Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
30
Set18

SONETO-DEDICATÓRIA

Maria João Brito de Sousa

soneto dedicatória.jpg

 

SONETO-DEDICATÓRIA

*



Terçando as armas que deixei pra trás,

revivalista fui, por um instante,

de um passado tão morto e tão distante

quanto o meu espanto vão, de tão fugaz.

*



Perdido o espanto, nada já me apraz,

mas se arma e sonho fossem a constante

da luta que esta vida leva avante,

então talvez... talvez morresse em paz.

*



Volto ao revivalismo abandonado,

embora velha, embora enfraquecida,

ergo o punho bem alto, bem cerrado,

*



E quem fica pra trás, morta e vencida,

não é o sonho nunca conquistado,

é a derrota, nunca consentida.

*

 



Maria João Brito de Sousa – 30.09.2018 – 12.15h







Imagem - Tela de Pablo Picasso

 

29
Set18

"ERRARE HUMANUM EST"

Maria João Brito de Sousa

Errar é humano.gif

 

“ERRARE HUMANUM EST”

*

 



Se nem todos os pés pisaram uvas,

se nem todas as mãos colheram trigo,

se nem todas as nuvens geram chuvas,

se nem todos os tectos são abrigo,

*



 

Nem todo o bofetão chegou de luvas,

nem todo o que diz sê-lo é grande amigo,

nem todas as formigas são saúvas,

nem tudo o que nos dói será castigo...

*

 



Semântica, a manhosa, a traiçoeira,

vem por vezes pregar-nos a rasteira

de por-nos sob a língua algo diferente

*

 



Daquilo que intentávamos dizer

e caímos nesse erro sem saber

que para assim falhar basta ser gente...

*





Maria João Brito de Sousa – 29.09.2018- 10.01h

*

 

 

Imagem surripiada do Google, sem autoria visível







 

28
Set18

OLHEI-ME AO ESPELHO, ABRINDO UMA EXCEPÇÃO

Maria João Brito de Sousa

Olhei-me ao espelho.jpeg

 

OLHEI-ME AO ESPELHO, ABRINDO UMA EXCEPÇÃO

*





Olhei-me ao espelho, abrindo uma excepção,

mas não vi, das mazelas, os sinais...

Da dor, não vislumbrei sonoros ais

e, como tal, mirei-me ao espelho em vão.

*

 

 

Eu, que nunca lhe tive devoção,

mas que prefiro o espelho aos hospitais,

só o consultaria uma vez mais

se me desse uma sábia opinião.

*

 

 

Nada me diz, porém, que eu desconheça

e não vendo razões pra consultá-lo,

não creio que este espelho me mereça

*

 

 

Um segundo que seja para olhá-lo;

não passa de uma velha, inútil peça

que cria pó pra me fazer limpá-lo...

*

 



Maria João Brito de Sousa – 28.09.2018 – 12.45h





Na sequência do poema O MEU ESPELHO, de Joaquim Sustelo.

 

27
Set18

"F" de FUSÃO

Maria João Brito de Sousa

F de Faga II.jpg

 

“F” de FUSÃO

*



Faz frio. A fera firma-se furtiva,

finta a fuga e feroz ferra o furão.

Furioso, faz furor o furacão.

Frente fria. Formal. Facultativa.

*



Frágil, fremente, fina, (a)firmativa,

franqueia a fresta, a fenda, a frustração.

Fito. Futuro. Fímbria. Facalhão.

Faz frente à forca, firma a flor festiva.

*

 

 

Facilmente fraqueja. Frágil fica.

Frenética e fremente, frutifica,

fruto feliz da flora fecundada.

*

 

 

Fugaz, flexível, fina e florescente,

furta-se à fátua fama. Febrilmente,

fundem-se a flor e a fraga fragmentada.


*

 



Maria João Brito de Sousa – 27.09.2018 -17.41h

 

26
Set18

(IN)FLEXÃO VERBAL

Maria João Brito de Sousa

inflexão - Van Goch.jpg

 



(IN)FLEXÃO VERBAL

*



De que ventos irados, de que brumas

te chegam tantos medos pessoais

que irão queimando até que te consumas

no espasmo dos momentos terminais,

*



Quando a ti mesmo e só a ti resumas

em sons, que para ti serão sinais,

se, do que temes, sobrarão só espumas

e, do que afrontas, sobrará bem mais?

*



De que futuro agreste e controverso

te chega o marulhar de um mundo imerso

numa contradição que não tem fim?

*



Ah, se hoje é o futuro de um passado

que antes do tempo vai sendo julgado,

porque mais crês no medo do que em mim?

