Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
31
Out21

SONETO DO TODO-PODEROSO MERCADO

Maria João Brito de Sousa

SONETO DO GRANDE MERCADO.jpg

SONETO

DO

TODO-PODEROSO MERCADO
*


Venho roubar-te, ó Arte, a eternidade!

Tudo o que ousaste ser te cobro agora,

Excepto, talvez, o que de ti se evade

E depressa se evola e se evapora...
*


Deixo-te uma ilusão de liberdade,

Que só essa ilusão por cá vigora;

Levo-te o leito, a casa e a cidade

E até o tempo roubo, hora por hora.
*


Vesti a tua pele inacabada,

Qual terrorista, não te deixo nada

Senão o que do nada fores criando
*


Na condição de te fazer saber

Que tudo o que concebas vai morrer

Às mãos do Tempo que o vai devorando.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 30.10.2021 - 11.00h
***
Sonetos da Matrix

30
Out21

SONETO DA IMATERIALIDADE

Maria João Brito de Sousa

O CAMPO DE MARTE- MARC CHAGALL.jpg

"O Campo de Marte" - Marc Chagall

 

SONETO DA IMATERIALIDADE
*


Trago a realidade pela trela

Enquanto ela se escapa e se dissolve

Em tudo o que apareça à frente dela;

Quando se for, quem é que ma devolve?
*


Não sei se ela me habita, se estou nela,

Ou se ela é tudo, tudo o que me envolve;

Há sempre, debruçada na janela,

Uma equação que nunca se resolve.
*

 

Tudo flutua agora em meu redor

Na ausência do melhor e do pior,

Na dispersão dos pontos cardeais...
*


Trago comigo um grão de realidade

Dissolvido num mar que se me evade

Sempre que tento içar-me até ao cais.
*

 


Maria João Brito de Sousa - 29.10.2021 - 11.30h
*
Sonetos da Matrix

29
Out21

SONETO DA EFEMERIDADE

Maria João Brito de Sousa

10449967_10204450666900064_268020147650520915_n.jp

SONETO DA EFEMERIDADE
*


Prometo ser-te fiel por dez segundos

E dar-te amor num frasco de compota;

Prometo-me inteirinha numa gota

De um simulacro de órbitas e mundos
*


Prometo um brilho de astros moribundos

Numa galáxia próxima ou remota,

Mas não te juro não fazer batota

Nem te prometo afectos mais profundos.
*


Queria dar-te uma década de luz

Mas não me lembro, amor, onde é que a pus...

Que nome me disseste que era o teu?
*


Não te oiço. Continuo de passagem...

Vou fazer outro "upgrade" à minha imagem,

Estou a desconectar este meu Eu.
*

 

Maria João Brito de Sousa -29.10.2021 - 07.30h

***

 

28
Out21

CORAÇÃO LÍQUIDO

Maria João Brito de Sousa

AMOR-LIQUIDO-FOTO-02.jpg

CORAÇÃO LÍQUIDO
*


Num segundo se morre, ou ressuscita;

Neste segundo, meço a pulsação

Serena/inquieta do meu coração,

Brasa que naufragada inda crepita.
*


Quando uma pulsação demais se agita

Num segundo nos mata. A remissão

Nem sempre nos concede o seu perdão

E a sorte quase nunca nos visita.
*


Num segundo se chega ao tal lampejo

Que em nós acende a chama do desejo

E se apaga a seguir, noutro segundo,
*


E tudo, água e rochedo, é movimento

Que flui no mar imenso e turbulento

Em que nasce e naufraga o nosso mundo.
*

 


Maria João Brito de Sousa - 28.10.2021 - 10.50h
***

Sonetos da Matrix

27
Out21

DIA - Coroa de Sonetos - Custódio Montes, MJBS e Lourdes Mourinho Henriques

Maria João Brito de Sousa

DIA.jpg

DIA
*

Coroa de Sonetos
*

Custódio Montes, Maria João Brito de Sousa e Lourdes Mourinho Henriques
***
1.
*

A noite foi passando e chega o dia

Pois já se vê a luz da alvorada

Do dia vem a luz iluminada

E luz que cada vez mais alumia
*

Os olhos se distendem e a magia

Invade-nos a alma encantada

Que a este céu aberto, irmanado,

Se junta, refulgente de alegria
*


O dia pinta o monte, mostra a serra

E também a beleza que ela encerra

E vai beijar a flor que envaidece
*


E tudo isto eu vejo da janela

Encanto desta luz que é tão bela

Enquanto o dia vem e amanhece
*

Custódio Montes

23.10.2021
***

2
*

"Enquanto o dia vem e amanhece"

