Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
31
Dez08

A PINTORA

Maria João Brito de Sousa

Devorava sentidos proíbidos

Na captura das formas e das linhas.

Falava pouco ou nada com vizinhas.

Dizia-se da cor dos seus vestidos.

 

Abraçava-se aos gestos repetidos

Que sobreamontoava, quais sardinhas,

Recriando ilusões e adivinhas

Onde antes eram vãos os seus sentidos.

 

Criava como quem retrata a vida

Que dantes conhecera, repetida

Por muitos que ela nunca conheceu

 

E roía os caroços de outros frutos

Supondo partilhar os seus produtos

Até ao próprio dia em que morreu.

 

 

Maria João Brito de Sousa - 2007

 

 

Pormenor de "Escorço - Grande Pintora a Lápis de Cor"

 

 

 

30
Dez08

A DISFUNCIONANTE

Maria João Brito de Sousa

Ia por ali fora, cabisbaixa,

Vivendo por viver, sem já ter meta,

Deixando atrás de si, em linha recta,

Pegadas que gravara numa faixa.

 

Não estava aberta, nem à caridade,

Nem ao fluir do seu imaginário...

Vivia, no momento, o seu contrário

Caminhando por força de vontade.

 

Funcionava tão mal, enquanto gente!

Perdera os meios de seguir em frente

Na azáfama, na dor, no burburinho...

 

"Disfuncionantemente" prosseguiu,

Embrenhou-se, por fim, nesse vazio

Que tão longe a levara do seu ninho...

 

 

Imagem retirada da internet

 

29
Dez08

O CAMINHANTE (A very, very short-story)

Maria João Brito de Sousa

bordo-0.jpg

 

Passou por este espaço e quis parar...

Ficou refém do espaço, por momentos,

Olhando-o com olhos muito atentos

Em busca da razão que o fez ficar.

 

Passou por este espaço e, sem saber,

Passara por si mesmo uma vez mais

Sem que os olhos captassem os sinais

Que este espaço lhe dera a conhecer...

 

Depois foi normalmente à sua vida.

Não fora a sensação de uma partida,

Jamais se lembraria deste espaço...

 

Tem dias em que passa e já nem olha,

Em nenhum deles, porém, a sua escolha

Dependeu da vontade ou do cansaço.

 

 

Maria João Brito de Sousa - 29.12.2008

 

Gravura de Manuel Ribeiro de Pavia

 

 

 

28
Dez08

O RASTO DO COMETA II

Maria João Brito de Sousa

Pretérito de mim neste imperfeito

Que é condição de ainda andar por cá,

Procedo á criação do não há,

À minimização do meu defeito...

 

E, nesta dimensão de Causa-Efeito,

Traçando o meu caminho ao Deus-dará,

Mais-pedra, menos-pedra... eu volto já!

Este caminho ìnda não está direito...

 

Mais-obra, menos-obra, eu vou passando

Sem saber se acabei, sem saber quando...

Gente feita de barro é mesmo assim,

 

Por cá vamos deixando o nosso rasto!

Vislumbro um horizonte e não me afasto

Até que alguém venha afastar-me a mim...

 

 

Imagem retirada da internet

 

 

27
Dez08

TRÊS SONETOS DO DIA

Maria João Brito de Sousa

 

A CEIA DO POETA III

 

Se sou a mais pequena entre os pequenos

(ainda mais pequena que o comum...),

Se vivo neste absurdo desjejum

Das palavras que escrevo em mil cadernos,

 

Ao vislumbrar-me, assim, entre os eternos,

Senti-me, por segundos, ser mais um

E, louca de alegria, bebi rum

Por copos que inventei noutros invernos

 

E fiquei-vos tão grata - embora louca...-

Que já nem sei expressar essa medida,

Que já nem sei dizer como fiquei,

 

Pois desfeita em palavras, fiquei rouca...

Embriago-me, invento outra bebida,

E tento dar-vos mais que o que já dei!

 

Maria João Brito de Sousa - Dezembro, 2010

 

 

SONHAI!

 

Crescei, multiplicai-vos e sonhai!

Roubai maçãs da árvore da vida,

Chorai os que são vossos, na partida,

Sede vós mesmos, mas acreditai!

