.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Quinta-feira, 27 de Julho de 2017

GLOSANDO ALBERTINO GALVÃO II (?)

TEMPO II.jpg

 

TEMPO INSENSÍVEL



Soneto em versos de 11 sílabas (os meus preferidos)

 

A noite caíra encobrindo a cidade
E as poças que a chuva da tarde fizera!
Da minha janela soprava-me a espera
Enquanto embalava, no colo, a saudade

 

Inspirei, absorto, a fria humidade
Soltei o soluço que em mim retivera
Pensando que bom, oh meu Deus quem me dera
Ter hoje e agora quinze anos de idade

 

Mas sendo insensível o tempo não trava
A louca corrida que o relógio grava
E segue somando minutos e anos

 

Indif’rente a sonhos desejos e planos
Lá vai me lembrando que ele ao ir passando
De mim vai também minha vida levando.

 

Abgalvão (in Palavras com Alma)





BAIXOS-RELEVOS



(em versos de onze sílabas métricas)



“A noite caíra encobrindo a cidade”

Que em sombras desvenda seus becos, vielas,

Seus prédios mais altos e suas capelas

Que, de alvas, brilhavam sob a claridade.



“Inspirei absorta a fria humidade”,

Chorei sob um céu sem lua, nem estrelas,

Onde nada brilha... nem um rasto delas

No intenso negrume que agora me invade,



“Mas sendo insensível, o tempo não trava”

A lágrima em fuga que escorre e que lava

Memórias doridas, doridos enganos,



“Indif`rente a sonhos, desejos e planos”,

Prossegue incansável nas marcas que grava

E nem se dá conta de ter-me por escrava...





Maria João Brito de Sousa – 26.07.2017 – 14.45h

 

Imagem retirada do Google

 

publicado por poetaporkedeusker às 13:00
link do post | "poete" também! | favorito
|
10 comentários:
De poetazarolho a 29 de Julho de 2017 às 16:22
“Esfarrapado”

Fugir da morte ou morrer
Estás num beco sem saída
Pois ela irá aparecer
E de forma decidida

Não a tentes esquecer
Mas faz jus à própria vida
Já que o morrer e viver
Traçam a linha escondida

De um trajecto sinuoso
Que será teu por direito
Assim o saibas conquistar

Por vezes chega andrajoso
Não o leves tanto a peito
Tenta apenas respeitar.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 30 de Julho de 2017 às 09:45
NÃO LHE DEIXE A PORTA ABERTA...

Ah... fugir será loucura,
Mas retardar-lhe a chegada,
Mesmo quando a vida é dura
E não se tem quase nada,

Essa é a grande aventura!
Fica a morte atarantada
Quando a vida que procura
A deixa... dependurada.

Mais um ano,ou dois, ou três,
E ela chegará de vez,
Todos a temos por certa...

Podes só ganhar-lhe um mês,
Mas vale a pena, bem vês,
Não deixar-lhe a porta aberta.

Maria João

Aqui vai o que me ocorreu, assim, de repente, responder ao seu sonetilho, Poeta.
Um abraço grande!
De poetazarolho a 30 de Julho de 2017 às 18:46
“Pegadas”

A lágrima foi encontrada
Não sabemos donde vem
Mesmo após analisada
Pertencerá a ninguém

Pois se nunca foi chorada
Ficou esta lágrima aquém
Perto duma encruzilhada
Foi tratada com desdém

Lágrimas do mundo imenso
Que sem tempo p’ra chorar
Pisa o tempo em corrida

Num vale de lágrimas intenso
Onde podemos encontrar
Pegadas da própria vida.
De poetaporkedeusker a 31 de Julho de 2017 às 10:25
Muito raramente choro,
Mas quando um filho perdi,
Tanto chorei, sem decoro...
Chorei mais do que vivi.

Lágrimas, apenas soro;
Água e sal, tanto os verti
Que ao mar onde ainda moro,
Chorando, me converti

E, nas ondas desse choro,
Em tempos me redimi
Lembrando esse antigo coro

De quanto choro eu venci...
Sim, estou junto ao mar que adoro;
Ninguém me arranque daqui!

Maria João


Bom dia, Poeta! Segue o que me ocorreu responder-lhe e o abraço grande de todos os dias.
De Adílio Belmonte a 31 de Julho de 2017 às 02:42

TEMPOS & DESENGANOS

Glosa seguindo à poética e ao magistério de Maria João de Sousa.


