Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
29
Jun10

A CRIAÇÃO DOS LAGOS

Maria João Brito de Sousa

 

Meu estro de luar dobra a finados

E as mãos vão-se crispando sobre o rosto

Que já desfeito em rios – em rios salgados –

Dá largas à aflição de outro desgosto.

 

Mas, dois dias depois, quando, encantados,

Meus olhos se secaram, ao sol-posto,

E os dedos, relaxados, mergulharam

No leito do meu lago, em pleno Agosto,

 

Não haveria rio que transbordasse,

Mais nuvem que escondesse o azul do céu,

Mais mágoa estrangulando a voz que trago!

 

Não haveria, então, quem me alcançasse

Na plena criação do que era meu!

E assim me nascia um novo lago...

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 27.06.2010 – 18.52h

 

 

IMAGEM RETIRADA DA INTERNET

28
Jun10

SÁBADO, DOMINGO E SEGUNDA FEIRA XIII

Maria João Brito de Sousa

 

DEPOIS DO ESCURO - Brevíssimo ensaio sobre uma alucinação ou Morte

 

 

 

Quando, em horas lunares, o medo arpoa

A complexa embalagem que te envolve

E te faz recuar, por mais que doa,

Até onde a razão te não resolve

 

E quando ao teu ouvido a voz ecoa,

Te antecipa um castigo e te devolve

O eco aterrador que em ti ressoa

Enquanto o que Tu eras se dissolve

 

Deixando a porta aberta ao teu temor…

Saberás tu, então, permanecer?

Saberás aceitar, estando seguro

 

Do Nada que antevês assustador?

[Flutua sem receio de temer

A luz que vem depois. Depois do escuro].

 

Maria João Brito de Sousa – 27.06.2010 – 21,55h

 

 

PERCURSO II

 

 

Um dia, por razões que desconheço

Ou que já não consigo recordar,

Prescindi da razão. Paguei o preço

De algo que nem sequer ousei usar…

 

Mas, se está pago e se este recomeço

Puder, de alguma forma, ter lugar,

Eu juro que estou pronta e mais não peço;

“Isto” é tudo o que sou, sem mascarar!

 

Contudo alguma coisa vai faltando

E essa é a razão que vai fazendo

Com que este meu trabalho de crescer

 

Possa continuar. Um dia, quando

O corpo que me cobre, envelhecendo,

Me recusar trabalho… é pr`a morrer!

 

Maria João Brito de Sousa – 27.06.2010 – 22.58h

 

 

 

O SEGREDO II

 

 

 

Perguntas-me do tempo que me resta…

Amigo, isso eu não digo, isso eu não sei…

Tu nem sonhas o preço que eu paguei

Por esta insubmissão de ser honesta,

 

Por ser o que outros julgam que não presta,

Mas para mim é tudo o que sonhei!

Portanto, amigo, eu nunca te direi

Que cada dia, em mim, se vive em festa…

 

Segredos, se os tiver, são coisas fúteis

Na tua perspectiva, mas, na minha,

Mais altos que o castelo em que me abrigo!

 

Por isso te direi coisas mais úteis;

Falar-te-ei do Deus que me encaminha,

Mas nunca do meu Tempo, querido amigo!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 27.06.2010 – 18,16h

 

 

25
Jun10

PORTUGAL X BRASIL

Maria João Brito de Sousa

Enquanto a bola rola no relvado

E as respirações, entrecortadas,

Mostram bem a tensão que, em cada lado,

Arrosta multidões entusiasmadas,

 

Eu devo confessar ter reparado

Que ninguém meteu golo e, nas bancadas,

Se grita: - Portugal, tem lá cuidado,

Não vá entrar-te um golo às três pancadas...

 

Não acabou ainda, ainda há esp`rança

De meter um golito - um só que seja! -

Pr`animar estes lusos navegantes

 

Naquele rola-que-rola com pujança,

Que - como diz Camões... - o mundo inveja,

A tentarmos vencer outros gigantes!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa, quase no final do Portugal x Brasil

 

 

 

 

 

24
Jun10

IMPROVISO SOBRE UMA CABECINHA "EM GREVE"

Maria João Brito de Sousa

 

E o que hei-de fazer se esta cabeça

De repente tontinha e esvaziada

Se recuse a pensar sem que eu lho peça,

E me deixe pr`aqui desamparada?

 

Por muito que lhe diga: "- Anda depressa

Porque o tempo não pára e, de atrasada,

Me parece provável que pareça

Poeta desistente ou desleixada..."

 

Ela, sem se importar com tanta queixa,

Continua tontinha e não me entende

Ou faz que não entende e não me liga...

 

Tanta dor de cabeça já me deixa

Capaz de acreditar que ela pretende

Usurpar as funções de uma barriga!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa

23
Jun10

A PROCURA II e ESTA IMENSA FOGUEIRA DE PALAVRAS...

Maria João Brito de Sousa

 

A PROCURA II

 

 

Falaste-me de um Deus que não conheces,

Tal como eu assumi não conhecer

Quem ouve, noite e dia, as minhas preces,

Quem me inspira as palavras que eu escrever,

 

Porém, no mesmo Deus, tu reconheces,

Tanto quanto eu me pude aperceber,

A força da procura e até pareces

Mais empenhado Nele que outro qualquer…

 

Se aonde tu subiste eu alcançasse,

Bem mais perto estaria de alcançar

A força que me move e me acalenta

 

Tão só tanta procura eu consagrasse

- como tu o fizeste ao caminhar –

Com essa convicção que te sustenta.

 

Maria João Brito de Sousa – 21.06.2010 – 19.58h

 

 

 

ESTA IMENSA FOGUEIRA DE PALAVRAS...

 

 

Sei que não sou pior pelo que faço…

Celebro a mesma vida que celebras

Vestindo o amanhã das ternas pregas

Do manto de palavras deste abraço

 

Mas desta virtual linha que traço

- a mesma que tu negas sem reservas -

Entregarei bem mais do que me entregas

No limiar do esforço e do cansaço;

 

Deixarei só palavras! São sementes

Que agora não entendes mas, mais tarde

No espaço de outro tempo, irão florir

 

Só não quero, de todo, que lamentes

Esta imensa fogueira que em mim arde

Enquanto eu vou escrevendo e te oiço rir…

 

 

Maria João Brito de Sousa – 22.06.2010 – 18.51h

 

 

 

NOTA - Hoje publico, excepcionalmente, dois sonetos. Ontem publiquei, por engano, um soneto que havia sido publicado na véspera.

As minhas desculpas.

 

 

 

 

 

 

 

22
Jun10

TÃO LONGE, TÃO PERTO...

Maria João Brito de Sousa

 

Tão longe estão as estrelas e, contudo,

Tão perto podem estar do que sentimos

Quando nós, os cometas, lhes sorrimos

E quando, no sorriso, damos tudo…

 

Tão perto sinto a estrela e, se me iludo,

É porque eu e a estrela somos primos

Nessa família astral que definimos

Na fazenda de um velho sobretudo…

 

Casacas de Cometas, Luas, Sóis,

Palavras que não vergam, que se inventam

Em astros nunca dantes alcançados

 

Pelos descobridores que só depois

Abrirão os portões que em si concentram

Mil mundos que mal foram vislumbrados …

 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa – 20.06.2010

 

21
Jun10

SÁBADO, DOMINGO E SEGUNDA FEIRA XII

Maria João Brito de Sousa

 

UMA ESTRADA DE PALAVRAS

 

 

 

O sol nasceu de novo, quem diria?

Há, apesar de tudo, uma diferença;

Adormeceu, por fim, essa alegria

Que, estranhamente, vinha da presença.

 

Aprendiza da escrita, que harmonia,

De súbito quebrada, te pôs tensa,

E depois te roubou tudo o que havia

Suscitando tristeza tão imensa?

 

Que solidárias forças te tocaram,

Que estranhas harmonias se quebraram

E te deixaram tão desanimada?

 

E as horas, que em passando não passaram,

Responderam palavras que ficaram

Gravadas no papel, como uma estrada.

