Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
30
Abr20

VERDADE(S) III

Maria João Brito de Sousa

O GATO - 1999.jpg

VERDADE(S)III

EM (genuíno) SONETO ALEXANDRINO

(a da genuinidade)
*


Tudo pondo em questão, duvido sem parar
Da placidez lunar até à suspeição
Com que encaro a fissão de teor nuclear,
Não vá ela levar o mundo à perdição...
*


Sou fiel como um cão, mas sou gato a sondar
Tudo quanto encontrar espalhado pelo chão;
Ignoro a frustração e afasto-a se chegar
A mim sem me enlevar, nem me pedir perdão.
*


Duvido por sistema e não deixo de crer
Num versito qualquer que aspire a ser poema
Seja qual for o tema a  que se propuser,
*


Portanto, mal puder, desfaço o tal dilema
E não há voz suprema ou espada de aluguer
Que me force a ceder se o verso em mim já rema.
*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 29.04.2020 - 13.00h

29
Abr20

VERDADE(S) II

Maria João Brito de Sousa

singularidade.png

VERDADE(S) II

(a da singularidade)
*

 

Creio na insustentável lucidez
Do verso acabadinho de eclodir
Que noutros se replica, achando vez
Pr`acrescentar-se até se despedir.
*

 

Creio no homem que consegue rir
E no que chora ao fim de cada mês
A fome que está farto de sentir
E a raiva que lhe impõe novos porquês.
*

 

Creio na irreverência dos felinos,
Na clara transcendência de alguns hinos,
Nos amanhãs que um dia cantarão,
*

 

Nas doutas obras e nas comezinhas
Coisas do dia-a-dia. Até nas minhas
Óbvias fraquezas, que tão fortes são...

*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 28.04.2020 - 16.30h

 

Imagem retirada daqui

28
Abr20

VERDADE(S)

Maria João Brito de Sousa

verdade - passarola.jpg

VERDADE(S)

(a da evolução)
*


Na verdade guardada a sete-chaves
No cofre de uns arcanos poderosos,
Não creio, não, que anseio como as aves
Por simples vôos livres, silenciosos.

*

 

Na verdade que embarca em grandes naves
Movida por segredos tenebrosos,
Também não creio, não, que ponho entraves
A testemunhos pouco rigorosos.

*

 

Não creio, não, numa única verdade
Mas creio em cada espanto que a vontade
Desperta em cada homem quando, atento,

*

 

Se permite aceitá-la inda inconclusa,
E, assim, creio na fome que, profusa,
Do próprio fruto retira alimento.
*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 27.04.2020 - 15.58h

 

27
Abr20

A DATA-TERMO DAS NOSSAS FACTURAS

Maria João Brito de Sousa

facturas II.jpg

A DATA-TERMO DAS NOSSAS FACTURAS
*


Não sei se pelos meses vou passando,
Se pelo fim do prazo das facturas
Que, mês a mês, me impõem ir pagando,
Tal qual fazem as outras criaturas
*

Humanas como eu, que vão gastando
Água, energia e gás. E que aventuras,
Que ginásticas vamos engendrando,
Que milagres pedimos, que figuras

*

Fazemos quando o prazo está findando
E os euros já se foram nas verduras,
No arroz e no pão, nada sobrando...
*

Segunda conta-aviso... e mais tremuras!
É iminente o corte, aniquilando
De vez, sonhos e nervos. Vidas duras...
*


Maria João Brito de Sousa - 27.04.2020 - 10.39h

 

 

 

26
Abr20

SONETO SEM TÍTULO

Maria João Brito de Sousa

SONETO SEM TÍTULO.jpg

SONETO SEM TÍTULO

ou

NAUFRAGANDO, SEM MAREAR

*

Por que fomes passaste, companheiro
Feito de pó de estrelas como eu?
Que sede insaciável te bebeu
Sonho, sangue e suor do corpo inteiro?

*


Por que alto mastro ou por que chão rasteiro
Passaste a vida que te anoiteceu
Enquanto um velho sonho te prendeu
À pulsão de ir ao mar sem ter veleiro?

*

Assim te vejo. Assim me aconteceu,
Velho ou menino, casado ou solteiro,
Lembrar-te ou inventar-te enquanto réu

*

De imaginário tribunal costeiro,
Entre barcas com velas azul-céu
E ondas moldadas em rodas de oleiro.

*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 26.04.2020 - 14.25h

 

 

Imagem retirada daqui

24
Abr20

25 DE ABRIL, SEMPRE!

Maria João Brito de Sousa

25 de Abril - do Relógio de Pêndulo, 2020.jpg

25 DE ABRIL, SEMPRE!
*

 

Chegou enchendo as ruas da cidade,
Pintando cada casa de vermelho,
Deixando que um do outro fosse o espelho
Que em cada um espelhava a liberdade.

*


Semeou as sementes de igualdade
Nas já cansadas mãos de cada velho
E do jovem também, sem um conselho,
Que tempo nunca teve, ou mesmo idade.

*


A todos pertencia e, por igual,
De todos foi repasto e comensal
Na grande mesa da libertação.

*


Fomos nós, povo, quem o conquistou
E a nós cabe lembrar que, se murchou,
Reavivá-lo está na nossa mão!
*

 

Maria João Brito de Sousa -24.04.2020 - 10.30h

 

Imagem carinhosamente roubada do blog Relógio de Pêndulo

22
Abr20

TERRA

Maria João Brito de Sousa

TERRA II.jpg

TERRA

*

 

Era uma rocha bruta, hostil à vida,

Soturna de aparência e fervilhante

De explosões e da lava borbulhante

Que toda a recobria, como ferida.

*

 

Milhões de anos passaram de corrida

Pela árida rocha inda expectante,

Ainda de estar viva tão distante

Quanto de pela vida ser traída.

 

*

 

Depois, foi tanto o tempo que passou

Bebendo a luz do sol, que germinou

Em moléculas simples, toda inteira.

*

 

A evolução foi sábia no que fez

Quando aos poucos cobriu, de lés a lés,

De vida o que antes foi fogo e poeira.

 *

 

Maria João Brito de Sousa – 22.04.2020 – 17.49h

*

 

Imagem retirada daqui 

21
Abr20

ESTATUETA ANTIGA DE PEQUENO PORTE

Maria João Brito de Sousa

EU, desenhada por mim no Paint básico (1).jpeg

ESTATUETA ANTIGA DE PEQUENO PORTE

*

 

Já fui menina. Tonta de impossíveis,

Bebi marés de sal, movi montanhas,

Moldei filhos e versos nas entranhas,

Fui-me ajustando ao nível dos desníveis.

*

 

Se contada, contei-me entre os passíveis

De estranhos serem entre almas estranhas,

Se não contada, ousei, como as aranhas,

Ir fabricando  teias invisíveis.

*

 

Já fui a voz de todas as crianças.

Inspirei belas telas e faianças.

Fui de aguarela e de tinta-da-China.

*

 

Cresci, envelheci, fiz frente à morte;

Estatueta antiga de pequeno porte,

Eis o retrato desta velha ruína.

*

 

Maria João Brito de Sousa – 21.04.2020 – 11.30h

 

19
Abr20

SEDE(S)

Maria João Brito de Sousa

Picasso.jpg

SEDE(S)

*

 

 

Bem mais depressa morro se desisto

De analisar o mundo, o sonho, a vida...

E analiso aquilo e, depois, isto

Perspectivando a coisa então escolhida.

*

 

É imenso, esse nada que conquisto

Através desta sede desmedida

Que posso descrever-vos como um misto

De espanto e de humildade. Se traída,

*

 

Não sabe como nem por que viver,

Murcha, entristece e deixa-se colher

Pela grande gadanha, sem protestos.

*

 

Enquanto viva e sempre que puder

Tudo analisa, quer é aprender,

Mesmo que lhe não sobrem senão restos.

 

*

 

Maria João Brito de Sousa – 17.04.2020 – 12.50h

 

Imagem - "Duas Mulheres Correndo na Praia" - Pablo Picasso

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!