Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
29
Dez13

SONETO A UMA LONGA, LONGA INVERNIA

Maria João Brito de Sousa

 

(Em decassílabo heróico)

 

 

Os dias são tão curtos, camaradas.

O sol começa a pôr-se… e mal nasceu

Da escuridão que esconde as madrugadas

Que Abril tão claramente prometeu.

 

Mas sonha-se e das cinzas apagadas,

Lampejando qual luz que não morreu,

Já renascem mil mãos não resignadas

Que brilham mesmo quando escureceu!

 

As horas, companheiras sequestradas

Em celas milenares de puro breu,

Conseguem resistir, sempre acordadas,

 

Na busca do que nunca se rendeu

E aguardam - rubra brasa! - as gargalhadas

Que o mais justo dos sonhos defendeu!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 29.12.2013 – 13.32h

 

 

Imagem - Tipografia Clandestina, José Dias Coelho

Retirada da página do jornal Avante!

19
Dez13

SONETO DE NATAL, 2013

Maria João Brito de Sousa

Soneto de Natal quer-se mais brando,

Mais dócil, mais alegre e colorido…

Porém, se sinto ser tão sem sentido

Calar quanto o meu povo vai lutando,

 

Só sentido me faz juntar-me ao bando

Se ao menos me for dado e consentido

Este escrevê-lo assim, mais aguerrido,

Mais vindo cá do fundo e sem comando.

 

Natal é nascimento, é festa… eu sei!

É tempo de ir servindo o bolo-rei,

No papel de embrulhar velhas tristezas,

 

Mas, neste, – é singular… - não calarei

Que o esmagam, deturpando, a mesma lei

Que do Natal se ergueu... e traz certezas!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 18.12.2013 – 16.06h

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!