 

Maria João Brito de Sousa – 19.06.2010 – 17.20h

 

 

 

 

OS OPERÁRIOS DA PALAVRA

 

 

Enquanto a nossa escrita aqui deixamos,

Nós, eternos operários da palavra,

Seremos sempre aquilo que criamos

A tempo inteiro, nesta nossa lavra

 

Realidade é tudo o que engendramos

A partir desta força – a louca escrava! –

Que produz sempre mais do que esperamos

Quando o punhal da escrita em nós se crava

 

Será sempre uma escolha. Este salário

- Quantas vezes não mais que estarmos bem

Com a força interior de uma Vontade –

 

Nos diz: - Tu que escolheste ser operário

Deverás não esquecer que te convém

Ser escravo dessa mesma Liberdade!

 

Maria João Brito de Sousa – 19.06.2010 – 16.49h

 

 

 

TÃO LONGE, TÃO PERTO

 

 

Tão longe estão as estrelas e, contudo,

Tão perto podem estar do que sentimos

Quando nós, os cometas, lhes sorrimos

E quando, no sorriso, damos tudo…

 

Tão perto sinto a estrela e, se me iludo,

É porque eu e a estrela somos primos

Nessa família astral que definimos

Na fazenda de um velho sobretudo…

 

Casacas de Cometas, Luas, Sóis,

Palavras que não vergam, que se inventam

Em astros nunca dantes alcançados

 

Pelos descobridores que só depois

Abrirão os portões que em si concentram

Mil mundos que mal foram vislumbrados …

 

Maria João Brito de Sousa – 20.06.2010

 

 

A José Saramago

A António de Sousa que com ele partilha a eternidade, o amor pela literatura e Sete Luas.

 

18
Jun10

CANTO DE AMOR

Maria João Brito de Sousa

 

Quando canto o Amor, eu canto a Vida,
Sobrevivendo à dor de cada dia
E é meu canto a simples despedida
Deste lado da Vida em que eu vivia...

Soa o meu canto e afasta-se, perdida,
A mais elementar desarmonia
Porquanto este meu espanto dá guarida
À esperança, a crescer, de um novo dia... 


Se canto é porque o canto em mim desperta
A sede de cantar que é tão mais forte,
Quão forte for o canto que a motiva

E, pelo canto, eu parto à descoberta
Dos horizontes do meu novo norte
Com a plena certeza de estar viva!


Maria João Brito de Sousa

 

 

 

NOTA - Soneto inspirado num soneto com o mesmo nome de Efigênia Coutinho, Presidente Fundadora da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores www.avspe.eti.br/

17
Jun10

DESLEIXO

Maria João Brito de Sousa

(Soneto em decassílabo heróico)

Soneto que me nasça “por favor”,
sem essa rebeldia indefinível
dos versos que se esculpem por amor
na sequência de urgência irreprimível,

Bem pode ostentar forma e ter rigor,
mas falta-lhe a “centelha”, essa indizível,
que o tempera, o reforça, dá vigor,
e é, no fundo, o que o torna irrepetível...

Mas … que posso fazer contra a vontade,
transformada em rotina involuntária.
que me exige um soneto? Aqui o deixo,

Sabendo que ajo mal pois, na verdade,
por capricho tornei-me, a mim, contrária
e, em vez de excelência, urdi desleixo...



Maria João Brito de Sousa – 17.06.2010 – 09.26h

 

 

NOTA -

Soneto inteiramente reformulado a 22'06.2015

Ontem consegui ainda publicar no http://liberdadespoeticas.blogs.sapo.pt/ no http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt/ no http://mumbles.blogs.sapo.pt/ e http://contra-sensual.blogs.sapo.pt/

Fica o "aviso à navegação", caso vos apeteça passar por lá.

 

16
Jun10

A PROCURA

Maria João Brito de Sousa

 

Procuro, não te encontro e, se duvido

Dessa tua presença vertical,

É por ser tão humana e sem sentido

Não é por querer negar-te ou dizer mal…

 

Procuro mais ainda e, se divido

Esta minha incerteza ocasional

Com quem estiver por perto, quem comigo

Possa sentir que isto é disfuncional,

 

É porque esta procura se demora

Na esquina dos minutos que há na hora,

Ao longo duma rua que não finda.

 

Procurando, caminho estrada fora

E enquanto caminho, como agora,

Descubro o que em procura se deslinda…

 

 

 

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

 

 

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!