Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
27
Fev21

MOIRA(S)

Maria João Brito de Sousa

as três parcas.jpg

MOIRA(S)
*

(Mitologia Grega)
*

 

Não são parcas, as Moiras, no seu zelo;

Fiam, tecem e cortam noite e dia

Sem se cansarem da monotonia,

Sem se esquecerem de nenhum novelo
*


Desponta o fio e logo irão tecê-lo

Com mão que sabiamente doba e fia,

Senhoras da tristeza e da alegria

Dos dias mais magoados e mais belos.
*


No fim, uma das Moiras corta o fio

Das luas e dos sóis de cada vida;

Só essa determina o fim de um rio,
*


Só essa indica a hora da partida;

Ela é quem sela o poderoso trio

Ante o qual Zeus recolhe a espada erguida.

*

Maria João Brito de Sousa - 27.02.2021 - 12.00h

26
Fev21

COISAS QUE SÓ EU SEI

Maria João Brito de Sousa

Hotel dos Templários - Tomar, 1972.jpg

COISAS QUE SÓ EU SEI
*

(em verso alexandrino)
*

 

Não canto essoutro amor cantado à exaustão

Que é fruto da paixão que irrompe como a flor

Quando, no seu esplendor, garante a gestação

A cada geração que seduz pra se impor.
*


Cantá-lo por favor, a mim, não me imporão

Que eu moro na canção que eu entender compor

E não ando ao dispor da velha tradição;

Nada faço à traição, nem guardarei rancor
*


Porque é com despudor que afirmo que cantei

Coisas que só eu sei e outras que, não sabendo,

Tentei ir aprendendo assim que aqui cheguei;
*


A Amor nunca neguei, que o vivi no crescendo

Que a vida foi tecendo enquanto o que sonhei

Cá dentro sufoquei. De amar não me arrependo.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 26.02.2021 - 11.35h

 

25
Fev21

DE NOVO, O MAR

Maria João Brito de Sousa

Fotografia de Fernando Ribeiro.jpg

 

 

DE NOVO O MAR
*


De novo o mar. Tão longe e aqui tão perto,

Vem relembrar-me o sonho da jangada;

Pede-me tudo e não me pede nada

Que eu já não tenha, há muito, descoberto
*


Pois sempre que num verso me liberto,

É nesse mar que encontro a minha estrada

E tão mais lesta quanto mais cansada

Prossigo em busca do meu porto (in)certo.
*


Não sei se cacilheiro, se canoa,

A jangada de sonhos e de espantos

Que hoje me espera num cais de Lisboa,
*

 

Mas sei que vence as dores e desencantos

Do vastidão marinha que a atordoa

E não teme os rochedos, que são tantos.
*

 


Maria João Brito de Sousa - 23.02.2021 -14.53h

*

Soneto criado para a Antologia Luso-Brasileira "Tanto Mar Entre Nós"

*

 

Fotografia de Fernando Ribeiro

24
Fev21

QUEM NÃO TEM CÃO...

Maria João Brito de Sousa

Franois_Boucher_-_Erato_The_Muse_of_Love_Poetry_-_

QUEM NÃO TEM CÃO...
*


Erato não serei, poeta amigo,

Que para tal não tenho engenho e graça,

Mas posso garantir-lhe garra e raça

Sempre que aceite que escreva consigo.
*


Não ostento os cabelos de oiro ou trigo

Que enfeitam qualquer deusa quando caça,

Mas meu arco-de-versos tem a traça

Do que não tem idade, sendo antigo.
*

Se errar "humanum est", eu errarei,

Mas pode crer que lhe não faltarei,

Se Erato me ceder a sua vez...
*

Porque "quem não tem cão, caça com gato",

Sempre que o ignorar a bela Erato,

Conte c`oa minha humana pequenez!
*


Maria João Brito de Sousa - 22.02.2021 - 18.37h
***


Soneto escrito em resposta ao soneto ERATO do poeta Custódio Montes.

