Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

poetaporkedeusker

poetaporkedeusker

UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
04
Mar21

DESOLAÇÃO

Maria João Brito de Sousa

desolação.jpg

DESOLAÇÃO
*


Choro quem parte e temo por quem fica;

Se a vida tem remédio, a morte não

E o mundo vai caindo em depressão,

Sem que se saiba tudo o que isso implica
*


Já que ao que tudo ou quase tudo indica,

Pouco nos deixa, esta devastação

Pr`além do rasto de desolação

Que diante de nós se multiplica
*


Como vírus que, entrando em mutação,

Corrói um mundo do qual não abdica

Ao devorar-lhe a carne feita pão.
*


Lá longe, ouve-se um sino que repica

E uma voz que suplica a salvação

Na ilusão do que isso significa...
*


Maria João Brito de Sousa - 03.03.2021 - 11.07h

03
Mar21

MOIRA(S) - Coroa de Sonetos

Maria João Brito de Sousa

mitologia-moiras.jpg

MOIRA(S)
*

(Mitologia Grega)
*

 

Não são parcas, as Moiras, no seu zelo;

Fiam, tecem e cortam noite e dia

Sem se cansarem da monotonia,

Sem se esquecerem de nenhum novelo
*


Desponta o fio e logo irão tecê-lo

Com mão que sabiamente doba e fia,

Senhoras da tristeza e da alegria

Dos dias mais magoados e mais belos.
*


No fim, uma das Moiras corta o fio

Das luas e dos sóis de cada vida;

Só essa determina o fim de um rio,
*


Só essa indica a hora da partida;

Ela é quem sela o poderoso trio

Ante o qual Zeus recolhe a espada erguida.

*

Maria João Brito de Sousa - 27.02.2021 - 12.00h


`***

2

Ante o qual Zeus recolhe a espada erguida.

E as mouras poderosas com seu tino

Dispunham do humano e seu destino

Cada uma com seu poder ungido

*

Três irmãs poderosas, sem ruído

Decidiam a vida e o sentido

Do futuro por elas escolhido

Ou mal ou bem conforme o preferido

*

Eram más, eram feias, rancorosas

Sem dizer investiam poderosas

Para o bem mas mais vezes para o mal

*

O homem e a mulher eram usados

Pelas Mouras. E todos dominados

Que nem Zeus intervinha em seu final

*

Custódio Montes
***


3.

*

"Que nem Zeus intervinha em seu final"

Pois sendo ao seu mau-génio invulneráveis,

Olhavam-no do alto, as respeitáveis

E altivas tecelãs de Bem e Mal
*

Que um e outro teciam por igual,

Já que um do outro não são separáveis...

Não as concebo feias e execráveis,

Mas construtoras de algo que é fatal*
*


Já que eram elas quem assegurava

Que a vida por aqui continuava

A nascer, a crescer e a morrer...
*

E Zeus, que era tirano, bem sabia

Que sem Moiras nem ele existiria,

Pois mesmo um deus precisa de viver...
*


Maria João Brito de Sousa - 27.02.2021- 18.22h
*

*Fatal, do latim Fatum = fado/destino
***

4.
*

“Pois mesmo um deus precisa de viver...”

E tinha que se pôr bem à tabela

Que podiam armar-lhe uma esparrela

Impotente, ele, Zeus, nada fazer.
*

Que elas, combinadas, com poder,

Dominam a andar na passarela

E lançam para a frente a que é mais bela

E ele langoroso fica a ver
*

As Moiras fazem truques fabulosos

Os fracos sem poder e os poderosos

São todos dominados de seguida
*

São elas que comandam, congeminam

Só elas mais ninguém é que dominam

São elas que comandam toda a vida
*

Custódio Montes

(27.2.2021)
***

5.
*

"São elas que comandam toda a vida"

Sem terem a noção de mal ou bem;

A morte vem porque à vida convém

Que se renove a coisa envelhecida.
*


É apenas humana, a dor sentida

Quando da vida se despede alguém,

Mas não sabem, as Moiras, quem lá vem,

Nem conhecem quem esteja de partida...
*

São neutras e limitam-se a cumprir

O que a si próprias terão de exigir

Já que nem Zeus as pode controlar
*


E são a pura essência do destino

Que, com a inocência de um menino,

Cria um brinquedo só para o quebrar.
*


Maria João Brito de Sousa - 27.02.2021 - 23.00h

(a estas horas, não sei como consegui, mas consegui!!!)

***

6.
*

“Cria um brinquedo só para o quebrar”

E dobra e redobra como quer

A vida e sorte de homem e mulher

Nas penumbras que passam pelo ar
*


E de repente mudam seu olhar

Alternam como querem seu poder

E levam a fortuna ou o perder

A quem era feliz e vai penar
*


As longas unhas duma vão ferir

O cerne dum humano que ao sentir

O tudo que antes tinha fica em nada
*


Os grandes dentes doutra comem tudo

A terceira de gorda e bojuda

Completa a grande força irmanada
*

Custódio Montes

(28.2.2921)
*

7.
*

"Completa a grande força irmanada"

Que inconsciente de fazer sofrer,

Nos confere a certeza de, ao nascer,

A espécie humana ser perpetuada.
*


Assim os gregos davam por explicada

Esta estranha aventura de viver,

Que as Moiras, muito mais do que PODER,

Simbolizam a VIDA renovada.
*


Uma pega num fio, vai-o fiando,

A outra mais não faz que i-lo dobando

E a outra vem cortá-lo, sem maldade,
*


Porque esse corte à vida é necessário...

Quem poderá dizer que isto é contrário

Ao que se passa na realidade?
*


Maria João Brito de Sousa - 28.02.2021 - 12.57h
***

8.
*

“Ao que se passa na realidade?”

Sim, porque o povo grego bem sabia

Que a vida era terrena dia a dia

E as Moiras traduziam a verdade
*

Que elas é que teciam em irmandade

Cortavam e mantinham com mestria

O fio condutor, paz e alegria

Que em si constituía a sociedade
*

Se o fio condutor era cortado

O sopro duma vida era apagado

E nisso as Moiras tinham opção
*

Noutras continuavam a tecer

E davam mais um tempo ao viver

Como é toda a nossa condição
*

Custódio Montes

(28.2.2021)
***

9.
*

"Como é toda a nossa condição"

De humanos imperfeitos e mortais

E, tal qual como os outros animais,

Produto de uma mesma evolução.
*


Ascendendo à consciencialização,

Que a nós nos coube e a todos os demais

Humanos (mais ou menos...) racionais,

Cabe-nos entender que essa Razão
*


Que rege os predicados naturais,

Se a solo, produz coisas maquinais;

Exequível não é, sem Emoção!
*


Tecem as Moiras as vidas actuais,

E as de todos os nossos ancestrais,

Segundo o Mito Grego, sem paixão...
*


Maria João Brito de Sousa - 28.02.2021 - 16.11h
***

10.
*

“Segundo o Mito Grego, sem paixão...”

Mas isso era dantes porque agora

Sendo o mesmo processo que vigora

Já não subsiste o Mito como então
*


O Mito deu lugar à precisão

E temos cientistas mundo fora

Que estudam estas coisas hora a hora

Firmando-se o saber da evolução
*

Para nós esse Mito ainda serve

Para ver o poder que a Moira teve

E dar o fundamento à poesia
*

Aos deuses nós dizemo-lhes adeus

Às Moiras e ao seu colega Zeus

Ao seu saber e à sua fantasia
*

Custódio Montes

(28.2.2021)
***

11.
*

"Ao seu saber e à sua fantasia"

Rendo-me toda inteira quando penso

Quanto este velho mito tem de imenso

Conquanto seja só simbologia...
*


A própria Ciência reconheceria

Que o que o mito revela, por extenso,

É algo bem real, nada pretenso,

Que corresponde ao nosso dia a dia.
*


Claro está que nos vem da antiguidade

E, se levado à letra, é inverdade,

Mas a mensagem nunca caducou;
*


Somos fio que desponta e que é dobado

Pra ser, logo a seguir, recambiado

Lá para o "não-sei-quê" de onde brotou...
*


Maria João Brito de Sousa - 28.02.2021 - 19.23h

***

12.
*

“Lá para o "não-sei-quê" de onde brotou...”

Eu nunca neguei tal filosofia

Nem o que as Moiras tinham de mestria

Apenas que o Mito já passou
*

E que a ciência foi ao que encontrou

Investigar a luz que esclarecia

O que o Mito então já conhecia

E que com tal saber se avançou
*

O saberes que os gregos nos deixaram

Ainda se mantêm e lá ficaram

Para evoluir todo o saber
*

E criaram ainda eles o Mito

As Moiras, também Zeus, ficando escrito

O que a ciência foi lá depois ler
*

Custódio Montes

(28.2.2021)
***

13.
*

"O que a ciência foi lá depois saber"

Indicia que o mito é o começo

Daquilo que na ciência reconheço

Como caminho certo a percorrer.
*


Ressuscitei o mito, sem esconder

Que é sempre pela ciência que me meço

E as Moiras foram simples adereço

Com que esta Coroa se quis guarnecer...
*


Contudo, há teses de doutoramento

Que exigem estudos e discernimento,

Sobre o Mito que eu trouxe à colação
*


Por culpa de uma musa inexistente

Que me falou das Moiras num presente

Que fez dos mitos fósseis da razão...
*


Maria João Brito de Sousa - 01.03.2021 - 09.28h
***

14.
*

“Que fez dos mitos fósseis da razão”

E talvez eu pecasse ao vir trazer

À colação ciência e meter

Esta conversa a pôr tanto travão
*

A esta oportuna discussão

Sobre o valor das Moiras e sem ver

A enorme importância e o saber

Que deram à ciência e ainda dão
*

E para terminar faço justiça

Para dizer e assim trazer à liça

O trabalho das Moiras e dizê-lo
*

Passo a passo, com força criativa,

Mostrando-nos a luz da morte e vida,

“Não são parcas, as Moiras, no seu zelo”
*

Custodio Montes

(1.3.2021)
***

 

Imagem retirada daqui

02
Mar21

O BANQUETE DOS ABUTRES

Maria João Brito de Sousa

A CEIA DOS ABUTRES II.jpg

O BANQUETE DOS ABUTRES
*


Quando os lençóis freáticos não freiam

O rumor das profundas incertezas

E as benditas dúvidas, ilesas,

Saltitam pelas mentes que incendeiam
*


Enquanto novas dúvidas semeiam

No betão das comportas das represas

E exigem mais respostas sobre a mesas

Dos pobres que trabalham mas não ceiam,
*


Acumulam, alguns, tantas riquezas

Quanta a miséria que os demais hasteiam

Nas bandeiras das lutas e das rezas
*


Que assim que o vento sopra, ainda ondeiam;

Conquanto amordaçadas, cegas, presas,

Não esquecem os abutres que as rodeiam.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 01.02.2021 - 13.41h
*

01
Mar21

QUEM NÃO TEM CÃO... - Maria João Brito de Sousa e Custódio Montes

Maria João Brito de Sousa

O GATO.jpg

QUEM NÃO TEM CÃO...
*

COROA DE SONETOS
*

Maria João Brito de Sousa e Custódio Montes
*
1.
*

Erato não serei, poeta amigo,

Que para tal não tenho engenho e graça,

Mas posso garantir-lhe garra e raça

Sempre que aceite que escreva consigo.
*


Não ostento os cabelos de oiro ou trigo

Que enfeitam qualquer deusa quando caça,

Mas meu arco-de-versos tem a traça

Do que não tem idade, sendo antigo.
*

Se errar "humanum est", eu errarei,

Mas pode crer que lhe não faltarei,

Se Erato me ceder a sua vez...
*

Porque "quem não tem cão, caça com gato",

Sempre que o ignorar a bela Erato,

Conte c`oa minha humana pequenez!
*


Maria João Brito de Sousa - 22.02.2021 - 18.37h
***


(Soneto escrito em resposta ao soneto ERATO do poeta Custódio Montes.)
***


2.
*

“Conte c’oa minha humana pequenez”

Isso digo eu, digo, digo e digo

Tenho muito prazer de a ter comigo

Nas rimas que oferece cada vez
*

Pequenino sou eu com escassez

De presente e passado em que me abrigo

E recorro à musa e prossigo

Humilde, a esconder a timidez
*

A Erato imagino para mim

Mas quando a refiro tenho um fim

Provocar quem me inspire a poetar
*

Andar sempre a aprender isso é-me imposto

E quase sempre encontro quem eu gosto

Como agora que acabo de encontrar
*

Custódio Montes

(22.2.2021)

***

3.
*
"Como agora que acabo de encontrar"

Voz gémea que, em perfeita sintonia,

Vá compondo, na pauta, a sinfonia

Que ambos nos preparamos pra criar.
*

Das notas que tangemos sem parar

Entre a realidade e a magia,

Nasce este não-sei-quê que desafia

A própria Erato a vir-nos escutar.
*

Ah, se a cada improviso mais se aprende,

Erato sobre nós o manto estende

E os versos nunca param de nascer...
*

Soberbos frutos desta humana sede,

São os versos que Erato nos concede

Quando desce até nós, para nos ver.
*


Maria João Brito de Sousa - 25.02.2021 - 12.29h
***

4.
*

“Quando desce até nós para nos ver”

A si sim, vê-a sempre e a mim não

Eu bem clamo por ela mas em vão

E nunca a vejo aqui aparecer
*

Aquilo que eu escrevo pode ser

Um verso semelhante, um verso irmão

Que segue o irmão mais velho....imitação

No falar, no brincar e no dizer
*

Mas a irmã mais velha é quem comanda

Eu sou irmão mais novo que atrás anda

Que a musa não me dá um grande trato
*

Respondo como posso atrás de si

Compondo como vejo ao vir aqui

Porque quem não tem cão caça com gato
*

Custódio Montes


(26.2.2021)
***

5.
*

"Porque quem não tem cão caça com gato",

Se assim cria sonetos tão sem par,

Creio bem que se quer menorizar

Ao dizer que é a mim que fica grato...

*

Também sou aprendiza dessa Erato

Que aqui estamos os dois a partilhar;

Nenhum de nós lhe chega ao calcanhar,

Ninguém, como ela, sabe o ponto exacto
*


Da perfeita harmonia a que aspiramos

Na profusão de versos que engendramos

Dando sempre o melhor que houver em nós.
*


Humildes aprendizes vamos sendo,

E criativos sempre que escrevendo

Ao som da sua doce e clara voz.
*


Maria João Brito de Sousa - 26.02.2021 - 12.24h
***

6.
*

“Ao som da sua doce e clara voz.”

Também concordo, amiga, que aprendiz

É todo o ser que avança e é feliz

Que quem não aprender não chega à foz
*

Mantém-se emaranhado e fica a sós

Não sabe progredir nem o que diz

A áurea sempre em baixo e a cerviz

E raro chega ao cais ou é veloz
*

E se além da Erato e seu engenho

Tivermos uma amiga como eu tenho

Então voa-nos alto o pensamento
*

Alcançam-se horizontes alargados

Poemas de excelência e afamados

Com engenho e arte em casamento
*

Custódio Montes

(26.2.2021)
***

7.
*

"Com engenho e arte em casamento"

De que Erato se digne ser madrinha,

Nasce esta força que nos encaminha

E nos concede a graça do talento.
*


A si, que me alimenta, eu alimento,

Que a reciprocidade se adivinha

Em cada estrofe ou mesmo em cada linha

Do que aqui transformamos em sustento.
*


Por vezes é lirismo, o que nos move,

Noutras é a revolta, quando chove

Sobre este humano mundo o preconceito...
*


Erato, tolerante, não condena

A autonomia desta nossa pena,

Desde que o verso nos brote do peito.
*


Maria João Brito de Sousa - 26.02.2021 - 15.40h

***

8.
*

“Desde que o verso nos brote do peito.”

Do fundo, bem do fundo lá da alma

Depois ninguém nos vence e leva a palma

A forma de dizer, também o jeito
*

A ideia às vezes vem quando me deito

E surge então a musa muito calma

Segreda-me ao ouvido e assim me espalma

Um tema e um caminho a preceito
*

Não sei se é Erato, a musa bela,

Mas não identifico o nome dela

Por isso é que a chamo dia a dia
*

Mas sei que é uma musa muito fina

Que manda e encarrega quem me ensina

O que me inspira e dá muita alegria
*

Custódio Montes

(26.2.2021)
***

9.
*

"O que me inspira e dá muita alegria"

É conversar consigo em verso e rima

Deixando que o soneto me redima

Desta insalubre e chã monotonia...
*


"Caça" com gata, sim, mas não vadia,

E sim com a que acolhe quanto exprima

Como quem saboreia uma obra-prima

E que, a partir dessa obra, também cria.
*


Destas nossas conversas musicais

Nascem-nos versos nem sempre banais

E outros que são banais, mas criativos.
*


Podem-se dar abraços desta forma,

Sem que nos multem por fugir à norma

Imposta a todos nós, que estamos vivos.
*


Maria João Brito de Sousa - 26.02.2021 - 21.23h

***

10.
*

“Imposta a todos nós, que estamos vivos”

A norma vale pouco se é mal feita,

Ou rebuscada e prenhe de maleita

Importa é antes sermos criativos
*

E também na palavra interventivos

Não basta ser a rima só perfeita

Mas ter um conteúdo que deleita

E sensações e gostos chamativos
*

Por vezes uma norma não tem rosto

E, mesmo tendo, há coisas que não gosto

Mal feitas, perigosas muito mais
*

Poema, para nós, é como um filho

Tem alma, dá prazer, ostenta brilho

E trocam-se “conversas musicais”
*

Custódio Montes

(27.2.2021)

***

11.
*

"E trocam-se "conversas musicais"";

Se as horas passam movidas a jacto

Sempre que nos visita a bela Erato

Esquecida de que somos só mortais...
*


E lá vamos nas asas pontuais

Do versejar lançado ao desbarato

Numa coroa, sem espinhos, nem recato,

Que se vai alongando mais e mais...
*


Musa, porém, não sou, nem nunca fui;

Sou obreira do verso que em mim flui

Como o sangue que as veias me percorre.
*


Podemos ser mortais, poeta amigo,

Mas o poema é algo muito antigo

E a Poesia, essa, nunca morre!
*


Maria João Brito de Sousa - 27.02.2021 - 12.39h

***

12.
*

“E a Poesia, essa, nunca morre!”

Também penso assim, é evidente,

Poeta é só quem poesia sente

E anda em seu caminho e o percorre
*

E poema a poema ergue uma torre

Que seja bem visível, saliente

Amada e sentida pela gente

Que a admira, a vê e a ela acorre
*

A musa anda aqui e anda ali

Não se vê, foge, foge, eu nunca a vi

Mas sente-se com muita precisão
*

Poema trás poema logo atrás

Então cada um vê que é capaz

E a musa é mesmo isso inspiração.
*

Custódio Montes

(27.2.2021)
***

13.
*

"E a musa é mesmo isso, inspiração",

Um quase intraduzível não-sei-quê,

Algo que nos habita e nem se vê

Mas que sempre deduzo ser paixão.
*


Chamem-lhe Erato, chama ou vocação,

A força que nos move é o que é...

Que importa se é ateia ou se tem fé,

Se se reparte em pura comunhão?
*

Quando nasci, trazia já comigo

A raiz desta graça... ou é castigo?,

Que nos impõe criar para viver...
*


Se é certo que brinquei, estudei, cresci,

Mais certo é que, de quanto já vivi,

Se escolha houvesse, isto iria escolher.
*


Maria João Brito de Sousa - 27.02.2021- 15.14h
***

14.
*

“Se escolha houvesse, isto iria escolher.”

Escolha não precisa, é natural

Nasceu num ambiente cultural

Que a inundou e assim a fez crescer
*

Eu andei pelo campo e a aprender

Olhei as andorinhas, bem e mal

O nascer e o crescer dum animal

E andei pelas encostas a correr
*

Se for condicional o que me afirma

Eu acredito ainda, o que confirma

Que Erato se parece bem consigo
*

Só assim compreendo toda a ênfase

Começando a coroa com a frase:

“Erato não serei, poeta amigo”
*

Custódio Montes

(27.2.2021)

***

 

 

 

27
Fev21

MOIRA(S)

Maria João Brito de Sousa

as três parcas.jpg

MOIRA(S)
*

(Mitologia Grega)
*

 

Não são parcas, as Moiras, no seu zelo;

Fiam, tecem e cortam noite e dia

Sem se cansarem da monotonia,

Sem se esquecerem de nenhum novelo
*


Desponta o fio e logo irão tecê-lo

Com mão que sabiamente doba e fia,

Senhoras da tristeza e da alegria

Dos dias mais magoados e mais belos.
*


No fim, uma das Moiras corta o fio

Das luas e dos sóis de cada vida;

Só essa determina o fim de um rio,
*


Só essa indica a hora da partida;

Ela é quem sela o poderoso trio

Ante o qual Zeus recolhe a espada erguida.

*

Maria João Brito de Sousa - 27.02.2021 - 12.00h

26
Fev21

COISAS QUE SÓ EU SEI

Maria João Brito de Sousa

Hotel dos Templários - Tomar, 1972.jpg

COISAS QUE SÓ EU SEI
*

(em verso alexandrino)
*

 

Não canto essoutro amor cantado à exaustão

Que é fruto da paixão que irrompe como a flor

Quando, no seu esplendor, garante a gestação

A cada geração que seduz pra se impor.
*


Cantá-lo por favor, a mim, não me imporão

Que eu moro na canção que eu entender compor

E não ando ao dispor da velha tradição;

Nada faço à traição, nem guardarei rancor
*


Porque é com despudor que afirmo que cantei

Coisas que só eu sei e outras que, não sabendo,

Tentei ir aprendendo assim que aqui cheguei;
*


A Amor nunca neguei, que o vivi no crescendo

Que a vida foi tecendo enquanto o que sonhei

Cá dentro sufoquei. De amar não me arrependo.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 26.02.2021 - 11.35h

 

25
Fev21

DE NOVO, O MAR

Maria João Brito de Sousa

Fotografia de Fernando Ribeiro.jpg

 

 

DE NOVO O MAR
*


De novo o mar. Tão longe e aqui tão perto,

Vem relembrar-me o sonho da jangada;

Pede-me tudo e não me pede nada

Que eu já não tenha, há muito, descoberto
*


Pois sempre que num verso me liberto,

É nesse mar que encontro a minha estrada

E tão mais lesta quanto mais cansada

Prossigo em busca do meu porto (in)certo.
*


Não sei se cacilheiro, se canoa,

A jangada de sonhos e de espantos

Que hoje me espera num cais de Lisboa,
*

 

Mas sei que vence as dores e desencantos

Do vastidão marinha que a atordoa

E não teme os rochedos, que são tantos.
*

 


Maria João Brito de Sousa - 23.02.2021 -14.53h

*

Soneto criado para a Antologia Luso-Brasileira "Tanto Mar Entre Nós"

*

 

Fotografia de Fernando Ribeiro

24
Fev21

QUEM NÃO TEM CÃO...

Maria João Brito de Sousa

Franois_Boucher_-_Erato_The_Muse_of_Love_Poetry_-_

QUEM NÃO TEM CÃO...
*


Erato não serei, poeta amigo,

Que para tal não tenho engenho e graça,

Mas posso garantir-lhe garra e raça

Sempre que aceite que escreva consigo.
*


Não ostento os cabelos de oiro ou trigo

Que enfeitam qualquer deusa quando caça,

Mas meu arco-de-versos tem a traça

Do que não tem idade, sendo antigo.
*

Se errar "humanum est", eu errarei,

Mas pode crer que lhe não faltarei,

Se Erato me ceder a sua vez...
*

Porque "quem não tem cão, caça com gato",

Sempre que o ignorar a bela Erato,

Conte c`oa minha humana pequenez!
*


Maria João Brito de Sousa - 22.02.2021 - 18.37h
***


Soneto escrito em resposta ao soneto ERATO do poeta Custódio Montes.

*

Imagem - ERATO - Tela de Francis Boucher

23
Fev21

UM PAPEL NO PALCO DA VIDA

Maria João Brito de Sousa

um papel no palco da vida.jpg

UM PAPEL NO PALCO DA VIDA
*


"E voltam os meus medos de menino"

Num barco de papel lançado ao rio

Num dia enevoado agreste e frio

P`la vontade insondável do destino...
*


Ao longe, o repicar um velho sino

Invade a rua, embala o casario

E a toada acalma o arrepio

De um eu tão vulnerável quão franzino.
*


Brinca contigo o Tempo, em certos dias;

Todo o cenário muda e, num repente,

Vês-te no palco, nu, de mão vazias
*


E tu, que eras tão lúcido e valente,

Porque impotente em nada contrarias

Um fim que é sempre igual pra toda a gente.
*

 

Maria João Brito de Sousa - 22.02.2021 - 13.17h

*

Soneto inspirado no soneto DIA DO SOL (Sunday) do poeta Carlos Fragata.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Em livro

Links

O MEU SEBO LITERÁRIO - Portal CEN

OS MEUS OUTROS BLOGS

SONETÁRIO

OUTROS POETAS

AVSPE

OUTROS POETAS II

AJUDAR O FÁBIO

OUTROS POETAS III

GALERIA DE TELAS

QUINTA DO SOL

COISAS DOCES...

AO SERVIÇO DA PAZ E DA ÉTICA, PELO PLANETA

ANIMAL

PRENDINHAS

EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE POETAS

ESCULTURA

CENTRO PAROQUIAL

NOVA ÁGUIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL

SABER +

CEM PALAVRAS

TEOLOGIZAR

TEATRO

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

FÁBRICA DE HISTÓRIAS

Autores Editora

A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!