.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Sexta-feira, 11 de Agosto de 2017

DEPOIS DA MARÉ-CHEIA...

maré cheia maré vazia.jpg

 



Que faço de um poema que não pinto,

Nem burilo, polindo-lhe as arestas?

Que faço ao que me escapa pelas frestas,

Daquilo que não vejo ou que não sinto?



Que faço, já que eu própria me desminto

Pois vou desperdiçando em mornas sestas

As horas de criar, quando em giestas

Podendo transmutar-me, o nem consinto?



Ah, toda a minha vida andei correndo

E agora repouso, compreendo...

Mas pudesse eu correr como corria



E garanto que, ainda que morrendo,

Seria mais veloz, menos doendo

Depois da maré-cheia, outra, vazia...



Maria João Brito de Sousa – 11.08.2017 – 11.40h

 

publicado por poetaporkedeusker às 11:48
link do post | "poete" também! | favorito
|
8 comentários:
De poetazarolho a 12 de Agosto de 2017 às 10:04
“Telheiros II”

Nós pensamos sem sentir
São as coisas da razão
Mais difícil é o medir
Com métricas do coração

Mas não há como fugir
Aos efeitos da devastação
Que nos estão a atingir
Quer queiramos quer não.

Não te perturbe o telheiro
Que a telha já lá estava
E o pensamento fluiu

Chegou todo sorrateiro
Quando a mente se fechava
E logo a mente se abriu.
De poetaporkedeusker a 12 de Agosto de 2017 às 21:17
Eu penso enquanto sentindo;
Mas... quando tento explicá-lo
Vão-me as palavras fugindo
E as mais das vezes me calo...

Outras vezes, repetindo
Coisas que digo se falo,
Lá o irei conseguindo,
Sem poder, depois, prová-lo...

Quanto aos telheiros... não sei...
Será que telhas terei
Pr`a dar conta de um telheiro?

Inda há pouco as procurei,
Mas na loja em que as achei
Custavam muito dinheiro...

Maria João

Boa noite, Poeta. Hoje fui de novo "raptada" por uma amiga que escreve - e bem! - essencialmente prosa. Almocei e lanchei por lá e só há pouco me vieram trazer a casa, de carro.
Ao contrário do que a minha escrita possa fazer parecer, estes últimos dias não têm sido nada fáceis para mim... abraço grande.
De poetazarolho a 13 de Agosto de 2017 às 12:18
“Aprender a voar”

Tens o aqui e o agora
Como grande limitação
Nada impede saltar fora
Não tens uma imposição

Esquece a lei que vigora
Entra noutra dimensão
Logo a alma se revigora
Não te quebre a solidão

Teu limite o pensamento
Molda-o até à exaustão
Sentirás algo a despontar

Sobe alto no firmamento
Liberdade será a expressão
De quem aprendeu a voar.
De poetaporkedeusker a 13 de Agosto de 2017 às 12:53
Não me quebra a solidão,
Quebra-me esta dependência
De, não ter um corpo são
E disso ter consciência,

Pois não me falta razão,
Nem um pouco de imprudência...
Solidão, minha paixão,
Meu motor face à carência,

Nunca foi desilusão,
Transcende a própria aparência
E traz-me esta inspiração;

Verso em perfeita cadência,
Nasce da transformação
Da Poesia em Ciência...


Maria João

É mais ou menos isto, o que realmente sinto e deduzo que acontece comigo quando crio poesia, Poeta, desde que me deixei apaixonar, em 2007, pela poesia metrificada... ela flui, como uma melodia, não ando a contar-lhe as sílabas, nem a medir-lhe os espaços entre átonas e tónicas porque tudo isso foi, há muito, interiorizado e já faz parte mim...

Outro abraço grande!
De Demasiado tímido a 14 de Agosto de 2017 às 02:18
Amiga, inspirado por Deus e também por sua poética desejo-lhe muita saúde, paz e amor e me aventuro em mais um soneto.



MARÉ-CHEIA

Ao lavar as entranhas das areias
Da praia em solidão, vê-se as ondas
Do mar já bravio em águas profundas
Habitadas por peixes e sereias.

Não quero mergulhar nas tuas cores,
Mas sentir o impacto dos teus sais,
Que curam os tormentos das dores
E de muitos sintomas anormais.

O impacto e a fúria me atormentam
O coração por força das marés
Ao levar o meu corpo e trazer calma.

Sobre o universo sempre nos comentam
Os enviados na cura de revés
Que trabalham p'ra salvar a nossa alma.
De poetaporkedeusker a 14 de Agosto de 2017 às 16:21
Muito grata por esta sua MARÉ-CHEIA, poeta amigo!

Um grande e fraterno abraço!
De poetazarolho a 14 de Agosto de 2017 às 06:38
“Assertivo”

Inconsciente a inspiração
Diz o sensei com certeza
Potência virá da expiração
Desenhada com subtileza

Rapidez é na preparação
O final exige destreza
P’ra não haver destruição
Do que se quer com beleza

E tudo na justa medida
Em função da necessidade
Onde cada um sem vaidade

Deve praticar uma vida
Em busca da assertividade
Que anule a animosidade.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 14 de Agosto de 2017 às 08:54
Faltam já poucos segundos
Pr`a sair para a consulta...
Passo a vida entre dois mundos
E, se falto, apanho multa!

São,alguns, pouco fecundos;
Gente que apenas se insulta
Deixa ferimentos fundos,
Mas, a mim, alguém me ausculta,

Mede a TA, pesa e pica
Pr`a ver se a maleita fica
Por ali, ou piorou...

A vida, estica, não estica,
Neste caso, significa
Que eu ainda por cá estou.

Maria João

Cá vai com um abraço grande, Poeta!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. SEGUINDO UM DESAFIO DO PO...

. SEM GARANTIAS

. CONVERSANDO COM ALDA PERE...

. DEUSES SOMOS NÓS!

. NATAIS DOS TEMPOS IDOS...

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds