, António de Sousa, 1957

21
Abr22

TALENTO

Maria João Brito de Sousa

florbela2.jpg

TALENTO
*


Pensar é recriar em pensamento

Na voz da Terra, o pulsar de uma estrela,

E na do Mar, entre espanto e cautela,

Um canto que nos soa a chamamento
*


E cresce o que é pensado qual fermento

Acrescentando o pão que a fome sela:

Só quem pensa se eleva e se rebela

Contra uma dor ou contra um desalento
*


Se em excruciante dor te consumias,

Porque é que ao pensamento permitias

Que alimentasse a dor e o sofrimento?
*


Bem sei, nem tu o sabes... se o soubesses

Não serias aquilo que pareces,

Nem em ti caberia um tal talento.
*


Mª João Brito de Sousa

21.04.2022 - 10.30h
***


Memorando o soneto ANGÚSTIA de Florbela Espanca

 

20
Abr22

VERSOS DO DESENGANO - Mª João Brito de Sousa e Custódio Montes

Maria João Brito de Sousa

10476061_840843202606962_6223920467874529427_o(2).

 

 

VERSOS DO DESENGANO
*

Coroa de Sonetos
*

Mª João Brito de Sousa e Custódio Montes

1.
*

O Mundo não me vê. Sou invisível

Como as teimosas ervas dos caminhos

E estes meus versos frágeis, comezinhos,

Não passam de um rumor quase inaudível...
*


Não fosse eu tão humana, perecível

E eterna escrava dos meus desalinhos...

Mas os astros também morrem sozinhos

E nem esse teu deus foi infalível!
*


O que é o Mundo, amor que um dia amei,

Se não a rocha astral em que me sei

Até que um dia deixe de saber-me
*


E se os infindos beijos que deixei

Nos versos dos poemas que engendrei,

Não me tornam maior que um simples verme?
*

 

Mª João Brito de Sousa

16.04.2022 - 11.45h
***

 

Memorando o soneto VERSOS DE ORGULHO de Florbela Espanca
***

2.
*

“Não me tornam maior que um simples verme”

Mas isso é quem pensa sem noção

Daquilo que é a humana gestação

O tempo do começo no seu germe
*


Eu nasci são, sem nada que me enferme,

Seguindo meu caminho em construção

Bem preso à charrua e ao timão

Revejo-me orgulhoso logo ao ver-me
*


A terra esconde o verme que a perfura

E longe vá o agoiro que perdura

Desse vesgo plebeu cego e imundo
*


Meus versos são de amor e de desejos

Só isso é que me apraz e os teus beijos

E nada mais eu quero neste mundo
*

Custódio Montes

18.4.2022
***


3.
*

"E nada mais eu quero neste mundo"

Que a grandes faustos nunca ambicionei:

Ah, entendesses tu quanto eu te amei,

Sentisses o sentir de que eu me inundo...
*


Disseste "sim" e havia um "não" rotundo

Por detrás desse "sim" que então escutei:

Se a incompreensão te perdoei,

Não pude perdoar-te aquele segundo
*


Ah, sei que exigi muito. Exigi tudo!

Exigi-te o cantar quando eras mudo

E até surdo às cantigas que eu cantava...
*


Só então despertei porque antes disso,

Pra proteger-te deste estro insubmisso,

Fui vulcão que digere a própria lava.
*


Mª João Brito de Sousa

19.04.2022 - 15.45h
***

4.
*

“Fui vulcão que digere a própria lava”

Mas sonhei-te uma flor de primavera

E lá se foi o sonho, a quimera

Que tão louco por ti eu me encontrava
*


Bem sabes, não te amava como escrava

Que escravo era eu, que o amor gera

A ânsia de te ter à minha espera

Como à espera de ti eu me encantava
*


Querer tão só amor eu não queria

Mas ter-te plenamente, dia a dia…

A tua boca, os olhos, muito mais
*


Sentia o teu pulsar cada momento

Mas fugiste de mim tal como o vento

Que vibra e foge e não volta jamais
*

Custódio Montes

19.4.2022
***

5.
*

"Que vibra e foge e não volta jamais",

Sim, assim fiz depois do desengano,

Mas não te culpo, eras tão só humano

E eu quis-te mais que humano. Amei demais.
*


Levei-te às profundezas viscerais

De um amor que aos comuns só causa dano:

Disseste-mo e eu puni-me, ano após ano,

Por excessos que, afinal, eram normais...
*


Por enquanto só isto entendo e sei

Que não erraste tu, nem eu errei:

Aquele caminho a dois findara ali
*


E nunca uma ribeira, de repente,

Pode correr pra trás, para a nascente,

Quando a voz de uma foz chama por si...
*

 

Mª João Brito de Sousa

19.04.2022 - 18.45h
***

6.
*

“Quando a voz de uma foz chama por si…”

A água segue então o seu caminho

Às vezes segue até devagarinho

Que muitas vezes eu assim a vi
*


Torneia um obstáculo aqui

E outras vezes salta em corridinho

Reflete as suas margens com carinho

Como também às vezes eu senti
*


Passado é passado mas a gente

Volta atrás quando ele de repente

Nos lembra essas chamas, o calor
*


Que sobe e nos inunda o coração

E nesse sentimento e visão

Para-se a contemplar o nosso amor
*

Custódio Montes

19.42022
***

7.
*

"Para-se a contemplar o nosso amor"

Mas, neste caso, estou no meu passado,

Este "hoje" nem sequer foi vislumbrado

E há, em mim, uma chaga aberta em flor
*


Só por instinto ignoro ou venço a dor,

Desconheço este mundo debochado,

Arrisco a cada passo um passo errado

E há mais lodo que lótus em redor...
*


É deste filme antigo - e dentro dele -

Que hoje te falo enquanto visto a pele

Firme e sem rugas que então me cobria:
*


Não faço ideia do que irei fazer,

Nem sei sequer se irei sobreviver,

Mas sei que fiz aquilo que devia.
*

 

Mª João Brito de Sousa

19.04.2022 - 20.36h
***

8.
*

“Mas sei que fiz aquilo que devia”

Fiel à minha luta sem quartel

E sempre muito preso ao meu papel

De te ter junto a mim em companhia
*


Mas quando se passava mais um dia

Sentia as minhas queixas em tropel

A mágoa por me seres infiel

Que aguentar a dor não mais podia
*


E ando desenvolto sem parar

Sentado a ver o sol a ver o mar

E olho ao redor a ver a imagem
*


Dum voo de andorinha ao sol poente

Também voo e penso em tom dolente

Nos sonhos que me chegam dessa imagem
*

Custódio Montes

19.4.2022
***

9.
*

"Nos sonhos que me chegam dessa imagem"

Que às vezes vem poisar nos sonhos meus,

Há poemas pagãos, versos ateus

Que se olham e, por vezes, interagem
*


Não sei se são reais, se são miragem,

Se são suaves e frágeis como os véus

Que os cirros vão espalhando pelos céus

Enquanto o vento os leva na romagem...
*


E sou jovem de novo, quem diria,

Que àquilo que vivi retornaria

Plo tempo que me fosse necessário
*


Pra compor uma C`roa de sonetos?

Serão estes meus versos obsoletos

E terei feito em vão este calvário?
*


Mª João Brito de Sousa

19.04.2022 - 23.00h
***

10.
*

“E terei feito em vão este calvário?”

Calvário também há para se amar?

Sofrer sofre-se sempre que sonhar

Tem custo, esse custo necessário
*


Para o suor do rosto há um sudário

Que levamos connosco ao se andar

E a alegria sucede-se ao penar

Nas veredas do nosso itinerário
*


Na vida há tristezas e alegrias

Que surgem cada hora pelos dia

Não se vive sem esse condimento
*


E quando recordamos o passado

Revive-se o segundo apaixonado

E vai-se todo o nosso sofrimento
*

Custódio Montes

20.4.2022
***

11.
*

"E vai-se todo o nosso sofrimento"

Se houve um passado que sofrer nos fez...

Responderia que "talvez, talvez...",

Mas nesta C`roa o tempo passa lento
*


E eu revivo ainda esse momento

Enquanto vou revendo o que nem vês:

Se nunca me entendeste como crês

Que eu possa celebrar o que lamento?
*


Aqui, no meu presente, o teu futuro

Desfasou-se do meu. Se algo procuro

É o que sempre a ti te ultrapassou
*


Nenhum de nós o soube, no passado,

Por isso caminhámos lado a lado

Sem que sequer sonhasses quem eu sou
*

 

Mª João Brito de Sousa

20.04.2022 - 11.00h
***
12.
*

“Sem que sequer sonhasses quem eu sou”

Que o sonho anda ao longe e a realidade

A cada um se ajusta na vontade

De só amar aquilo que se amou
*


E sem correspondência aqui estou

Neste triste lamento que a saudade

Me faz voltar atrás àquela idade

Onde todo o amor se me esfumou
*


Mas é assim a vida que o viver

Anda sempre em vaivém a acontecer

E a vida é sofrer além de amar
*


Por isso, não me importa o sofrimento

Nem eu continuar neste lamento

Que alegre é bem melhor a gente andar
*

Custódio Montes

20.4.2022
***

13.
*

"Que alegre é bem melhor a gente andar"

E se amor`s há profundos qual vertigem,

Outros há que rasinhos desde origem

Nem sequer vale a pena aprofundar...
*


Tentar como eu tentei vai redundar

Nos duros desenganos que me afligem:

Desfeito o nó, não doem, não me atingem,

Deixam de ter o dom de me enganar...
*


Caminho agora no tempo presente

E embora imóvel bem mais livremente

Do que na juventude aqui trazida
*


Treze sonetos. Décadas passaram

Entre o primeiro e os mais que se somaram

Aos desenganos desta minha vida.
*


Mª João Brito de Sousa

20.04.2022 - 13.00h
***

14.
*

“Aos desenganos desta minha vida”

Juntam-se outros que agora recordei

São vivências de outrora em que andei

Com a alma encantada mas perdida
*


Eu via tudo à volta da ermida

Que no monte mais alto edifiquei

Que depois de a erguer desmoronei

Sem que ninguém a visse destruída
*


O rumo dessa história pereceu

Que um manto invisível escondeu

Num amor que então era perecível
*


Embora mostre ao mundo a minha dor

E a triste e longa mágoa desse amor

“O mundo não me vê. Sou invisível”
*

Custódio Montes

20.4.2022
***

 

 

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!