.UM BLOG SOBRE SONETO CLÁSSICO

Da autoria de Maria João Brito de Sousa, sócia nº 88 da Associação Portuguesa de Poetas, Membro Efectivo da Academia Virtual Sala dos Poetas e Escritores - AVSPE -, Membro da Academia Virtual de Letras (AVL) e autora no Portal CEN, escrito num portátil gentilmente oferecido pelos seus leitores. ...porque os poemas nascem, alimentam-se, crescem, reproduzem-se e (por vezes...) não morrem.
Sexta-feira, 1 de Abril de 2016

ALMAS GÉMEAS - O Livro

ALMAS GÉMEAS.jpg

HOMENAGEM DE APOIO À MARIA JOÃO


O Albertino Galvão tomou a iniciativa, propôs-me e eu concordei, de mandar fazer uma edição de 50 livros, pagos por nós dois, em nome da nossa amiga poetisa e participante do HP, Maria João Brito de Sousa.


Essa atitude teve dois propósitos:
- homenagear a que é, sem dúvida, uma das maiores poetisas portuguesas de todos os tempos
- proporcionar-lhe algum conforto, entregando-lhe em mãos a receita TOTAL da venda dos livros, sabendo como é a sua vida, a que nada ajuda uma grande falta de saúde, que se vem agravando ano após ano. (Aliás, somos da opinião que já deveria ter sido ajudada por alguma entidade oficial, mas, já que isso não aconteceu, vamos ser nós - os que puderem - a prestar-lhe algum apoio.)
O livro tem por título ALMAS GÉMEAS (vamos colocar a capa no item FOTOS no HP), e é composto por duas partes:
- Dialogando com Florbela (dois sonetos da Florbela/dois da Maria João)
- Glosando Florbela (30 sonetos da Florbela/30 sonetos da Maria João, glosando aqueles)
- tem 74 páginas
- podia ser algo mais barato, mas atendendo à finalidade exposta acima, o preço será de 8 euros (+1 euro de portes para Portugal e + 2 euros de portes para outros países)
O dinheiro da venda será centralizado na minha conta, de IBAN PT50 0033 0000 500 884 32 328 05 e será entregue na TOTALIDADE, (como já disse acima) à Maria João, quando já houver um número de livros vendidos que o justifique.

 

Nota: mandaremos fazer outra edição, se a venda desta tiver o êxito que esperamos e se virmos que há pedidos que a justifiquem. O que esperamos que aconteça.
Vamos dar alguma alegria à nossa Maria João!
Ontem mandei-lhe um exemplar e ela, obviamente, não sabia nada do que estava a passar-se.

Mantive-me em contacto com ela esta manhã através do chat do HP, dizendo-lhe que espreitasse a caixa de correio, pois iria ter lá uma surpresa. Telefonei-lhe cerca das 11,20h e desceu pela 5ª vez ao rés do chão, onde finalmente já estava o livrinho.

 

Ficou sem palavras, pela emoção que teve.
Abraços para todos.

Joaquim Sustelo
(Albertino Galvão )

 

NOTA - A obra entrou na terceira edição.

publicado por poetaporkedeusker às 09:15
link do post | "poete" também! | favorito
|
17 comentários:
De Francisco Carita Mata a 3 de Abril de 2016 às 23:17
Iniciativa interessante.
Gostaria de obter um livro.
Envio a importância, através do IBAN e como acedo ao livro?
Agradeço resposta.
Obrigado
Francisco Carita Mata
De poetaporkedeusker a 3 de Abril de 2016 às 23:36
Muito grata pelo seu interesse, amigo Francisco Carita Mata.

Os exemplares não estão comigo e sim com os dois poetas amigos que financiaram a edição.

Deixar-lhe-ei, aqui mesmo, o meu endereço electrónico e terá de fazer o favor de me enviar, por email, um endereço postal para o qual o livro possa ser prontamente enviado;

m.joao-bsousa(arroba)sapo.pt


O meu grato abraço!

Maria João
De poetazarolho a 7 de Abril de 2016 às 00:05
Terceira edição, estou felicíssimo. Nõ pude assim comprar os 2 exemplares da 2ª edição, mas espero em breve comprar 2 desta 3ª, tal não é a velocidade da propagação das edições, espero que acelere ainda mais.
De poetaporkedeusker a 7 de Abril de 2016 às 00:56
também eu estou muito feliz, Poeta, embora as finanças me tenham "atropelado" logo a seguir... mas ainda lhe hei-de contar isto mais pormenorizadamente!

Abraço grande!
De poetazarolho a 7 de Abril de 2016 às 00:05
“Alfaiate do Panamá”

No Panamá um alfaiate
Foi talhando à medida
Junto à vigia do seu iate
E de forma decidida

Um fatinho bem janota
Lavado de forma tal
Que agora nem se nota
A origem do capital.

Eram diamantes de morte
Com terrorismo misturado
Droga, armas e garinas

Mas por um golpe de sorte
O fato apareceu lavado
E com linhas genuínas.

Prof Eta
De poetaporkedeusker a 7 de Abril de 2016 às 01:14
Amanhã, Poeta, amanhã... hoje já estou meia a dormir...
De poetaporkedeusker a 7 de Abril de 2016 às 11:44
O Mexilhão - sempre "lixado"... - denuncia o "contraste"...


Pois aqui, na foz do Tejo,
Uma pobre costureira
De versos (e de solfejo...),
Sobrevive, aventureira,

Tocando o seu realejo
Sem fazer nenhuma asneira
Pois não tem, sequer, ensejo
De viver de outra maneira...

Diamantes? Nunca os quis!
Droga e "garinos"? Nem vê-los!
Mas nunca verga a cerviz,

Protesta... até faz apelos
E diz tudo quanto diz
Nos seus versos mais singelos...


Maria João

Cá vai com o abraço grande de sempre, Poeta!
(confesso que já tinha saudades... )


De poetazarolho a 12 de Abril de 2016 às 06:31
O MEU OFFSHORE

Nos esconsos do meu ser
Do ser besta e do humano
Do ser ermo e do urbano
É que eu vou esconder

O sagrado e o profano
Tudo guardo até ver
Meus talentos a crescer
Ao dia, ao mês e ao ano…

Guardo e deixo a sós
No ser frívolo e no asceta
Tudo o que oculto de vós

E assim crio em frenesim
De uma forma discreta
Um «offshore» dentro de mim.

Eduardo
De poetaporkedeusker a 12 de Abril de 2016 às 11:41
...E O MEU...

Amigo, não tenha pejo
Desse "offshore", dentro de si,
Porque outro, igual, em mim vejo
E fui eu que o construí...

Às vezes, chamo-lhe Tejo,
Pois foi nel`que me perdi;
Força, revolta, desejo...
Tudo o que é meu, guardo aí,

Mas nada fica escondido
Quando o Tejo abraça o mar
E logo é distribuído

O que eu pensara guardar;
É meu, mas faz mais sentido
Porque o posso partilhar...


Maria João

Muito grata pelo seu inteligente sonetilho, amigo Eduardo, aqui fica, com o meu abraço de sempre e com os votos de grande prosperidade para o seu "offshore" pessoal, mais um vislumbre do meu. Será, talvez, um pouco menos discreto do que o seu, mas claro está que também existe...

Muito grata pelo seu inteligente sonetilho.
De poetazarolho a 12 de Abril de 2016 às 23:28
“Aliança”

Não me perco na viela
Por onde o corpo se cansa
Assumo-me parte dela
Entrecruzando a esperança

Vendo a mente à janela
Sinto a brisa da mudança
Logo o espírito se interpela
Qual de ambos o que avança

Avançando todos três
Numa sintonia perfeita
Orquestra de confiança

E nesta viela outra vez
Por muito que seja estreita
Cresce forte esta aliança.
De poetaporkedeusker a 13 de Abril de 2016 às 00:25
A minha...

Não será viela... é rio,
- cada qual sente o que sente... -
Mas também sei que me alio,
Corpo e alma, gesto e mente

E este coração vadio
Que sabe amar toda a gente,
Precisa, em cálculo frio,
Da liberdade emergente

Do Tejo, do seu estuário,
Da areia, dos seus rochedos
E do gesto libertário

Que arreda todos os medos
Pr´a reduzir-se, sumário,
Ao que sou, sem mais segredos...

Maria João

Aqui vai , Poeta, com o abraço de sempre!

De poetazarolho a 19 de Abril de 2016 às 00:36
“Prémio eterno”

Simplesmente agora
Sem ideias no inventário
Vislumbro algo de outrora
É uma ideia ao contrário

Vestida de eternidade
Embora já não importe
Esse prémio de fidelidade
Recebido após a morte

Serão as linhas cruzadas
Entre o céu e o inferno
Que nos fazem oscilar

Entre ideias chamuscadas
E este mundo moderno
Que não as quer escutar.
De poetaporkedeusker a 19 de Abril de 2016 às 14:20
UTILIDADE

Pode dar sentido á vida,
Sendo, então, nosso legado,
Obra que foi concebida
No mais remoto passado,

Sendo coisa percebida
Como terra sob arado
De onde brotam, de seguida,
Razões pr´a se ter cá estado...

Se é eterno - enquanto dura... -,
Representa a liberdade
Na prospectiva candura

Do conceito Eternidade,
Pois dá frutos com fartura
E tem sempre utilidade!


Maria João

Ca vai, Poeta, tal qual me nasceu e com o abraço de sempre!

De poetazarolho a 21 de Abril de 2016 às 06:48
Chá único.
De poetaporkedeusker a 21 de Abril de 2016 às 13:45
Tentarei ir ao Chá, antes de sair, Poeta. Forte abraço!
De poetazarolho a 22 de Abril de 2016 às 06:33
Chá eterno.
De poetaporkedeusker a 22 de Abril de 2016 às 09:52
Vou vê-lo, Poeta!

Poete também!

.Transparências de...

.pesquisar

 

.Em livro

   O lucro desta edição reverte
   totalmente a favor da Autora

.posts recentes

. CONVERSANDO COM ALDA PERE...

. DEUSES SOMOS NÓS!

. NATAIS DOS TEMPOS IDOS...

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. GLOSANDO MARIA DA ENCARNA...

. CONVERSANDO COM O POETA A...

. CHUVA

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. CONVERSANDO COM MARIA DA ...

. É a arte, solidão?

. SO(LAS)

. “A Linha de Cascais Está ...

. CANTIGA PARA QUEM SONHA -...

. Our story in 2 minutes

. «A TAUROMAQUIA É A ÚNICA ...

. Novidades a 13 de Dezembr...

. LIMPAR PORTUGAL

. Ler dos outros... (cróni...

.ARCA DE NOÉ

A Arca de Noé Vivapets distinguiu como Animal da Semana

.HORIZONTES DA POESIA


Visit HORIZONTES DA POESIA

.Autores Editora

.A AUTORA DESTE BLOG NÃO ACEITA, NEM ACEITARÁ NUNCA, O AO90

AO 90? Não, nem obrigada!

.subscrever feeds