Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
31
Out18

DE NAVEGANTE PARA NAVEGANTE

Maria João Brito de Sousa

Barco-à-deriva-e1410525624840.jpg

 

DE NAVEGANTE PARA NAVEGANTE



*



Solidária me encolho se te acolho

não tendo senão chão sob os meus pés

e presa à inclemência das marés

só sei que enfrento a morte a cada escolho,

*



Mas posso dar-te o pouco que recolho

nesta barca sem templos, nem convés,

onde sempre escrevi quanto em mim lês,

o sal que me preserva e nunca molho.

*



Não sei que mais te ofereça, de momento;

Pousei os remos. Rói-me, a cada traço,

Éolo, adormecido a sotavento

*



Dest` ilha que navego em pleno espaço

e abordar-te não sei. Só sei que tento

dizer-te que lamento. E que te abraço.

*

 



Maria João Brito de Sousa – 31.10.2018 – 14.17h

 

 

Imagem retirada daqui

 

29
Out18

HOJE, EXCEPCIONALMENTE...

Maria João Brito de Sousa

 

FRATERNA IGUALDADE

*



A hora de Inverno chegou fria e escura

pintando a candura com laivos de inferno,

mas nada é eterno, nada tanto dura,

nem cabe a tortura no tempo moderno

*



E, no meu caderno, na minha moldura,

não há ditadura vestida de terno,

que eu cá me governo! Poeta e madura,

decreto a ternura de um mundo fraterno!

*



Viva a liberdade... mas a verdadeira,

que não tem fronteira, que nunca se evade

pois traz a vontade como companheira

*



Sempre à dianteira, beijando a verdade!

Que beije à vontade e que seja a primeira

a ser, toda inteira, fraterna igualdade!

*





Maria João Brito de Sousa - 29.10.2018 – 11.30h







 

 

28
Out18

SONETO CONTRA-RELÓGIO

Maria João Brito de Sousa

CONTRARELÓGIO.jpg

 

SONETO CONTRA-RELÓGIO

*



Contra o relógio escrevo e, respirando,

aspiro à tal certeza que só tenho

porque nenhuma esperança tem tamanho,

nem morre enquanto a vida for pulsando

*



E faço frente ao medo, acreditando

no espanto em que me meço e redesenho

ódios sofridos nos tempos de antanho,

que os justos sempre foram derrotando.

*



Que vista, a esperança, almas de toda a cor,

que a lucidez desperte finalmente

e acenda em vós quanto haja de melhor

*



Porque, mais do que nunca é , hoje, urgente

saber que o mundo aspira a mais amor

e cresce em esperança para toda a gente.

*





Maria João Brito de Sousa – 28.10.2018 – 11.52h



A todos os irmãos brasileiros 

 

 

Imagem retirada daqui

 

27
Out18

DA REALIDADE DE UM PESADELO

Maria João Brito de Sousa

Eleicoes-Presidenciais-do-Brasil-2018-900x505.jpg

 

 

DA REALIDADE DE UM PESADELO

*



Brandam-se espadas, (des)dobrando a esquina

do tempo dos relógios sem minutos

e morra o papagaio que se empina

e partam-se os pincéis, já devolutos!

*



Queimem-se os óleos com terebentina,

troque-se a ordem dos demais produtos

pois, no final, há sempre alguém que ensina

que a morte e que a tortura colhem frutos.

*



Não sei que história narro. Se a repito

como um disco riscado, ou como um grito,

é porque a vejo vir, mesmo não crendo

*



Que possa repetir-se o pesadelo

desse Brasil, tão verde e amarelo,

esquecido do que em tempos foi sofrendo.

*





Maria João Brito de Sousa – 27.08.2018 – 14.10h

 

 

 

Imagem retirada daqui





 

 

26
Out18

COM TODOS OS CRAVOS DO MEU JARDIM À BEIRA MAR PLANTADO

Maria João Brito de Sousa

 

COM TODOS OS CRAVOS DO MEU JARDIM

À BEIRA MAR PLANTADO

*





Não será populismo mas, provado,

tem do fascismo o pútrido sabor

e a mesma virulência de um passado

coberto de torturas e de horror.



*

É fascismo!Fascismo descarado

alardeado em gritos de furor,

tomando as ruas como um tresloucado,

calando o samba pra se ouvir melhor.

*



Ah, quando um cego toma a dianteira

para impor por decreto essa cegueira,

faz cegar pela força e destrói tudo,

*



E não há factos, nem há argumentos

que possam sobrepor-se-lhe se, atentos,

fizerem frente à besta a que hoje aludo.

*

 



Maria João Brito de Sousa – 26.10.2018 – 08.10h

*

 

Vídeo retirado daqui



 

24
Out18

PREENCHENDO TEMPO(S) DE ESPERA II

Maria João Brito de Sousa

PREENCHENDO ESPERAS II.jpg

 

PREENCHENDO TEMPO(S) DE ESPERA II

*



Podia ter vestido a seda antiga

que guardo no baú da minha infância,

mas vesti-me de chita que, à arrogância,

nunca a tive por musa, ou por amiga.

*



Podia estar cantando outra cantiga,

mas não dou à aparência essa importância

e escrevo enquanto aguardo uma ambulância,

sentada num degrau, qual rapariga,

*



E não qual velha dama atormentada

por vértebra dorida ou herniada,

pois mais pode um poema do que a dor.

*



Assim, sobre mim mesma enrodilhada,

componho versos ao som da toada

da minha melodia interior.

*





Maria João Brito de Sousa – 23.10.2018 – 18.15h

*



No HSFX, aguardando a chegada do veículo de transporte de doentes não urgentes.

 

23
Out18

PREENCHENDO TEMPO(S) DE ESPERA

Maria João Brito de Sousa

digitalizar0083.jpg

 

PREENCHENDO TEMPO(S) DE ESPERA

*



Eu gosto das cidades que adormecem

e se espreguiçam quando, ao sol nascente,

libertas dos cansaços que entorpecem

transformam as manhãs num mar de gente,

*



Gente pulsante em ruas que se oferecem

aos passos de quem chega, aos residentes

e às lendas urbanas que alguns tecem

no tear das questões mais transcendentes...

*



Mas não sou de cidade, nem de aldeia,

brotei à beira-mar, berço de areia

de sábios e de ignaros, por igual.

*



Aqui, onde me sei, não sou sereia,

mas guia-me a maré quando bem cheia

e quase inteira sou de água com sal.



*



Maria João Brito de Sousa – 23.10.2018 – 15.35h

*





No HSFX, aguardando a consulta de Ortopedia/Trauma

 

22
Out18

DORES E FASCÍNIOS

Maria João Brito de Sousa

DORES E FASCÍNIOS.jpg

 



DORES E FASCÍNIOS

*

 

 

Olha a vida que nasce e nos alegra,

repara na que parte e faz sofrer...

Observa a maravilha que congrega

cada pequena vida por nascer

*

 

 

Que sabiamente em células se agrega

para dar alma à forma em que couber,

a que a todos nos cabe e nos integra

e a tudo desintegra por morrer!

*

 

 

Creio ser certo ser a morte tida

por cruel, prepotente e pervertida,

sendo, afinal, apenas condição

*

 

 

Para a renovação da própria vida...

Dói-nos a perspectiva da partida,

mas bem mais nos fascina a gestação!

*

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 22.10.2018 – 13.22h

 

21
Out18

COM UM COPO DE CÓLERA E DE ESPANTO

Maria João Brito de Sousa

COPO DECÓLERA.jpg

 

COM UM COPO DE CÓLERA E DE ESPANTO

*



Com um copo de cólera e de espanto,

te saudarei, irmão que inda acreditas

e que cantas mais alto do que eu canto

nas horas de euforia ou de desditas.

*



É nesse mesmo copo, que levanto

por tudo o que relembras e creditas,

que verto, em simultâneo, raiva e pranto

e contigo partilho o que tu citas.

*



Se o copo for partido, não se cala;

Há sempre alguém que ergue outro e volta à fala,

que há sempre alguém que abraça o gesto justo

*



E ainda que a barbárie abra caminho,

não poderá roubar-nos todo o vinho

há muito conquistado a grande custo.

*





Maria João Brito de Sousa – 21.10.2018 – 12.51h



A Raduan Nassar

 

19
Out18

SINOPSE II

Maria João Brito de Sousa

SINOPSE II.jpg

 

SINOPSE II

*

 

 

Desfazemos os nós, pintamos pombas,

Acudimos ao fogo, aos temporais,

Fatiamos o pão com facas rombas

Desgastadas ao fio... e somos mais!

*

 

Outros, sem pena, vão lançando bombas,

Engendram belicosos rituais,

Roubam-nos luz e movem-se nas sombras

Das chagas que em nós abrem seus punhais.

*

 

Assim se perspectiva a história humana

E quem assim a vê, pouco se engana,

Que a isto a nossa vida se resume.

*

 

Mas do lado de cá da barricada,

Do lado que escolhi, não estando errada,

Reinventa-se o mundo, aceso o lume.

*

 

 

Maria João Brito de Sousa – 19.10.2018 -13.28h

 

 

 

Desenho - "Trabalhador", Vincent Van Gogh

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!