*





Maria João Brito de Sousa – 26.09.2018 -17.32h

 

 

25
Set18

DESACATOS DA MINHA GATA, MISTRAL

Maria João Brito de Sousa

WIN_20140727_204419.JPG

 

DESACATOS DA MINHA GATA, MISTRAL

*



Tais desacatos faz a minha gata,

que me vez de me zangar desato a rir

quando a vejo pular até cair

em torno de uma sombra que a acicata,

*



Mas se na sala entrar uma barata

- e  já me aconteceu, devo assumir... -

  • é vê-la a recuar e a fugir

    como se me implorasse: - Ó dona, mata!

    *

     

Se a cama vai ser feita de lavado,

ei-la sobre os lençóis em louca dança

a amarrotar-me o pano bem esticado...

*

 

Não pára um só segundo, nem se cansa

de o puxar para trás e para o lado

pra revolvê-la toda, sem parança...

*



Maria João Brito de Sousa -25.09.2018 – 13.57h

*





A propósito do poema “O Gato Fez Desacato” de Joaquim Sustelo

 

24
Set18

AO DEMAGOGO

Maria João Brito de Sousa

demagogia.gif

 

 AO DEMAGOGO

*



Dedico este soneto ao demagogo,

exímio enganador de multidões

que faz malabarismos com questões

e de pronto transforma um nada em fogo

*

 

 

Que, ao encontrar ouvidos, pega logo

e passa a ser lesivo pra milhões

pois irá propagar-se às gerações

que se inflamem nas chamas do seu jogo.

*

 

 

Palavras, só palavras... que lhe importam

os límpidos conceitos que transportam,

se não puderem ser compreendidas?

*

 

 

Contudo, teimo ainda em dedicá-las

ao demagogo que intentar calá-las

com verborreias falsas, corrompidas.

*

 

 

Maria João Brito de Sousa – 24.09.2018 -16.15h

 

23
Set18

SINOPSE

Maria João Brito de Sousa

SINOPSE.jpg

 

SINOPSE

*

 

 

Provou só mais um fruto e descansou,

dormiu, sonhou, amou, teve meninos

e, vendo-se senhor dos seus destinos,

comeu todos os frutos que encontrou.

*

 

 

Foi tarde, bem mais tarde, que acordou

e viu brotarem frutos pequeninos

dos ramos, quais pequenos desatinos

de arbustos que não viu, que nem provou.

*



Foi caso extremo e não criou padrão,

que a sorte quis poupá-lo à decepção

e, afinal, tudo estava no começo...

*



Depois, os frutos foram rareando

e agora ninguém sabe dizer quando,

nem como irá pagar-se esse alto preço.



*

 



Maria João Brito de Sousa – 23.09.2018 – 11.56h







 

 

22
Set18

O RESTAURADOR DE CONCEITOS

Maria João Brito de Sousa

O Restaurador de conceitos -giuseppe-pellizza-da-v

 

O RESTAURADOR DE CONCEITOS

*

 



Construíra a palavra e quis honrá-la,

limpá-la, dar-lhe o uso adequado

para poder depois utilizá-la

em vez de remetê-la pró passado.

*

 

 

Apanhou-a do chão. Ao levantá-la,

tomou peso ao que tinha levantado

e que era o peso que o levara a amá-la

e a soletrá-la; PROLETARIADO.

*

 

 

Olhou de novo. De novo encontrou

outra palavra viva que engendrou

e se moldara à sua própria mão.

*

 

 

O mesmo peso, a mesma infinda luta

que o levara a criá-la, resoluta,

para gravá-la em si; REVOLUÇÃO.

*

 

 



Maria João Brito de Sousa – 21.09.2018 – 22.54h

 

21
Set18

AS JANGADAS DOS POETAS

Maria João Brito de Sousa

digitalizar0011.jpg

 

AS JANGADAS DOS POETAS

*





Meia dúzia de tábuas bem pregadas,

um pano velho em jeitos de improviso

e temos a Jangada das jangadas

pronta a reinventar um paraíso

*

 

 

Num mar de ondas – quem sabe? - ionizadas

um pouco – ou muito... - além do que é preciso,

São frágeis, quase sempre inacabadas,

nem visam lucro, só dão prejuízo.

*



Assim vejo as jangadas dos poetas,

assim recrio a minha e traço as metas

de tão frágil conjunto de artefactos

*



E enquanto for poeta e construtora,

também serei, de mim, dona e senhora,

e, dos mais, servidora. Sem contratos.

*

 



Maria João Brito de Sousa – 20.09.2018 – 11.35h



 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!