Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
28
Set20

NEM CALDO FIADO, NEM MEL SEM SABOR!

Maria João Brito de Sousa

casal_preso_algema.png

NEM CALDO FIADO, NEM MEL SEM SABOR!
*

 

(Soneto em verso hendecassilábico)
*


Acima hei-de pôr a quem seu caldo entorne

De quem mesa adorne com ranço e bolor!

Sei bem que houve dor, uma dor enorme,

Complexa e disforme. Se inda havia amor...
*

 

Mas sei, sei de cor, não haver quem contorne

Coisa tão conforme com formas de expor

A alma da flor que em todos nós dorme;

Que a dor se transforme em seja o que for!
*

 

Falta-me propor que esse caldo entornado

Seja transformado em mancha incolor,

Não vá o odor denunciá-lo estragado...
*

 

Está posto de lado. Se sobrar vigor,

Renova-se a flor sobre um caule inventado;

Nem caldo fiado, nem mel sem sabor!
*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 27.09.2020 - 13.22h

 

 

Imagem retirada daqui

 

Soneto inspirado numa ladainha rimada da Janita

 

 

27
Set20

O BANDO

Maria João Brito de Sousa

o bando.jpg

O BANDO
*


Às negras asas, deixou-as pender,

Nem mesmo a queda agora a apoquentava;

Sabia que este vôo era a perder,

Pra quê lutar se desistir bastava?
*

 

No princípio teimara em não descer,

Mas entendeu que o fim se aproximava,

Que as asas se negavam a bater

E que a queda final pouco tardava.
*

 

Agora que sabia não poder

Escapar ao negro abismo que a chamava,

De que lhe valeria o verbo querer
*

 

Ou a férrea vontade que gabava?

Cerrou os olhos para não mais ver

O bando que a voar continuava.
*

 


Maria João Brito de Sousa - 27.09.2020 - 10.45h

 

À Clara, minha irmã.

 

26
Set20

UM PÃO QUE NÃO TEM PREÇO

Maria João Brito de Sousa

OS COMEDORES DE BATATAS.jpg

UM PÃO QUE NÃO TEM PREÇO
*


A grandeza do poeta não se mede;

Em metros não se conta. Em peso, pesa

Exactamente quanto a natureza

De mãos dadas c`oa sorte lhe concede.

*

Se a verso usado um novo se sucede,

De espantos se lhe mede essa grandeza

Pois se o não satisfaz certa certeza,

Procura a que lhe dê mais que o que pede.
*

 

Cavalga-me o poema os dias mornos

Sem esporas e sem sela, nem adornos,

Perdendo-se em lonjuras que não meço...
*

 

Logo um segundo acode. Os seus contornos

Começo a vislumbrar. Acendo os fornos

Em que cozinho um pão que não tem preço.

*

 

Maria João Brito de Sousa - 26.09.2020 - 12.11h

 

Imagem - Os Comedores de Batatas - Vincent Van Gogh, 1885

 

25
Set20

PODE UM VERSO ALBERGAR RAZÕES QUE NEM SONHEI

Maria João Brito de Sousa

21078303_1677046912319916_1399899018511454750_n.jp

PODE UM VERSO ALBERGAR RAZÕES QUE NEM SONHEI
*

(Soneto em verso alexandrino)
*


De negro pintarei a esplêndida verdade

De um verso que me agrade. Depois o cantarei

E aos outros deixarei voar em liberdade

Que essa necessidade impõe-se ao que criei.
*


Se algum sonhar ser rei, faça-se-lhe a vontade

E embora a realidade arrase o que engendrei,

Nunca aprisionarei um verso que se evade,

Nem mesmo se a saudade entender que eu errei,

*

 

Que mais quis que o que dei, que ousei contrariar

A órbita lunar, os homens e a lei...

Não, não me calarei. Se posso argumentar
*

 

Devo justificar aquilo por que optei

Em nome do que sei não dever desdenhar;

Pode um verso albergar razões que eu nem sonhei!

*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 25.09.2020 - 10.00h

 

 

Desenho de JÚLIO

24
Set20

TODO O SONETO É SÍNTESE (IM)PERFEITA

Maria João Brito de Sousa

15726655_1424000964291180_9213336245599556629_n.jp

 

TODO O SONETO É SÍNTESE (IM)PERFEITA
*

 

Todo o soneto é síntese (im)perfeita

Da chama que em nós arde à flor da pele;

Se tudo o que sentirmos couber nele,

É dele que há-de nascer-nos a colheita.
*

 

Fraca colheita quando, por receita,

Nasce um poema que se nos revele

Silenciando quanto ao sangue apele,

Curvando-se, medroso, ao que o rejeita.
*

 

Fraca colheita, a que se não rebele,

Fraco o soneto quando se sujeita

A submeter-se àquilo que repele.
*

 

Fraca estarei, por obra de maleita,

Mas não hei-de partir sem que cinzele

Um que me deixe plena e satisfeita!

*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 24.09.2020 - 12.15h

 

 

NOTA - E claro está que este soneto não é um daqueles que me fazem sentir que "ganhei o ar que respirei". É apenas mais um soneto/síntese (im)perfeita...

 

IMAGEM - Tela de Álvaro Cunhal

 

 

23
Set20

QUE CASTIGO!

Maria João Brito de Sousa

24909994_1779616338729639_7756679165173124271_n.jp

QUE CASTIGO!
*


Se me desdizes, não te contradigo...

Cada qual tem a sua opinião

Mas se eu entendo que tenho razão,

Não deixa essa razão de estar comigo...
*

 

Vês segurança onde destrinço perigo?

Avisar-te é a minha obrigação,

Mas se onde digo sim, tu dizes não,

Respeito e não discuto mais contigo.
*

 

Não me assistem vaidade e presunção,

Só me assiste a amizade e não te obrigo

A partilhar da minha convicção.
*

 

Não me imponhas a tua. Não consigo

Mentir para evitar a discussão,

Nem fingir que concordo. Que castigo!
*

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 23.09.2020 - 13.39h

 

 

22
Set20

FRAGILIDADES

Maria João Brito de Sousa

Atlas.jpg

FRAGILIDADES

Ou

Pequenas Grandes Fraquezas Que se Confessam a Brincar
*

 


Hoje de manhãzinha ia matando

O quase nada que de mim sobrou;

Dez quilos de gravilha levantando,

Senti que o coração quase parou,

*

 

Que as vértebras rangeram protestando

E que a força nas pernas me faltou...

De a tão pouco saber-me estar vergando

Toda a minh`alma se me rebelou
*

 

E o corpo inteiro, embora vacilando,

Na tarefa impossível se centrou;

Assim a terminei resfolegando,
*

 

Tonta do esforço (mais do que já sou...),

Os "bofes pela boca" arremessando...

Tão pouco fiz... e tanto me custou!
*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 22.02.2020 - 13.05h

 

 

 

 

21
Set20

A ESCOLHA

Maria João Brito de Sousa

A ESCOLHA.jpg

A ESCOLHA
*

 


Esquerda ou direita? Qual de vós se atreve

A decidir-se nesta encruzilhada?

Quantos de vós nunca decidem nada,

Quantos irão por onde a sorte os leve?
*

 

A escolha nunca é fácil, nem é breve,

Mas eu não hesitei e fiz-me à estrada;

Não me arrependo! A escolha era a acertada

E à esquerda é que o poema se me escreve,
*

 

Que o coração me bate como deve,

Que se faz leve a dura caminhada,

Que nem sequer a morte me deteve
*

 

Sempre que tive a vida ameaçada;

Foi essa a direcção que se manteve,

Que a minha decisão não estava errada!
*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 20.09.2020 - 15.04h

20
Set20

NÓ-CEGO

Maria João Brito de Sousa

Nó-cego.jpg

NÓ-CEGO
*


Tudo quanto é matéria se dissolve,

Se espalha por aí desfeito em pó

E enreda-se o fio e surge o nó

Da saudade maior que nos envolve.
*

 

Nó decisivo que ninguém resolve,

Definitivamente agreste e só,

Nascido pra magoar, pra criar dó,

Nó-cego desta dor que nos revolve...
*

 

Nódoa caída no mais puro pano,

Inamovível falha a causar dano

Na manta já tecida, fio por fio,
*

 

Dia após dia, um ano após outro ano;

Por cada fio, um nó acorre insano

Sem ter escolhido o pano em que caiu...
*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 20.09.2020 - 11.36h

 

 

Imagem retirada daqui

 

19
Set20

NO POEMA ACABO POR RESSUSCITAR

Maria João Brito de Sousa

16681682_1477779555579987_3314860051142554879_n.jp

NO POEMA ACABO POR RESSUSCITAR
*

 

Setembro de doença e de amargura,

De tempestade atrás de tempestade...

Quem disse que Setembro era ternura

Se, para mim, Setembro é só saudade?

*

 

Mas se o mês de Setembro me esconjura

E me ensombra a noção de liberdade,

Faço-lhe frente. Um pouco de loucura

E invento um sol que muda a realidade!
*

 

De mortos me enches? De versos te cubro

Até que morras nos braços de Outubro

E se também Outubro me magoar,
*

 

Mais versos tecerei. Sempre os descubro

E assim que a vida me derruba a murro,

No poema acabo por ressuscitar!
*

 


Maria João Brito de Sousa - 19.09.2020 - 11.15h

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!