Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
31
Jul18

"Z" de ZERO

Maria João Brito de Sousa

ZERO.jpg

 

“Z” de ZERO

*







Zeloso. Zás. Zodíaco. Zircão.

Zebra. Zelote. Zinco. Zuma. Zero.

Zunzum. Zurzir. Zipar. Zulu. Zangão.

Zarpar. Zá-Zá. Zelar. Zuca. “(Cru)Zero.”

*

 

Zombar. Zigoto. Zona. Zumbirão.

Zulmira. Zoa. Zorro. “Zeladero”.

Zimbro. Zaragatoa. Zangarão.

Zoar. Zoada. Zomba. Zapatero.

*

 

Zelândia. Zagalote e Zimbawé.

Zeberim. Zaragata. Zara. Zé.

Zumba. Zen. Zigurate. Zanzibar.

*

 

Zurro. Zumbido. Zomba. A(Z)ul. Zoague.

Ziper de zelador em ziguezague.

Zorba. Zebu. Zoei. Zéfiro. (A)Zar!

*





 

Maria João Brito de Sousa – 30.07.2018 – 20.49h



 

28
Jul18

... ATÈ A NEVE CHORARÁ NUM DIA QUENTE...

Maria João Brito de Sousa

ATÉ A NEVE CHORARÁ NUM DIA QUENTE.jpg

 Apresento-vos o meu quarto livro de poesia. Surpresa para mim, que a sua edição mais uma vez me foi oferecida

pelo "site" HORIZONTES DA POESIA, na pessoa do poeta e grande amigo Joaquim Sustelo.

 

Não haverá lançamento, nem "vernissage", atendendo ao precário estado de saúde em que me encontro, mas o livro

poderá ser adquirido  através dos CTT, contra o depósito de dez euros no NIB abaixo referido, desde que me façam

chegar o nome do/a depositante e uma morada para posterior envio da obra.

 

 

Alguns conhecem bem o meu endereço electrónico - e mail - outros, não. Para os segundos recomendo que me enviem esses dados através do Facebook, por mensagem privada. (Facebook.com/poetaporkedeusker)

 

As obras não se encontram na minha posse. O principal objectivo, para além da divulgação da obra, será o de ajudar-me a sobreviver financeiramente e eu tenderia a oferecê-las todas... ou quase todas. Além do mais, não me encontro em condições de sair de casa para proceder ao envio das obras via CTT. 

 

O NIB referenciado é o de Joaquim Sustelo, que me ofertou esta edição - 0033 0000 500 884 32328 05.

 

Muito obrigada e boas e frutíferas leituras para todos vós! 

 

 

Maria João Brito de Sousa

 

Oeiras, 28.07.2018

27
Jul18

ALICE

Maria João Brito de Sousa

digitalizar0132.jpg

ALICE

(minha avó)



*



Amei-te tanto, tanto, minha avó!

Louvavas-me os “murais” da grande sala

Quando com suave e modulada fala

Me garantias: - “Nunca estarás só,

*



Transbordas vida até chegar ao nó

De quanto em ti se exalta e vibra e estala.”

Depressa em meu ouvido a voz se cala,

Que quem assim me fala há muito é pó...

*



 

Eras, Alice, a minha avó paterna,

Mais maternal que muitas ternas mães,

E quando percebi não ser eterna



*

A tua voz, a voz que ainda tens,

Doeu-me tanto, que hoje alço a lanterna

E sondo céus e Terra, a ver se vens...

*





Maria João Brito de Sousa – 26.07.2018 – 17.59h

 



 

 

26
Jul18

"A" de AMOR

Maria João Brito de Sousa

A-FONT.png

 

“A” DE AMOR

 

 

*

Ardia Amor, ainda aceso amor,

Absurdo, acidental, apaixonante,

Angélico, amorável, acto-amante

De anseios de astros, de almas e de ardor.

*

Ao amado se abraça o amador.

Abismos de águas abrem-se adiante

De ávido Amor. Avante, Amor, avante!

Alerta! Arroga-te asas de alto açor!

*

Abrindo-as, aborrece altivo abismo

Que, agigantado, arrola as ameaças

E, adverso a Amor, acende antagonismo.

*

Acusa, a Amor, de abuso e de arruaças

E absurdamente o ata ao aporismo;

Arranca, Amor, atilhos e (b)araças!

*



 

Maria João Brito de Sousa – 23.07.2018 – 16.39h



 

25
Jul18

O TRADUTOR DE TUDO(S)

Maria João Brito de Sousa

TRADUTOR DE TUDOS.jpg

 

O TRADUTOR DE TUDO(S)

*



Traduzia travessos travessões,

Tipificava terminologias.

Técnicas tácteis, tons, tipografias,

Transparências trocadas por tostões.

*

Ténues, tremeluzentes tentações

Tendem-lhe teias. Trigonometrias!

Transpõe totais, transcende tiranias,

Tudo transfunde em tais transmutações.

