.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Domingo, 12 de Março de 2017

GLOSANDO ANTERO DE QUENTAL ii

ANTERO DE QUENTAL.jpg

 

A UM POETA

 

SURGE ET AMBULA!

 

Tu, que dormes, espírito sereno,

Posto à sombra dos cedros seculares,

Como um levita à sombra dos altares,

Longe da luta e do fragor terreno,

 

Acorda! é tempo! O Sol, já alto e pleno,

Afugentou as larvas tumulares…

Para surgir do seio desses mares,

Um mundo novo espera só um aceno…

 

Escuta! é a grande voz das multidões.

São teus irmãos que se erguem! são canções…

Mas de guerra… e são vozes de rebate!

 

Ergue-te, pois, soldado do Futuro,

E dos raios de luz do sonho puro,

Sonhador, faze espada de combate!

 

 

Antero de Quental

 

*******

 

CONVOCATÓRIA

 

"Tu que dormes, espírito sereno",

Convicto das razões que ora te movem,

Sincero, sonhador, ainda jovem

E, na credulidade, em tudo ameno,



"Acorda! É tempo! O Sol, já alto e pleno",

Afasta as duras penas que nos chovem

Das negras, negras nuvens que promovem

Uma bátega d`água, a medo obsceno!



"Escuta! É a grande voz das multidões"

Que, renegando antigas convenções,

Se lança a conquistar um mundo novo!



"Ergue-te, pois, soldado do Futuro"

E derruba as prisões que, muro a muro,

Sufocam as razões de cada povo!





Maria João Brito de Sousa - 12.03.2017 - 15.57h







 

publicado por poetaporkedeusker às 16:26
link do post | "poete" também! | favorito
|
10 comentários:
De poetazarolho a 14 de Março de 2017 às 23:43
“Alucinado”

Não acredite no que vê
Não acredite no que sente
Não acredite no que lê
Tudo é obra de demente

Instalados que estamos
Na era da pós-verdade
A toda a hora duvidamos
Dessa imposta realidade

Quem em dúvida não põe
Esta realidade instalada
A si próprio não encontra

Pois ela de todos dispõe
A uma velocidade alucinada
É um outro ser que desponta
De poetaporkedeusker a 15 de Março de 2017 às 08:14
Com esta nova infecção,
Com a T.A. "disparada"
E sem cigarros na mão,
Poeta, eu nem escrevo nada...

Há ainda outra razão
Pr`a sentir-me "desasada";
Os iões em falta estão;
Estou dorida, muito inchada

E até tenho a sensação
De estar mais do que arrasada;
Não tendo concentração,

O melhor é estar calada
E, por antecipação,
Perceber que estou "tramada"...

Maria João

Bom dia, Poeta. Peço desculpa por responder com este sonetilho "desasado" de todo, mas... o que nele digo, é a verdade, confirmada por observação médica e exames auxiliares de diagnóstico. Não me sinto mesmo nada, nada, nada bem. Abraço grande.

De poetazarolho a 16 de Março de 2017 às 23:20
“Estados”

Vão levando a paciência
Devagar, devagarinho
Proporcionam a demência
Sempre com muito jeitinho

Usam tod’a complacência
Com o pobre coitadinho
Pois sabem da indecência
Ao trilhar-lhe o caminho

São o estado providência
Cada vez mais previdente
Ao cuidar do seu umbigo

Não lhe pesa na consciência
O estado da pobre gente
A quem impõem castigo.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 18 de Março de 2017 às 07:45
EM PÉSSIMO ESTADO DE SAÚDE

Peço desculpa, Poeta
Mas, não estando a melhorar,
Não pude atingir a meta,
Nem me atrevo a poetar...

Fui "poeta-providência"
Enquanto o consegui ser,
Mas, hoje, a minha existência,
Mal me permite escrever;

Entre a espada e a parede,
À beira de um esgotamento,
Ando na corda sem rede,

Tendo, por fora e por dentro,
Tanta dor que a dor mal mede
E nem um contentamento...

Maria João

Reiterando o meu pedido de desculpas, informo que as dores ósseas e musculares - para além das do tracto urinário - são tão, mas tão intensas e insuportáveis, que o simples facto de carregar nas teclas as faz aumentar exponencialmente, razão que me levou a retrarir-me e a optar por não teimar em teclar durante todo o dia de ontem, depois de ter vindo da consulta e da farmácia. Hoje, as dores continuam. Deveria manter a minha decisão de não forçar o organismo, mas custar-me-ia muito não tentar responder. Aqui vai, com o abraço de sempre, o sonetilho possível, nas actuais circunstâncias.



De poetazarolho a 19 de Março de 2017 às 21:51
“Sombras”

Só as sombras não me iludem
Com seu aspecto acinzentado
Ao recorte aproximado aludem
Seguindo-me p’ra tod’o lado

Como guarda-costas fiéis
De segredos e outras estórias
Também usam os meus anéis
E guardam minhas memórias

Se eu durmo estão acordadas
Se acordo assim permanecem
Sem regatear tanto serviço

Nunca as encontrei chateadas
E também nunca se esquecem
Deste permanente compromisso.
De poetaporkedeusker a 20 de Março de 2017 às 07:25
DORES

Tanto me custa teclar
Que os versos semelham espadas
Que viessem perfurar
As mãos, pela dor atadas

E... não, não estou a brincar,
Nem são nada exageradas
As descrições que eu deixar,
Aqui mesmo, declaradas

No que possa elaborar,
Mesmo com mãos decepadas,
Quando à custa de o tentar

Consigo deixar gravadas
As palavras que arrancar
Às minhas teclas pesadas...

Maria João

Bom dia, Poeta.
Com o abraço de todos os dias - e com muito esforço, porque a fluidez me exige um mínimo de condições que, de momento, não tenho - aqui vai o sonetilho possível. Sei que não (cor)responde ao seu, senão na declaração de impotência física e anímica, mas foi tudo o que consegui escrever, letrinha a letrinha.
De poetazarolho a 22 de Março de 2017 às 07:10
“Selfar”

Em busca da felicidade
Decidi ser infeliz
Aliando-me à realidade
Que a felicidade contradiz

Espectro desta sociedade
Que já não é o que diz
Escondendo a ansiedade
Com uma selfie tão feliz

De sorriso escancarado
Para que o mundo veja
Este seu modo de estar

É um mundo transtornado
Tem mais do que deseja
Mas já não consegue amar.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 22 de Março de 2017 às 10:35
CRIAR...

Eu, muito pelo contrário,
Decidi-me a ser feliz
Bem perto deste estuário
Que profundamente quis.

Fiz-me cumprir contra horário
Pois, fazendo quanto fiz,
Fiz-me lobo solitário
Pra cumprir-me de raiz.

Amo... e amo com paixão
A justiça, o ritmo, a vida
E até mesmo a solidão,

Desde que subentendida
Como fruto em gestação
E não frustração escondida...

Maria João

Bom dia, Poeta. Não gosto muito - nem pouco... - de "selfar", no sentido que lhe é atribuído e nem sempre sou eu própria o sujeito poético dos meus sonetos, embora o acumular de problemas de saúde e o agravamento dos financeiros tenha contribuído muito, nestes últimos tempos, para que a minha poesia se tornasse um pouco mais egocentrada... mas nem sequer tenho escrito nada que jeito tenha porque a poesia é um complexo "jogo", do ponto de vista neurológico, e quando não estão reunidas as condições mínimas, pouco ou nada consigo poetar. Este sonetilho foi tudo o que me ocorreu em "resposta" ao seu...

Abraço grande!
De poetazarolho a 23 de Março de 2017 às 00:27
“Somos instantes”

Não quero mais do que quero
Não posso mais do que posso
Por não poder não desespero
Por não querer não destroço

Tudo é vida e tudo é morte
São os mundos paralelos
Joga-se ao azar e à sorte
Lembram-nos ao esquecê-los

Neste sopro que é a vida
E onde parecemos girar
Em torno de leis inconstantes

Nada está ganho à partida
Nem tão pouco ao chegar
Ou sequer nos breves instantes.
De poetaporkedeusker a 23 de Março de 2017 às 06:15
"Não quero mais do que quero"
Para os demais, por igual,
Mas não entro em desespero
Se, outros, me quiserem mal,

Pois, das mil dificuldades
Com que tanta vez me esbarro,
Ralço agora as saudades
De ir fumando um bom cigarro

Foi tal gesto incorporado
No fluir da produção;
"-Por cada verso "fumado"

Cresce a nossa inspiração!"
Postulava O Encantado,
Confirma a neta João...

Maria João


Bom dia, Poeta!
Cá vai com o abraço de sempre!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. AINDA GLOSANDO FLORBELA E...

. EXPLICAR-VOS TUDO, NÃO SA...

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. GLOSANDO JOÃO MOUTINHO

. GLOSANDO A POETISA MARIA...

. INFILTRAÇÔES

. O POEMA E EU

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds