Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
25
Jan20

OS MEUS OLHOS

Maria João Brito de Sousa

EU.jpg

OS MEUS OLHOS

 

*

 

Já viram, estes olhos, tanta dor,

Tanto espanto, tristeza e alegria,

Que, agora, me condenam ao torpor

De ver dez vezes menos do que via.

*

 

Minh`alma ousa sair da letargia,

Eriça cada espinho, abre-se em flor.

Debalde o faz. Demora, a cirurgia,

Muito mais do que alguém possa supor.

 

*

 

Vou despir-me da flor, tornar à pedra,

Essa, na qual a flor só nasce e medra

Quando tiver razões pra florescer.

 

*

 

As pedras nada vêem, nunca mentem,

São tão impenetráveis que não sentem,

Tão cruas que não querem nem saber.

*

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 23.01.2020 – 13.12h

*

 

Lembrando o poema METAMORFOSE, por mim escrito em 1990/91

*

 

Tenho alma de papoila;

Mal se toca, mal se agita,

Caem-lhe as pétalas todas

E fica morta, despida.

*

 

Outras vezes, a papoila,

Só por força do dever,

Transforma-se em rocha dura,

Resiste à dor, à tortura,

Nada a pode demover.

 

*

Mas rocha bruta ou papoila,

No palco fica a mulher;

Eu, metamorfoseada

Em anjo ou alma penada,

Ora papoila, ora fraga,

Conforme vos convier.

*

 

Maria João Brito de Sousa – 1990/91 (?)

 

Imagem - Eu, fotografada por Carlos Ricardo 

 

20
Jan20

AINDA A VIDA

Maria João Brito de Sousa

Ainda a Vida - HP.jpg

AINDA A VIDA

 

*

Fosse este ainda o tempo em que eu sentia

Que, tal como essa flor, desabrochava

Da aridez de uma pedra nua e fria

Que, em troca, não me dava quase nada...

 

*

 

Mas não. É outro o tempo e a cada dia

Me descubro mais murcha e mais frustrada;

Não sei sonhar se vivo em agonia,

Nem florescer assim, estando vendada.

 

*

 

Nada invejo, porém. Estou velha e gasta,

Mas ver-te, flor rebelde, é quanto basta

Para saber que a vida vale a pena.

 

*

 

Da nudez do granito, pura e casta,

És grito a despontar na escarpa vasta,

Na rua ou na viela mais pequena.

 

*

 

Maria João Brito de Sousa – 20.01.20- 12.00h

*

 

NOTA - Soneto escrito para um desafio poético lançado pelo "site" Horizontes da Poesia. Também a imagem foi retirada do desafio desta semana. 

 

 

 

13
Jan20

BRINCANDO

Maria João Brito de Sousa

BRINCANDO.jpg

BRINCANDO

*

 

Pusilânime, o velcro do sapato

Abre-se e mostra a meia e expõe o pé

Que disso não dá conta, que não vê,

Nem sente quanto agora vos relato.

 

*

 

Quem nisso reparou, foi o meu gato

Que mal assim o viu, que mal deu fé

Do velcro a ir e vir como maré,

Julgou ter visto a cauda de algum rato.

 

*

 

Fundem-se, gato e pé, numa só massa

Que gato que se preze, um rato caça,

Ainda que de velcro e cabedal

 

*

 

Ninguém tirou proveito da caçada;

Escapei, mas fiquei toda esgatanhada

E dei um raspanete ao animal.

 

*

 

 

Maria João Brito de Sousa – 13.01.2020 – 11.48h

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!