Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
31
Dez09

GATOS... ou quase...

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

Amigo silencioso e ondulante

Que me adormeces sempre que adormeces,

E entendes as razões das minhas preces

Onde ninguém veria algo importante,

 

Macio, aveludado… és um mistério

Que transcende este humano entendimento...

Quisera eu conhecer-te, lá por dentro,

Tomar posse ilegal dessoutro império…

 

Que estranhíssima química nos traça

Caminhos ideais, cheios de graça,

E nos funde e confunde tantas vezes?

 

Quando o teu grito ecoa pelas ruas

São estas mesmas veias, minhas, tuas,

Que me enchem de irreais luas acesas…

 

 

Maria João Brito de Sousa - 2009 

 

NA FOTO - Sigmund, Minerva e E.T. (estas duas últimas faleceram em Março e Maio deste ano)

30
Dez09

O QUASE-NADA

Maria João Brito de Sousa

 

 

Por vezes faz-me falta um quase-nada

[que absurda sensação de quase-ausência

me devolve, inteirinha, à procedência

da raiz da memória antecipada?]

 

Um estranho quase-nada, é bem verdade!

Um algo indefinido, indefinível,

Que sendo bem real é intangível

Mas nada tem a ver com liberdade…

 

É algo por nascer! Algo incompleto,

Algo que ainda está por construir

Erguendo-se da sua incompletude

 

Como se fosse um corpo, um estranho objecto

Que, querendo ser, está quase a conseguir

E que não muda nunca de atitude…

 

 

IMAGEM RETIRADA DA INTERNET

29
Dez09

POEMAS QUE SORRIEM...

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

 

Curvai-vos! Os poemas são batalhas,

São rios por inventar de espadas cegas,

Causas que desconheces - mas não negas -

Isentas do bolor de humanas falhas!

 

Abri alas pr`a eles, os combatentes,

Que avançam sobre as hostes de insensíveis!

Deixai-os avançar como invencíveis

Porque deles se erguerão causas urgentes!

 

Reparai… a batalha não termina!

[nunca se sabe ao certo quem domina

neste caos que as vontades vão esgrimindo…]

 

Mas, no ponto mais alto da colina,

Nasceram mais poemas que a vermina

Desvaloriza porque estão sorrindo…

 

IMAGEM RETIRADA DA INTERNET

28
Dez09

QUINTA, SÁBADO, DOMINGO E SEGUNDA FEIRA

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A PALETA

 

(A minha paleta, à luz da Biopsicografia)

 

 Em azuis e magentas me descrevo. 

Em verdes e castanhos vou vivendo

Porque o sol se levanta num crescendo

Aspergindo outros tons sobre este enlevo

 

 

E nunca sei se devo ou se não devo

 Cobrir-me desse negro a que me prendo...

Mas, enquanto não sei, eu vou sabendo

Que mesmo sendo cor, eu sempre escrevo

 

 

Pois sou uma paleta das ideias:

 Sou apenas um leito de grafismos

E a matriz da palavra em gestação!

 

 

É som, o que me corre pelas veias,

 O que vai dando cor aos silogismos

Que nascem porque bate um coração...

 

Maria João Brito de Sousa - 2009

 

 

A VARANDA DE DEUS

 

Deus tem uma varanda junto ao mar.

Eu, que nela nasci, vou descrevê-la;

Essa varanda é como uma janela

Onde Deus se debruça p`ra sonhar.

 

E é, essa varanda, um doce lar

Para que possa qu`rer descansar nela.

É pequena, a varanda, mas é bela

E cabe nela o mundo... se mudar.

 

Caberá nela  quem vier por bem,

O que foi perseguido e quer abrigo,

Aquele que já pecou e quer perdão,

 

O que venha sonhar como Deus vem,

O que venha esquecer cada castigo

E o que jamais condene o próprio irmão.

 

Maria João Brito de Sousa - 2009

                                 

 

UM BRILHOZINHO NOS OLHOS DE UM COMETA

  

 

Era um brilho nos olhos de um cometa

E eu, que partilhava tudo, tudo,

Rodei sobre o sofá, num gesto mudo,

Fugindo à posição da linha recta.

