Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
31
Mai08

O JOGO DE XADREZ

Maria João Brito de Sousa

 

[blog+urso+-+amor+entre+tantos+outros...iguais+a+si+proprios.jpg]

 

É urgente este estar dentro de mim!

Impõe-se ir defendendo estas fronteiras

De quem tentar entrar de mil maneiras,

Com cavalos-de-Tróia... ou de marfim...

 

Meu jogo de xadrez não terá fim!

Erguem-se as duas torres (des)inteiras

E nenhum dos peões fará asneiras...

(impávido, o relógio faz: tlim-tlim)

 

 Numa "jogada-mestra", eu contra ataco

- contra esta maquineta, sou rainha... -

E... zás!, dou xeque-mate ao invasor!

 

O tabuleiro é velho, um pobre caco,

Mas... a vitória, essa é toda minha

Porque, a este xadrez, sei-o de cor!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 31.05.2008 - 11.55h

 

Nota - Soneto reformulado a 18.10.2015

.

Imagem retirada do blog soupoeluz.blogspot.com

30
Mai08

ABRAÇO DE MAR

Maria João Brito de Sousa

 
 

Um abraço do mar é para a vida,

Tem uma eternidade pela frente

E, embora fugaz, é permanente

Pois quando o mar abraça, é de partida.
 

 

Cuidado, pois se estás comprometida,

Por muito que esse abraço a ti te tente,

Há coisas que uma vida não consente

E, mal o mar abraças, estás despedida... 
 

 

Cuidado! Tem cuidado porque mente

O mar que te encantou! Ficas perdida

Nesse (a)braço de mar, eternamente.
 

 

Bem sei que o mar não te é indiferente

Pois, só de o vislumbrar, tu, comovida,

Choraste, como chora tanta gente. 

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 30.05.2008 - 14.10h

 

 

Tela de Ki

28
Mai08

SEM ESPAÇO, SEM TEMPO E SEM PALAVRAS...

Maria João Brito de Sousa

 

 

Meus amigos,

 

 

 

Não encontro palavras nem sequer para vos explicar por que razão vos não vou hoje visitar a todos... vai soar a desculpa "esfarrapada", vai soar a "coisa que já deveria estar feita"... mas a verdade é que ainda não está e "impõe-se-me um discurso urgentemente!"...

Para todos vós fica o convite:

Amanhã o poetaporkedeusker vai ser homenageado na Galeria Municipal Verney em Oeiras. Quem puder comparecer será muitíssimo bem vindo! O evento terá lugar às 16.00 h de amanhã, dia 29.05.08, na referida Galeria, sita na Rua Cândido dos Reis, 90-90A em Oeiras e inserir-se-à no âmbito das "Quintas Feiras Culturais" promovidas por aquela instituição e que, neste dia, será dedicado à Associação Portuguesa de Poetas, da qual sou membro e que teve a bondade de escolher a minha humílima pessoa para esta homenagem.

Deixo-vos com um soneto "brincalhão", que me nasceu quando fiquei sem espaço no disco rígido, e com a promessa de voltar na próxima 6ª feira com os sonetos que Deus quiser...

Um grande abraço de cometa para todos vós!

 

.

SEM ESPAÇO NO DISCO RÍGIDO...

.

"Autofagia computorizada"

É um processo estranho e nunca visto!

Pouco posso dizer acerca disto

Excepto que fiquei mesmo impressionada

.

Tantos Gigas e Megas se perderam

Neste "coraçãozito digital"

Que o IP começou a "bater mal"

E todas as luzinhas se acenderam

.

De coração nas mãos fiquei então

Pois perdi toda a comunicação,

Deixei de ser poeta a quem Deus quer

.

E mesmo após a desfragmentação

O disco continua a dizer: - "Não!"...

Mas sei que hei-de voltar, se Deus quiser!

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 28.05.2008 - 13.02h

.

  

20
Mai08

O DISCURSO

Maria João Brito de Sousa

 

Impõe-se-me um discurso, urgentemente!

Aquilo que eu disser será escutado

E há que ter, como tal, muito cuidado,

Não se torne o discurso independente.

 

 

O discurso é, por vezes, imprudente;

Nós damos-lhe a função de ser recado

E o tonto,  faz-se ambíguo e diz errado

Quanto sendo pensado era inocente,

 

Pois diz-se e desdiz logo o que foi dito,

Mostra vontade própria, é traiçoeiro,

E às vezes, transformado em ditador,

 

 

Desmente tudo aquilo que foi escrito,

Ilude o nosso ouvido o tempo inteiro

E destrói a carreira ao orador.

 

 

 

Maria João Brito de Sousa - 20.05.2008

.

Na foto - Pormenor de "Émile Zola" de Édouard Manet, 1868.

Museu d`Orsay - Paris

 

19
Mai08

A MULHER DA LUA

Maria João Brito de Sousa

 

Ouvi agora, senhores,

A história verdadeira

E muito singular

Da mulher que vivia

Num quarto de lua

Com vista para o mar

E usava estrelas cadentes

Em jeito de rosinhas-de-toucar...

.

Da que fez o voto

De nunca desamar

E só pedia à vida

A etérea transparência do luar...

.

É uma saga que começa

Dois mil anos antes do nunca-acabar,

A história da mulher

Que pariu o menino que havia de voltar,

.

Da que fugiu para o deserto,

Não por ter medo do dragão,

Mas pr`a poder chorar,

Da que continua ajoelhada

A procurar,

Muda estátua de sal

Ou lava de vulcão depois de resfriar...

.

Aquela a quem coube o destino

De sete noites,

Sobre cada sete noites,

Tresnoitar,

E das lágrimas choradas

Fez brotar

Um oásis na aridez lunar...

.

Da que mataria a sede

Da alma mais sedenta

Que a soubesse encontrar,

Da que espera,

Sem mesmo acreditar,

O dia,

Dia a dia mais incerto

Em que o menino volte

Para a dessedentar...

.

1993

18
Mai08

HUMANA CONDIÇÃO

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

Humana lucidez, quem te procura

Nas calmas profundezas da razão?

Que antiga noite maga, sábia e escura

Renova a tua estranha condição?

 

Ao depores uma flor em Shanidar,

Que sonhos modulavam tua dor?

A Lucy, quem a soube consolar?

Que medos te assolavam no sol-pôr?

 

Em Stonehenge, quem te deu alento?

Machu Picchu... que sonho te inspirou?

Que mensagem, nas grutas de Altamira?

 

 

Se tão divino sopro de talento

Em Kéops e Gizé te abençoou,

A Arte é a razão da tua vida!

 

 

Maria João Brito de Sousa - 18.05.2008 - 12.04h

 

 

17
Mai08

A FELI(X)CRACIA EM SONETO

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

transferir.png

 

 

 

 

 

Um gato é um poema que Deus fez

Num dia em que, sentindo-se feliz,

Quis ofertar ao mundo um aprendiz

Da felicidade eterna e sem porquês

 

Mas, depois de o criar, pensou, talvez;

- Fosse o homem tal qual como eu o quis,

Assumindo-se assim, como eu o fiz,

Teria, também ele, estas mercês...

.

Viver, amar a vida e procriar!

Ser curioso, ir indo à descoberta

De tudo o que há em volta e mais além...

.

Ser tanto e ainda assim poder sonhar!

Ó alma! Ser-se assim, pura e liberta

Desta insatisfação que um homem tem...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 17.05,2008 - 11.42h :)

.

16
Mai08

O PELOURO DOS PERFEITOS GRAFISMOS...

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

Dói-me este orgulho incerto e desmedido

E dói-me não ganhar... o que fazer?

Nestas andanças do ganhar/perder

Doeu-me, desta vez, o ter perdido...

 

Mas dói-me muito mais ter consentido

Que um outro alguém me desse o seu par`cer

Porque pior que a perda é não saber

Se o livro foi, sequer, aceite e lido...

 

Pelouro de grafismos tão perfeitos

Que eu já imaginava entre os eleitos

E que ousei confiar a alheias mãos...

 

Agora dói-me o ego e nunca mais

Julgarei ser melhor do que os demais,

Me entregarei assim a anseios vãos...

 

 

Ao "Pelouro dos Perfeitos Grafismos", porque é a perder que mais se aprende...

 

 

 

 

 

 

 

 

15
Mai08

A ILHA

Maria João Brito de Sousa

 

 

Serei sempre uma ilha de paixões

Rodeada de mundo a toda a volta...

Deserta por decreto da revolta

Que me encheu de lagoas e vulcões...

 

Em mim os animais são aos milhões,

Correndo como o verso, à rédea solta,

Pois por cima da lava que me solda

Lavrei um verde manto de ilusões

 

E neste Paraíso em que me dou,

Entre ervas, embondeiros, brancos lírios,

Sou Arca de Noé de âncora presa!

 

Talvez alguém duvide do que sou,

Talvez seja mais um dos meus delírios,

Talvez seja uma forma de defesa...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 2008

 

Um dos poemas que foi a concurso no Prémio de Poesia Palavra Ibérica.

 

Na Imagem - Uma tela de KI - trapezio.blogs.sapo.pt

 

 

 

 

 

 

 

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!