Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
30
Nov08

OS QUARTOS DA LUA

Maria João Brito de Sousa

Nestes quartos-de-luz  da lua-cheia

Desfaço-me e, desfeita, eu pago o preço

De ter virado a vida do avesso

Cozinhando poemas para a ceia...

 

Divido-me e, assim, fico só meia...

Mas mesmo dividida eu não me esqueço

Que devo ser melhor que o que pareço

E nasce-me outra luz: a nova ideia!

 

Criança tonta, bato palmas, canto,

Cada ideia me traz um novo encanto,

Cada encanto me espanta mais e mais!

 

Criança tonta em louca correria

Pelos quartos da lua... que alegria

A de abraçar um mundo de ideais!

 

 

Imagem retirada da internet

29
Nov08

ÁGUAS PROFUNDAS

Maria João Brito de Sousa

Picasso - Femme Assise.jpg

 

 

ÁGUAS PROFUNDAS

 

Nas águas mais profundas, traiçoeiras,

Que me inundam de mágoas o viver

Eu, que tão pouco sei, fico a saber

Das causas mais remotas e primeiras.

 

Aquilo que aprendi não tem fronteiras,

Vem da nascente onde começa o Ser,

Não acaba depois de se morrer

E não conhece atrasos nem canseiras;

 

É um deslumbramento vertical

A engendrar um mar dentro de mim

Que me enche, me extravasa e me conduz

 

Ao fundo do meu Ego, esse local

Onde reinicio este meu fim

Para acender, de novo, a minha Luz.

 

 

Maria João Brito de Sousa - Novembro, 2011

 

 

Imagem - FEMME ASSISE - P. Picasso

 

27
Nov08

HUMANA CONDIÇÃO III

Maria João Brito de Sousa

OPERÁRIOS - Tarc´lia do Amaral.jpg

 

Se passas e não olhas nem reparas

No mundo que te pede o teu melhor,

Se dás indiferença em vez de amor

E se, passando, não ouves nem paras,

 

Se passas por passar, sem entender

Que não é por acaso que aqui estás,

Se só queres receber e nada dás,

Tens muito, muito ainda, que aprender.

 

Só dando tu recebes de verdade;

É no sonho que a nossa identidade

Revela a sua humana condição

 

Só dando-te terás, inteiramente,

Decifrado o enigma da semente

Que este Universo pôs na tua mão.

 

 

Maria João Brito de Sousa - 27.11.2008

 

"Operários" , Tarcila do Amararal, 1933

 

Imagem retirada da internet

26
Nov08

MOMENTO EXTRACORPÓREO

Maria João Brito de Sousa

521_5345_771.jpg

 

Mar de mim, eu sou quem se partiu,

Quem se tentou colar mas se esqueceu

De viver uma vida que perdeu

Na chama que, inteirinha, a consumiu.

 

Aquela que a si mesma se impediu

De ser tudo o que foi quando nasceu,

A que, escondida, nunca mereceu

O caminho do Ser a que fugiu.

 

Vaivém das obras nuas dos meus dedos,

Das minhas disfunções e dos meus medos

E, depois, a certeza de ter visto

 

Daquilo que se passa e já passou

O caco do estilhaço  que sobrou...

Eu já nem sei se vivo ou se desisto!

 

 

Maria João Brito de Sousa - 25.11.2008

 

Imagem retirada da internet

 

25
Nov08

O DESVIO e UM ESPAÇO AO PÉ DO MEU...

Maria João Brito de Sousa

Porque me fica a boca assim amarga

E os olhos, embaçados, se me cerram

Se saio desta casa onde me entregam

Poemas e animais? A minha carga.

 

Porque será que me não sei mover

Senão neste meu espaço sem fronteiras?

Porque razão me sinto uma estrangeira

Onde possa estar longe de só ser?

 

E, no entanto, aonde os outros vão,

Onde as coisas se fazem é que são

Os espaços benditos pelo mundo.

 

E eu, mais uma vez, dobro a vontade,

Me curvo a essa estranha realidade

E me desvio da luz de que me inundo...

 

 

UM ESPAÇO AO PÉ DO MEU...

 

E faço e raspo e limpo e vejo e esfrego,

Depois volto a limpar e a esfregar

Neste vaivém do eterno-começar

Ao qual dedico a vida a que me entrego...

 

Já mal me sobra tempo pr`ó que escrevo

E quase nenhum tempo pr`a pensar!

Se tempo `inda me resta pr`a sonhar

Nenhum me sobra já pr`a ter sossego...

 

E escovo e subo e desço e nunca paro

Neste cuidar do muito que me é caro

E nem sei se parando `inda sou eu...

 

Nem mesmo enquanto durmo eu fico em paz!

Quase sempre um dos "meus" é bem capaz

De lutar por um espaço ao pé do meu...

 

 

Imagem retirada da internet

 

24
Nov08

DAS FUNÇÕES DO SONHO II

Maria João Brito de Sousa

Que estranha, alucinada projecção

Do ego de outro alguém morando em mim...

E que me importa, se me sinto assim

Eu mesma em projectada oposição?

 

Acordo. Foi um sonho. A sensação

De ter alguém comigo e estar assim,

Capaz de me calar e dizer: - Sim...

Quando eu mesma teria dito: - Não!

 

Um sonho... e, no entanto, eu aprendi,

Pensei e meditei (ou reflecti?)

Que tenho ainda coisas por fazer...

 

É a escola do sonho a funcionar,

A mostrar-me o caminho, a ensinar

Que o melhor desta vida é aprender...

 

 

"Sinfonia Sol-Lua com Remendo Verde"

Maria João Brito de Sousa, 2006

 

23
Nov08

QUEBRANDO O ESPELHO III

Maria João Brito de Sousa

Quem sou? Que faço aqui? De aonde vim?

São estas as perguntas que me faço,

Tão banais que reflectem o cansaço

Da rotina geral que existe em mim...

 

Banais e, no entanto, eu nunca sei

O que hei-de responder-lhes! Quem sou eu?

Por que razão cá estou? Quem me prendeu

Ao mundo ficcional a que me dei?

 

E dei-me? Dei-me mesmo, ou quero dar-me?

E as perguntas em mim, a perguntar-me

Quanto tempo me resta de caminho...

 

- Pergunta ao espelho! - Alguém me sugeriu...

Foi então que o meu espelho se partiu

E me deixou a alma em desalinho...

 

 

"Puberdade" - Maria João Brito de Sousa, 1999

 

22
Nov08

A CAUSA

Maria João Brito de Sousa

Se não fosse outro alguém, seria eu

A despertar a causa de outro alguém,

Mas como não fui eu... não foi ninguém

E a causa calou-se e pereceu...

 

Quantos "alguéns", pensando ser inútil

Abraçar um causa, pois que tantos

Pensam que ela não traz esses encantos

Que movem sua vida, porque fútil?

 

Não foi ninguém. Ninguém quis compromisso

Com a causa e a causa, apesar disso,

Acabou por nascer, foi abraçada...

 

Alguém se levantou, alguém clamou

- Eu creio nessa causa! À causa eu dou

O sonho, a vida, a morte... o tudo e o nada!

 

 

"Children`s Crusade" , Paula Rego

 

Imagem retirada da internet

 

 

21
Nov08

OS RESISTENTES

Maria João Brito de Sousa

Embora nós não fossemos ninguém,

Embora nenhum mundo nos quisesse,

Embora nem um de entre nós tivesse

O domínio do Mal, a luz do Bem,

 

Embora neutros, homens como os outros,

Passíveis de fraquezas e paixões,

Embora uns tantos mais entre milhões,

Lúcidos quanto baste, embora loucos...

 

Embora apenas meio construídos

Na busca inabalável dos sentidos

Que nos prendem aqui e nos comandam,

 

Embora estranhos barros imperfeitos

Nós somos - quem diria? - esses eleitos

Que insistem, que não vergam nem debandam.

 

 

 

Tela de Vincent Van Gogh

Imagem retirada da internet

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!