Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) , autora no Portal CEN, e membro da Associação Desenhando Sonhos, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
24
Jun22

NÃO ME SAI... - Custódio Montes e Mª João Brito de Sousa

Maria João Brito de Sousa

gato pinterest (1).jpg

NÃO ME SAI...
*
Coroa de Sonetos
*

Custódio Montes e Mª João Brito de Sousa
*

1.
*
Não me sai cantiga que possa agradar

A voz que eu tenho só quer brincadeira

Esconde-se às vezes e, namoradeira,

Fala só baixinho, não se quer notar
*

O amor esconde-a, só pensa em amar

Não canta à segunda nem canta à primeira

Só fala baixinho sem ninguém à beira

Não se ouve por perto, não se ouve a cantar
*


Há muito que cala, não quer escrever

Devia contar e contar a valer

Porque se não canta contava uma história
*

Em parte inventada de que se gostasse

E assim fosse lida para que ficasse

Se não fosse em canto, seria em memória
*

Custódio Montes

22.6.2022
***

2.
*

"Se não fosse em canto, seria em memória",

Ou juntos, em ambos... Seria perfeito

Cantar a memória trinada a seu jeito,

Compondo-se o canto ao compasso da história
*

 

Eu, sempre que o faço, não procuro glória,

Só persigo a força que trago no peito

E tento alcançá-la escrevendo a preceito,

Sabendo, contudo, ser meta ilusória
*


Pois não me sai nunca como eu quereria:

Desafino às vezes quando a melodia

Tropeça nas ondas da banda sonora...
*


Só de quando em quando, pra meu desespero,

Sai exactamente o canto que quero

Da pauta invisível que a Musa elabora.
*

 

Mª João Brito de Sousa

22.06.2022 - 12.53h
***
3.
*

“Da pauta invisível que a musa elabora”

Mas não tenho musa sou de trás os montes

Para a alcançar passaria horizontes

E daqui me iria para aí agora
*


Fazer bem queria e de hora a hora

Ia pela estrada passaria pontes

Oh musa ajuda queria que contes

Uma história linda, sê minha editora
*


Um canto cantava se a voz me ajudasse

Se a força viesse, se não me faltasse

Mas estou doente da minha cabeça
*


O canto não surge e o conto não vem

De ajuda preciso que me ajude alguém

Eu estou à espera que a musa apareça
*

Custódio Montes

22.6.2022
***


:)

 


4.
*

"Eu estou à espera que a musa apareça",

Mas a sua Musa já pôs mãos à obra

E nela só vejo saúde de sobra:

Canta como poucas, corre bem depressa!
*


Afinal de contas, que doença é essa,

Que lhe não faz mossa e à Musa não dobra?

É mais dura a minha porque em dor me cobra,

Quando estou doente, tudo o que eu lhe peça...
*


Não me sai da mente que está enganado,

Que dessa maleita está mais que curado

Ou que a sua Musa bebeu café forte!
*


A minha, coitada, bem mais vagarosa,

Está boquiaberta porque nem na prosa

Consegue ser ágil, já não tem tal sorte...
*

 

Mª João Brito de Sousa

22.06.2022 - 14.07h
***

5.
*

“Consegue ser ágil, já não tem tal sorte…”

Diz isso da musa? tem que me explicar

Porque é que diz coisas para enganar

Se ela é vigorosa com seu alto porte
*


E a tudo responde, com belo recorte

E sempre a seu jeito sem nunca faltar

Porque é que a maltrata sem ela falhar

Como a sua dona, sua fiel consorte?
*


Toda a gente sabe que se porta bem

Escolhe as palavras melhor que ninguém

Não insulte a musa que ela não merece
*


Musa tão distinta quem a não queria

Só lhe traz vantagens e tanta alegria

E todos nós vemos como lhe obedece!
*


Custódio Montes

22.6.2022
***

6.
*

"E todos nós vemos como lhe obedece"...

Não sei se ela a mim, se muito inversamente

Sou eu quem a segue obedientemente

Sempre que ela ordena, por mais que eu tropece...
*


Se um verso me escapa, logo ela outro tece

E quando eu fraquejo, ela, eficiente,

Engendra um soneto e, assim, num repente,

Depõe-mo nos braços e desaparece...
*


Sem ela não vivo e, sem mim, não existe

A estouvada Musa que não me resiste...

Nem eu lhe resisto, mesmo que zangada
*

 

Me custe aturar-lhe caprichos, manias,

Ausências, amuos e outras avarias:

Sem Musa, confesso, não presto pra nada!
*


Mª João Brito de Sousa

22.06.2022 - 19.50h
***

7.
*

“Sem musa, confesso, não presto pra nada”

E a musa, esperta, se disso souber

Sobe-lhe a parada, ficará a ter

Pose diferente bem mais complicada
*


Então sua dona, muito atarefada

Rodeia a menina para a entreter

Anda à volta dela para a convencer

Que se a ajudar ficará afamada
*


Vai perder seu tempo, fico por aqui

Deixe lá a musa pense mais em si

Que a musa é feita com o que se escreve
*


Deve-lhe mais ela pelo que a gaba

Porque o seu talento nunca mais lhe acaba

Nada deve à musa, ela é que lhe deve
*


Custódio Montes

22.6.022
***


8.
*

"Nada deve à musa, ela é que lhe deve"

E ficamos pagas, que uma perfazemos

Nas duas metades que aqui vos trazemos

Unidas prá vida que é bela mas breve
*


Criando e escrevendo até que nos leve

O dia ou a hora na qual prescrevemos

Com tudo o que somos e tudo o que temos

Desfeito num nada, que assim se prescreve...
*


Amigo, esta Musa é pura abstracção,

Deleite, volúpia, profunda atracção

E muito do pouco de bom que há em mim:
*


Quando digo Musa, digo alma, razão,

Amor, rebeldia, raiva, compulsão,

Êxtase diante de um espanto sem fim...
*

 

Mª João Brito de Sousa

22.06.2022 - 23.00h

***

9.
*

“Êxtase diante de um espanto sem fim…”

E é isso tudo, muito mais diria

E se ela é tristeza, mais é alegria

Para a minha amiga e também para mim
*


Se a musa se inventa, pensa-se em jardim

Em campo de flores envolto em magia

Num canto à noite e ao nascer do dia

Salto em poema como em trampolim
*


Alcança-se um gosto, pinta-se uma imagem

E no seu conjunto segue uma mensagem

Criando-se um mundo mais belo e melhor
*


E neste volteio, nesta criação

Expande-se a alma e ama o coração

Num manto diáfano e de esplendor
*


Custódio Montes

22.6.2022
***

10.
*

"Num manto diáfano e de esplendor"

Que ferve e transborda de imaginação,

Tão depressa brisa quanto furacão,

Moldamos palavras e damos-lhes cor
*


Que c`roa que é c`roa exige labor

E pra nós, poetas, cumpre uma função

De espontaneísmo, quanto à confecção,

De perfeccionismo, quanto ao seu teor
*

Não me sai da ideia, nem quero que saia,

O verso que nasce, desponta e se espraia

Numa imensa c`roa que, por fim, se fecha
*


No exacto ponto em que foi começada:

Circular, perfeita, quando bem fechada

Mas, se entusiasmada, veloz como a flecha!
*

 

Mª João Brito de Sousa

23.06.2022 - 10.20h
***


11.
*

“Mas, se entusiasmada, veloz como a flecha”

Ela então canta, já corre, já voa

Já me sai da mão, um cântico entoa

E Já não se encolhe já não é lamecha
*


Agora encanta e já não se fecha

E diz o que pensa doa a quem doa

E até já crítica e nunca perdoa

Uma má palavra, simples ou complexa
*


Demos rédea solta à imaginação

Porque assim a musa já tem condição

Para dar o salto, podendo cantar
*


Andar com o vento, caminhar no mundo

Envolta em percurso mais lindo e profundo

Para ter no canto uma forma de amar
*

Custódio Montes

23.6.2022
***

12.
*

"Para ter no canto uma forma de amar"

Galopa no verso, febril, apressada,

Que assim é tecida quando apaixonada

Plos versos que engendra num simples tear
*


Não pára, uma C´roa! Pode lá parar

Se os versos que entoa por tudo e por nada

Seguem o compasso da tal galopada

Que dedos e teclas nem tentam frear?
*


Pra si, o jardim, pra mim a floresta...

Por distintos rumos seguimos em festa

E embora distantes sempre nos cruzamos
*


Que o Espaço e o Tempo, nesta imensidão,

São sempre o oposto daquilo que são

Se mudos e quedos, por vezes, ficamos...
*


Mª João Brito de Sousa

23.06.2022 - 12.35h
***
13.
*

“Se mudos e quedos, por vezes, ficamos…”

Mesmo que apeteça cantar e contar

Mas esta preguiça, este mal-estar

Em paz não nos deixa e em guerra estamos
*


Guerra da palavra pela qual lutamos

Que não vence às vezes mas sempre a lutar

Pela paz vencida mas sem se parar

Sem se ter descanso mas sempre voltamos
*


Sem voz não cantamos, então escrevemos

Porque a musa ajuda, a musa que temos

Fica para a história e para recordar
*

 

E imaginando não ficamos sós

O que nós contamos mesmo sem ter voz

Ficará escrito num estro sem par
*


Custódio Montes

23.6.2022
***

14.
*

"Ficará escrito num estro sem par"

E talvez - quem sabe? - a alguém "contamine"

Qual vírus, dos úteis, que passe e sublime

A humana angústia do extremo pesar
*


De alguém que sozinho não saiba encontrar

Palavras pr`aquilo que sente e não exprime,

Mas que um bom poema acalma ou redime

A troco de nada, por nada custar...
*


Sai-me uma cantiga das mais pensativas,

Ou outra que alegra, de notas mais vivas...

Todas as cantigas são pr`aproveitar
*


Mas se uma dor forte, mais forte que a Musa,

Me deixa prostrada, doente e confusa,

"Não me sai cantiga que possa agradar".
*

 

Mª João Brito de Sousa

23.06. 2022 - 14.45h
***

Imagem Pinterest

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

21
Jun22

O DIA EM QUE O MAR TREMEU

Maria João Brito de Sousa

 

 

o dia em que o mar tremeu.jpg

O DIA EM QUE O MAR TREMEU
*


"A vista embebe na amplidão das vagas"

A velha mãe do jovem pescador

Mas nada enxerga além de pranto, dor

E um mar que, de tão cru, criava garras
*


Há quantos dias levantara amarras

E se fizera ao mar o seu amor,

O seu menino cheio do vigor

E da alegria própria das cigarras?
*

 


Sobre esse areal branco o negro vulto

Confronta o mar num derradeiro insulto

Ao azul impassível que a roubara
*


E, toda raiva e fúria, avança agora

Mordendo as águas onde o filho mora:

Pra quê esperar se a dor já a matara?
*

 

Mª João Brito de Sousa

20.06.2022 - 13.45h


***

Poema criado a partir do verso final do soneto MATER DOLOROSA de Gonçalves Crespo e inspirado pelas glosas feitas por Joaquim Sustelo ao mesmo texto poético.
***

 

20
Jun22

ATÉ QUE O SANGUE ESCORRA, VERMELHINHO

Maria João Brito de Sousa

L`IMPORTANT C´EST LA ROSE (1).jpeg

"Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinhos. Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!"

Machado de Assis
*

 

ATÉ QUE O SANGUE ESCORRA, VERMELHINHO


*


Gosto de cactos verdes e espinhosos,

E até de rosas vaidosas e nobres...

Nos mundos ideais - sonhos de pobres! -

Finto sem medo maciços rochosos,
*


Mostrengos gigantescos, tenebrosos,

Que nunca vergarão por mais que os dobres,

E a todos vou metendo em meus alfobres

Transmutados em nada, vaporosos.
*


Aqui termino o breve devaneio

E assumo que há mostrengos que receio

Ou que as rosas me ferem se algum espinho,
*


Dos muitos que por vezes manuseio,

Na carne se me crava, mesmo em cheio,

Até que o sangue escorra, vermelhinho.
*

 


Mª João Brito de Sousa

15.05.2022 - 15.50h
***

 

Soneto concebido para um desafio de temas no Horizontes da Poesia

19
Jun22

"INTERMEZZO"

Maria João Brito de Sousa

DICOTOMIA.jpg

"INTERMEZZO"
*

 

Minto se vos disser que sou feliz

E minto se afirmar que não o sou:

Desdigo-me a mim mesma, de raiz,

Se houver raiz no que de mim sobrou...
*


Relevo quanto sobre mim se diz

E tanto se me dá se o que restou

Dos poemas que fiz e que desfiz

Bastou para ser obra... ou não bastou.
*


Quando voltar a mim, se a mim voltar,

Talvez a Musa me volte a acenar

Com versos musicados, como outrora
*


Mas, desta vez, talvez eu lhe resista

Conquanto saiba bem que enquanto exista

Se me recusa, a Musa, a ir-se embora.
*


Mª João Brito de Sousa

18.06.2022 - 20.15h
***

18
Jun22

NOTÍCIAS - 18.06.2022

Maria João Brito de Sousa

- oEIRAS, eVENTO NAS PALMEIRAS, POESIA, 2021.jpg

Querid@s amig@s e companheir@s de versos,

mais uma vez os problemas de saúde me levaram a ter de andar a correr de laboratório em laboratório e de consulta hospitalar em consulta hospitalar, induzindo-me um estado de exaustão que me tem mantido afastada tanto das leituras e da escrita quanto do vosso convívio diário.

Este especifíco problema está ainda longe de estar resolvido, mas intensa a dor física que acompanhava os dois simultâneos quadros infecciosos encontra-se, de momento, bastante controlada.

Não posso prometer um trabalho interactivo diário e constante, mas posso tentar recomeçar. Devagarinho, muito devagarinho, que a minha força física e anímica ainda não regressou aos mínimos exigíveis a quem pretenda poder concentrar-se tanto na leitura quanto na escrita.

Muito obrigada a tod@s @s que me telefonaram ou comentaram durante este período em que as dificuldades, a dor e a indisposição física conseguiram superar a minha vontade.

 

Um forte abraço para tod@s vós.
*
Mª João
*

18.06.2022

07
Jun22

GENETICAMENTE INSPIRADO - Reedição

Maria João Brito de Sousa

 

EU COM ROSINHA.jpg

GENETICAMENTE INSPIRADO

*


Vou pincelando, a ocres e vermelhos,

Este soneto oval que me fascina

E engano os meus anseios de menina

Numa ressurreição de cacos velhos

*

 

Desminto a evidência dos espelhos!

Deste enlevo renasço, pequenina,

Crescem-me asinhas de feição divina

E fico invulnerável a conselhos

*

 

Pois moldo, pinto, engendro a "obra-prima"

Que vou solicitando aos meus sentidos

Sem que me sinta, nunca, arrependida

*

 

E, a cada segundo, o que me anima

É toda a profusão de coloridos

Que há nesta sensação de criar vida!

*

 


Maria João Brito de Sousa 

31.01.2008 - 10.15h

 

***

 

In Poeta Porque Deus Quer, Autores Editora, 2009

 

06
Jun22

UM CASTELO DE AÇUCENAS- Reedição

Maria João Brito de Sousa

açucenas (1).jpg

UM CASTELO

DE

AÇUCENAS
*

 

 


Na paz de Deus embalo os meus poemas

E desse não sei quê que vive em mim

Vem-me uma lucidez que não tem fim

E é, no fundo, a razão das minhas penas
*

 

 

Na paz que delas vem, ergo as empenas

Do castelo em que abrigo o meu jardim

De versos cujas rimas de cetim

Bordei letra por letra. E são centenas!
*

 

 

No pátio dos poemas que eu herdei,

Na paz que o verso em mim quis delegar,

Vi florescer nas tardes mais serenas
*

 

 

O pomar dos poemas que criei...

Eu, que mendigo um pão pra mastigar

Do alto de um Castelo de Açucenas.

*

 

 

Maria João Brito de Sousa - 17.02.2008
*

In Poeta Porque Deus Quer - Autores Editora, 2009

 

(ligeiramente reformulado)

05
Jun22

UMA BARCA A VARAR A TEMPESTADE

Maria João Brito de Sousa

 

uma barca varando a  tempestade.jpg

UMA BARCA

A VARAR

A TEMPESTADE
*


"Numa chuva de dor tocada a vento"

Vai vendo aproximar-se a tempestade,

Essa a que um ser humano não se evade

Por mais que à sua rota esteja atento
*


E esse bom capitão cujo talento

Não gera um verso - um só! - que desagrade,

Vê turvar-se-lhe a vista: como há-de

Fazer frente a um mar tão turbulento?
*


Não sabe o que ninguém pode saber

E nem o sabe a Musa proteger

De uma tal tempestade interior,
*


Sabe, porém, que a força que lhe resta

Reside no alento que lhe empresta

A Barca cuja proa enfrenta a dor!
*

 

Mª João Brito de Sousa

04.06.2022 - 14.00
***

Soneto criado a partir do último verso do soneto CÉU CINZENTO de José Manuel Cabrita Neves

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!