 

Se tendes sede ou fome, protestai!

Se vos faltar amor, perdão, guarida,

Procurai novo peso, outra medida,

Encontrai novos rumos, viajai!

 

Ide ao fundo do mar de cada mar,

Subi, subi além de cada estrela,

Descobri tudo, tudo o que puderdes!

 

A vós ninguém vos pode condenar

Porquanto o vosso sonho é que nivela

A dimensão de tudo o que fizerdes!

 

Maria João Brito de Sousa  - Dezembro, 2010

 

 

BOAS FESTAS!

 

Desejo-vos pão, livros e saúde

Para o ano que está quase a chegar!

E alegria e esp`rança a despontar

No momento em que algum se desilude.

 

Desejo-vos amor e lucidez

E sonhos, muitos sonhos criativos!

Que possais criar sempre, enquanto vivos,

Aquilo que pensais ser só talvez

 

 

E que possais guardar, dentro de vós,

A criança que existe em toda a gente

Que será sempre a vossa companhia.

 

Que possais sempre ouvi-la e dar-lhe voz,

Que saibais aceitar o seu presente,

Que tenhais sempre um pouco de alegria!

 

Maria João Brito de Sousa - Dezembro, 2010

 

 

 

26
Dez08

PERCURSO IV

Maria João Brito de Sousa

São milénios, são anos, são momentos,

São traços como palavras ou rugas,

São os inevitáveis, são as fugas

Às concretizações e aos eventos...

 

São as desconstuções, os desinventos,

Os verbos que esqueceste, mas conjugas,

A força que, não tendo, ainda alugas

Em troca do que calas em lamentos...

 

São ondas do teu mar, essas marés

Que te tornam naquilo que tu és

Sobrando o que é comum a toda a gente...

 

São as recordações dos teus sentidos,

Memórias, livros lidos e relidos,

O que de ti ficar daqui pr`á frente.

 

 

A S.

 

imagem retirada da internet

23
Dez08

LINEARIDADE III

Maria João Brito de Sousa

Existe, em cada cor, um mar de linhas.

Umas são longas, outras são quebradas...

Enérgicas, contudo, e bem traçadas

Tão negras como voos de andorinhas...

 

De cada linha nasce a cor dif`rente.

Por vezes, em "nuance", aclaro o tom...

Nem sempre o menos claro é menos bom

Porque realça a luz, omnipresente.

 

Desenham-se momentos, atitudes,

Entre os defeitos surgem as virtudes

Em traços como punhos, como gritos...

 

São gritos em silêncio... como as cores,

Como os sorrisos, como os desamores.

Como tudo o que existe. Eu facilito...

 

 

Maria João Brito de Sousa, 1999

 

 

 

22
Dez08

LINEARIDADE II

Maria João Brito de Sousa

Não fora a compulsiva, estranha urgência

De explicar-me `inda mais do que me sei,

Não fora eu não ter dono, nem ter lei

Para além desta absurda transparência,

 

Não fora esta assumida incoerência

De eu qu`rer dar muito mais do que já dei

E sentir muito mais do que pensei

Em subversões da própria inteligência,

 

Não fora eu ser assim [embora louca...]

Este pr`além de mim [mas coisa pouca...]

Que sempre vai pedindo mais e mais...

 

Não fora a linha em que me envolvo, inteira,

[maleável embora rotineira...]

Como me encontraria entre os demais?

 

 

Maria João Brito de Sousa, 1999

 

21
Dez08

LINEARIDADE

Maria João Brito de Sousa

Por fora da palavra eu traço a cor,

Por dentro é que preencho a cor do traço.

Linear, como tudo o que aqui faço,

Defino-me num estranho, infindo amor.

 

Envolvo numa linha definida

A pálida brancura e seu contraste

E não há envolvência que me baste

Pr`a me tornar segura, protegida...

 

Mais linhas, mais abrigos, maiores pontes...

E torno à cor que jorra de mil fontes

Porque tudo, afinal, é cor e luz!

 

A golpes de pincel já mergulhei

No mesmo mar de cor em que engendrei

Tudo o que é linear e me traduz.

 

 

Maria João Brito de Sousa, 1999

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!