Procura a noite um espaço recatado

Para dormir o sono descansado

Que traz consigo e tanto lhe apetece.
*


A noite, ao dia em nada desmerece

E até foi dela que nasceu o fado,

O que se vive e o outro que é cantado

Como quem rasga a alma numa prece...
*


A noite traz lampejos cor de prata,

Cantigas de embalar e uma cascata

De carícias que o dia amordaçou
*


E traz-me, a mim que vou estando velhinha,

A maravilha de, estando sozinha,

Sonhar com versos que ninguém glosou...
*

 

Maria João Brito de Sousa - 22.10.2021 - 14.55h

***
3
*

“Sonhar com versos que ninguém glosou”

É maravilha que a minha mente ocupa

Enquanto o coração se preocupa

Sonhando com a vida que passou.
*

 

Recorda tudo o que o tempo levou

Noite fora, até ser de madrugada,

Por fim, com a cabeça já cansada

Rendo-me ao sono… a noite terminou…
*


E eis que nasce o dia… e a natureza

Se envaidece, e mostr’ a sua beleza

Ao ser banhada pela luz do sol.
*

E às vezes, quando acordo a meio do dia

Eu penso que vou ter a alegria

De ver uma vez mais o arrebol!
*

Lourdes Mourinho Henriques

22.10.2021
***

4
*

“De ver uma vez mais o arrebol”

Sonhava e acordei era já dia

Voltei de novo então à alegria

Por ver a clara luz vinda do sol
*

Na montanha a cair como farol

Tão lindo como há muito eu não via

Assim, olhando em frente descobria

Também a cirandar um girassol
*


Todo o dia amanhece e vai andando

O sol que o acarinha vai girando

Até ao seu ocaso a iluminar
*


Trabalha muita gente e o jardim

Encanta todo o dia até ao fim

E anda-se na rua a passear
*

Custódio Montes

22.10.2021
***

5
*

"E anda-se na rua a passear",

Ou fica-se por casa poetando

Como eu há vários dias vou ficando

Por falta de dinheiro pra pagar
*


O que café da esquina me cobrar

Por um "pingado" claro, fumegando;

Este mês não está fácil, vou pensando

Enquanto escrevo versos sem parar...
*


De qualquer forma, não caminharia

Mais do que os poucos passos que daria

Pra poder chegar (viva...) à minha meta
*


E assim, escrevendo "até que a voz me doa",

Chego muito mais longe! O verso voa

Sempre que sai das teclas de um poeta.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 22.10.2021 - 21.50h


***

6
*

“Sempre que sai das teclas de um poeta”

Os versos que escreveu, para cantar

Talvez lhe chegue a voz… e a tocar,

Até confunde as teclas com a caneta.
*

Os versos e a música sem meta

Que às vezes vão saindo sem cessar

Aliviam a alma, e ao cantar

Dão alegria ao músico/poeta.
*

P’rá música, inspiração vai faltando,

Uns versos, vão saindo quando em quando

P’ra não deixar entrar o “Alemão”.
*

Hoje, cantar “Até que a voz me doa”

Não consigo, já sou outra pessoa,

P’rós versos, vai faltando inspiração!
*

Lourdes Mourinho Henriques

23.10.2021.

***

7.
*

“P’rós versos, vai faltando inspiração!”

É verso a rimar mas é gracejo

Porque pelo que escreve, como vejo,

Não foge o verso e a rima à sua mão
*

Oh Lourdes, desafio é empurrão

Que leva a sua musa ao versejo

E o que escreve é lindo, lho invejo

Que escreve com a mente e o coração
*

Mas voltando ao tema, lhe diria

Que só começou ontem, nesse dia

E decerto vai hoje terminar
*

A Maria João e a Mourinho

Trouxeram ao meu “dia” tal carinho

Que quero nesta altura destacar !!!
*

Custódio Montes

23.19.2021
***

8.
*

"Que quero nesta altura destacar(!!!)"

