.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Terça-feira, 13 de Junho de 2017

INFILTRAÇÔES

Infiltrações-Nas-Paredes-Lajes-e-Telhados-Como-A

 

(porque a brincar, a brincar, se dizem algumas indesmentíveis verdades sobre os ínvios caminhos das grandes infiltrações...)

 

(Soneto em verso hendecassilábico)

 

 

Já chove e goteja na minha cozinha!

Dispenso-lhe, azinha, coisa que a proteja...

Um balde? Que seja! Mantenho-a sequinha,

sem uma gotinha, nem estragos... que eu veja...

 

Mas, por muito lesta que eu seja, vizinha,

sempre uma gotinha me escapa e rasteja,

se infiltra e graceja... ninguém adivinha

que, ao longe, se aninha nas zonas que eleja

 

E, dia após dia, vai-se acumulando,

mais gotas juntando, fazendo razia;

Por sempre ínvia via se esgueira, infiltrando...

 

Pouco adiantando, vos garantiria

que vos saberia dizer como e quando,

mas, nem me escutando... por que é que o diria?

 

 

Maria João Brito de Sousa - 29.05.2016 - 13. 18h

publicado por poetaporkedeusker às 10:36
link do post | "poete" também! | favorito
|
10 comentários:
De poetazarolho a 14 de Junho de 2017 às 02:13
“Reflexos de vaidade”

E chegados ao coliseu
Tudo ficou em equação
Aquilo que se prometeu
Não integrou a solução

Pois muito do que se deu
Não passou de circo e pão
No epílogo tudo ardeu
Excepto a formulação

Da forma de ser romana
Onde se faz jus ao critério
De ver os egos reflectidos

Espelho da vaidade humana
Que perdura além império
Em impérios renascidos.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 14 de Junho de 2017 às 07:16
Equação não resolvida
É uma inútil excrescência;
Ou se resolve, ou é tida
Por humana incoerência,

Ou então é a da Vida
E há que vê-la à transparência
-sabendo que é desmedida-
Da razão e da ciência...

Pesquisar ,eis a função
Desta humana condição
Na qual nos coube nascer,

Pois sendo seres "de razão"
Só racionalização
A poderá resolver...

Maria João

Bom dia, Poeta! Aqui vai com o abraço de sempre!
De poetazarolho a 17 de Junho de 2017 às 08:22
“Meditação”

Em uníssono meditar
Sobre a nossa condição
E quem sabe encontrar
Uma nova direcção

Ou pelo menos alertar
P’rós perigos qu’advirão
Se a cabeça não escutar
Os impulsos do coração

E a humanidade se centrar
Nos propósitos da razão
Justificativos dos meios

Que nos estão a asfixiar
Sem procurar solução
P’ra travar os devaneios.
De poetaporkedeusker a 17 de Junho de 2017 às 09:30
Conseguida essa aliança
Entre mente e coração,
Abre-se a porta da espe`rança
Pr`á verdadeira razão

E a humanidade avança
Nessa sua condição,
Indo até aonde alcança,
Desde que haja reflexão...

Não creio ser a razão
A causa desta "babel",
Mas o excesso de emoção

Que tudo leva em tropel,
De tropeço em tropeção
Até transformar-se em fel...

Maria João

Bom dia, Poeta. Sei que, por força das circunstâncias, tenho estado em "reclusão", mas não vejo a racionalidade como a causa das nossas humanas misérias. Muito pelo contrário, tenho visto a emoção desenfreada ser muito mais danosa do que ela .Bem sei que os conceitos -todos eles, exceptuando os mais básicos... - divergem ligeiramente de pessoa para pessoa e quando menciono a racionalidade posso não estar a referir-me exactamente à mesma coisa que deu origem ao seu sonetilho... repare, por favor, que a esmagadora maioria dos grandes crimes que são cometidos, quando bem analisados, têm raízes passionais. Não parece? Pode não parecer, assim, à primeira vista...mas assim é.


Abraço grande!
De poetazarolho a 18 de Junho de 2017 às 19:24
“Impérios”

O desprezo pela vida
E o amor ao dinheiro
São a casa de partida
P’ra matar o mensageiro

A mensagem é preterida
Mais vale um conselheiro
Com conselho à medida
P’ra branquear o atoleiro

Os impérios claudicaram
Muitos outros claudicarão
E logo outros se seguem

Pois jamais dominaram
Esta humana propensão
Ainda que muito o neguem.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 19 de Junho de 2017 às 11:33
Reina o império do; Faz,
Sem saber se mal,ou bem!
Desde que sejas capaz,
Faz! Vai-te tornando alguém!

Se a razão não te traz paz
E a dedução não convém,
Pensa de forma fugás,
Nunca penses mais além,

Pois se pensar não te apraz,
Porque tentas ser audaz
Onde o não é mais ninguém?

Sê operário, ou capataz,
Menino,velho, ou rapaz...
Desde que brinques, porém.

Maria João

Bom dia Poeta.

Isto que me foi nascendo ao dorido correr das teclas, não é um conselho meu; é aquilo que me parece poder ser um conselho de um império coerente com o seu "estatuto" e interesses.
Aqui vai com o abraço de sempre.

De poetazarolho a 20 de Junho de 2017 às 23:46
“Naturezas”

Arde ainda o meu coração
Não sendo o fogo do amor
Mas antes de consternação
Por tanto irmão arder de dor

Sem encontrar a explicação
Onde explicam tanto rumor
Incrédulo com esta situação
Nela apenas vejo o horror

Assumido como inevitável
Digno do verdadeiro autor
A natureza toda soberana

Que não sendo governável
Pode ter como seu mentor
A própria natureza humana.
De poetaporkedeusker a 21 de Junho de 2017 às 08:46
A desertificação
Do Portugal interior,
Não foi tida em atenção
E, do mal, deu-se o pior;

No céu, ribomba o trovão,
Vibra o raio e, em redor,
Está seca a vegetação
Que é rastilho deste horror...

Logo um tronco em combustão
Se fragmenta em mil pedaços,
Em mil fagulhas que irão

Acender novos fogaços
Em cada palmo de chão
De outros milhentos espaços...


Maria João


Bom dia, Poeta. Segue triste, o meu sonetilho, mas com o abraço de todos os dias.
De poetazarolho a 21 de Junho de 2017 às 23:57
“Se fossemos”

Se não morremos queimados
Morreremos de exaustão
Pois estamos rodeados
De parvos que o não são

Até à medula massacrados
Por doutores na televisão
Sairemos todos doutorados
Quer nós queiramos quer não

E assim vamos evoluindo
Sem que haja evolução
Nesta desconjuntura total

Vejo a esperança fugindo
Quando a teríamos na mão
Se todos fossemos Portugal.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 22 de Junho de 2017 às 13:50
"Silly me, silly us..."

Pois, os parvos somos nós
Que vamos atrás do "show"
E corremos para a foz
Sem perguntar; - Onde estou?

No moinho, rodam mós
Que algum vento impulsionou
E, às vezes, ficamos sós
Recordando o que passou,

Não mais do que uns simples pós,
Estrias que a vida lavrou
E uma memória repôs

No momento em que o lembrou,
Hilariante ou atroz
Conforme a nós nos marcou...


Maria João


Boa tarde, Poeta.
Continuo em "baixa criativa", mas não me foi nada difícil responder a este seu sonetilho.
Um abraço grande para si e para toda a família.

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. SEM GARANTIAS

. CONVERSANDO COM ALDA PERE...

. DEUSES SOMOS NÓS!

. NATAIS DOS TEMPOS IDOS...

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. CONVERSANDO COM O POETA A...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds