Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
28
Dez09

QUINTA, SÁBADO, DOMINGO E SEGUNDA FEIRA

Maria João Brito de Sousa

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A PALETA

(A minha paleta, à luz da Biopsicografia)

 

Em azuis e magentas me descrevo.

Em verdes e castanhos vou vivendo

Porque o sol se levanta num crescendo

Aspergindo outros tons sobre este enlevo

 

E nunca sei se devo ou se não devo

Cobrir-me desse negro a que me prendo...

Mas, enquanto não sei, eu vou sabendo

Que mesmo sendo cor, eu sempre escrevo

 

Pois sou uma paleta das ideias:

Sou apenas um leito de grafismos,

A matriz da palavra em gestação!

 

É som, o que me corre pelas veias,

O que vai dando cor aos silogismos

Que nascem porque bate um coração...

 

A VARANDA DE DEUS

 

Deus tem uma varanda junto ao mar...

Eu, que nela nasci, vou descrevê-la:

Essa varanda é como uma janela

Onde Deus se debruça p`ra sonhar...

 

E é, essa varanda, um doce lar

Para possa querer descansar nela...

É pequena, a varanda, mas é bela

E cabe nela o mundo... se mudar...

 

Cabe nela aquele que vem por bem,

O que foi perseguido e quer abrigo,

Aquele que já pecou e quer perdão,

 

O que venha sonhar como Deus vem,

O que venha esquecer cada castigo

E o que jamais condene o próprio irmão... 

                                 

 

UM BRILHOZINHO NOS OLHOS DE UM COMETA

  

 

 

 

 

 

 

 

 

Era um brilho nos olhos de um cometa

E eu, que partilhava tudo, tudo,

Rodei sobre o sofá, num gesto mudo,

Fugindo à posição da linha recta…

 

E sorri, eu também, enquanto ouvia

O que disseste em tom coloquial

Naquela peçazinha cultural

De um minutinho, só, de Astronomia…

 

Foi o Deus dos Acasos? Foi a vida?

Já nem pergunto mais e tudo aceito

Sem me sentir, sequer, muito intrigada,

 

Como se a história fosse então cumprida,

Como se tudo ali fosse perfeito

E eu fosse, finalmente, retratada… J

 

O PRESÉPIO II

 

Que frio que estava ali, que frio fazia…

E, no entanto, a luz que então brilhava,

Aquecia, por dentro, e semelhava

Um sol pequeno e pleno de magia.

 

Nas palhas, um menino que sorria…

Era p`ra ele que a luz se desdobrava

Como se tudo, tudo o que ali estava,

Nos enchesse de súbita alegria…

 

Tantos meninos, tantos, já passaram.

Tantos viveram e nos cativaram

Com obras geniais, vidas notáveis…

 

É, no entanto, aquele menino pobre

Que a luzinha, brilhando, nos descobre,

Quem nos desvenda as coisas improváveis…

 

 

 

 

 

 

 NOTA - Peço desculpa por esta anarquia gráfica que não consigo remediar de forma nenhuma... acho que a minha pen se incompatibilizou  de vez com o 2008... hoje nem sequer consegui copiar os sonetos do fim de semana e tive de usar alguns que eu penso (?) ainda não ter publicado e que estavam, por acaso, na dita pen...

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!