Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
31
Ago18

JANGADA

Maria João Brito de Sousa

JANGADA.jpg

 

 JANGADA

*



Olhei-te em tempo incerto, à hora errada;

Inda o dia tardava a despontar,

Já eu te olhava como se esse olhar

Pudesse dar-te tudo, sem ter nada.

*

 

Olhei-te nesse alvor de madrugada,

De manhã, à tardinha e, ao deitar,

Já esquecera que havia todo um mar

Ao qual eu prometera uma jangada.

*

 

Para te olhar, desconstruí-me inteira

E esqueci-me do mar, que nem ribeira

Cheguei a ser, sem vagas, nem marés...

*



Nessa jangada nunca mais pensei,

Se não quando de olhar-te me cansei

E vi que a tinha inteira sob os pés.

*

 



Maria João Brito de Sousa – 11.08.2018 – 12.19h

 

 

 

 

 

30
Ago18

FUNDADO EM PENAS - Empenas

Maria João Brito de Sousa

FUNDADO EM PENAS.jpg

 

FUNDADO EM PENAS

(Empenas)

*





Ó bela e crudelíssima Natura,

Na ausência dos conceitos MAL e BEM,

Cada espécie se espraia e se te apura

Segundo o que funciona e que a mantém

*



E quando, dura, a vida te conjura

A seres tudo o que à VIDA mais convém,

Não hesitas e sonhas, criatura

Que nem sequer a morte te detém...

*



Sim, venho-te dizer não ser viável

Singrar perfeita, a vida, e que é expectável

Que nem sequer percebas que a condenas

*



Se lhe auspicias toda a perfeição

Que trazes, sei-o bem, num coração

Esquecido de dever fundar-lhe empenas.

*





Maria João Brito de Sousa – 26.08.2018 – 18.07h

29
Ago18

SEGUNDA CARTA ABERTA A UMA MUSA INEXISTENTE

Maria João Brito de Sousa

caliope.jpg

 

SEGUNDA CARTA ABERTA A UMA MUSA INEXISTENTE

*



O que é feito de ti? Por que partiste?

Nunca a ti te falhei; mesmo doente

Dei-te toda a atenção que me pediste

E se uma vez ou outra te fiz frente

*



Foi porque demasiado me exigiste

E, às tantas, te tornaste prepotente...

Repara que o poema em mim persiste,

Embora a tua voz lhe esteja ausente,

*



O verso seja fraco e lasso e triste

E apenas pra mostrar que não desiste

Teime em dizer-se, assim, penosamente,

*



Como quem perde a força, mas resiste,

E admite que, afinal, a musa existe,

Mesmo quando lhe chama inexistente.

*





Maria João Brito de Sousa – 26.08.2018 – 11.31h





 



 

28
Ago18

NAUTILUS E A BARCA

Maria João Brito de Sousa

Nautilus.jpg

 

NAUTILUS E A BARCA

*



Vós que credes num demo em que não creio

E que tremeis de infernos e castigos

Pois receais quanto eu já não receio.

(concretos, bem reais, sobejam perigos)



*

Vós que espreitais por frestas e postigos

E que implorais, do horrendo, o menos feio,

Mas sonhais com fortunas por sorteio

Sem parar pra pensar. Vós, meus amigos,

*

 

Vós que me sois iguais, diferentes sendo

À conta do que a alguns nos foi movendo

E, por outros, passou sem deixar marca,

*

 

Que temeis desse demo que eu não temo?

(e evoco ainda o Nautilus de Nemo

enquanto solto a amarra à minha Barca)

*





Maria João Brito de Sousa – 17.07.2018 -14.22h





Às minhas infantis memórias de leitura de Júlio Verne

 

27
Ago18

AS QUATRO TORRES DA ALAMEDA

Maria João Brito de Sousa

AS QUATRO TORRES.jpg

AS QUATRO TORRES DA ALAMEDA



*

Adeus, minha alameda sem palmeiras

Onde tanto edifício vi nascer...

Adeus, adeus, que o tempo é de beber

As ondas do meu Tejo sem fronteiras.

*

 

 

Assombrando o meu prédio, sobranceiras,

Erguem-se quatro torres. Que fazer

Se desde a prima-pedra as vi crescer

Até se me tornarem companheiras?

*

 

Adeus, pedras pisadas, repisadas,

E mais que desgastadas por meus pés.

Agora estais-me vós a ser pesadas,

*

 

 

Porque já vos não piso e estou rés-vés

Com a terra onde fostes calcetadas

Em chão roubado à concha das marés.

*



Maria João Brito de Sousa -17.07.2018 -20.53h

*



Na sequência da leitura do soneto “Adeus à Rua Castilho” de Ribeiro Couto (1898-1963)

 

 

26
Ago18

"S" de SONETO

Maria João Brito de Sousa

S DE SONETO.jpg

 

“S” de SONETO

*



Sublime silvo, sopro sussurrado,

Suave solfejo seco ou sibilante;

Sorvo-te o simbolismo segredado,

Sofro-te a sedução simbolizante.

*



Subliminar, sopraste-me o sondado,

Secreto e só, sem som sintonizante,

Supino, singular e separado,

Sumindo-te, sereno e sublimante.

*



Soberano soneto, suavemente

Segredas sempre (a)ssim, sociavelmente,

Suavíssimos, soberbos sons sentidos.

*



Sei-te sempre sincero e silencioso

Secundando-me o sonho, são, sedoso,

Secular sob os sons subentendidos.

*



Maria João Brito de Sousa – 24.08.2018 – 14.30h

25
Ago18

FÁBRICAS DE DEUSES

Maria João Brito de Sousa

FABRICA DE DEUSES.jpg

 

FÁBRICAS DE DEUSES

*



Nas fábricas de deuses passam lentas

As minuciosas horas das rotinas

Desdobrando-se infindas em sebentas

De dogmas, penitências e doutrinas,

*



Ora pregando amor, ora agoirentas,

Induzindo a posturas assassinas

Muitas vezes terríveis e sangrentas,

Que alguns nos dizem ser acções divinas.

*

 

Raramente o produto fabricado

É mais que um pensamento alienado,

Embora muitos, muitos nunca entendam

*

 

Que o verdadeiro amor é bem diferente

Dessoutro que é vendido a tanta gente

Nas lojas que alguns doutos recomendam.

*



Maria João Brito de Sousa - 24.08.2018 – 11.36h

 

 

Imagem retirada da net, via Google

 

24
Ago18

CHARADA POÉTICA

Maria João Brito de Sousa

CHARADA.jpeg

 

CHARADA POÉTICA



(soneto sem as vogais A, I e U)

*







Este pobre soneto de colete



Sente-se preso, torpe, tolo, lento;



Conhecedor do jogo, só promete



Escrevê-lo se o tempero for fermento.



*



Retomo o jogo, como me compete,



E se o som mo concede, logo o tento...



Porém nesse momento se derrete,



Como se gelo sob o sol sedento.



*



Revejo o Tejo. Doce Tejo nosso...



Norte? Nordeste? Onde me perco, posso



Esconder-me desse Tejo sofredor?



*



E prevendo esse Tejo neste jogo,



Se o vejo só rochedo e ferro e fogo,



Como crer nele e tê-lo por senhor?



*



Maria João Brito de Sousa – 04.08.2018 – 09.24h

 

23
Ago18

UMA TARDE NO JARDIM

Maria João Brito de Sousa

EU E O PAI.jpg

 

UMA TARDE NO JARDIM – Sem a letra “E”

*



Logo após as crianças saltitando

Virão os pais formando casalinhos.

Tudo junto, à distância, forma um bando

Pousando pouco a pouco nos banquinhos

 

*

À sombra do carvalho ou do arando.

Arrulham pombas, cantam passarinhos

No jardim, junto ao lago volitando,

Quais magnólias traçando altos caminhos.

 

*

Um pai, junto do filho já com sono,

Toca um braço tombado ao abandono.

A hora do jardim acaba agora.

 

*

Vai nos braços do pai, vai a dormir,

Mas inda brinca aos sonhos a sorrir,

Ainda rindo, inda ao sabor da hora...

 

*



Maria João Brito de Sousa – 05.08.2018 -19.04h

22
Ago18

CONFRONTOS

Maria João Brito de Sousa

Cegonha-com-Bebe.jpg

 

CONFRONTOS

*



Nascem versos a torto e a direito;

Aonde o dedo pouse, o verso emerge,

Inexplicado, urgente e com defeito,

Ou sem defeito, quando em som converge.

*

 

De carne, sangue e nervos sendo feito,

De nervos, sangue e carne não diverge

E pulsa-me nas veias que são leito

Do mesmo sangue que este corpo asperge.

*

 

Nascem-nos versos sem pedir licença;

Virámos costas, demos-lhes dispensa

E, de repente, sem nos darmos conta,

*

 

Nasceu mais um... mais um que, em rebeldia,

Se impõe, nos contradiz, nos contraria,

Nos conquista a vontade e nos confronta.

*

 



Maria João Brito de Sousa – 21.08.2018 – 18.50h





Na sequência da leitura do soneto NASCEM VERSOS, de MEA

(escrito à pressa. Pode conter erros ortográficos, sintáticos, métricos ou tipográficos)

Pág. 1/4

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!