*

Imagem - ERATO - Tela de Francis Boucher

23
Fev21

UM PAPEL NO PALCO DA VIDA

Maria João Brito de Sousa

um papel no palco da vida.jpg

UM PAPEL NO PALCO DA VIDA
*


"E voltam os meus medos de menino"

Num barco de papel lançado ao rio

Num dia enevoado agreste e frio

P`la vontade insondável do destino...
*


Ao longe, o repicar um velho sino

Invade a rua, embala o casario

E a toada acalma o arrepio

De um eu tão vulnerável quão franzino.
*


Brinca contigo o Tempo, em certos dias;

Todo o cenário muda e, num repente,

Vês-te no palco, nu, de mão vazias
*


E tu, que eras tão lúcido e valente,

Porque impotente em nada contrarias

Um fim que é sempre igual pra toda a gente.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 22.02.2021 - 13.17h

*

Soneto inspirado no soneto DIA DO SOL (Sunday) do poeta Carlos Fragata.

22
Fev21

"WHERE THE WILD ROSES BLOOM" - Maria João Brito de Sousa e Laurinda Rodrigues

Maria João Brito de Sousa

wild-roses-56481_960_720.jpg

"WHERE THE WILD ROSES BLOOM"
***

COROA DE SONETOS
*

Maria João Brito de Sousa e Laurinda Rodrigues
***

1.
*


Nesta minh`alma, presa por um fio,

Tremeluz uma lágrima que insiste

Em dominar a dor a que resiste

Em vez de, solta, transformar-se em rio.
*


A sua teima, mais que um desvario,

É luta de que a alma não desiste,

E se é certo que a dor em mim persiste,

Mais certo é que eu lhe ganhe o desafio
*


Pois do mar que chorei em tempos idos

Por mágoas que nem dei a conhecer,

Nasceram-me, cá dentro, rios traídos
*


Que desaguaram antes de irromper

Criando um mar de versos (in)contidos

Ao qual, sempre que sofra, irei beber.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 18.02.2021 - 17.35h
***

2.
*

"Ao qual, sempre que sofra, irei beber"

serenamente, como fora ópio

que, por entre essas mágoas, vai tecer

formas vibrantes em caleidoscópio.
*

E ninguém diga que amar é sofrer

porque o sofrer de amor é sempre próprio:

faz angústia e ansiedade, faz doer,

que nos desvenda como em microscópio.
*

Vamos negando a razão de ser

de tanto sofrimento do momento

e fazemos de tudo para esquecer...
*


Só que essa dor vem do nascimento

e irá ser companhia até morrer

quer seja aragem leve ou rude vento.
*

Laurinda Rodrigues
***

3.
*

"Quer seja aragem leve ou rude vento"

O que ameaça quem de nós nasceu,

Ameaça também o nosso "eu"

Que, ainda que distante, fica atento
*

A cada sopro e a cada movimento

De quem está a sofrer ou já sofreu

Pois, no segundo em que isso aconteceu,

Cerraram-se-me as asas do talento.
*


Assim fiquei numa tensão de espera

Que os poemas me ensinaram a gerir

Com a perseverança de uma hera
*

Que espera alguma impede de subir

A parede mais nua e se supera

Na própria dor que a esteja a consumir.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 19.02.2021 - 13.22h

***

4.
*

"Na própria dor que a esteja a consumir"

encontrou o sentido da existência

porque, mesmo em período de carência,

de algum lado abundância há-de surgir.
*

Não permitindo ao corpo reagir

é o medo, crescendo com premência

que transforma em estado de latência,

a coragem de ser e de existir.
*

E todos vão esperando um novo dia

quando, afinal, o sol há-de surgir

num espetáculo de luz e de alegria,
*

Se o nosso olhar não recusar sorrir

e, dando uns aos outros a poesia,

damos abraços que a hera há-de cobrir.
*

Laurinda Rodrigues
***

4.
*

"Na própria dor que a esteja a consumir"

