Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
11
Fev09

UMA "POETISA ONLINE" SEM COMPUTADOR...

Maria João Brito de Sousa

Não. Não é de mim que vou falar, desta vez.

Embora me não sobre tempo para grandes viagens na blogosfera, faço os possíveis por ir visitando os amigos que conheci no início da minha aventura enquanto "blogonauta"... uma das primeiras pessoas que conheci, por ser uma das concorrentes ao II Prémio Poesia em Rede, foi a Rosa Silva, Azoriana. Lá estava ela com as suas rimas à sua amada Serreta e eu recordo-me muito bem de ter achado muita graça àquilo que pensei ser um pseudónimo pontual. Passados uns tempos, recebo um comentário da Azoriana e acabámos as duas a "poetar" uma para a outra... já lá vai um ano.

Aquilo que, desde o início, mais chamou a minha atenção no http://silvarosamaria.blogs.sapo.pt/  foi a capacidade de trabalho que esta mulher demonstrava. Ela era uma fonte inesgotável de rimas e chegava a fazer autênticas reportagens, em fotografia e verso, sobre as ilhas dos Açores. Ajudava, também, os novos "bloggers" com um blog que criou especificamente para o efeito.

Saía do blog da Azoriana sempre com a ideia de ter acabado de deixar para trás uma força da Natureza, que gostaria de poder igualar... divergíamos - e divergimos ainda - em certas formas de estar e pensar e, se uma pendia para os sonetos em decassílabo, a outra pendia para as famosas redondilhas. Nunca me esquecerei do dia em que recebi um email da Rosinha a perguntar-me o que eram as redondilhas... e eu, muito atrapalhada, a dizer-lhe que eram os versos de sete sílabas métricas em que ela era mestra...

Bons tempos. A última visita que fiz à Rosinha levou-me a escrever este post.

A minha amiga das "redondilhas inesgotáveis" estava cansada, exausta, à beira da desistência...

Os tempos não estão fáceis, eu sei, mas a Rosa Maria Silva, Azoreana, nem sequer tem um computador, neste momento e eu sei bem a falta que isso faz aos poetas que, tal como eu, não têm outra forma de divulgar o seu trabalho.

Eu sei que a Rosinha tem ainda muito para dar. Sei que ela não é mulher de desistir... mas há limites para tudo e o seu último post levou-me a pensar que ela poderia estar a atingir o seu. Por isso escrevo este apelo e o soneto que deixo, no final. Por isso espero que, de entre todos vós, alguém possa dar uma ajuda à Rosa Maria Silva. "Azoriana".

 

 

Sei das dificuldades que passei,

Sei das que ainda passo, dia a dia,

Sei de outras porque ouvi quem me dizia

E de outras sei apenas... porque sei.

 

Sei do livro ideal que escreverei

E sei das rimas que ela escreveria

(porque sei que jamais desistiria

de dar-vos tanto ou mais do que o que dei)...

 

De Rosa sei das rimas e dos versos,

Sei dos poemas, por aí, dispersos,

Sei do seu esforço e da dedicação...

 

Sei bem que os novos tempos são adversos

E que os olhos de Rosa estão imersos

Nesse mar que precede a frustração...

 

 

Convido-vos para a casa da minha amiga "Azoriana"

 

 http://silvarosamaria.blogs.sapo.pt/644413.html

 

 

 

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!