Que o dia amanheceu de azul vestido

E que o mar está de rendas guarnecido

Por espumas acabadas de bordar...
*


Acabo agora mesmo de acordar

De um sono justo, muito bem dormido

E faz, dizer bom-dia, mais sentido

Do que ficar calada a matutar;
*


Bom dia, meus amigos, companheiros

Dos versos cultivados nos canteiros

Dos nossos jardinzinhos pessoais!
*


Que as vossas musas vos sejam propícias

Nesta manhã de versos e delícias;

Trazei vossos sonetos, quero mais!
*


Maria João Brito de Sousa - 23.10.2021 - 10.15h
***

9
*

“Trazei vossos sonetos, quero mais”

Por sua vez diz Maria João,

Não sei se chego lá, a inspiração

Por vezes só me dá rimas banais…
*

Mas vejo que o Custódio entendeu

Que apesar do que escrevo ser banal

É tudo o que sinto, e afinal

São versos que demonstram o “meu EU”.
*

Aos dois eu agradeço a paciência

Pois engenho e arte, na essência,

É coisa que me falta, na verdade.
*

Vamos ver se consigo terminar

Esta “batalha” que me faz pensar…

E aqui vos deixo a minha amizade.
*

Lourdes Mourinho Henriques

23.10.2021

***

10.
*

“E aqui vos deixo a minha amizade”

Que tão bem a expressa no soneto

Manifestá-la aqui também prometo

Embora sem engenho e habilidade
*

A Mourinho é amiga de verdade

E por isso amizade lhe remeto

Apesar desta assim morar num gueto

Que a sua essência é a liberdade
*

Ao escrever a gente apenas diz

Aquilo que a pena dizer quiz

E ela não diz tudo ao escrever
*

Mas vou ditar daqui esta sentença:

A amizade é lonjura e é presença

E ambas como amigas quero ter
*

Custódio Montes

23.10.2021
***

11
*

"E ambas/os como amigas/os quero ter"

Inda que isso me obrigue a saltitar

Entre o computador, pra vos saudar,

E a água do arroz, quase a ferver
*


Porque hoje é dia de tudo fazer

Não me posso esquecer de cozinhar

Frango estufado, arroz a acompanhar,

E um chá de camomila pra beber
*


Nestas nossas conversas "sonetadas"

Partilhamos até pequenos nadas

E confesso sentir-me entristecida
*


Por não poder servir-vos um pouquinho

Do que vou descrevendo e que cozinho;

- "Custódio, quer?" ou "Milú, é servida?"
*

 

Maria João Brito de Sousa - 23.10.2021 - 14.10h
***

2
*

- “Custódio, quer?” ou “Milú, é servida?”

Tem graça partilhar com harmonia

Em “poemas”, o qu’ é o nosso dia,

Afinal tudo faz parte da vida
*


Que por nós, tantas vezes é esquecida…

Pensando em altos voos, com alegria,

Sem vermos que esses voos são utopia,

Deixando a humildade adormecida!
*


Quantas vezes o que a vida nos dá

Não é o que sonhamos… mas é lá

Que encontramos a nossa f’licidade.
*

Amigos do passado? Aonde estão?...

A vida nos contempla e em sua mão

Nos traz outros amigos de verdade!
*

Lourdes Mourinho Henriques
*

23.10.2021
***
13.
*

“Nos traz outros amigos de verdade”

Que o dia nos ajuda a conquistar

Quem diz dia diz noite par a par

Que juntos ambos são a unidade
*


De trevas é o dia e claridade

E cada parte dele é para amar

Amarmos tudo e todos sem parar

Que o amor é o cerne da amizade
*


O dia, o claro dia empolga a gente

Dia pela manhã e ao sol poente

E depois vem a noite e a escuridão
*


Surge a lua no céu e as estrelas

Depois vem o alvor, coisas tão belas

De noite e ao vir o dia e o seu clarão
*

Custódio Montes

24.10.2021
***

14
*

"De noite e ao vir o dia e o seu clarão"

Que inundará de luz o nosso sono

Para afastar, num sopro, o abandono

Da nossa adormecida solidão,
*


O dia, azul na sua imensidão,

Traz-nos o Sol no alto do seu trono

Que incita a Vida à base de carbono

A recriar-se em espanto e dimensão...
*


Ah, tudo em nós renasce ou se renova

E a cada instante a Vida é posta à prova,

Primeiro o choro, logo uma alegria,
*


E enquanto isto constacto e deixo expresso

No ciclo inacabado a que regresso,

"A noite foi passando e chega o DIA"
*


Maria João Brito de Sousa - 24.10.2021 - 10.50h
***

 

