.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2010

A GAVETA DOS ACASOS

 

 

 

Todos deveriam ter uma, pensou ao abrir a gaveta superior da secretária.

As nuvens, lá fora, não haviam meio de decidir-se. Invadiam o espaço exterior como rainhas absolutas da tarde. Ameaçavam mesmo invadir-lhe o quarto, pousar sobre ela, asfixiar a criatividade que de si emanava. E por ali pareciam estar apostadas em manter-se, tiranas, gordas, pasmas.

- Antes chovesse…, murmurou enquanto retirava as primeiras folhas de papel descuidadamente arrumadas na “gaveta dos acasos”. Amontoava-as, agora, sobre uma cadeira, em gestos rápidos e mecânicos, uma parte de si concentrada na tarefa, a outra lá por fora, onde os cúmulos cinzentos se indecidiam sobre a sua vocação tempestuosa. Mas nada parecia fazer sentido naquela tarde de chumbo e a arrumação nunca fora um dos seus melhores trunfos.

 

Um pedacito de papel amarelecido chamou-lhe, subitamente, a atenção. Apenas o vislumbrara entre montanhas de papel mais recente, encarquilhado nas pontas, prometendo memórias que dissipariam as nuvens pesadonas que a olhavam embasbacadas. Não foi fácil redescobri-lo e retirá-lo do caos que sempre fora a sua “gaveta dos acasos”, mas a paciência, essa sim, sempre tinha sido uma das suas grandes qualidades.

As pontas dos dedos tacteavam, escolhiam, procuravam a textura e as medidas que correspondessem ao apetecido pedacinho de papel que, por segundos, enxergara.

Encontrou-o, por fim, e lá o conseguiu trazer, intacto, até onde os olhos pudessem decifrar as letras que o tempo começava a desbotar. A caligrafia não era a sua. Esta foi a primeira certeza que teve em relação ao rectangulozinho amarrotado. A partir daí as memórias fluíram-lhe em catadupa, substituindo a chuva que nunca mais acontecia, como se se eternizasse na incompletude da sua própria indecisão.

Recordou o avô sentado no seu imponente cadeirão. Imponentes os dois, cadeirão e avô, mas ambos tão acessíveis quanto uma pequena escalada em direção aos joelhos do velho patriarca, sempre confortáveis e disponíveis.

 

Recordou, também, a sala inteira. A mesa oval, de mogno. O enorme divã do lado esquerdo do aposento, junto às vidraças que davam corpo à parede poente da divisão. A magnífica braseira de cobre assente na sua base octogonal de madeira envernizada. Os louceiros que se erguiam à direita como antevisões do que lhe parecia ser um par de negros arranha-céus, tão alto se erguiam em relação aos seus quatro ou cinco palmos de altura.

 

Ouviu a avó, na cozinha, dando uma breve ordem à criada. Ouviu o barulho dos tachos sobre o fogão, a água jorrando da torneira e, de repente, viu-a a “Ela”, a borboleta-da-noite que viera pousar-lhe na mão e que fora a grande musa da primeira quadra que o avô-poeta registara, deliciado, naquele mesmo pedacinho de papel.

 

Ó borboleta da noite,

Linda do meu coração!

Ó borboleta da noite,

Pousa aqui, na minha mão!

 

Sorriu confortavelmente deliciada com a reconquista das suas memórias.

 

 

Olhou casualmente para fora e reparou que as nuvens continuavam naquela mesma pasmaceira grávida, húmida e cinzenta que a levara a remexer na gaveta. Mas tudo isso deixara de ter a menor importância a partir do momento em que retomara o contacto com aquele seu passado remoto.

 

- Talvez nem fosse uma borboleta… - pensou, sorrindo ainda - podia muito bem ser uma simples traça… afinal é tão fácil ver tudo maior e tão mais imponente quando se tem três anos de idade…

 

 

Recordado para http://fabricadehistorias.blogs.sapo.pt/

 

 

PARABÉNS A VOCÊ!  - O poetaporkedeusker faz hoje dois anos de idade. Percursinho difícil, cheio de "maleitas" e altos e baixos... mas não deixa de ser um percurso! E porque o Poeta é a minha própria vida, sem querer parecer vaidosa, hoje sinto-me DE PARABÉNS!

sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 11:10
link do post | "poete" também! | ver poetices (6) | favorito
|
Quarta-feira, 11 de Novembro de 2009

A GRUTA DAS TREZENTAS...

Era uma vez uma gruta pequenina, escavada nas rochas da praia, quase coberta pelo mar na maré-cheia. Diz a lenda qu...

Ler artigo
sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 10:00
link do post | "poete" também! | ver poetices (6) | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009

FABULANDO...

Três jovens rãs caminhavam despreocupadamente numa bela tarde de Verão. Duas delas tagarelavam e a terceira, muito cala...

Ler artigo
sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 11:43
link do post | "poete" também! | ver poetices (17) | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Outubro de 2009

MARIA SEM CAMISA

NA DEADLINE PARA http://fabricadehistorias.blogs.sapo.pt/ Não, não sou exactamente eu, conforme a imagem sugere. É ma...

Ler artigo
sinto-me :
publicado por poetaporkedeusker às 16:31
link do post | "poete" também! | ver poetices (10) | favorito
|

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. A GAVETA DOS ACASOS

. A GRUTA DAS TREZENTAS CIN...

. FABULANDO...

. MARIA SEM CAMISA

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds