Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
31
Mar17

GLOSANDO IDALINA PATA

Maria João Brito de Sousa

digitalizar0009.jpg

 

EU E AS PALAVRAS



Juntos , tu, eu e as palavras,
Vamos pela vida lado a lado,
Tentando esquecer o que é passado,
Para ter o futuro que ambicionava.

 

A palavra é a minha companhia,
Nos melhores momentos e nos maus,
Quando a minha vida está um caos,
Busco na palavra a energia.

 

Às vezes não encontro o que dizer,
E por essa razão eu fico triste,
E sinto que por dentro estou vazia.

 

Mas quando começo a escrever,
Vejo que a Paixão ainda existe,
E volta de novo a alegria.

 

Maria Idalina Pata

29-03-2017

 

*******************

 

O MEU CANTIL DE PALAVRAS

"Juntos, tu, eu e as palavras",

Escrevemos tudo aquilo que entendermos

Desde que essas palavras sejam termos

Concretos e leais, nas suas lavras...

 

"A palavra é a minha companhia",

Minha raiz, meu fruto e meu sustento;

Dela me nasce um caule, inda rebento,

Que cresce noite a noite e dia a dia...

 

"Às vezes não encontro o que dizer"

Porque a palavra tarda em renascer

Quando a vida me lança em campo hostil,

 

"Mas quando (re)começo a escrever",

Cada palavra, diga o que disser,

Enche de esp`rança e seiva o meu cantil...

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 31.03.2017 - 09.58h

 

30
Mar17

GLOSANDO VASCO DE CASTRO LIMA

Maria João Brito de Sousa

José Malhoa.jpg

 



COLHEITA



Surge o coro dos pássaros cantores

na catedral pagã da mataria.

O milho ruivo e os pomos tentadores

cobrem a terra pródiga e sadia.



É o tempo da colheita. Os segadores

remoçam, cantam, choram de alegria.

Como prêmio ao suor dos lavradores,

não vai faltar o pão de cada dia.



Garças esbeltas, de alva formosura,

passeiam pelo campo aquela alvura

que põe, no verde, branquidões bizarras.



E o coqueiro se curva, satisfeito,

porque ainda vibra, dentro do seu peito,

o zunido estridente das cigarras...



Vasco de Castro Lima



In osecularsoneto.blogspot.pt





COLHEITAS,,,





"Surge o coro dos pássaros cantores"

E eu páro de cantar, que é já cumprida

A função de aliar-me aos produtores

Das mais belas colheitas desta vida.



"O tempo é de colheita. Os segadores"

Empunham, com mão forte e decidida,

As foices e, esquecendo algumas dores,

Empenham corpo e alma na corrida.



"Garças esbeltas de alva formosura"

Vão-nos sobrevoando a grande altura,

Um mesmo sol dourado os abençoa



"E o coqueiro se curva, satisfeito,"

Completando um cenário tão perfeito

Que nos lembra uma tela de Malhoa...





Maria João Brito de Sousa - 30.03.2017 - 12.39h

 

29
Mar17

GLOSANDO MARIA DA ENCARNAÇÃO ALEXANDRE XLIII

Maria João Brito de Sousa

ábaco.jpg

 

DIAS DE MULHER



Na madrugada ainda escurecida

Desperta, com o sono inacabado

E vai ainda meio adormecida

Começar mais um dia complicado

 

Tem como companheira a avenida

Que percorre com passo já cansado

Do tanto que já fez, até comida!

Para poupar no seu magro ordenado

 

Entre papéis com tanta informação

Pessoas e projectos, reunião

O seu dia passou alucinante

 

Já em casa as palavras são caladas

Plo silêncio que soa quais baladas

No cansaço que em si se faz reinante

 

 

 

MEA

21/03/2017

 

*******************

 

TODOS OS DIAS...

 

 

"Na madrugada ainda escurecida",

Desperta antes que o sol possa ofuscá-la

E mesmo que tirite enfrenta a vida,

Que a mulher pobre, nem o frio a cala.

 

"Tem como companheira a avenida"

Que a leva desde o quarto até à sala;

Passo a passo a percorre decidida

A não falhar um passo e a alcançá-la.

 

"Entre papéis com tanta informação",

Vai-se vergando àquela profusão

De guias e de contas por pagar.

 

"Já em casa as palavras são caladas"

Por cálculo mental. Contas saldadas,

Nada lhe sobra pr`a poder contar...

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 29.03.2017 - 16.34h

 

28
Mar17

DESVIO(S)

Maria João Brito de Sousa

Desvios.jpg

 

Sem força, quase paro e, se te alcanço,

É sem coragem que te piso as margens

E é sem garra alguma que em ti lanço

Quanto me sobra de estro, ou de miragens...

 

Evoco um rio e é num regueiro manso

Que me traduzo agora... que mensagens,

Que palavras grafar se assim me canso

De espelhar-me sem ver, de volta, imagens?

 

Serena, mas selvagem fui, um dia...

Não mais selvagem sou porque, rendida,

Torno-me água que estagna em agonia,

 

Em vez desse caudal que soma vida

Ao mesmo mar de onde renasceria,

Se a rota exacta fosse enfim cumprida...

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 28.03.2017 - 15.57h

 

 

26
Mar17

GLOSANDO SAÚL DIAS

Maria João Brito de Sousa

Julio dos Reis Pereira.jpg

 

JÁ FOSTE RICO E FORTE E SOBERANO

 

 

Já foste rico e forte e soberano,
Já deste leis a mundos e nações,
Heróico Portugal, que o gram Camões
Cantou, como o não pôde um ser humano!

Zombando do furor do mar insano,
Os teus nautas, em fracos galeões,
Descobriram longínquas regiões,
Perdidas na amplidão do vasto oceano.

Hoje vejo-te triste e abatido,
E quem sabe se choras, ou então,
Relembras com saudade o tempo ido?

Mas a queda fatal não temas, não.
Porque o teu povo, outrora tão temido,
Ainda tem ardor no coração.

Saúl Dias, in "Dispersos (Primeiros Poemas)"

 

 

**************************************

 

DEPOIS DE CADA NOVA PROVAÇÃO

 

"Já foste rico e forte e soberano,"

Cruzando o mar remoto dos mil medos,

Das ondas, dos abismos, dos rochedos

Que a tantos provocaram tanto dano.

 

"Zombando do furor do mar insano",

Tentaste ir desvendando os seus segredos

E, conseguiste, embora os mil degredos,

Conhecê-los melhor, ano após ano.

 

"Hoje vejo-te triste e abatido",

Como se toda a gesta o fosse em vão

E vão te fosse o tanto já cumprido,

 

"Mas a queda fatal não temas, não"!

Erguer-te-ás mais forte e aguerrido

Depois de cada nova provação!

 

 

Maria João Brito de Sousa - 26.03.2017 -18.59h

 

 

NOTA - Sául Dias é o pseudónimo literário de Júlio Maria dos Reis Pereira, irmão de José Régio.

O nome que usou enquanto artista plástico foi Julio.

 

25
Mar17

SEXTA, DIA 24...

Maria João Brito de Sousa

Edvard Munch.jpg

 

É dia vinte e quatro, sexta-feira

De um mês que segue a esteira, mas tropeça,

Pois sempre recomeça na carteira

E, nesta sexta-feira, não começa...



Promessa que é promessa, sem rasteira,

Será de outra maneira que se apressa,

Assim que reconheça a sua asneira,

A ser mais verdadeira, pois confessa;



- Depressa, bem depressa, à dianteira,

Sairei da fronteira da promessa

Que nunca mais se apressa a dar-se inteira...



Talvez, segunda-feira, até te peça

Que o teu corpo se esqueça da canseira

Pra meter na carteira o que lhe interessa...





Maria João Brito de Sousa - 25.03.2017 -09.37h



("Brincando" com as angústias bem reais dos atrasos do RSI, em decassílabo heróico e rima cruzada...)

 

 

23
Mar17

APEADEIROS

Maria João Brito de Sousa

apeadeiros.jpg

APEADEIROS

*

 

 

Por um segundo paro... e foi-se um dia,

Ou mesmo dois ou três passaram já,

Que o tempo voa e nunca abrandará,

Nem mesmo pr`a fazer-me companhia

*

 

Quando, em contra-relógio, adormecia

Na cama, na cadeira, ou no sofá,

Esquecendo-me do nada que não dá

Pra perfazer, dos gastos, a quantia.

*

 

Peço desculpa por estar viva... ainda;

A Poesia é muito mais bem-vinda

Quando é fruto dos vates do passado

*

 

E, sempre que o constato, sinto, assim,

Uma espécie de angústia acesa em mim.

(Cada "melhor de mim", passa-me ao lado...)

*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 23.03.2017 - 06.44h

 

 

12
Mar17

GLOSANDO ANTERO DE QUENTAL ii

Maria João Brito de Sousa

ANTERO DE QUENTAL.jpg

 

A UM POETA

 

SURGE ET AMBULA!

 

Tu, que dormes, espírito sereno,

Posto à sombra dos cedros seculares,

Como um levita à sombra dos altares,

Longe da luta e do fragor terreno,

 

Acorda! é tempo! O Sol, já alto e pleno,

Afugentou as larvas tumulares…

Para surgir do seio desses mares,

Um mundo novo espera só um aceno…

 

Escuta! é a grande voz das multidões.

São teus irmãos que se erguem! são canções…

Mas de guerra… e são vozes de rebate!

 

Ergue-te, pois, soldado do Futuro,

E dos raios de luz do sonho puro,

Sonhador, faze espada de combate!

 

 

Antero de Quental

 

*******

 

CONVOCATÓRIA

 

"Tu que dormes, espírito sereno",

Convicto das razões que ora te movem,

Sincero, sonhador, ainda jovem

E, na credulidade, em tudo ameno,



"Acorda! É tempo! O Sol, já alto e pleno",

Afasta as duras penas que nos chovem

Das negras, negras nuvens que promovem

Uma bátega d`água, a medo obsceno!



"Escuta! É a grande voz das multidões"

Que, renegando antigas convenções,

Se lança a conquistar um mundo novo!



"Ergue-te, pois, soldado do Futuro"

E derruba as prisões que, muro a muro,

Sufocam as razões de cada povo!





Maria João Brito de Sousa - 12.03.2017 - 15.57h







 

11
Mar17

GLOSANDO JOÃO DE DEUS

Maria João Brito de Sousa

clave.jpg

O SEU NOME

 

Ela não sabe a luz suave e pura
Que derrama numa alma acostumada
A não ver nunca a luz da madrugada
Vir raiando, senão com amargura!

Não sabe a avidez com que a procura
Ver esta vista, de chorar cansada,
A ela... única nuvem prateada,
Única estrela desta noite escura!

E mil anos que leve a Providência
A dar-me este degredo por cumprido,
Por acabada já tão longa ausência,

Ainda nesse instante apetecido
Será meu pensamento essa existência...
E o seu nome, o meu último gemido.

 

João de Deus

 

(Campo de Flores, 1893)
In Poemas Portugueses Antologia da Poesia Portuguesa do Séc. XIII ao Séc. XXI, Porto Editora

 

INOCÊNCIA(S)

 

"Ela não sabe a luz suave e pura"

Que um soneto lhe acende, ao desfolhar-se

E não pode, portanto, recordar-se

De jamais ter provado essa doçura,

 

"Não sabe a avidez com que a procura"

Da pura melodia, ao ter-se, ao dar-se,

Lhe traria a certeza de encontrar-se

A fundo, até ao ponto de ruptura,

 

"E mil anos que leve a Providência"

A apontar-lhe o caminho, é bem sabido

Que, enchendo-se de pressa e de impaciência

 

"Ainda nesse instante apetecido",

Nunca o encontrará. Pura inocência

Julgar, por puro azar, tê-lo perdido...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 11.03.2017 - 15.43h

 

 

09
Mar17

CORAGEM...

Maria João Brito de Sousa

coragem.jpg

 

(Soneto em verso hendecassilábico)

 

Coragem? Que é dela se, manipulada,

Me sinto sondada, moldada, invadida

No que à minha vida concerne e, num nada,

Me vejo humilhada, presa e sem saída?

 

Calo a voz dorida, e assim, controlada,

Em vez de indomada carne aberta em f`rida,

Desisto, vencida qual chama apagada,

Da que foi gerada nos pastos da vida...

 

Esta, de sumida, soa-me abafada,

Ou desafinada e é triste e vencida

Que mal é ouvida quando amordaçada

 

Por mão precavida. Solto-a sussurrada,

Em vez de, exaltada, protestar esvaída

Na força antes tida e ora feita em nada...

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 09.03.2017 - 16.13h

 

Imagem retirada do Google

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!