Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
26
Out12

SONETO PARA UM AMIGO QUE PARTIU NO NATAL PASSADO

Maria João Brito de Sousa


É claro… a vida muda, o tempo passa…

Amores? Estes que tenho e que bendigo,

Aos quais voto amizade e dei abrigo

Sem sequer distinguir qual fosse a raça.

 

Sorrio ao relembrar quanta era a graça

Deste meu negro e carinhoso amigo

(ama-se um gato sem correr-se o p`rigo

de que esse amor se canse e se desfaça…)

 

Os únicos "senãos" – eu sei-o bem! –

São os limites que esta vida tem

E que, um dia, nos lançam num desnorte

 

Quando, chegado o tempo da partida,

Percebemos que o tal final de vida

Depôs tão grande amor nas mãos da morte.

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 26.10.2012 – 02.04h

 

17
Out12

UM SONETO MANUSCRITO

Maria João Brito de Sousa

 

Debulho-me em palavras… nunca choro

Senão estes sinais de tinta preta

Que traço quase sempre em linha recta,

Cuja meta me escapa e nem decoro.

 

Se pelas gargalhadas me demoro,

De novo outros sinais, traçando a meta,

Se impõem mal o riso me intercepta

E, atrás, surgirão mais, fazendo coro…

 

Se sinto – e tudo sinto intensamente! –,

São aos milhares, pulando, à minha frente,

Esses infindos signos do sentir

 

Que imprimem no papel, profusamente,

As mesmas emoções que tanta gente,

Sem tempo pr`ás provar, deixou fugir…

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 17.10.2012 – 19.41h

04
Out12

UM SONETO "POR ACASO"

Maria João Brito de Sousa

Abreviada a voz, repenso o gesto

E ressurge a palavra indesmentida

Exactamente aonde a mão estendida

Recolhe o claro fruto e aparta o resto.

 

Sorrio enquanto estendo o velho cesto

Na direcção da coisa pressentida

E vislumbro, entre folhas, bem escondida,

A forma de um soneto franco, honesto.

 

Assim contemplo, colho e guardo acasos,

Esperando cada um de olhos já rasos,

Cumpridos sem temor, sem loucas pressas

 

E, garanto, esse acaso então parece

Estar pronto a responder-me à estranha prece

Sem ter feito, sequer, quaisquer promessas…

 

 

Maria João Brito de Sousa – 04.10.2012 – 16.06h

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!