.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Terça-feira, 14 de Junho de 2016

SE AMOR DISSECO... III

inteligenciacoletiva1.jpg

 

 

(Soneto em decassílabo heróico)

 

Se Amor disseco, encontro-lhe as fraquezas;

O ciúme, a traição, as perversões

E as mais que conhecidas distorções,

Irmãs de Amor, aue sempre a Amor vão presas,

 

Unidas pelas próprias naturezas

E del`nascidas, contra as convicções

Que, afirmam, não de Amor, só de paixões,

Nascerem, por excepção, tão vis surpresas...

 

Porém, se Amor disseco... ah, quanto vejo!

O mesmíssimo Amor que pede um beijo

Pode exigir, depois, total pertença,

 

E destruir o que antes foi desejo...

O contrário de Amor - sem medo, ou pejo!-,

Ódio não é, garanto! É Indif`rença...

 

 

Maria João Brito de Sousa - 11.06.2016 - 16.53h

 

publicado por poetaporkedeusker às 14:36
link do post | "poete" também! | favorito
|
8 comentários:
De poetazarolho a 14 de Junho de 2016 às 19:50
“Descansados”

Capitalismo bonzinho
Amigo do proletário
Assim não fica sozinho
Um esqueleto no armário

Fica pleno de ossadas
O armário dos milhões
Porque bem esmiuçadas
Não acham contradições

Ficamos a trabalhar
Em busca da tal cenoura
Qu’a fome não matará

Ficareis a descansar
E tod’a prole vindoura
Quando chegar descansará.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 14 de Junho de 2016 às 20:09
Eheheheheh...

Nem a cenoura, Poeta,
Porque já modificada,
Vê sua missão completa
Quando essa fome é danada

E a "prole", embora dilecta,
Não descansa mesmo nada
Porque a "coisa" é tão concreta
Que até parece traçada

Para fazer, do planeta,
Uma esfera atormentada
Por estratagemas "da treta",

E "joguinhos" de bancada
Gerados por mão secreta,
Mas muito bem descansada...

Maria João

Cá está o que me ocorreu assim de repente, Poeta.

Abraço grande!




De poetazarolho a 15 de Junho de 2016 às 22:41
“Marca registada”

Deixo aqui minha marca
Registada no coração
Não sei quantos abarca
Mas por certo alguns serão

Nela minha alma embarca
Viagem não será em vão
Subindo a bordo da barca
Onde todos embarcarão

Por isso a marca importa
Seja registada ou não
Deve ter muito sucesso

Vendida de porta em porta
Passada de mão em mão
Não importa o processo.
De poetaporkedeusker a 16 de Junho de 2016 às 00:31
Identidade e não marca!
Direi eu, por ser avessa
À conotação, bem parca,
Que a própria marca atravessa

Sempre que este mundo "encharca"
Com sua dúbia promessa
De ser mais "chique" e, na Barca
Não haver quem não a peça...

Coisas dos endinheirados
- porque as marcas custam caro... -
Que me vão dando cuidados

Não por mim, que nem "declaro",
Mas porque há muitos coitados
E com todos me deparo...

Maria João

A sua identidade, Poeta, recebo-a sempre com todo o meu coração... mas... uma marca?... desculpe-me, porque a verdade é que eu penso que sou "alérgica" a "marcas" - e a modas... - com tudo o que elas vão fazendo de mau nas cabeças de tanta gente que não fala de outra coisa, que não "aspira" a outra coisa e que nem sequer sonha com outra coisa... penso que me consegue entender, embora eu saiba que não sou lá muito comum, nestas coisas...

Um abraço muito grande!
De Adílio Belmonte a 16 de Junho de 2016 às 01:55
É difícil "poetar" com essa maestrina do soneto.
Hoje estou sem inspiração, mas alegro-me a vê-la produzir este rico soneto.
Por oportuno, preciso adquirir dois volumes do vosso livro quando interpretais Florbela Espanca.
Como estou no Brasil preciso do endereço para remeter o valor dos livros mais as despesas postais para o envio, cuja remessa farei pelo correio.

Cordialmente,

Adílio Belmonte
Belém - Pará - BRASIL
De poetaporkedeusker a 16 de Junho de 2016 às 11:54
Poeta amigo Adílio Belmonte, nunca escondi de ninguém que, conhecendo bem o soneto desde os meus primeiros anos de vida, levei exactamente cinquenta e cinco anos a ganhar a coragem para o começar a escrever
Antes disso, pensava que o soneto era mesmo só para génios, rsrsrsrs...
Foi em Abril de 2007 que, sem que eu possa explicar muito bem como, de repente me começou a surgir mentalmente um verso em decasílabo heróico e não consegui parar de o desenvolver, como se todos os "medinhos" que antes tinha se evaporassem de repente...
Fiz muita asneira e desafinei muito, no início; certo é que também escrevi, em segundos, alguns sonetos muito bons sob todos os aspectos, mas... outros eram francas "desafinações poéticas". Levei cerca de cinco anos de trabalho diário até deixar, de vez, de desafinar. Soneto, querido amigo, exige talento, mas também muito, muito trabalho. Se me perguntar se valeu a pena, eu, sem hesitar, responderei que sim. Valeu MESMO todas as penas e não lamento um único segundo do tempo e das energias que com ele gastei.

Quanto ao seu desejo de aquisição de dois exemplares do "Almas Gémeas" que tem estado na posse do poeta Joaquim Sustelo uma vez que foi ele, bem como o poeta Albertino Galvão quem me ofereceu a edição do livro, sei que, em breve, terei comigo uns poucos exemplares que ainda não foram vendidos, mas como não tenho nem sequer conta bancária, enviar-lhe-ei o IBAN do Joaquim Sustelo, pois não vejo outra forma de me fazer chegar o pagamento - 10 euros por cada exemplar, incluídas as despesas de envio.

IBAN PT50 0033 0000 500 884 32 328 05

Todos os exemplares se têm vendido da seguinte forma; o/a amigo/a comprador/a faz a operação de transferência bancária e, assim que a quantia indicada entra na conta referida, o Joaquim Sustelo envia o livro para a morada - endereço postal - que um de nós recebeu via email. O problema maior será mesmo não ter o seu endereço electrónico, segundo creio... deixo-lhe aqui o meu m.joao-bsousa(arroba)sapo.pt e peço-lhe que me envie, por mail, o seu endereço postal para que um de nós possa garantir o envio após recepção da quantia indicada acima.

Caso prefira, como referiu, enviar o dinheiro por vale dos correios, vou também precisar do seu endereço electrónico - email - para lhe poder enviar o meu endereço postal (morada) pois não me parece muito prudente deixá-la aqui, num espaço tão visível.

Muito grata lhe fico, poeta Adílio Belmonte, e envio-lhe o meu forte abraço poético!
De poetazarolho a 16 de Junho de 2016 às 22:50
“Paralelas”

Nesta vida paralela
Às vidas que andam aí
Porquanto me esqueci dela
Quase a vida não vivi

E se a vida secundar
Ainda muito hei-de viver
Porquanto possam pensar
Não irei a vida esquecer

Nas parábolas da vivência
Tenciono ainda circular
Em espirais d’ascenção

Com toda a pertinência
Posso ver-me a contornar
A vida sem que haja razão.
De poetaporkedeusker a 16 de Junho de 2016 às 23:56
Sonetilho de Coda

Transversal ou paralela,
Seja a vida o que ela for,
Julgo haver razão pr`a ela
Pois sempre a razão deu flor,

Embora eu diga, à cautela
- porque guardo algum pudor... -,
Que a Vida é muito mais bela
Para quem lhe dá valor...

Eu bem sei que há cabecinhas
Que acreditam no que querem
Sem qualquer distanciamento

E que nunca estão sozinhas
Porque as frases que proferem
Sempre conferem alento

Coda

Mas, se essas frases não ferem
Nem me retiram talento,
Dou-lhe, em dobro, o que elas derem...


Maria João

Cá vai, Poeta, com o abraço de sempre, o sonetilho de coda que me ocorreu

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. AINDA GLOSANDO FLORBELA E...

. EXPLICAR-VOS TUDO, NÃO SA...

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. GLOSANDO JOÃO MOUTINHO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. INFILTRAÇÔES

. O POEMA E EU

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds