Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
25
Jul21

SILÊNCIO II

Maria João Brito de Sousa

Avô na casa de Algés.gif

SILÊNCIO II
*

 

Silêncio! Nem protestos nem queixumes

Soltam os versos mortos insepultos;

Perdem-se nos desertos dos ocultos

As aves desgarradas, quando implumes.
*


Não há escudos pra espadas de dois gumes

Nem há contra-veneno para insultos

E o meu silêncio nunca paga indultos

Nem serve a desistência em que o presumes
*


Arranco um verso ao prazo ultrapassado

De um mísero estertor dos meus sentidos

Que a ferro e fogo foi reconquistado
*


E já perdi a conta aos que, perdidos,

Deixei ficar pra trás... Ah, naufragado,

No teu silêncio afogo os meus gemidos!
*

 

Maria João Brito de Sousa - 25.07.2021 - 13.22h

 

*

 

Fotografia de António de Sousa, meu avô poeta

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B3nio_de_Sousa_(poeta)

04
Jul21

MAR REDENTOR

Maria João Brito de Sousa

mar - nuno fontinha.jpg

MAR REDENTOR
*


Só o mar que do mar nunca volta

É do rio tanto cais quanto fonte

E na onda que em espanto se solta

Ergue um muro e também uma ponte
*


De água azul e de espuma revolta

Entre mim e o longínquo horizonte,

Essa linha amovível que escolta

Cada além que ao meu sonho confronte
*


Quando a onda nas rochas quebrando

Vem dizer-me que o mar ora é brando,

Ora em fúrias e raivas se exprime
*


Digo a medo ou apenas segredo

Que deixei de ter medo do medo

E que o mar mesmo irado redime.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 04.06.2021 - 09.40h

 

Fotografia de Nuno Fontinha

 

03
Jul21

OUSADIA

Maria João Brito de Sousa

chronos.jpg

OUSADIA
*


Como é precária a nossa eternidade,

Ainda que a julguemos ser sem fim,

Nós, folhitas caducas do jardim

Da nossa muito humana veleidade...
*


Nem Cronos, incorpóreo, cuja idade

Jamais foi calculada, entende assim

Eterna a duração do seu festim

E infindo o seu reinado de deidade...
*


Será loucura ousar falar por ele

Ainda que o mal saiba definir

E nunca possa, eu, vestir-lhe a pele?
*


Quão ousada serei por presumir

Saber das mil razões que são só dele

E que nem mesmo ele ousa assumir?
*

 

Maria João Brito de Sousa - 03.07.2021 - 13.57h

 

02
Jul21

SONETO DE AMOR

Maria João Brito de Sousa

SONETO DE AMOR.jpg

SONETO DE AMOR
*

 

Como julguei eterno o teu sorriso

E doce como mel senti teu beijo;

Se eterno e doce fora o teu desejo,

Ter-te-ia oferecido um paraíso...
*


De ti, colhi bem menos que o preciso...

Ah, pudesse um de nós ter tido ensejo

De mudar, por inteiro, o curso ao Tejo

No tempo de uma vida e sem aviso...
*


Soubesse eu transformar um sofrimento

Mais desconforme do que uma montanha

No passe da magia de um momento
*

 

Em nuvem passageira e vaga e estranha...

Mas não o soube e, agora, não lamento

Ter deixado passar paixão tamanha.
*

 


Maria João Brito de Sousa - 01.07.2021- 12.45h

 

01
Jul21

PENEIRO DUZENTOS

Maria João Brito de Sousa

peneiro.jpg

PENEIRO DUZENTOS
*

 

Não é, a perfeição, uma entidade,

Mas um conceito abstracto e relativo

Criado pela própria humanidade

Que nele encontra, ou não, um objectivo.
*


Ao prosseguir na busca da verdade,

Tudo faço passar plo fino crivo

Da intuição e da objectividade

Que tão mais prezo quanto mais cultivo
*


Nesta labuta, neste meu garimpo,

Cada razão tentei tirar a limpo

E a todas tentei ver com nitidez...
*


Há porém tantas, tantas perspectivas,

Que, às tantas, tornei largas, permissivas,

As malhas do peneiro que em que me vês...
*

 

Maria João Brito de Sousa - 30.06.2021 - 13.55h

*

Ao engº Alberto Rodrigues

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!