 

 

E sorri, eu também, enquanto ouvia

 O que disseste em tom coloquial

Naquela peçazinha cultural

De um minutinho, só, de Astronomia.

 

 

Foi o deus dos acasos? Foi a vida?

 Já não pergunto mais e tudo aceito

Sem me sentir, sequer, muito intrigada,

 

 

Como se a história fosse então cumprida,

 Como se tudo ali fosse perfeito

E eu fosse finalmente retratada.

 

Maria João Brito de Sousa - 2009

 

 

O PRESÉPIO II

 

Que frio que estava ali, que frio fazia…

E, no entanto, a luz que então brilhava,

Aquecia, por dentro, e semelhava

Um sol pequeno e pleno de magia.

 

 

Nas palhas, um menino que sorria…

 Era p`ra ele que a luz se desdobrava

Como se tudo, tudo o que ali estava,

Nos enchesse de súbita alegria.

 

 

Tantos meninos, tantos, já passaram.

 Tantos viveram e nos cativaram

Com obras geniais, vidas notáveis

 

 

E é, no entanto, aquele menino pobre

 Que a luzinha, brilhando, nos descobre,

Quem nos desvenda as coisas improváveis.

 

Maria João Brito de Sousa - 2009

digitalizar0036.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 NOTA - Peço desculpa por esta anarquia gráfica que não consigo remediar de forma nenhuma... acho que a minha pen se incompatibilizou  de vez com o 2008... hoje nem sequer consegui copiar os sonetos do fim de semana e tive de usar alguns que eu penso (?) ainda não ter publicado e que estavam, por acaso, na dita pen...

24
Dez09

O PRESÉPIO DE BARRO

Maria João Brito de Sousa

 

PRESEPIO DE BARRO.jpg

 

 

Já estás quase a nascer, meu Deus Menino,

Simbolizando a Vida em todos nós…

Já oiço, antecipada, a tua voz

Na luz da Estrela-guia, em cada sino.

 

Quem me dera saber-te bem seguro

Por todo o humano tempo que te resta,

Amado, eternizando uma só festa,

Por todas as etapas do futuro...

 

Vejo-te pequenino, aconchegado

Num presépio de barro, bafejado

Pelo inusitado dos presentes,

 

Mas, mais tarde ou mais cedo, renegado,

Tremo por te saber crucificado

Por quem nunca aceitou homens diferentes.

 

 

 

Maria João Brito de Sousa -2009

 

 

 

 

 

 

UM FELIZ NATAL PARA TODOS VÓS!

Peço desculpa a todos os que não consegui contactar nestes últimos dias, quer por email, quer por visita e comentário. O tempo é escasso e muitos dos emails vieram devolvidos...

mas fica a intenção! Um enorme abraço para todos vós, em todo o mundo!

 

Maria João, poeta porque Deus quer

23
Dez09

EM TEU NOME

Maria João Brito de Sousa

 

 

11258238_1056026251079570_1882363582174239704_n.jp

 

 

Em teu nome acendi incenso e velas

E o raio de luar desta oração

Que aqui teço e devolvo à devoção

Da minha evocação das causas belas.

 

Em teu nome e no nome do teu nome

Lavrei estas palavras que te entrego

E tudo o que em palavras eu delego

É esta causa imensa como a fome.

 

O meu último esteio foi quebrado

E oiço um estranho silêncio inacabado

Perpetuando, sempre, a voz do tempo.

 

Cravo então, em silêncio, o meu arado

E sigo pela vida, sem cuidado,

Porque a Vida, afinal, é um momento.

 

 

Maria João Brito de Sousa - 23.12.2009

 

 

 

IMAGEM RETIRADA DA INTERNET

22
Dez09

O TRAIÇOEIRO

Maria João Brito de Sousa

Ó gato! `Inda te chamam altaneiro!

A ti que te dás todo em marradinhas,

Que me olhas bem nos olhos, que adivinhas

O que é e o que não é bem verdadeiro,

 

Que queres ver-me feliz, que me procuras

Para me dar, de ti, o que em mim falta,

Que derramas, em mim, a maré-alta

Das tuas brincadeiras e ternuras?

 

Traiçoeiro? Que ideia! És mais leal

Do que essa gente louca que te insulta

E que te desconhece por inteiro!

 

Tu és, como qualquer outro animal,

Um pequenino ser que a vida exulta!

Jamais serias falso ou traiçoeiro!

 

21
Dez09

SÁBADO, DOMINGO E SEGUNDA FEIRA III

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

 

 

 

UM POETA NA ESQUINA

 

Poeta numa esquina, sem alento,

Que não choras nem pedes a quem passa

A esmola da atenção ou essa graça

Do merecido pão do teu sustento

 

[As asas que perdeste... esse talento

Que o mundo destruiu, como uma traça

Que devorando tudo te desfaça

E te não deixe mais que desalento...]

 

E, cruelmente alheia, a populaça

No seu vaivém, correndo contra o vento,

Não percebe, sequer, quanta desgraça

 

Te prende àquela esquina, desatento

Das coisas deste mundo e desta raça

Que assim te condenou não te entendendo...

 

 MISTÉRIO

  

Que mistério em teu corpo se engendrou,

 

 

 

Maria, se não foste de ninguém?

Que mistério, Maria, te fez mãe

De um menino que tanto nos marcou?

 

Que Maria foi essa que alcançou

Honra tão grande e tão imenso bem?

Maria e só Maria foi alguém

Em quem o próprio Espírito encarnou…

 

E terá sido assim que aconteceu?

Terá sido o menino que nasceu

Igual a todos nós, nascido em dor?

 

Porque se assim não foi… quem serei eu

Para inquirir sobre quem já morreu

E em tudo vive ainda em puro amor?

 

 QUE PENA...

 

 

Que pena, meu amor! Eu sei lá quando

As hostes da vontade irão render-se

E o corpo, desistente, converter-se

A escravo, meu amor, do teu comando…

 

Eu sei lá, meu amor… mas juraria

Que a linha que percorro, vertical,

Não há-de quebrar nunca… este ideal

É jamais desistir de uma ousadia!

 

Tantas vidas na vida! `Inda há pouquinho

Percorria, na estrada, outro caminho

E, no palco, um papel numa outra cena…

 

Agora, bem mais longe e tão mais perto,

Termino estes acordes do concerto.

[e, às vezes, tenho até alguma pena…]

 

 

 

 

 

 

IMAGEM RETIRADA DA INTERNET 

 

18
Dez09

A NORTADA E A LAREIRA ACESA

Maria João Brito de Sousa

 

Lareira de Natal

 

Ali soprava ainda um vento agreste

Chicoteando os ramos inocentes

Que as árvores estendiam, descontentes

Com essa fúria súbita e celeste.

 

Rodopiavam folhas arrancadas

Ao maternal abraço dessas hastes

Que balouçavam gerando contrastes

Com as casas imóveis e caiadas.

 

Era a Nortada fustigando a aldeia,

Cavando remoinhos na charneca,

Levando tudo, tudo pelos ares…

 

Por trás das nuvens brilha a lua cheia.

Deita-se o bom medronho nas canecas

E acende-se a lareira em nossos lares…

 

 

Imagem retirada da internet

 

 

- A nossa amiga Maria Luísa, do http://prosa-poetica.blogs.sapo.pt/, encontra-se doente, com dores na coluna, e não poderá estar entre nós durante algum tempo. Pediu-me que vos avisasse a todos e vos transmitisse os seus votos de um muito FELIZ NATAL!

17
Dez09

AS CATEDRAIS DE GELO

Maria João Brito de Sousa

 

Gela a branca geada. Branca, gela

E tudo se arrepia em seu redor

Como se nos mostrasse o seu melhor

Nas construções de gelo que revela.

 

Assim o Inverno chega e se desvela

Na criação de mil cristais sem cor,

E sem sequer olhar, seja o que for,

Agreste, toca, esculpe e remodela…

 

Silencioso e breve, este escultor

Das obras transparentes e espelhadas,

Vai transformando tudo em catedrais

 

De onde roubou o sopro do calor…

[depois, na Primavera, derrotadas,

tornam-se o verde pasto de animais…]

 

Imagem retirada da internet

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!