encontrou o sentido da existência

porque, mesmo em período de carência,

de algum lado abundância há-de surgir.
*

Não permitindo ao corpo reagir

é o medo, crescendo com premência

que transforma em estado de latência,

a coragem de ser e de existir.
*

E todos vão esperando um novo dia

quando, afinal, o sol há-de surgir

num espetáculo de luz e de alegria,
*

se o nosso olhar não recusar sorrir

e, dando uns aos outros a poesia,

damos abraços que a hera há-de cobrir.
*

Laurinda Rodrigues
***

5.
*

"Damos abraços que a hera há-de cobrir",

Sobrevivemos a todas as dores

E vamos dando o melhor dos melhores

De tudo o que façamos ressurgir
*

De um mundo que parece qu`rer ruir

Sob o domínio dos novos temores

E que solta os gemidos e estertores

Dos que estão quase, quase a desistir.
*


Dos destroços, contudo, irrompe a vida

Porque a vida abomina a rendição

E sempre que parece estar vencida
*


Encontra forma de mostrar que não,

Que apenas se calara confundida,

Que segue ainda o rumo evolução.
*

Maria João Brito de Sousa - 19.02.2021 -17.45h
***

6.
*

"Que segue ainda o rumo evolução"

mesmo que não se note, por temor

desse desconhecido que dá dor

mas é a terra inteira em convulsão.

*

Ela emitira há muito a prevenção...

Fomos traídos p'la força do pavor

e, querendo ainda evocar o amor,

ficamos esmagados sem perdão.

*

Oh liberdade de ser e de criar!

Agora és planta seca e espezinhada...

Onde escondeste a força do teu ar?
*

Ouvi gemidos quando ia cantar

Já não há alegria nesta estrada...

Ajoelho na terra e vou rezar.
*

Laurinda Rodrigues
***

7.
*

"Ajoelho na terra e vou rezar"

Um verso que me chega libertado

Pois nunca tem presente, nem passado

Que nunca sei quando me irá chegar.
*

Nisto consiste o acto de criar

Que, não sabendo o que irá ser criado,

Quanto mais solto, mais harmonizado

E mais seguro de se propagar.
*

É rebelde insubmisso mas confia,

O verso, nessa força que o conduz

Como vento que sopra e que assobia;
*

Subverte a escuridão e faz-se luz

Nas malhas do momento em que se fia

Ou, no pior dos casos, se traduz.
*


Maria João Brito de Sousa - 20.02.2021 - 13.04h

***

8.
*

"Ou, no pior dos casos, se traduz"

não sei em que linguagem inventada...

Sei, apenas, que a hora da chegada

servirá às palavras que a traduz.
*

Porque a hora chegada tem a cruz

pendurada no teto da entrada

e tu olhas para ela fascinada

e escreves o poema que a seduz.
*

Vens à procura de encontrar permutas

de outros e outras almas resolutas

que insistem em criar dia após dia...
*

E sendo esses encontros que desfrutas

companheiros de tal e tantas lutas

aqui deixo o meu sonho como guia.
*

Laurinda Rodrigues
***

9.
*

"Aqui deixo o meu sonho como guia"

Ou companheiro cândido e leal

Do que nos nasce do sal que há no sal

Do mais íntimo sal que em nós havia.
*

Assim vamos somando, em sincronia,

Um verso quase sempre acidental

A outro que é também original

E dá continuidade à sinfonia.
*


Porque a Arte é pilar fundamental

E grande parte dela é poesia,

Nela encontramos sempre um ideal
*


Ao qual juntamos sonho e fantasia;

Então, sem iludirmos o real,

Podemos dar-lhe uns toques de magia...
*


Maria João Brito de Sousa - 20.02.2021 - 17.12h

***

10.
*

"Podemos dar-lhe uns toques de magia"

num circo onde seremos aprendizes:

tu e eu treinando como atrizes

de equilibristas em grande fantasia.
*


As bancadas do povo que assistia

eram, do nosso circo, as bissetrizes

feitas de troncos de árvores e raízes,

que a luz da inspiração as imergia.
*


Às vezes com aplausos, outras não,

no silêncio da voz ou na paixão,

criar seja o que for é uma virtude...
*


Mas, se deixamos vir a solidão,

correremos o risco da ilusão

de nos vermos caídos num talude.
*

Laurinda Rodrigues
***

11.
*

"De nos vermos caídos num talude",

Tal como os que, vivendo acompanhados,

Se vêem pela morte separados,

Ainda que homogéneos como grude...
*


A solidão dos poetas é virtude;

Conquistam-na e não querem ser privados

Das asas solidárias dos seus fados,

Quer gozem, quer não gozem de saúde.
*


Confundes solidão com abandono

E há um abismo entre esses dois conceitos;