*

Tingem-se tempestades temerárias!

Talvez tangíveis, toscas, temporárias,

Talvez tremendas, torpes, terminais.

*

Trágicos travessões, tiranos tiques...

Tudo transposto, tábuas e tabiques,

Titânica tarefa, a dos totais!

*





Maria João Brito de Sousa – 20.07.2018 – 15.31h

*

 

 

Ao código binário. A Gerge Boole. A Stephen Hawking



 

24
Jul18

CONCEBO CARTAZES

Maria João Brito de Sousa

CONCEBO CARTAZES.jpg

 

CONCEBO CARTAZES

*



Construo castelos. Cristais conspurcados,

Chaves, cadeados, cordéis e camelos.

Compro caramelos contrabandeados,

Compostos cruzados de cobra e capelos.

*

Compridos cabelos convergem, cansados;

Crescentes cuidados comportam cutelos.

Ciúmes ou “celos”? Castelhanizados,

Cuidámos, coitados, de compreendê-los.

*

Colava cartazes com cola cuspida.

Comprava comida. Compunha cabazes.

Caminhos capazes? Contente? Cumprida?

*

Cresceste. Crescida, certeira comprazes

Chavões contumazes de comprometida.

Concedo, caída. Concebo cartazes.

*





Maria João Brito de Sousa – 21.07.2018 – 15.21h





(Soneto em verso hendecassilábico com rima encadeada)

 

 

 

 

23
Jul18

"STACCATO"

Maria João Brito de Sousa

STACCATO.png

“STACCATO”

*





Silva a serpente, salta o saltarico,

Saracoteia, samba, soma e segue!

Sento-me. Sábia sou se o sacrifico?

Severa sinto sonhadora sede.

*

Sétimo selo. Sétimo salpico.

Somo silícios sobre a seca sebe,

Sinto-me suja se solidifico,

Sobrevivo ao suplício, se sucede...

*

Sintaxe sabe a sexo sem suor

Somado à sordidez de se supor

Solfejo, sopro, sola de sapato.

*

Súbito, o saldo soa sofredor;

Sublime, o socorrista sapador

Supera a situação. Stop. E Staccato.

*





Maria João Brito de Sousa -22.07.2018 – 19.22h



 

 

22
Jul18

VI VINICIUS

Maria João Brito de Sousa

VINICIUS.jpeg

 

VI VINICIUS

*



Vinde e vencei! Versejos vigorosos,

Vastas vitórias, verticais, vibrantes

Vos valorizam, vates! Véus velantes,

Vãs virtudes vos vetam, valorosos!

*

Vencei vitórias, ó vitoriosos!

Venenos vãos vos vendem! Verdejantes

Verborreias, vencidas, volitantes,

Vazam, vertem venenos vaporosos...

*

Válidos vinhos vituperam. Vícios!

Vivo e vitorioso, vi Vinicius

Versejando voragens e vertigem.

*

Vejo o vector vibrátil e vermelho,

Viço vilipendiado, vate velho

Virtuoso e voraz varando virgem.

*



Maria João Brito de Sousa – 20.07.2018 -12.45h





 

21
Jul18

OBITUÁRIO

Maria João Brito de Sousa

OBITUARIO.jpg

 

OBITUÁRIO

(O Terceto Final)

*

 

Morri, segundo fonte oficial.

A (a)creditada folha assim me informa

Num breve obituário de jornal

De pequena tiragem, como é norma.

*

 

Belisco-me! Duvido! É natural,

Apesar de não estar em grande forma,

Que me revolte e que me sinta mal

Por falecer a meses da reforma!

*

 

Leio de novo. Não, não fora um erro;

Nome completo e até data de enterro

(rebéubéubéu, zás-páz, tantos de tal).

*

 

Sem pressas, cerro um olho. Outro olho cerro.

Teimoso, o meu cadáver, mesmo perro,

Esboça à pressa um terceto. O terminal.

 

*

 

Maria João Brito de Sousa – 17.07.2018 – 15.46h

20
Jul18

VELHA TEORIA

Maria João Brito de Sousa

digitalizar0030.jpg

 

VELHA TEORIA

(Por Vezes Fico Assim...)

 

*

Por vezes fico assim, cega de todo

A tudo o que não seja esta vontade

Que me assalta por dentro, que me invade

E tudo me faz ver de um novo modo,

*

Tal qual eu fosse um chão passado a rodo

Pela bátega de água que se evade

E me deixa mais sede que saudade

Dos rios de onde colhi lótus e lodo.

*

É quando chega o verso e me desperta,

E me arranca de vez dessa aporia,

O tal que se escondera em parte incerta

*

Compondo e decompondo a melodia

Que me fascina e que me desconcerta,

Que a estrofe prova a velha teoria.

*



Maria João Brito de Sousa – 16.07.2018 -15.25h







(Na sequência da leitura do soneto “Por Vezes Fico Assim...” de Joaquim Sustelo)

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!