 

 

25
Out21

ALQUIMIA

Maria João Brito de Sousa

alchemy.jpg

Imagem retirada daqui

 

ALQUIMIA
*


Eu que procuro Facto e Evidência

Enquanto ajusto o Verbo à Melodia,

Que vivo apaixonada pela Ciência

Com a qual sempre estive em sintonia,
*


Que pouco valorizo uma aparência

Se a descobrir infértil e vazia,

Acabo de dar conta, em consciência,

De que isto que pratico é Alquimia;
*

 

No almofariz de Pedra da Vontade

Vou misturando o Sonho e a Verdade

Com dois ou três punhados de Talento
*


Depois, trituro tudo. Por tempero

Junto, de Espanto, tanto quanto quero

E aguardo que apure em Fogo lento.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 25.10.2021 - 10.00h

***

25
Out21

SONETO quase TRANSESTÉTICO

Maria João Brito de Sousa

transestetico.jpg

SONETO

(quase)

TRANSESTÉTICO
*


Na poética asséptica isométrica,

Fluída consumida e assumida

Cosmética patética ou hermética,

Re-re-re-repetida, ainda, a vida
*

 

Cinética diegética anoréctica

Comida, remoída e digerida;

Frenética imagética epiléptica

Fruída se incontida e esteticida.
*


É de aço inoxidável e lítio e cromo

Ou átomo ofuscante e ofuscado

Que não tem tempo e nunca teve dono
*


Nem ousa ser senão assimilado

Pla liquidez do sono/mono-promo

Que mal nasceu passou a ser passado.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 24.10.2021 - 19.15h

***

 

Sonetos da Matrix

24
Out21

MEU DOM/TEU DOM

Maria João Brito de Sousa

Eu, dois ou três meses.jpeg

MEU DOM/TEU DOM
*


Que a minha sede seja a tua sede

E a minha fome seja a tua fome

E não haverá força que então dome

A força que nos move e se não mede!
*


Ainda que encostados à parede

Confrontando carrasco que nos sove,

Havemos de encontrar razão que prove

Toda a razão que o coração nos pede.
*


E mesmo que tu subas quando eu desça,

Se te couber minguar enquanto eu cresça,

Que não vejas dif`rença onde a dif`rença
*


É bem mais ténue do que a semelhança

Imensa que nos coube por herança;

O dom de nos sonharmos. De nascença.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 24.10.2021 -10.00h

 

23
Out21

UM GALOPE ACIDENTADO

Maria João Brito de Sousa

UMA INVESTIDA ACIDENTADA.jpg

Imagem surripiada daqui

 

UM GALOPE ACIDENTADO
*


A Musa assoma e eu caio do cavalo

Que sem freio galopa até ao fim

Do fôlego que tem. Aqui me calo

Ainda que o cavalo habite em mim...
*


Não cortámos a meta? Não me ralo!

Este meu cravo rubro de carmim

Há-de amparar-me até ao intervalo

Que deve conceder-se a queda assim.
*


A Musa que entretanto prosseguiu

No dorso do cavalo, que não viu,

Nem deu conta da queda aparatosa,
*


Ao sentir um ligeiro estremeção,

Mais quis que galopasse o alazão

E eu perdi-lhes o rasto. O resto é prosa.
*

 


Maria João Brito de Sousa - 19.10.2021 - 14.20h

22
Out21

MEU MAR/TEU MAR

Maria João Brito de Sousa

meumar teumar II.jpg

MEU MAR/TEU MAR
*
Encantamento
*


O meu mar será sempre o mesmo mar

Que te assoma à janela, noite e dia,

E que por mero acaso ou ironia

Teve o condão de a ambos encantar.
*

 

Abro-lhe a porta, assim, de par em par,

Para sentir-lhe o cheiro a maresia;

Fica-me a Musa cheia, se vazia

Estivesse enquanto farta de o esperar.
*


Quando no Equinóceo se agiganta

O mar que a gente - tanta gente... - canta,

Esse que em tempos tanto foi chorado
*


Enche de espuma a velha Marginal

E traz consigo o sal do mesmo sal

Com que este encantamento foi temperado.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 19.10.2021 - 18.00h

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!