Um faz sonhar, o outro rouba o sono
*


E é o carrasco-mor dos seus "eleitos"

Quando assume o poder e sobe ao trono

Da bárbara crueza dos seus feitos.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 21.02.2021 - 12.17h

***

12.
*

"Da bárbara crueza dos seus feitos"

irá nascer, no tempo, a agonia

de os carrascos sentirem, dia-a-dia,

o remorso a que estarão sujeitos.
*

Então a solidão cresce nos leitos

onde a alma habita tão vazia

com o abandono feito a uma cria

que precisava tanto dos seus peitos.

*

Mistura-se abandono e solidão

na teia do sentir do coração

onde ambos fazem ninho pouco a pouco...

*

E, um dia, sem notar, nasce a ilusão

de poder ter da cria o seu perdão

p'ra que o carrasco não acabe louco.
*


Laurinda Rodrigues
*
***

13.
*

"Pra que o carrasco não acabe louco"?

Porquê, se bem merece esse castigo?

Terás compreendido o que aqui digo,

Se digo que o castigo é muito pouco?
*


"Conceitos", disse, e não me deste troco...

Casos particulares não são comigo;

Não penso misturar joio com trigo,

Nem Neo-realismo com Barroco,
*

Por isso demonstrei, por A mais B,

Que a solidão dos férteis dá mais frutos,

E de afectos sinceros não descrê,
*


Mas descrê, sim, e em termos absolutos,

Dos que abandonam, sem explicar porquê,

Novos ou velhos, sensíveis ou brutos.
*


Maria João Brito de Sousa - 21.02.2021 - 16.59h

***

14.
*

"Novos ou velhos, sensíveis ou brutos"

todos nós já sofremos abandono

mas sem mostrar fraqueza a esse dono

vamos tentar esquecê-lo, resolutos.
*


Pensamos ficar livres mas, sem lutos,

vamos perdendo horas desse sono

que é preciso para libertar o mono

feito de raivas que já não dão frutos.
*


Mas, ao falar com alguém que saiba amar,

pode ser que retorne, em nós, o olhar

que tenha a suavidade como um rio
*


que caminha tranquilo para o mar

guardando na memória o que pesar

"nesta minh'alma, presa por fio".
*

 

Laurinda Rodrigues
***

 

 

 

 

 

 

*

 

 

21
Fev21

O SONETO POSSÍVEL NUM DIA COMO O DE HOJE

Maria João Brito de Sousa

máscaras.jpg

O SONETO POSSÍVEL

NUM DIA COMO O DE HOJE
***

 

... e pouco a pouco vamos definhando,

Pouco nos sobra, somos só estilhaços,

Sombras furtivas dos humanos traços

Que este presente foi desfigurando.
*


Sobrevivemos sem sabermos quando

Se nos refazem os humanos laços,

Ou se cerram, de vez, os olhos baços

Que muitos - tantos... - foram já cerrando.
*


Tudo está longe mesmo estando perto

E o mundo transmutou-se num deserto

Que gela à noite e, de dia, sufoca
*

 

Quem se atreva a adentrá-lo a descoberto;

Nada há de certo neste tempo incerto,

Excepto a mordaça que nos tapa a boca.
*

 


Maria João Brito de Sousa - 21.02.2021 - 12.40h

19
Fev21

"WHERE THE WILD ROSES BLOOM"

Maria João Brito de Sousa

wild-roses-56481_960_720.jpg

"WHERE THE WILD ROSES BLOOM"
*


Nesta minh`alma, presa por um fio,

Tremeluz uma lágrima que insiste

Em dominar a dor a que resiste

Em vez de, solta, transformar-se em rio.
*


A sua teima, mais que um desvario,

É luta de que a alma não desiste,

E se é certo que a dor em mim persiste,

Mais certo é que eu lhe ganhe o desafio
*


Pois do mar que chorei em tempos idos

Por mágoas que nem dei a conhecer,

Nasceram-me, cá dentro, rios traídos
*


Que desaguaram antes de irromper

Criando um mar de versos (in)contidos

Ao qual, sempre que sofra, irei beber.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 18.02.2021 - 17.35h

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!