Soneto em versos de 11 sílabas (os dela preferidos)

"A noite caíra encobrindo a cidade"
E eu sentia desse amor todo o segredo
Entre eles a tua emoção e a saudade
Que vinham do meu coração em degredo.

"Inspirei, absorto, a fria humidade"
Nesta noite de lua escura e sem brilho,
Onde esta minha solidão é a verdade
Na musicalidade sem estribilho.

"Mas sendo insensível o tempo não trava"
A fúria do amor sofrido que vivo
Nesse tempo duma paixão que se agrava.

"Indif'rente a sonhos desejos e planos"
Aí minha solidão sem fé trafegava
A fugir de tantos e tantos enganos.

Adílio Belmonte
Belem - PARÁ - BRASIL
De poetaporkedeusker a 31 de Julho de 2017 às 09:48
Bom dia, poeta amigo Adílio Belmonte.

Muito grata pelo soneto com que mais uma vez brindou este meu blog, devo dizer-lhe que, embora gostando muito da cadêcia que os versos hendecassilábicos conferem ao soneto, não são os meus favoritos. Como poderá reparar, não terei escrito mais do que uma meia-dúzia de sonetos de onze sílabas métricas, com acentuação tónica nas quinta e décima primeira sílabas poéticas, enquanto os eneassilábicos e decassilábicos ultrapasaram há muito os três dígitos. Os meus favoritos são os sonetos em verso eneassilábico e em decassílabo heróico.

Estes, os hendecassilábicos, são os preferidos do poeta Albertino Galvão, cujo soneto "Tempo Insensível" glosei nesta publicação.

Repare que é no soneto desse autor -o primeiro - que aparece a referência a essa sua preferência. Limitei-me a transcrever o soneto, tal como o encontrei.

Envio-lhe o meu grato e fraterno abraço,

Maria João
De Demasiado tímido a 1 de Agosto de 2017 às 22:46
Vendo ainda de novo essa bela peça poética, vem-me certa inspiração e melodia.
Obrigado por me acolher nesse mundo de sensibilidade e cantos.

Adílio Belmonte,
Belém-Pará-BRASIL




ESTRADA SINUOSA

"A noite caíra encobrindo a cidade",
Trazendo-me tédio e muita agonia,
Resquícios suaves da tua saudade,
Dando-me lembranças e monotonia.

"Inspirei, absorto, a fria humidade"
Pelos sinuosos passos da paixão
Vivida e sofrida em pura castidade
Sem contigo ter outra só reflexão.

"Mas sendo insensível, o tempo não trava"
E prolonga todos os meus sentimentos,
Lembrando o sorriso alegre que destrava.

"Indif'rente a planos, desejos e sonhos
Nos dias difíceis desse desencontro
Que nos traz agora ares dos mais tristonhos.


De poetaporkedeusker a 2 de Agosto de 2017 às 09:34
Belíssimo soneto, este seu ESTRADA SINUOSA, poeta amigo Adílio Belmonte! Mais uma vez lhe agradeço a gentileza da partilha!

Fraterno abraço,

Maria João
De poetazarolho a 2 de Agosto de 2017 às 00:28
“Sem vida”

Eu morri ainda em vida
Ao fixar-me na imagem
Mas a mídia a isso obriga
Tal não é a sua voragem

O canal nunca desliga
E no ar ele nos mantem
Pode ser o diz que diga
Desde de que pareça bem

E eu pareço um sabedor
Ao emitir vasta opinião
Sobre não importa o quê

Título deve ser de doutor
Chegar num grande carrão
Atrás de mim chega a TV.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 2 de Agosto de 2017 às 09:23
Não morra, então!

Poeta, tem a certeza
De haver - ainda... - isenção
Nesta mídia portuguesa
Que o persegue.. de carrão?

Se lhe invadem cama e mesa,
É melhor dizer-lhes; Não!
Perdoe a minha franqueza,
Mas... prefira a discrição;

Rende-se a paz à tristeza
Ao cair na tentação
Das promessas de grandeza

Cuja enorme convulsão
É efémera, é burguesa
E exalta a contradição...

Maria João

Cá vai, Poeta, com o abraço grande do costume. Desculpe-me se o sonetilho-resposta nada tiver a ver com o que pretendia dizer. Foi isto o que, de repente, me ocorreu...

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. SEGUINDO UM DESAFIO DO PO...

. SEM GARANTIAS

. CONVERSANDO COM ALDA PERE...

. DEUSES SOMOS NÓS!

. NATAIS DOS TEMPOS IDOS...

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds